José Ma­nu­el In-Uba

GQ (Portugal) - - Gq Men Of The Year - Por Di­e­go Ar­més. Fo­to­gra­fia de Bra­nis­lav Si­mon­cik.

Há pes­so­as ver­da­dei­ra­men­te es­pe­ci­ais. O Dr. In-Uba é uma des­sas pes­so­as. Lon­ge da sua ter­ra de ori­gem, nun­ca es­que­ceu as su­as raí­zes. Pe­lo con­trá­rio, par­ti­lha o que é seu com aque­les que, lá, dis­tan­tes, tan­to pre­ci­sam de al­guém que lhes pro­por­ci­o­ne as con­di­ções mí­ni­mas pa­ra uma vi­da dig­na.

Há uma frase que se en­con­tra a va­gue­ar pe­la In­ter­net, uma da­que­las fra­ses sem do­no que po­dem sur­gir co­mo ci­ta­ção de qual­quer fi­gu­ra mui­to sá­bia. A frase diz al­go do gé­ne­ro “se ti­ve­res mais do que pre­ci­sas cons­trói uma me­sa mais lon­ga, não uma ve­da­ção mais al­ta”. Sen­do sim­ples, par­ti­lha uma men­sa­gem de bon­da­de, de ge­ne­ro­si­da­de e de es­pí­ri­to de par­ti­lha que tan­ta fal­ta fa­zem nos di­as que cor­rem e num mun­do ca­da vez mais ex­tre­ma­do e di­vi­di­do. José Ma­nu­el In-Uba é, por is­so, uma ins­pi­ra­ção e um bál­sa­mo ao in­ter­pre­tar da ma­nei­ra cer­ta e no mun­do real a tal frase que cir­cu­la sem do­no no mun­do di­gi­tal.

O Dr. In-Uba é mé­di­co e vi­ve em Por­tu­gal há já mui­tos anos, des­de o iní­cio da dé­ca­da de 1990. Nas­ceu em Bin­do­ro, se­tor de Mansôa, re­gião de Oio, na Gui­né-Bis­sau. Co­me­çou os es­tu­dos na sua ter­ra na­tal, on­de se dis­tin­guiu, aca­ban­do por ir es­tu­dar pa­ra a en­tão União So­vié­ti­ca. Aca­bou por se for­mar em Me­di­ci­na em Por­tu­gal e por cá de­ci­diu fi­car. Po­rém, a dis­tân­cia não o im­pe­diu de com­pre­en­der a re­a­li­da­de do seu país e, mais ain­da, da sua ter­ra, o sí­tio on­de tem fa­mí­lia. Foi por is­so que de­ci­diu aju­dar. Sa­ben­do que as cri­an­ças de Bin­do­ro pre­ci­sa­vam de es­co­las tra­tou de lhas dar. Pa­gou – e ain­da pa­ga – o sa­lá­rio dos pro­fes­so­res des­sas es­co­las ti­ran­do o dinheiro do pró­prio bol­so. Com o cres­ci­men­to do seu pro­je­to, que se foi tor­nan­do po­pu­lar – exis­tem vá­ri­as no­tí­ci­as e re­por­ta­gens so­bre a obra do mé­di­co –, fo­ram che­gan­do mais pes­so­as com von­ta­de de aju­dar com os seus do­na­ti­vos. De­ci­diu que o me­lhor se­ria reu­nir tu­do de for­ma or­ga­ni­za­da e foi as­sim que cri­ou re­cen­te­men­te a Fun­da­ção José Ma­nu­el In-Uba.

Ho­je, es­tá tu­do or­ga­ni­za­do e os pro­je­tos es­tão a ser de­sen­vol­vi­dos no ter­re­no. As cri­an­ças que usu­fruí­ram dos fru­tos des­ta boa von­ta­de já se con­tam aos mi­lha­res. Co­mo pa­ra o Dr. In-Uba tu­do is­to ain­da era pou­co, há al­guns me­ses foi com uma equipa do seu hos­pi­tal aju­dar nos ca­sos de saú­de mais ne­ces­si­ta­dos de Bin­do­ro. Fo­ram três se­ma­nas e mui­tas in­ter­ven­ções de to­da a equipa, que dei­xou pa­ra trás um ras­to exem­plar de ajuda ao pró­xi­mo – e, pa­ra to­dos nós, de mo­de­lo a se­guir.

“A VI­DA EM BIN­DO­RO NÃO ERA FÁ­CIL,

NÃO HA­VIA NEM UM FU­RO DE ÁGUA PO­TÁ­VEL”

DA GUI­NÉ-BIS­SAU

A POR­TU­GAL

On­de cres­ceu? Co­mo era a vi­da por lá e o que o trou­xe a Por­tu­gal? Eu nas­ci e cres­ci em Bin­do­ro, se­tor de Mansôa e re­gião de Oio. A vi­da em Bin­do­ro não era fá­cil. Não ha­via nem um fu­ro de água po­tá­vel. Não ha­via luz nem mei­os de trans­por­te, era tu­do fei­to pé. Du­ran­te o pe­río­do das fé­ri­as es­co­la­res, aju­da­va os meus pais na agri­cul­tu­ra, na plan­ta­ção de ar­roz, de ba­ta­ta-do­ce, de man­di­o­ca, de inha­me, etc. De­pois de ter­mi­nar os meus es­tu­dos de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas na URSS, em 1992, vim pa­ra Por­tu­gal fa­zer equi­va­lên­cia na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na do Por­to.

Fa­le-me um pou­co des­sa aven­tu­ra na URSS. Co­mo é que acon­te­ceu ir pa­ra lá es­tu­dar e em que sí­ti­os es­te­ve? [Fui es­tu­dar pa­ra a URSS por­que] con­cor­ri a uma bol­sa de es­tu­do e fui se­le­ci­o­na­do. Vi­vi em Kishi­nev [Chi­si­nau, ca­pi­ta da atu­al Mol­dá­via] e Vi­tebsk [ci­da­de do Nor­des­te da atu­al Bi­e­lor­rús­sia]. Es­ti­ve um ano na ci­da­de de Kishi­nev e mais cin­co anos na ci­da­de de Vi­tebsk. As bol­sas de es­tu­do exis­ti­am gra­ças a um pro­to­co­lo en­tre a Gui­né-Bis­sau e a União So­vié­ti­ca que se­le­ci­o­na­va os me­lho­res alu­nos. Pa­ra além das mi­nhas bo­as no­tas, ti­nha tam­bém a van­ta­gem de ter si­do pro­fes­sor sub­co­or­de­na­dor de Fí­si­co-Quí­mi­ca.

Quan­do veio pa­ra Por­tu­gal fa­zer equi­va­lên­cia, sa­bia que era cá que que­ria fi­car? Co­mo to­mou es­sa de­ci­são? Sa­bia, com to­da a cer­te­za, que era cá que eu que­ria fi­car. Es­sa de­ci­são já ti­nha si­do to­ma­da an­tes de con­cluir as Ci­ên­ci­as Mé­di­cas. Na mi­nha in­fân­cia sem­pre ou­vi fa­lar bem do po­vo por­tu­guês, [que era] mui­to hu­ma­no e aco­lhe­dor.

Cor­reu bem a adap­ta­ção a Por­tu­gal? Não ti­ve gran­de pro­ble­ma com adap­ta­ção a Por­tu­gal. Hou­ve mui­tos as­pe­tos po­si­ti­vos. Co­me­ço por di­zer que con­se­gui con­quis­tar a amizade de al­guns mé­di­cos no Hos­pi­tal de São João, no Por­to, on­de fiz a mi­nha equi­va­lên­cia em Me­di­ci­na e ti­ve a gran­de ajuda do pro­fes­sor Dr. Nu­no Gran­de, (que já não se en­con­tra en­tre nós, la­men­ta­vel­men­te), e do pro­fes­sor Dr. Le­vi Guer­ra (ne­fro­lo­gis­ta). Fo­ram eles que me apoi­a­ram mo­ral e fi­nan­cei­ra­men­te – de­ram-me li­vros co­mo os do Har­ri­son, por exem­plo [o au­tor tem vá­ri­os ma­nu­ais, co­mo Me­di­ci­na In­ter­na ou Ma­nu­al de Me­di­ci­na]. Es­tou eter­na­men­te mui­to gra­to aos dois.

E as­pe­tos ne­ga­ti­vos du­ran­te es­se pe­río­do, hou­ve? Em re­la­ção aos as­pe­tos ne­ga­ti­vos, é im­por­tan­te re­fe­rir que a dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al ain­da exis­te, in­fe­liz­men­te. Vou dar-lhe um exem­plo: mui­tas ve­zes, quan­do apa­nha­va os trans­por­tes pú­bli­cos, era usu­al ou­vir in­jú­ri­as ra­ci­ais... ou­tro exem­plo mais fre­quen­te: há uten­tes que não que­rem ser aten­di­dos por um mé­di­co “pre­to”. São si­tu­a­ções de la­men­tar, mas te­nho a ca­pa­ci­da­de de as ul­tra­pas­sar.

Es­se ti­po de si­tu­a­ção de dis­cri­mi­na­ção – re­cu­sa do mé­di­co, por exem­plo – ain­da é fre­quen­te? É al­go que ain­da lhe acon­te­ça? Há ou­tras si­tu­a­ções do mes­mo ti­po pe­las quais ain­da pas­se ou já te­nha pas­sa­do? Em re­la­ção à dis­cri­mi­na­ção, não que­ro alon­gar-me mui­to mais so­bre o as­sun­to, mas pos­so di­zer que is­so ain­da acon­te­ce es­po­ra­di­ca­men­te.

Diz que já ti­nha si­do pro­fes­sor, na Gui­né. Po­de fa­lar-me um pou­co acer­ca des­se pe­río­do an­te­ri­or à ida pa­ra a URSS? Co­mo se tor­nou pro­fes­sor e on­de da­va au­las? Fui pro­fes­sor sub­co­or­de­na­dor por­que, quan­do con­cluí o en­si­no se­cun­dá­rio, não ha­via pro­fes­so­res pa­ra dar res­pos­ta às ca­rên­ci­as do sis­te­ma de en­si­no. En­tão, cri­ou-se um tes­te que se­le­ci­o­na­va quem ti­ves­se bo­as no­tas ao ní­vel na­ci­o­nal pa­ra po­der le­ci­o­nar a dis­ci­pli­na de Fí­si­co-Quí­mi­ca. Fiz o tes­te e pas­sei. Co­me­cei a dar au­las no Li­ceu 23 de Ja­nei­ro.

Uma vez em Por­tu­gal, fez a equi­va­lên­cia no Hos­pi­tal de São João, cer­to? E de­pois, o que acon­te­ceu? Após a equi­va­lên­cia, as­si­nei con­tra­to com Hos­pi­tal de São João, no Por­to. Tra­ba­lha­va 48 ho­ras se­ma­nais, is­to du­ran­te se­te anos. De­pois res­cin­di con­tra­to, por­que pre­fe­ri tra­ba­lhar com a con­tra­ta­ção de va­lor à ho­ra. A par­tir daí, pas­sei a tra­ba­lhar no Hos­pi­tal de Valongo, de San­to Tir­so, e atu­al­men­te es­tou a tra­ba­lhar no Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Bai­xo Vou­ga e no Cen­tro Hos­pi­ta­lar En­tre Dou­ro e Vou­ga.

A FUN­DA­ÇÃO

O que o le­vou a cri­ar a Fun­da­ção com o seu no­me e qual é a sua fi­na­li­da­de, efe­ti­va­men­te? Em re­la­ção à fun­da­ção, gos­ta­ria de es­cla­re­cer o se­guin­te: an­tes de cri­ar a fun­da­ção já ti­nha ini­ci­a­do a mi­nha ca­mi­nha­da so­li­dá­ria pe­la cons­tru­ção de es­co­las, dan­do as­sim iní­cio ao pro­je­to de En­si­no Bá­si­co Uni­fi­ca­do de Bin­do­ro. En­tão, em 1994 fo­ram cons­truí­das du­as es­co­las, mas na­tu­ral­men­te es­te número era in­su­fi­ci­en­te pa­ra co­brir as ne­ces­si­da­des. Mui­tas cri­an­ças pa­ra po­de­rem as­sis­tir às au­las ti­nham de per­cor­rer 10 qui­ló­me­tros pa­ra ca­da la­do, 20 qui­ló­me­tros por dia. Cri­an­ças es­tas que se des­lo­ca­vam das al­dei­as vi­zi­nhas e que, pa­ra além do enor­me es­for­ço que fa­zi­am pe­la dis­tân­cia per­cor­ri­da, mui­tas ve­zes sem a re­fei­ção da ma­nhã, eram ain­da sub­me­ti­das aos enor­mes pe­ri­gos do tra­je­to – por exem­plo, as co­bras que ha­bi­tu­al­men­te cru­zam o seu ca­mi­nho. En­tão, o meu sen­ti­do de mis­são era ca­da vez mai­or e, sa­ben­do que já con­se­guia aju­dar al­gu­mas cri­an­ças, o meu fo­co era per­mi­tir a ou­tras cri­an­ças as mes­mas opor­tu­ni­da­des. As­sim, foi alar­ga­da a re­de de es­co­las, que pas­sa­ram a ser seis. Ho­je, nes­tas seis es­co­las, tra­ba­lham dez pro­fes­so­res e os seus ven­ci­men­tos são to­tal­men­te as­se­gu­ra­dos por mim.

En­tre­tan­to, co­mo ti­nha mui­tas des­pe­sas – so­bre­tu­do o pa­ga­men­to da ta­xa al­fan­de­gá­ria da Gui­né-Bis­sau, que é mui­to dis­pen­di­o­sa –, pa­ra me li­vrar des­ta car­ga fis­cal de­ci­di cri­ar a fun­da­ção. A ra­zão pri­mor­di­al pa­ra a cri­a­ção da fun­da­ção foi o fac­to de as pes­so­as co­me­ça­rem a sa­ber so­bre as mi­nhas ações hu­ma­ni­tá­ri­as, o meu pro­je­to, e que­re­rem tam­bém aju­dar. As­sim, foi a ma­nei­ra que des­co­bri de po­der re­ce­ber mais ajuda pa­ra aque­les que mais ne­ces­si­tam. A Fun­da­ção não tem fins lu­cra­ti­vos, tem co­mo fi­na­li­da­de o de­sen­vol­vi­men­to, da con­ce­ção à exe­cu­ção, de apoi­os a pro­gra­mas e pro­je­tos de ca­riz so­ci­al, am­bi­en­tal, des­por­ti­vo, cul­tu­ral, cí­vi­co, eco­nó­mi­co, de pro­gra­mas de saú­de e bem-es­tar. A Fun­da­ção José Ma­nu­el In-Uba já foi pu­bli­ca­da no Bo­le­tim Oficial da Gui­né-Bis­sau a 17 de ou­tu­bro de 2017. A 17 de ju­lho des­te ano, foi re­co­nhe­ci­da pe­la Pre­si­dên­cia do Con­se­lho de Mi­nis­tros em Por­tu­gal, es­tan­do a fi­li­al, cá, si­tu­a­da em São João da Ma­dei­ra. A se­de na Gui­né-Bis­sau fi­ca no Bair­ro de Luanda. Em re­la­ção às es­co­las de Bin­do­ro, elas le­ci­o­nam do 1.º ano até ao 6.º. No pró­xi­mo ano, o ob­je­ti­vo é es­ten­der até ao 7.º. E as­sim su­ces­si­va­men­te, até che­gar­mos ao 12.º ano – pe­lo me­nos as­sim es­pe­ro.

A quan­tas pes­so­as che­ga o seu apoio e de que for­mas apoia es­sas pes­so­as? Che­ga a mui­tas pes­so­as, e não só de Bin­do­ro, mas tam­bém das al­dei­as vi­zi­nhas. Apoio as pes­so­as com do­na­ti­vos par­ti­cu­la­res, dou con­sul­tas mé­di­cas gra­tui­tas, etc.

De on­de veio a ideia de cri­ar es­co­las na sua ter­ra na­tal? A ideia sur­giu do co­nhe­ci­men­to que te­nho da mi­nha ter­ra e que fi­cou con­subs­tan­ci­a­do de­pois de uma vi­si­ta que fiz ao país e aos meus pa­ren­tes que lá vi­vem. Foi en­tão que fi­quei em cho­que por ver mui­tas cri­an­ças iguais a mim, uns anos atrás, com mui­ta von­ta­de de es­tu­dar. De­ci­di fa­zer al­gu­ma coi­sa. Reu­ni um gru­po de co­la­bo­ra­do­res e ami­gos, lan­cei a ideia de apro­vei­tar o an­ti­go aquar­te­la­men­to das tro­pas por­tu­gue­sas e mu­dá­mos aqui­lo pa­ra fa­zer­mos uma guer­ra di­fe­ren­te – con­tra o anal­fa­be­tis­mo.

DE VOL­TA À GUI­NÉ-BIS­SAU

Co­mo vê a evo­lu­ção da Gui­né-Bis­sau nos tem­pos mais re­cen­tes? É um país me­lhor do que há 10 e há 20 anos? Em ter­mos de evo­lu­ção da Gui­né-Bis­sau nos tem­pos mais re­cen­tes, di­ria que me­lho­rou em ter­mos de li­ber­da­de de ex­pres­são e co­mér­cio pa­ra­le­lo, por exem­plo. Mas, no ge­ral, ain­da há mui­to pa­ra me­lho­rar. E sim, é um país me­lhor do que há 10, 20 anos.

Quais são as mai­o­res ca­rên­ci­as do país? E da re­gião de Mansôa e de Bin­do­ro? Nes­te mo­men­to, a meu ver, exis­te mui­ta ca­rên­cia ao ní­vel da saú­de, is­to é, fal­ta de es­pe­ci­a­li­da­des – de Or­to­pe­dia, Ci­rur­gia, Gi­ne­co­lo­gia, Obs­te­trí­cia, Reu­ma­to­lo­gia, Pe­di­a­tria, Der­ma­to­lo­gia, Psi­qui­a­tria, e vá­ri­as ou­tras es­pe­ci­a­li­da­des. Só há um car­di­o­lo­gis­ta ao ní­vel na­ci­o­nal – pa­ra um país que tem um mi­lhão e meio de ha­bi­tan­tes. Há tam­bém ca­rên­ci­as ao ní­vel de sa­ne­a­men­to bá­si­co. Em re­la­ção a Bin­do­ro, aí as ca­rên­ci­as ain­da são mai­o­res, fal­ta de tu­do um pou­co. Por exem­plo, sa­ne­a­men­to bá­si­co, ele­tri­ci­da­de, trans­por­tes pú­bli­cos, es­tra­das, etc.

Con­si­de­ra a pos­si­bi­li­da­de de, um dia mais tar­de, re­gres­sar à Gui­né? Acha que po­de ser de mai­or ajuda cá, em Por­tu­gal, es­ten­den­do a ajuda à Gui­né, ou que, se lá es­ti­ves­se, po­de­ria ter mai­or e mais efi­ci­en­te in­ter­ven­ção? Re­gres­sar à Gui­né não se en­con­tra den­tro das mi­nhas op­ções, pe­lo me­nos por ago­ra. Gos­to do meu país e dos meus con­ter­râ­ne­os, mas, pa­ra po­der con­ti­nu­ar a aju­dá-los, te­nho de per­ma­ne­cer aqui, em Por­tu­gal, on­de me sin­to bem e com a ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra aju­dar os que mais pre­ci­sam. Por ou­tro la­do, quan­do me en­con­tro lá te­nho a ca­pa­ci­da­de de po­der pres­tar cui­da­dos de saú­de, de po­der dis­tri­buir to­do o ma­te­ri­al es­co­lar e de ori­en­tar a ati­vi­da­de es­co­lar.

Sei que es­te­ve com com­pa­nhei­ros seus, mé­di­cos e en­fer­mei­ros, na Gui­né há pou­co tem­po. Em que con­sis­tiu es­sa vi­a­gem e por­que de­ci­di­ram fa­zê-la? A vi­a­gem con­sis­tiu nu­ma mis­são de âm­bi­to hu­ma­ni­tá­rio pa­ra fa­zer 200 ci­rur­gi­as du­ran­te du­as se­ma­nas. Eram ci­rur­gi­as de fo­ro or­to­pé­di­co e ci­rur­gia ge­ral, is­to, de­vi­do à ca­rên­cia de re­cur­sos hu­ma­nos – por exem­plo, ha­via só um or­to­pe­dis­ta ao ní­vel na­ci­o­nal, que la­men­ta­vel­men­te já ti­nha fa­le­ci­do. In­fe­liz­men­te de­vi­do a di­fi­cul­da­des que en­con­trá­mos – des­de a fal­ta de re­cur­sos ma­te­ri­ais, à or­ga­ni­za­ção do hos­pi­tal em pa­vi­lhões e à fal­ta de ener­gia elé­tri­ca – só fo­ram re­a­li­za­das 145 ci­rur­gi­as. A Fun­da­ção a que te­nho a hon­ra de pre­si­dir fez vi­si­tas de di­ag­nós­ti­co ao país, es­pe­ci­fi­ca­men­te a al­guns cen­tros hos­pi­ta­la­res. Des­sas vi­si­tas e da tro­ca de cor­res­pon­dên­cia com as au­to­ri­da­des con­cer­nen­tes, cons­ta­tou-se que exis­ti­am mui­tas ca­rên­ci­as em to­dos os ser­vi­ços, in­cluin­do em ter­mos de equi­pa­men­to e re­cur­sos hu­ma­nos. Em con­sequên­cia des­sa cons­ta­ta­ção, a Fun­da­ção re­sol­veu fa­zer al­gu­ma coi­sa. Ten­do co­me­ça­do em con­ver­sas de in­ter­va­los nos nos­sos ser­vi­ços, es­tes ami­gos acei­ta­ram o con­vi­te da Fun­da­ção pa­ra vi­rem dar uma mão­zi­nha.

Há um pro­je­to seu pa­ra a Saú­de, do mes­mo mo­do que exis­te pa­ra a Edu­ca­ção? Sim, há um pro­je­to pa­ra a saú­de. Pre­ten­do fa­zer um Cen­tro de Saú­de em Bin­do­ro que é uma aldeia es­que­ci­da nas ma­tas da Gui­né. Di­go “es­que­ci­da” por­que tu­do o que Bin­do­ro tem até ho­je foi fei­to por mim e por al­gu­ma Or­ga­ni­za­ção Não Go­ver­na­men­tal.

“AIN­DA HÁ MUI­TO PA­RA ME­LHO­RAR [NA GUI­NÉ]. E SIM, É UM PAÍS ME­LHOR DO QUE HÁ 10, 20 ANOS”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.