A ENTREVISTA DO BRU­NO ALEI­XO

Um Ewok, um bus­to de Na­po­leão Bo­na­par­te, uma per­so­na­gem saí­da d’O Mons­tro da La­goa Ne­gra e um ho­mem pré-his­tó­ri­co da ser­ra do Bu­ça­co sen­tam-se nu­ma es­pla­na­da…

GQ (Portugal) - - Culto - Por Ana Sal­da­nha.

Apre­mis­sa es­tá lan­ça­da. Bru­no Alei­xo, o Ewok coim­bren­se mais qu­e­ri­do do pú­bli­co por­tu­guês – e que tam­bém já con­quis­tou co­ra­ções pa­ra lá do Atlân­ti­co –, re­ce­be uma cha­ma­da que é um con­vi­te: um ho­mem que tem uma em­pre­sa quer que fa­ça um fil­me lá pa­ra a em­pre­sa de­le. O re­sul­ta­do foi pa­ra os ci­ne­mas a 23 de ja­nei­ro e a estreia foi pre­tex­to pa­ra con­ver­sar com João Mo­rei­ra (JM) e Pe­dro San­to (PS), que dão voz e em­pres­tam o pen­sa­men­to às per­so­na­gens.

Já sa­be­mos co­mo foi pa­ra Bru­no Alei­xo acei­tar o con­vi­te pa­ra fa­zer um fil­me. Co­mo é que foi pa­ra vo­cês?

JM: Foi mais ou me­nos pa­re­ci­do. Nós aca­bá­mos por apli­car ao bo­ne­co exa­ta­men­te a pro­pos­ta que nos ti­nham fei­to: fa­çam um fil­me com o que vo­cês qui­se­rem, es­cre­vam um guião. E quan­do as di­re­tri­zes são va­gas tor­na-se mais di­fí­cil por­que, ou te­mos um pro­je­to em ga­ve­ta, uma ideia pré-fei­ta que que­re­mos usar, ou, co­mo a ideia do fil­me não par­tiu de nós, par­tiu do pro­du­tor que nos fez o de­sa­fio, ain­da não tí­nha­mos na­da pen­sa­do. Aca­bou por não ser mui­to di­fe­ren­te da­qui­lo que va­mos ver no fil­me. Cla­ro que é di­fe­ren­te por­que as ca­be­ças dos bo­ne­cos não são as nos­sas, quer di­zer, vêm da nos­sa ca­be­ça, mas a per­so­na­li­da­de é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te.

PS: De vez em quan­do vi­nham-nos uns zun­zuns, so­bre­tu­do de pes­so­as bê­be­das na rua [ri­sos] que di­zi­am que de­vía­mos fa­zer um fil­me, mas ali foi um bo­ca­di­nho mais a sé­rio. Nós sa­be­mos que quan­do uma pes­soa do ci­ne­ma quer fa­lar con­nos­co, à par­ti­da te­ria al­gu­ma coi­sa a ver com uma apa­ri­ção do Bru­no Alei­xo no ci­ne­ma, mas não sa­bía­mos o que se­ria, se se­ria pa­ra o bo­ne­co apa­re­cer só even­tu­al­men­te, se se­ria mes­mo um fil­me, não tí­nha­mos ideia. Mas não dei­xá­mos pro­pri­a­men­te pa­ra a úl­ti­ma co­mo o Alei­xo aca­ba por fa­zer no fil­me.

Já é au­to­má­ti­co po­rem-se na pe­le das per­so­na­gens pa­ra sa­ber co­mo iri­am re­a­gir em de­ter­mi­na­da si­tu­a­ção?

JM: Nes­te ca­so é su­per­fá­cil. Por eles te­rem já qua­se 12 anos aca­ba por ser qua­se pi­lo­to au­to­má­ti­co, eles es­tão tão bem ca­rac­te­ri­za­dos, pe­lo me­nos na nos­sa ca­be­ça, que eu sei exa­ta­men­te o que é que ele vai di­zer na­que­la si­tu­a­ção, co­mo é que vai re­a­gir se es­ti­ver com fo­me, se es­ti­ver com so­no e, so­bre­tu­do, em mo­men­tos mais com­pli­ca­dos e de ten­são. O que de­pois é mais com­pli­ca­do é apu­rar a ideia e dar os re­to­ques fi­nais, per­ce­ber se aque­la pi­a­da re­sul­ta bem ou não re­sul­ta, mas é um pro­ces­so que não é só de guião, tam­bém se faz na ro­da­gem e, so­bre­tu­do, na par­te da mon­ta­gem por­que é aí que es­ta­mos a con­tro­lar me­lhor os tem­pos.

PS: Quan­do o Alei­xo vai pa­ra a te­le­vi­são nós so­mos de­sa­fi­a­dos a fa­zer um pro­gra­ma com o bo­ne­co e pen­sa­mos co­mo se­ria se o Bru­no Alei­xo fos­se pa­ra a te­le­vi­são, ba­si­ca­men­te ele apre­sen­ta um talk show e há uma des­cons­tru­ção ab­so­lu­ta por­que ele é uma pes­soa – um Ewok de Coim­bra, vá –, que tem uma vi­vên­cia nor­mal, não tem uma vi­vên­cia de TV e por is­so é que tem aque­les rit­mos, aque­las pau­sas, aque­la fal­ta de res­pei­to pe­lo te­les­pec­ta­dor... E as idei­as pa­ra filmes se­gui­ram es­sa to­a­da de ima­gi­nar co­mo aque­las per­so­na­gens, que são pes­so­as nor­mais, não tra­ba­lham na­que­le meio, re­a­gi­ri­am pe­ran­te aque­la si­tu­a­ção.

O ci­ne­ma já es­ta­va nos pla­nos?

PS: Não es­ta­va… Nós gos­ta­mos mui­to de ci­ne­ma, mas, se qui­sés­se­mos che­gar ra­pi­da­men­te ao ci­ne­ma, não se­ria pro­pri­a­men­te atra­vés des­tes bo­ne­cos tos­ca­men­te ani­ma­dos e com mo­vi­men­ta­ção mui­to li­mi­ta­da. Es­cre­ver coi­sas pa­ra ci­ne­ma es­tá sem­pre nas pers­pe­ti­vas de quem escreve qual­quer coi­sa ao ní­vel de per­so­na­gens e nar­ra­ti­vas, mas com as nos­sas coi­sas, com o uni­ver­so do Bru­no Alei­xo nun­ca foi uma hi­pó­te­se mui­to pal­pá­vel...

Fa­lan­do do pú­bli­co bra­si­lei­ro, qual foi a res­pos­ta no Fes­ti­val de São Pau­lo, sen­do o fil­me fei­to na pers­pe­ti­va cul­tu­ral por­tu­gue­sa e sen­do os ato­res por­tu­gue­ses?

PS: O pri­mei­ro guião até ti­nha mais coi­sas com o Bra­sil, na al­tu­ra pen­sa­va-se até na pos­si­bi­li­da­de de fa­zer uma co­pro­du­ção do pró­prio fil­me, de­pois aca­bá­mos por fa­zer es­ta ver­são que po­de ser um bo­ca­di­nho fe­cha­da no sen­ti­do de ter­mos o [Rogério] Sa­mo­ra e o Adriano Luz que são ato­res con­sa­gra­dos em Por­tu­gal, mas no Bra­sil pou­ca gen­te os co­nhe­ce...

JM: O pró­prio trai­ler… eles fi­ze­ram um di­fe­ren­te. A gen­te lan­çou um trai­ler em que apa­re­ce o Rogério Sa­mo­ra com a voz do Ho­mem do Bu­ça­co e to­da a gen­te aqui sa­be quem é o Rogério Sa­mo­ra, mas es­se trai­ler lá não pe­ga. Eles di­zem exa­ta­men­te is­so no trai­ler: com mui­tos ato­res fa­mo­sos em Por­tu­gal. Eles as­su­mem que, “ok, es­tes ga­jos que fa­zem ví­de­os ma­nho­sos pa­ra a Net pe­ga­ram nu­ma sé­rie de ato­res co­nhe­ci­dos e fi­ze­ram ce­nas com eles”. A reação foi boa. Nos fes­ti­vais aca­bas por ter dois ti­pos de pes­so­as: as que que­ri­am mes­mo ir ver o Bru­no Alei­xo, e fo­ram, e aque­las que vão aos fes­ti­vais ver os filmes to­dos e que fi­cam um bo­ca­di­nho: “O que é is­to?” Nós aca­bá­mos por ter tu­do, desde o crí­ti­co mais sé­rio que achou “is­to não é pa­ra vir pa­ra um fes­ti­val sé­rio, is­to são bo­ne­cos a di­zer par­voí­ces”, mas desde o iní­cio que o nos­so pro­je­to é as­sim, é fa­zer um ti­po de hu­mor di­fe­ren­te e, quan­do fa­zes uma coi­sa des­sas, aca­ba por não ser pa­ra to­dos.

“O NOS­SO PRO­JE­TO É FA­ZER UM TI­PO

DE HU­MOR DI­FE­REN­TE E, QUAN­DO FA­ZES

UMA COI­SA DES­SAS, ACA­BA POR NÃO SER PA­RA TO­DOS”

JOÃO MO­REI­RA

E foi fá­cil no iní­cio pôr as pes­so­as a gos­tar e a acom­pa­nhar "um bo­ne­co que diz par­voí­ces"?

JM: A coi­sa co­me­çou num con­tex­to or­gâ‑ ni­co que é o YouTu­be e no YouTu­be, quem qui­ser vê, quem não qui­ser não vê. Não é co­mo a te­le­vi­são que a gen­te tem de pa­par – ago­ra ca­da vez me­nos, por­que há uma sé­rie de ca­nais e Net­flix. Por­tan­to aqui­lo foi com­ple­ta­men­te or­gâ­ni­co, quem gos­ta­va par­ti­lha­va, ha­via ami­gos que vi­am e que gos­ta­vam... fun­ci­o­na co­mo os fe­nó­me­nos vi­rais. E a coi­sa acon­te­ceu re­la­ti­va­men­te de­pres­sa, nós co­me­çá­mos a fa­zer os ví­de­os pa­ra a Net em mar­ço e em maio ti­ve­mos o con­vi­te pa­ra fa­zer a sé­rie, o fe­nó­me­no vi­ral foi em dois, três me­ses.

Es­te fil­me é só pa­ra fãs do Alei­xo? É fá­cil pa­ra quem não es­tá fa­mi­li­a­ri­za­do com o uni­ver­so des­ta per­so­na­gem per­ce­ber e gos­tar do fil­me?

JM: Dá pa­ra uma pes­soa que não co­nhe‑ ça gos­tar por­que as pes­so­as con­se­guem per­ce­ber lo­go, ao fim de cin­co, dez mi­nu‑ tos de fil­me, quem é quem ali, quais são as re­la­ções de hi­e­rar­quia, os mais ve­lhos que tra­tam mal os mais no­vos, o que é mais bru‑ to e res­pon­de mal a um e já não res­pon­de mal a ou­tro… É ób­vio que quem co­nhe­ce vai gos­tar mais, aju­da co­nhe­cer as per­so‑ na­gens e o uni­ver­so, até por­que há mui­tas re­fe­rên­ci­as e coi­sas que se pren­dem com a ques­tão cul­tu­ral. Se ca­lhar os mais no­vos não re­co­nhe­cem o Fer­nan­do Al­vim, por‑ tan­to, quan­do ele apa­re­cer não vão re­a­gir da mes­ma ma­nei­ra... Ago­ra, há pes­so­as que po­dem não achar gra­ça a es­se ti­po de hu­mor e, se não acha­rem gra­ça, na­da fei‑ to. Por­que o fil­me é de hu­mor e é di­fí­cil ser vis­to de uma for­ma não hu­mo­rís­ti­ca. Não é co­mo aque­las co­mé­di­as ro­mân­ti­cas em que, se a gen­te não se riu ne­nhu­ma vez, fi­ca con­ten­te na mes­ma por­que o Hugh Grant fi­ca com não sei quem.

PS: Nós ten­tá­mos não so­bre‑ex­pli­car o fil‑ me, a exis­tên­cia da­que­las per­so­na­gens e a re­la­ção que têm en­tre elas, mas tam­bém não fa­zer uma coi­sa de­ma­si­a­do fe­cha­da, ten­tá­mos en­con­trar um equi­lí­brio. Lá es­tá, pa­ra uma pes­soa que vá ver aqui­lo pe­la pri‑ mei­ra vez, eu ima­gi­no que se­ja mui­to bi­zar‑ ro, por­que aque­las per­so­na­gens são mui­to es­pe­cí­fi­cas, não são mui­to user fri­en­dly ao iní­cio, mas te­mos ti­do, so­bre­tu­do quan­do es­ti­ve­mos em São Pau­lo, pes­so­as que nun‑ ca ti­nham vis­to o fil­me, nun­ca ti­nham ou‑ vi­do fa­lar de na­da da­qui­lo e que gos­ta­ram. Ten­tá­mos que is­to não fe­chas­se por­tas a nin­guém.

Hou­ve re­ceio de que as pes­so­as pu­des­sem ter al­gum ti­po de ex­pec­ta­ti­va pa­ra os bo­ne­cos se­rem ani­ma­dos a 3D, que es­ti­ves­sem a an­dar, coi­sas que nor­mal­men­te não ve­mos?

PS: Eu acho que es­sa ex­pec­ta­ti­va ain­da po‑ de­rá exis­tir, mas acho que a es­pe­ran­ça já se foi es­ba­ten­do um bo­ca­di­nho por­que, as nos­sas coi­sas, desde 2008, não têm so­fri­do grande evo­lu­ção... Há umas coi­sas mí­ni­mas de al­guns ân­gu­los que já es­tão um bo­ca­di‑ nho me­lho­res, os bo­ne­cos já apa­re­cem de trás... Ago­ra es­sa grande evo­lu­ção pa­ra o 3D, só al­guém que te­nha es­ta­do mui­to dis‑ traí­do é que ia achar que ago­ra ía­mos fa‑ zer os bo­ne­cos a me­xer‑se de­mais. Po­de­rá ha­ver, mas acho que a mai­o­ria das pes­so­as não vai com a ex­pec­ta­ti­va de ver os bo­ne‑ cos em gran­des cam­ba­lho­tas.

Qual foi o mai­or de­sa­fio na re­a­li­za­ção des­te fil­me?

JM: Nós es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos a fa­zer ví­de­os de cin­co mi­nu­tos, coi­sas pa­ra a rá­dio com qua­tro e, even­tu­al­men­te, epi­só­di­os com 25/30... Fa­zer com que aqui­lo aguen­tas­se 90 mi­nu­tos foi a par­te mais di­fí­cil... Mas nós es­ta­mos tão por den­tro que ca­be­rá mais ao pú­bli­co e à crí­ti­ca per­ce­ber se con­se­gui­mos pas­sar es­se de­sa­fio. Eu acho que sim, que a coi­sa foi ul­tra­pas­sa­da, tan­to ao ní­vel de de­sign de som, ban­da so­no­ra, edi­ção, tu­do is­so in­flu­en­cia a ma­nei­ra co­mo “atu­ra­mos” o fil­me. Foi um tra­ba­lho de equi­pa mui­to mai­or, mas ain­da bem que ti­ve­mos aces­so à mal­ta que tra­ba­lhou con­nos­co.

PS: O fil­me te­ve um or­ça­men­to bas­tan­te hu­mil­de pa­ra um fil­me de ci­ne­ma e nós, quan­do es­cre­ve­mos, pen­sá­mos lo­go em ato­res que eram per­fei­tos pa­ra aque­les pa­péis e que nós sa­bía­mos que ti­nham al‑ gu­ma re­la­ção com a Som e Fú­ria. Is­to con‑ ti­nua a ser um pro­du­to mui­to lo­ca­li­za­do, de ni­cho, nós nun­ca sa­be­mos quem é que co­nhe­ce... Es­sa fa­se do casting foi lo­go o pro­ble­ma ini­ci­al, mas aca­bou por cor­rer bas­tan­te bem, con­se­gui­mos os ato­res que que­ría­mos. De­pois na prá­ti­ca, a ro­da­gem em si foi mui­to rá­pi­da, foi o ti­ming de ro‑ dar uma cur­ta‑me­tra­gem, ti­ve­mos só du­as se­ma­nas de ro­da­gem… não fil­má­mos em Lis­boa, fil­má­mos em Ana­dia, por is­so os ato­res ti­nham que ir pa­ra lá ou fi­car lá uns di­as e eles têm TV, têm te­a­tro... To­da a gen­te gos­tou mui­to de gra­var lá, mas is­so tam­bém trou­xe al­gu­mas li­mi­ta­ções, mas, pe­lo que me con­tam, fil­mar em Lis­boa é ca­da vez mais caó­ti­co, con­tro­lar am­bi­en­tes em Lis­boa é qua­se im­pos­sí­vel, tem de ser uma pro­du­ção gi­gan­tes­ca pa­ra con­se­guir fe­char um can­ti­nho da ci­da­de e nós lá não ti­ve­mos grande pro­ble­ma.

Co­mo é que foi do­brar, por exem­plo, o Rogério Sa­mo­ra?

JM: Foi uma tra­ba­lhei­ra! Do­brar dá mui­to, mui­to tra­ba­lho. Do­brar bo­ne­cos é fá­cil, eu fa­lo e a ani­ma­ção é fei­ta de­pois, com ba­se na mi­nha voz. Quan­do são os ato­res que fa­lam eu é que te­nho que acom­pa­nhar o mo­vi­men­to da bo­ca de­les, por­tan­to aqui­lo é um tra­ba­lho mi­nu­ci­o­so... e se não fos­se o so­no­plas­ta a ter uma pa­ci­ên­cia de san­to co­mi­go, a coi­sa não te­ria saí­do tão bem e saiu per­fei­ta.

“IS­TO CON­TI­NUA A SER UM PRO­DU­TO

MUI­TO LO­CA­LI­ZA­DO, DE NI­CHO,

NÓS NUN­CA SA­BE­MOS QUEM É QUE CO­NHE­CE”

PE­DRO SAN­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.