Ti­tãs a car­vão

DO OU­TRO LA­DO DO OCE­A­NO, HÁ UMA AR­TIS­TA QUE DE­DI­CA CEN­TE­NAS DE HO­RAS A AM­PLI­AR OBRAS-PRI­MAS DA RE­LO­JO­A­RIA A GRAFITE. FA­LÁ­MOS COM JU­LIE KRAULIS, A MINUCIOSA DESENHADOR­A DO TEM­PO.

GQ (Portugal) - - Gentlemen’s Time - POR BE­A­TRIZ SILVA PINTO

Qu­a­tro­cen­tas ho­ras, de­ze­nas de lá­pis de car­vão e to­ne­la­das de pa­ci­ên­cia. É es­ta a ba­se da re­cei­ta de ca­da de­se­nho de Ju­lie Kraulis, a ar­tis­ta que de­di­ca cor­po e al­ma a re­pro­du­zir re­ló­gi­os de pul­so icó­ni­cos a uma es­ca­la mui­to, mui­to su­pe­ri­or à real. Ma­king Ti­me é o no­me do pro­je­to a que, des­de 2017, Ju­lie de­di­ca to­do o seu tem­po.

Tu­do co­me­çou quan­do, por aca­so, a jo­vem ca­na­di­a­na tro­pe­çou num ar­ti­go so­bre re­ló­gi­os em­ble­má­ti­cos. Na al­tu­ra, di­vi­dia-se en­tre pro­je­tos ar­tís­ti­cos e es­ta­va em bus­ca de um te­ma que pu­des­se es­tu­dar e ex­plo­rar em pro­fun­di­da­de. Foi uma coin­ci­dên­cia fe­liz. “Sem­pre me sen­ti apai­xo­na­da pe­lo de­sign e ins­pi­ra­da pe­lo de­ta­lhe, fos­se on­de fos­se”, con­ta-nos a ar­tis­ta. “Um re­ló­gio me­câ­ni­co é uma com­bi­na­ção ma­ra­vi­lho­sa de de­sign e en­ge­nha­ria. E quan­do brin­cas com a es­ca­la e dis­tor­ces o con­tex­to de um ob­je­to quo­ti­di­a­no, pas­sas a vê-lo com no­vos olhos, com uma no­va pers­pe­ti­va. Ado­ro tra­ba­lhar em gran­de es­ca­la... Al­go especial acon­te­ce com tra­ba­lhos des­ta di­men­são. Ca­da pe­ça traz de­sa­fi­os úni­cos, por­que le­va cen­te­nas de ho­ras a ser de­se­nha­da e re­quer mui­to fo­co e pa­ci­ên­cia.”

A sua pri­mei­ra mu­sa foi um Ze­nith El Pri­me­ro. Mas o du­e­lo mais cus­to­so sur­giu mui­to de­pois, quan­do a ar­tis­ta de­ci­diu en­fren­tar um A. Lan­ge & Söh­ne Da­to­graph, des­ta vez re­tra­tan­do não só o mos­tra­dor, mas tam­bém o mo­vi­men­to – no­me da­do ao me­ca­nis­mo in­ter­no do re­ló­gio com­ple­to. “Pas­sei de­ze­nas de ve­zes di­an­te da folha bran­ca an­tes de fa­zer o pri­mei­ro ris­co, com­ple­ta­men­te in­ti­mi­da­da! De­mo­rei dois me­ses a com­ple­tar o de­se­nho e ti­ve de do­mi­nar mui­tas téc­ni­cas di­fe­ren­tes, pa­ra con­se­guir cap­tu­rar tu­do, do mo­vi­men­to in­cri­vel­men­te in­tri­ca­do até ao ar­re­don­da­do sub­til do bi­sel.”

Pa­ra con­se­guir re­tra­tar o vas­to le­que de tex­tu­ras e su­per­fí­ci­es que vai en­con­tran­do nos re­ló­gi­os a que de­ci­de dar pro­por­ções épi­cas, a ca­na­di­a­na ro­deia-se de pa­pel ace­ti­na­do da Ar­ches e de de­ze­nas de lá­pis Sta­ed­tler Mars Lu­mo­graph – “os mes­mos que o meu avô usa­va quan­do tra­ba­lha­va co­mo en­ge­nhei­ro”, re­ve­la. Mas o pro­ces­so de cri­a­ção ini­cia-se mui­to an­tes de Ju­lie pou­sar o lá­pis no pa­pel. Ain­da an­tes dis­so, a ar­tis­ta in­ves­ti­ga e lê tu­do a que con­se­gue dei­tar a mão: “Em ca­da de­se­nho, gos­to de en­tre­la­çar de­ta­lhes ins­pi­ra­dos na his­tó­ria e no de­sign úni­co do re­ló­gio, bem co­mo par­ti­cu­la­ri­da­des que apre­en­di da re­la­ção

“Quan­do brin­cas com a es­ca­la e dis­tor­ces o con­tex­to de um ob­je­to,

pas­sas a vê-lo com no­vos olhos”

do cli­en­te [que en­co­men­dou o de­se­nho] com o re­ló­gio.” Só de­pois de con­ce­ber di­ver­sos mock-ups, com idei­as e abor­da­gens di­fe­ren­tes, é que Ju­lie en­ce­ta a aven­tu­ra do de­se­nho hi­per-re­a­lis­ta que se alon­ga­rá en­tre 250 e 400 ho­ras. Es­tas obras de ar­te têm ido pa­rar às mãos de co­le­ci­o­na­do­res par­ti­cu­la­res de vá­ri­os pon­tos do mun­do, que con­tac­tam a jo­vem de To­ron­to já com pe­ças es­pe­cí­fi­cas em mente. Mas qual­quer pes­soa que quei­ra dar pro­por­ções épi­cas ao seu re­ló­gio fa­vo­ri­to po­de propô-lo via Ins­ta­gram (@ju­li­e­krau­lis).

Foi com fa­vo­ri­tis­mos em mente que, no fim da con­ver­sa, lan­çá­mos a Ju­lie o rep­to que qual­quer afi­ci­o­na­do por re­lo­jo­a­ria te­me: es­co­lhe o teu pre­fe­ri­do. “É di­fí­cil...”, diz-nos. “Gos­to tan­to de um vin­ta­ge co­mo o GMT-Mas­ter

1675 com mos­tra­dor tro­pi­cal [da Ro­lex], co­mo gos­to de um Royal

Oak [da Au­de­mars Pi­guet] ou de um Tank [da Car­ti­er]”, ex­pli­ca a ar­tis­ta que ra­ras ve­zes usa re­ló­gio, ape­sar de pas­sar a vi­da a de­se­nhá-los. Mas is­so é al­go que mu­da­rá em bre­ve. O fei­to de­ve-se à aqui­si­ção de um Lan­ge 1 de ou­ro ro­sa, da Lan­ge & Söh­ne, que em bre­ve che­ga­rá ao seu pul­so e (qui­çá) a um dos seus gi­gan­tes­cos de­se­nhos.

Ju­lie Kraulis de­mo­rou dois me­ses a de­se­nhar o me­ca­nis­mo e o mos­tra­dor do A. Lan­ge & Söh­ne Da­to­graph.

A desenhador­a é es­pe­ci­al­men­te atraí­da por re­ló­gi­os vin­ta­ge, co­mo es­te Ro­lex Sub­ma­ri­ner 16800.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.