CON­SUL­TA COM EXPERTS

GQ (Portugal) - - In & Out -

Qui­se­mos con­fir­mar, jun­to de en­ten­di­dos, se os nos­sos pres­su­pos­tos e con­clu­sões fa­zi­am sen­ti­do ou se an­dá­va­mos mui­to lon­ge da ver­da­de. O pre­mi­a­do es­can­ção por­tu­guês Ro­dol­fo Tris­tão, au­tor do guia Sa­ber Be­ber Vi­nho, co­me­çou por ex­pli­car a ori­gem dos pre­con­cei­tos em re­la­ção aos bag-in-box, di­zen­do que, quan­do apa­re­ce­ram no mer­ca­do, fo­ram ino­va­do­res, com “ma­te­ri­al ami­go do am­bi­en­te, on­de o vi­nho não se al­te­ra e po­de­mos abrir o pa­co­te (com tor­nei­ra) e ser­vir as ve­zes que se qui­ser sem ter pro­ble­mas de es­tra­gar o vi­nho”. Lo­go de se­gui­da, Tris­tão iden­ti­fi­ca o pro­ble­ma: a qua­li­da­de do vi­nho que os pro­du­to­res de­ci­di­ram co­lo­car nos bag-in-box por cá, em Por­tu­gal. “Em vez de ver­mos al­go de ino­va­dor co­mo re­fe­ri e co­lo­car vi­nhos de qua­li­da­de, fo­mos co­lo­car vi­nhos com qua­li­da­de du­vi­do­sa pa­ra fa­zer vo­lu­me. Os pro­du­to­res olha­ram pa­ra o lu­cro. Es­te pres­su­pos­to uti­li­za­do na in­dús­tria do vi­nho veio dar uma má fa­ma ao vi­nho BIB em Por­tu­gal. Es­tes anos to­dos não se con­se­guiu ga­ran­tir uma ima­gem mais po­si­ti­va nes­te ti­po de em­ba­la­gem.”

O es­can­ção faz ain­da uma res­sal­va, dis­tin­guin­do os vi­nhos que te­mos cá à ven­da nas gran­des su­per­fí­ci­es de ou­tros que são pos­tos em BIB pa­ra ex­por­ta­ção. “Exis­tem pro­du­to­res com vi­nhos com qua­li­da­de BIB. Al­guns mer­ca­dos ape­nas pe­dem es­te ti­po de em­ba­la­gem, tan­to pe­lo ti­po de ne­gó­cio co­mo por ser ami­go do am­bi­en­te e por ter dis­po­ní­vel uma mai­or quan­ti­da­de (1,5 l, 3 l, 5 l).”

Ro­dol­fo Tris­tão acres­cen­ta ain­da que, nou­tros paí­ses, o es­ta­tu­to dos vi­nhos em BIB é di­fe­ren­te, pois “o mer­ca­do foi edu­ca­do de ou­tra ma­nei­ra”. “Paí­ses do No­vo Mun­do ti­ve­ram uma apos­ta cla­ra nes­se seg­men­to. Po­de­mos ver tam­bém em­pre­sas de vi­nho do Ve­lho Mun­do com vi­nhos de qua­li­da­de. Por es­te mo­ti­vo, em Por­tu­gal é mais di­fí­cil en­con­trar vi­nhos [em BIB] com al­gu­ma qua­li­da­de, pois es­tá tu­do as­so­ci­a­do (nem to­dos) a vi­nhos de vo­lu­me, mui­ta quan­ti­da­de com pou­ca qua­li­da­de (exis­tem ex­ce­ções, mas não são tão co­nhe­ci­das).” Tris­tão sugere que se­ria po­si­ti­vo fa­zer-se uma cam­pa­nha pa­ra me­lho­rar a ima­gem des­te ti­po de em­ba­la­gem de vi­nhos, le­van­do ao mer­ca­do BIB “vi­nhos de qua­li­da­de e pre­ços de acor­do”.

Con­ver­sá­mos tam­bém com al­guém de fo­ra, pro­cu­ran­do ou­tra pers­pe­ti­va que não ape­nas a do mer­ca­do e dos pro­du­to­res por­tu­gue­ses. Ca­li­an­dra Bel­ni­ows­ki é uma som­me­liè­re bra­si­lei­ra. É fundadora e men­to­ra do pro­je­to Brin­da Co­mi­go (é fá­cil en­con­trá-lo no Ins­ta­gram, por exem­plo).

Con­si­de­ra os vi­nhos de pa­co­te de­sin­te­res­san­tes? Não, mui­to pe­lo con­trá­rio, os vi­nhos de pa­co­te já co­me­çam a ser in­te­res­san­tes pe­lo cus­to-be­ne­fí­cio que tra­zem, pois ofe­re­cem uma grande eco­no­mia por con­ta da em­ba­la­gem. De­pois, por ser prá­ti­co. Por úl­ti­mo e não me­nos im­por­tan­te, por­que pre­vi­ne que o vi­nho oxi­de ra­pi­da­men­te.

A ten­dên­cia ge­ne­ra­li­za­da pa­ra me­nos­pre­zar os vi­nhos em­pa­co­ta­dos tem jus­ti­fi­ca­ção? Não, is­so acon­te­ce pe­lo pre­con­cei­to que as pes­so­as têm, pois pen­sam que um vi­nho em pa­co­te se­ria de uma qua­li­da­de in­fe­ri­or aos en­gar­ra­fa­dos e is­so não é ver­da­de. As­sim co­mo en­con­tra­mos vi­nhos bons e ou­tros me­nos bons em gar­ra­fa, is­so tam­bém acon­te­ce­rá com os vi­nhos de pa­co­te. Só des­co­bri­re­mos ex­pe­ri­men­tan­do.

Se­ria ca­paz de apre­sen­tar um vi­nho de pa­co­te num jan­tar com con­vi­da­dos? Sem dú­vi­da, pri­mei­ro por­que eu, co­mo pro­fis­si­o­nal de vi­nho, te­nho o de­ver de abrir a men­te das pes­so­as e des­per­tar ne­las a cu­ri­o­si­da­de pa­ra pro­var coi­sas no­vas. Des­cons­truin­do a ideia de que só há um jei­to cer­to de se de­gus­tar um bom vi­nho, que nor­mal­men­te in­clui sta­tus e so­fis­ti­ca­ção. Não que eu se­ja con­tra a “ro­man­ti­za­ção” do vi­nho, pois ado­ro o gla­mour a que ele nos re­me­te, mas acre­di­to que exis­te mo­men­to pa­ra tu­do e que o vi­nho é fei­to pa­ra to­dos. Em se­gun­do lu­gar, de­pen­den­do do or­ça­men­to que eu ti­ver pa­ra o jan­tar, com cer­te­za es­sa op­ção se­ria a mais econô­mi­ca [ri­sos].

De um mo­do ge­ral, o que é que dis­tin­gue os vi­nhos de pa­co­te dos ou­tros que são en­gar­ra­fa­dos? Os vi­nhos de pa­co­te são so­bre­tu­do jo­vens e sim­ples, o que quer di­zer que fo­ram fei­tos pa­ra se­rem con­su­mi­dos lo­go que são dis­po­ni­bi­li­za­dos no mer­ca­do, ou se­ja, mes­mo que es­ti­ves­sem em gar­ra­fas, não se­ri­am vi­nhos de guarda, aque­les que con­ti­nu­am a evo­luir com o pas­sar dos anos. Con­cluí­mos com is­so que a de­ci­são por um ou por ou­tro mo­de­lo de em­ba­la­gem irá de­pen­der do tem­po, li­te­ral­men­te, em que o con­su­mi­dor de­se­ja con­su­mir o vi­nho e a sua oca­sião.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.