Mi­guel Gu­e­des de Sousa

GQ (Portugal) - - Gq Men Of The Year - A.S.

Tem­po é dinheiro. E foi es­sa a ra­zão pe­la qual con­se­guir uma ma­nhã com Mi­guel Gu­e­des de Sousa não foi fá­cil. Pe­di­mos-lhe que saís­se do es­cri­tó­rio e que nos mos­tras­se o pro­je­to que es­te ano lhe deu des­ta­que no mun­do Gour­met e foi no loun­ge do JNcQUOI Asia que nos sen­tá­mos pa­ra fa­lar de lu­xo – de­pois de o ver no es­que­le­to de dra­gão dou­ra­do suspenso na sa­la, nos pra­tos pin­ta­dos à mão que ador­nam o te­to e no pai­nel de azu­le­jos que mos­tra a ro­ta dos des­co­bri­men­tos dos por­tu­gue­ses pe­la Ásia.

“O lu­xo é o tem­po. O lu­xo é nós ad­qui­rir­mos al­go, é ter­mos tem­po pa­ra fa­zer al­go sem qual­quer ti­po de re­mor­sos. O lu­xo é li­ber­da­de”, foi a res­pos­ta de Mi­guel quan­do o sur­pre­en­de­mos com uma per­gun­ta que na­da ti­nha a ver com gastronomi­a. Mas quan­do nos sen­ta­mos fren­te a fren­te com um dos con­quis­ta­do­res da Ave­ni­da da Li­ber­da­de, a zo­na no­bre da ci­da­de de Lis­boa, é im­pos­sí­vel não fa­lar so­bre lu­xo.

“Eu te­nho mui­to or­gu­lho de ser­vir e gos­to de ser­vir as pes­so­as. E is­so faz par­te do lu­xo: o ser­vi­ço.” O per­cur­so de Mi­guel já adi­vi­nha­va um fu­tu­ro no ra­mo da ho­te­la­ria. O avô foi um dos fun­da­do­res do ho­tel Ritz de Lis­boa, es­tu­dou ho­te­la­ria na Suí­ça e nos Es­ta­dos Uni­dos e foi o tra­ba­lho que o le­vou a vi­a­jar pe­lo mun­do in­tei­ro. “Sem­pre quis ser ho­te­lei­ro, sem­pre ti­ve a am­bi­ção de tra­ba­lhar pa­ra os me­lho­res e de pro­por­ci­o­nar ex­pe­ri­ên­ci­as úni­cas aos nos­sos cli­en­tes”, con­ta Mi­guel.

“O JNcQUOI é uma con­ju­ga­ção de du­as pes­so­as: eu e a mi­nha mu­lher. Eu já ti­nha a es­pe­ci­a­li­za­ção na ho­te­la­ria e na res­tau­ra­ção e ela na mo­da e na ges­tão e que­ría­mos fa­zer al­go úni­co jun­tos.” Mas o JNcQUOI Asia não foi o pri­mei­ro su­ces­so do Amo­rim Lu­xury Group, a que Mi­guel pre­si­de ao la­do da mu­lher, Paula Amo­rim. A fór­mu­la já ti­nha si­do tes­ta­da e apro­va­da na Fashi­on Cli­nic e no JNcQUOI Ave­ni­da.

Mas não é por aca­so que es­ta pre­mi­a­ção es­tá re­la­ci­o­na­da com a gastronomi­a e não com os ne­gó­ci­os. Por­que é ní­ti­da a pai­xão que Mi­guel tem pe­la ri­que­za dos sa­bo­res da Ásia e pe­la mar­ca dei­xa­da pe­los por­tu­gue­ses no Ori­en­te: “Vi­vi 17 anos no Ori­en­te, ti­ve um gran­de con­tac­to com es­te ti­po de gastronomi­a e tam­bém sou um por­tu­guês mui­to or­gu­lho­so. Em to­dos es­tes paí­ses da Ásia que eu vi­si­tei, vi­vi a gran­de cul­tu­ra por­tu­gue­sa que ain­da es­tá pre­sen­te nes­ses paí­ses. É aí que se per­ce­be a nos­sa im­por­tân­cia, a ma­nei­ra co­mo in­flu­en­ciá­mos o mun­do.”

Mi­guel ex­pli­cou-nos ain­da o que, pa­ra ele, faz com que o JNcQUOI ofe­re­ça uma ex­pe­ri­ên­cia gas­tro­nó­mi­ca úni­ca e, de to­dos os fa­to­res enu­me­ra­dos, dá des­ta­que ao por­me­nor: há uma má­qui­na que ser­ve ape­nas pa­ra ex­trair lei­te de co­co – pa­ra que o sa­bor se­ja o mes­mo de que Mi­guel se lem­bra e que seis co­la­bo­ra­do­res co­nhe­ce­ram quan­do es­ta­gi­a­ram pe­la Ásia em pre­pa­ra­ção pa­ra o pro­je­to –, são fei­tas na ca­sa to­das as mas­sas de dum­plings e pães na­an e até há um for­no especial só pa­ra as­sar pa­tos. O res­tau­ran­te de co­mi­da asiá­ti­ca ofe­re­ce qua­tro ti­pos de gastronomi­a (chi­ne­sa, ja­po­ne­sa, tai­lan­de­sa e in­di­a­na) e é o ri­gor que as li­ga to­das.

Fa­lan­do de co­mi­da e de co­mer bem, Mi­guel con­fes­sa que se ti­ves­se de es­co­lher um pra­to fa­vo­ri­to, se­ria um ca­ril ver­de ou um pad thai e que sen­te um en­can­to especial pe­la co­mi­da tai­lan­de­sa: “É um mel­ting pot. Tan­to tem swe­et and sour co­mo tem mui­to pi­can­te. Tem ca­ris, mas tam­bém tem no­o­dles e fri­ed ri­ce. Tem os as­sa­dos, mas tam­bém os tan­do­ris. É uma jun­ção de vá­ri­as co­zi­nhas e tem mui­tas in­fluên­ci­as por­tu­gue­sas, é uma co­zi­nha que eu ado­ro.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.