A PER­SIS­TÊN­CIA DA ME­MÓ­RIA

IM­POR­TA O TEM­PO, A ME­MÓ­RIA E AS ME­MÓ­RI­AS QUE ASSOCIAMOS AO TEM­PO. POR­QUE OS RE­LÓ­GI­OS POU­CO VA­LEM SE O SEU VA­LOR SE ME­DIR SÓ NO PRE­ÇO.

GQ (Portugal) - - Gentlemen’s Time - POR ANA SAL­DA­NHA

DA MÚ­SI­CA AO HU­MOR, FA­LÁ­MOS COM CIN­CO PER­SO­NA­LI­DA­DES SO­BRE OS RE­LÓ­GI­OS DOS SEUS SO­NHOS, DAS SU­AS VI­DAS E DAS SU­AS ME­MÓ­RI­AS.

Em 2014, José San­ta­na, di­re­tor da GQ, es­cre­via um editorial so­bre o Lon­gi­nes pre­to que her­dou do seu avô. Es­cre­via so­bre dar cor­da ao cro­nó­gra­fo pa­ra­do há 18 anos e so­bre ou­vir o som do seu co­ra­ção a ba­ter. Ho­je, quan­do lhe per­gun­tá­mos so­bre o seu re­ló­gio fa­vo­ri­to, a res­pos­ta não se ti­nha al­te­ra­do. Es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos a clas­si­fi­car os re­ló­gi­os co­mo pe­ça de lu­xo e de cul­to, de de­sign e me­câ­ni­ca fas­ci­nan­tes, de es­ti­lo e de uti­li­da­de, mas são tam­bém pe­ças com gran­de va­lor sen­ti­men­tal. Que os re­ló­gi­os mar­cam as ho­ras, já sa­be­mos. Mas de­sa­fiá­mos al­gu­mas fi­gu­ras a pen­sar nos re­ló­gi­os que as mar­cam.

TIAGO BET­TEN­COURT

(MÚ­SI­CO)

“Con­fes­so que não te­nho um re­ló­gio de so­nho. Gos­to de re­ló­gi­os an­ti­gos, de cor­da, de de­se­nho sim­ples. Gu­ar­do um re­ló­gio de bol­so de ou­ro que a mi­nha avó me ofe­re­ceu no dia em que me for­mei. Ho­je te­nho no pul­so um

Cauny que com­prei por 30 eu­ros nu­ma fei­ra em Ta­vi­ra. O que mais uso é pos­sí­vel que se­ja es­te, sim. Tam­bém só te­nho mais dois ou três, tam­bém an­ti­gos, ba­ra­tu­chos, mas bo­ni­tos.”

LUÍS CAR­VA­LHO

(DE­SIG­NER)

“Não te­nho um re­ló­gio de so­nho, com­pro re­ló­gi­os con­so­an­te a sua es­té­ti­ca, mas, por nor­ma, gos­to de re­ló­gi­os me­tá­li­cos mui­to

cle­an – te­nho um re­ló­gio da ONE me­tá­li­co pra­te­a­do, mui­to sim­ples que não tro­co há cer­ca de 3 anos, por­que é um re­ló­gio ver­sá­til pa­ra usar com to­dos os lo­ok­se em to­das as si­tu­a­ções. Mas te­nho um re­ló­gio de que gos­to mui­to e tem um va­lor sen­ti­men­tal mui­to gran­de pa­ra mim: era um re­ló­gio de cor­da do meu avô, que fi­cou pa­ra mim quan­do fa­le­ceu e to­da a es­té­ti­ca de­le se en­qua­dra com o es­ti­lo de re­ló­gi­os que uso.”

LUÍS PE­DRO NUNES

(CRO­NIS­TA) “Há re­ló­gi­os que eu gos­ta­ria mui­to de ter, mas não sei se va­le­ria o in­ves­ti­men­to, is­to é, ter um ou dois re­ló­gi­os de que se gos­ta mui­to eu acho que bas­ta. Há um que é o meu re­ló­gio. É um Ro­lex

Sub­ma­ri­ner de aço, foi-me ofe­re­ci­do e es­tá aqui na mi­nha mão ago­ra. É o re­ló­gio que mais uso e, sen­do um re­ló­gio mui­tas ve­zes imi­ta­do, dá-me mui­to pra­zer usá-lo por­que é ver­da­dei­ro, é ‘o’ re­ló­gio. É da­que­las coi­sas que se tem e que dá sem­pre pra­zer usar, mas que não dá mui­to nas vis­tas. E é in­te­res­san­te por­que é um re­ló­gio apa­ren­te­men­te in­có­mo­do por ser de aço, mas não, adap­ta-se, pa­re­ce que foi fei­to pa­ra o pul­so. Os re­ló­gi­os são pe­ças que os ho­mens de­vem ter de si pa­ra si e não de si pa­ra o mun­do.”

CÉ­SAR MOU­RÃO

(HU­MO­RIS­TA)

“O meu re­ló­gio de so­nho é um Pa­tek Phi­lip­pe, mas ape­nas e ex­clu­si­va­men­te pe­lo de­sign. Des­de que eu co­me­cei a gos­tar de re­ló­gi­os, e eu não li­ga­va mui­to a re­ló­gi­os, es­se foi dos pri­mei­ros que eu vi e que me fas­ci­nou, é uma pe­ça que eu acho lin­dís­si­ma. Mas o re­ló­gio que te­nho no pul­so é um IWC Por­tu­gi­e­ser, foi o pri­mei­ro re­ló­gio de va­lor que com­prei e é o que mais uso ain­da ho­je. Eu não te­nho um es­ti­lo clás­si­co nem um es­ti­lo co­ol, de­pen­de mui­to do meu es­ta­do de es­pí­ri­to e do dia. Es­te re­ló­gio é mui­to trans­ver­sal nes­se sen­ti­do, por­que é des­con­traí­do e, ao mes­mo tem­po, um clás­si­co. Pa­ra além dis­so, te­nho um re­ló­gio com especial va­lor sen­ti­men­tal: é um re­ló­gio de bol­so que era do meu avô e que ele me deu. É a mi­nha gran­de li­ga­ção ao meu avô.”

RI­CAR­DO PEREIRA

(ATOR)

“Te­nho uma his­tó­ria com o meu pri­mei­ro re­ló­gio, foi um Swat­ch azul, to­do azul. Os meus pais de­ram-mo num Na­tal há mui­tos anos, nu­ma al­tu­ra em que mui­to pou­ca gen­te ti­nha re­ló­gi­os da mar­ca. An­dei com ele mui­to tem­po, mas uma vez à saí­da da es­co­la apa­re­ce­ram dois ti­pos que mo rou­ba­ram. Mas ele era tão especial, ti­nha um va­lor sen­ti­men­tal tão gran­de, que nun­ca mais me es­que­ci de­le. O que te­nho ago­ra e que mais uso é o Ome­ga Spe­ed­mas­ter Pro­fes­si­o­nal Mo­onwat­ch. É especial por­que é mui­to ver­sá­til e óti­mo pa­ra o dia a dia.”

Ome­ga Spe­ed­mas­ter Pro­fes­si­o­nal Mo­onwat­ch

Ro­lex Sub­ma­ri­ner

IWC Por­tu­gi­e­ser

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.