Fil­mes do tem­po dis­tor­ci­do

NA ME­LHOR TRA­DI­ÇÃO DAS LIS­TAS CI­NÉ­FI­LAS DA GQ POR­TU­GAL, EIS MAIS UMA, AGO­RA COM SEIS OBRAS EM QUE O TEM­PO NÃO É EXA­TA­MEN­TE CO­MO ES­TA­MOS HA­BI­TU­A­DOS A QUE ELE SE­JA.

GQ (Portugal) - - Gentlemen’s Time - POR DI­E­GO AR­MÉS

Is­so do tem­po é mui­to re­la­ti­vo, no­me­a­da­men­te na fic­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca. Tan­to an­da de trás pa­ra a fren­te co­mo sal­ta de era em era, quer se­ja na his­tó­ria que con­ta ou na ma­nei­ra de a con­tar. Se há coi­sa in­cons­tan­te no ci­ne­ma é pre­ci­sa­men­te o tem­po e a per­ce­ção que te­mos de­le. Não é de es­pan­tar. Se, na re­a­li­da­de – que é a re­a­li­da­de –, o tem­po às ve­zes pas­sa a cor­rer, ou­tras ve­zes te­mos que o ma­tar por­que não pas­sa, en­tão é na­tu­ral que na fic­ção, on­de tu­do é vá­li­do des­de que se­ja ve­ro­sí­mil, o tem­po se­ja elás­ti­co e plás­ti­co, co­mo um brin­que­do de cri­an­ça. Aqui fi­ca a nos­sa lis­ta, em mo­do não li­ne­ar – nem de trás pa­ra a fren­te, nem na sequên­cia cor­re­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.