VA­RI­A­ÇÕES DE SAM­BA­DO

O Re­ve­zo de Fi­li­pe Sam­ba­do é pop e mú­si­ca de in­ter­ven­ção, é pis­ta de dan­ça e so­fá. Fa­lá­mos com o ar­tis­ta ca­ma­leó­ni­co so­bre o no­vo ál­bum e so­bre a eter­na bus­ca pe­lo con­for­to.

GQ (Portugal) - - Culto - Por Be­a­triz Sil­va Pin­to. Fo­to­gra­fia de Bra­nis­lav Si­mon­cik.

No vi­de­o­cli­pe da Jóia da Ro­ti­na ve­mo-lo ora de tron­co nu e cal­ças em vi­nil ver­me­lhas, ora de ba­tom ver­me­lho gar­ri­do, lon­gos brin­cos nas ore­lhas, flo­res no ca­be­lo e saia com fo­lhos. Lan­ça­do no fim do ano pas­sa­do, o sin­gle que con­vi­da à dan­ça e alia, visual e mu­si­cal­men­te, a pop ao tra­di­ci­o­nal é tu­do me­nos dis­cre­to. Mas é dis­cre­to que o mú­si­co de 34 anos se sen­ta di­an­te de nós e, cal­ma e ti­mi­da­men­te, nos fa­la da li­ber­da­de de ex­pres­são e do seu ter­cei­ro e mais re­cen­te ál­bum, Re­ve­zo, lan­ça­do a 24 de ja­nei­ro.

Ter­cei­ro em no­me pró­prio, di­ga-se. Ape­sar de só no iní­cio do ano pas­sa­do ter lar­ga­do a pro­fis­são de per­chis­ta pa­ra se de­di­car to­tal­men­te à mú­si­ca, há mui­to que Sam­ba­do é uma ca­ra co­nhe­ci­da na ce­na mu­si­cal por­tu­gue­sa al­ter­na­ti­va – che­gou a com­por e a to­car com as ban­das Co­chai­se, Chi­baz­qui, Bom­ba Kiwi e até deu uma mão­zi­nha no bai­xo a Jas­mim. Des­per­tou pa­ra o so­lo tar­di­a­men­te. Quan­do o seu pri­mei­ro lon­ga-du­ra­ção Vi­da Sal­ga­da saiu, em 2016, ti­nha 31 anos. Mas fez on­das. Fo­ra e den­tro dos pal­cos, on­de o can­tau­tor co­me­çou a der­ru­bar, sem pom­pa ou cir­cuns­tân­cia, as bar­rei­ras da ex­pres­são de gé­ne­ro – de ves­ti­do de re­de, unhas co­lo­ri­das, som­bra e ba­tom pos­tos.

O pal­co era, e ain­da é, um la­bo­ra­tó­rio de ex­pe­ri­ên­ci­as que de­pois ca­ta­pul­ta pa­ra o quo­ti­di­a­no. “As unhas co­me­ça­ram co­mo uma brin­ca­dei­ra, de­pois co­me­çou a fa­zer sen­ti­do ex­pe­ri­men­tar as coi­sas em con­cer­to... E, gra­du­al­men­te, tor­nou-se uma es­co­lha diá­ria – pin­tar os olhos ou os lá­bi­os quan­do vou tra­ba­lhar pa­ra o meu es­tú­dio, ou ir de saia.” “O pal­co per­mi­te-te um mo­men­to de eu­fo­ria em que tu ul­tra­pas­sas a ti­mi­dez e fi­cas con­for­tá­vel. E dá-te con­fi­an­ça, por­que es­tás a par­ti­lhar e vês que as pes­so­as es­tão a acei­tar. Cri­as uma bo­lha que te per­mi­te ter mais cer­te­zas.”

Re­cor­da-se das pri­mei­ras ve­zes que usou uma saia na rua. E re­cor­da-se de se ter sen­ti­do des­con­for­tá­vel aos olhos alhei­os. Ho­je já não faz ca­so. Mas tu­do is­to foi um pro­ces­so de ex­pe­ri­men­ta­ção e adap­ta­ção que com­pa­ra, en­tre ri­sos, aos di­as em que, em miú­do, le­va­va um uns ténis bran­cos no­vos pa­ra a es­co­la: “Vais pa­ra a es­co­la e sa­bes que te vão pi­sar os pés, vão ba­ti­zar os teus sa­pa­tos e vão co­men­tá-los por­que dão nas vis­tas.” Ad­mi­te que não gos­ta do con­fron­to por ve­zes in­ci­ta­do por quem o ro­deia. Mas man­tém as su­as es­co­lhas em bus­ca de um bem mai­or: “Ando sem­pre à pro­cu­ra de per­ce­ber de que for­ma é que me sin­to mais per­to de mim, da mi­nha es­sên­cia. O con­for­to po­de ser nin­guém se me­ter con­ti­go e tu se­res mais nor­ma­ti­vo. Mas eu que­ro per­ce­ber até que pon­to pos­so con­tra­ri­ar is­so e me sen­tir con­for­tá­vel, aguen­tan­do e to­le­ran­do con­fli­tos.”

E tem es­ten­di­do es­ta au­to­des­co­ber­ta à mú­si­ca. O pri­mei­ro dis­co abre com a mú­si­ca Mo­da, o se­gun­do fe­cha com In­du­men­tá­ria – can­ções em que Sam­ba­do rei­vin­di­ca a li­ber­da­de pa­ra ves­tir o que qui­ser, pin­tar as unhas e ma­qui­lhar-se se qui­ser. No ter­cei­ro, o te­ma já não ba­ti­za ne­nhu­ma das fai­xas. “Acho que pos­so, de al­gu­ma for­ma, con­ti­nu­ar a car­re­gar a ban­dei­ra sem ter uma mú­si­ca cen­tra­da nis­so”, ex­pli­ca. “Ago­ra até faz mais par­te de mim, es­tou ca­da vez mais con­for­tá­vel com as de­ci­sões que vou fa­zen­do e não te­nho tan­ta ne­ces­si­da­de de res­pon­der a cer­to ti­po de as­sun­tos.”

POP DE IN­TER­VEN­ÇÃO

Re­ve­zo é de­di­ca­do às coi­sas bo­as da vi­da. São can­ções de amor e do quo­ti­di­a­no, can­ções so­bre o acon­che­go da ca­sa que fo­ram, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, es­cri­tas lon­ge de­le. “Grande par­te das can­ções des­te dis­co foi es­cri­ta num tra­ba­lho que me ocu­pa­va 12 ho­ras por dia. Mes­mo es­tan­do a tra­ba­lhar, quan­do ti­nha um bo­ca­di­nho de tem­po, ia ao te­le­mó­vel e ia es­cre­ven­do le­tras. Na al­tu­ra, fa­zia per­che em no­ve­las – se­gu­ra­va aque­les mi­cro­fo­nes com­pri­dos com pe­lo na pon­ta. Daí o ‘Te­nho os bra­ços can­sa­dos e os olhos a sor­rir’ [ver­so da mú­si­ca Jóia da Ro­ti­na].”

As fai­xas do Re­ve­zo já es­ta­vam pra­ti­ca­men­te fei­tas quan­do o ál­bum Fi­li­pe Sam­ba­do & Os Acom­pa­nhan­tes de Lu­xo saiu, em 2018. Mas o lan­ça­men­to do El Mal Que­rer da Ro­sa­lía fez com que o ar­tis­ta re­de­fi­nis­se as di­re­ções das can­ções. Ain­da as­sim, as lon­gas ho­ras pas­sa­das mer­gu­lha­do no Por Es­te Rio Aci­ma do Faus­to e a re­des­co­brir o tra­ba­lho de Ze­ca Afon­so e Vi­o­le­ta Par­ra ou­vem-se à dis­tân­cia nos rit­mos po­pu­la­res, nos ar­ran­jos de flau­ta e nas cas­ta­nho­las. É um pop de in­ter­ven­ção con­ta­gi­an­te, que tan­to abre espaço pa­ra a dan­ça (em É Tão Bom, Mais Uma e Bi­to­la), co­mo pa­ra o con­for­tá­vel do so­fá (“A mim quem me de­ra não ter se­gun­da-fei­ra se não for p’ra ser aqui”, can­ta na ter­na Pa­ço­qui­nha p’ra No­ve­la).

Sam­ba­do fa­la-nos ain­da da in­fluên­cia de Ani­mal Col­lec­ti­ve e Ro­bert Wyatt (so­no­ri­da­des de que sem­pre es­te­ve pró­xi­mo ao lon­go dos seus três dis­cos), dos rit­mos de The Rain­co­ats e de Can, do con­tá­gio do trap e do R&B – e do go­zo que lhe deu mis­tu­rar tu­do is­to.

Ger­be­ra Ama­re­la do Sul, a mú­si­ca que compôs pa­ra (e so­bre) o Fes­ti­val da Can­ção, e que irá ser apre­sen­ta­da a 22 de fe­ve­rei­ro, é um bom exem­plo des­te mel­ting pot de re­fe­rên­ci­as. Mas a lí­ri­ca fo­ge mes­mo ao uni­ver­so ca­sei­ro do ál­bum. “É so­bre o abu­so que as pes­so­as fa­zem ao seu di­rei­to à li­ber­da­de de ex­pres­são nas re­des so­ci­ais”, ex­pli­ca: “O ano pas­sa­do, as­sus­tou-me mui­to to­do o as­sun­to do Co­nan Osí­ris. A ma­le­di­cên­cia, o fac­to de as pes­so­as per­de­rem com­ple­ta­men­te o res­pei­to por tu­do com mui­ta fa­ci­li­da­de... ve­mos is­so nu­ma da­ta de as­sun­tos. E eu es­cre­vo a can­ção com um dis­cur­so a as­su­mir que es­se ti­po de comentário­s po­de­rá tam­bém acon­te­cer co­mi­go.”

Até à estreia em fes­ti­val vai ser pos­sí­vel ver e ou­vir es­ta e ou­tras mú­si­cas do Re­ve­zo ao vi­vo em Águe­da (a 2 de fe­ve­rei­ro, no Cen­tro de Ar­tes de Águe­da), em Tor­res Ve­dras (a 7 de fe­ve­rei­ro, no Bang Ve­nue) e no Por­to (a 14 de fe­ve­rei­ro, no Hard Club).

“ANDO SEM­PRE À PRO­CU­RA DE PER­CE­BER DE QUE FOR­MA É QUE ME SIN­TO MAIS PER­TO DE MIM, DA MI­NHA ES­SÊN­CIA”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.