PRE­MI­A­DOS

GQ (Portugal) - - Sumário - Fo­to­gra­fia de Bra­nis­lav Si­mon­cik. Sty­ling de Nelly Gonçalves.

Há Mú­si­ca e há Ci­ên­cia; há Mo­da e há Des­por­to; há Ar­te e há Hu­ma­ni­da­de. Co­nhe­ça a fun­do os nos­sos 14 fan­tás­ti­cos.

Foi des­co­ber­ta com ape­nas 14 anos num ran­cho no Co­lo­ra­do, on­de cos­tu­ma­va ir an­dar a ca­va­lo, mas foi num pis­car de olhos que che­gou às gran­des pas­se­rel­les in­ter­na­ci­o­nais. Com 18 anos tor­nou-se a mo­de­lo mais no­va a des­fi­lar pa­ra a Vic­to­ria’s Se­cret e, dois anos de­pois, já es­ta­va en­tre as 20 mais bem pa­gas do mun­do, se­gun­do

uma lis­ta pu­bli­ca­da pe­la For­bes.

“Te­nho mui­ta sor­te em só ter 23 anos e já ter tra­ba­lha­do com al­guns dos mai­o­res no­mes da indústria”, ad­mi­tiu à GQ. Con­fir­má­mos: a lis­ta vai lon­ga. Tay­lor já des­fi­lou pa­ra Schi­a­pa­rel­li, Fen­di, Marc Ja­cobs e Ver­sa­ce e em­pres­tou as fei­ções – e o pes­co­ço e o ca­be­lo – à Lancô­me, à Ca­ro­li­na Her­re­ra e à L’Oréal Pro­fes­si­on­nel. Pa­ra o fa­zer, te­ve de ab­di­car de uma vi­da di­ta “nor­mal”, mas até ho­je não con­ta ar­re­pen­di­men­tos.

“Não an­dei na uni­ver­si­da­de, mas sin­to que es­tou a apren­der imen­so por es­tar por mi­nha con­ta e por vi­a­jar pe­lo mun­do in­tei­ro. To­dos os di­as sin­to que es­tou a

apren­der e a cres­cer. E es­sa é a me­lhor par­te de tu­do is­to”, ex­pli­ca-nos. Des­cre­veu 2019 co­mo um “ano-fu­ra­cão” em ter­mos pro­fis­si­o­nais e não se can­sa de di­zer que es­tá gra­ta por tu­do o que lhe acon­te­ceu. Hou­ve um mo­men­to, no en­tan­to, que a mar­cou es­pe­ci­al­men­te. “Pu­de fo­to­gra­far com to­da a mi­nha fa­mí­lia – até os cães – em Mam­moth [na Ca­li­fór­nia], pa­ra a Ralph Lau­ren. Foi uma ex­pe­ri­ên­cia in­crí­vel tra­ba­lhar ao la­do de uma equipa tão ta­len­to­sa, ain­da por ci­ma com os meus pais e ir­mãos, que me aju­da­ram a ini­ci­ar es­ta car­rei­ra... Pas­sá­mos o dia num be­lo ce­ná­rio,

cheio de mon­ta­nhas e ro­de­a­dos pe­lo chei­ro dos pi­nhei­ros.”

Se não es­tá a vi­a­jar ou a tra­ba­lhar pa­ra gran­des no­mes da indústria, a jo­vem ame­ri­ca­na gos­ta de es­tar em ca­sa acon­che­ga­da, com um livro en­tre as mãos ou di­an­te de um ecrã a ver Sein­feld. Gos­ta de co­mer sushi, gos­ta de pas­se­ar os cães e um dos seus so­nhos é co­nhe­cer Chip e Jo­an­na Gai­nes, es­tre­las de um pro­gra­ma de de­co­ra­ção cha­ma­do Fi­xer Up­per. Sur­pre­en­den­te­men­te, quan­do lhe pe­di­mos pa­ra apon­tar um fashi­on icon, o pri­mei­ro no­me que lhe vem à ca­be­ça é o da vo­ca­lis­ta dos

Fle­etwo­od Mac, Ste­vie Nicks – “Que mu­lher má­gi­ca!”

E não po­de­mos dei­xar de re­cor­dar o mo­men­to em que Tay­lor su­biu ao pal­co do Ti­vo­li, pa­ra agra­de­cer o ga­lar­dão que lhe atri­buí­mos. “É um pri­vi­lé­gio ser re­co­nhe­ci­da por uma pu­bli­ca­ção mas­cu­li­na a que es­tou es­pe­ci­al­men­te aten­ta”, co­me­çou por di­zer. O mo­ti­vo que se se­guiu (e com o qual es­ta­mos ple­na­men­te de acor­do) de­li­ci­ou a pla­teia: “É que eu gos­to de roc­kar um smo­king tan­to quan­to

o mais ele­gan­te dos ho­mens.”

Ma­ca­cão em al­go­dão, €1.990, Bot­te­ga Ve­ne­ta. Ca­mi­so­la em ny­lon, €98, Ot­tod’ame. Sa­pa­tos Ver­sa­ce. em pe­le,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.