A DE­SI­GUAL­DA­DE É IMUTÁVEL?

GQ (Portugal) - - In & Out - NO TEM­PO DA PÓS-VER­DA­DE JO­SÉ COU­TO NO­GUEI­RA *

Não va­mos com­pa­rar as ex­pec­ta­ti­vas du­ma cri­an­ça que nas­ceu na po­bre­za na Ni­gé­ria com ou­tra nas­ci­da na fa­mí­lia rei­nan­te do Ca­tar. O que nos in­te­res­sa não são os ca­sos ex­tre­mos em paí­ses atí­pi­cos, mas sim abor­dar as di­fe­ren­ças de vi­da na re­gião mais “mo­der­na” e igua­li­tá­ria nos pri­mei­ros anos do sé­cu­lo XXI, a Eu­ro­pa. O ob­jec­ti­vo dos paí­ses eu­ro­peus tem si­do, desde o prin­cí­pio do sé­cu­lo pas­sa­do, uma igual­da­de de opor­tu­ni­da­des ou, por ou­tras pa­la­vras, um “ele­va­dor so­ci­al” que per­mi­ta que to­dos pos­sam as­cen­der na qua­li­da­de de vi­da.

Aqui­lo a que cha­ma­mos de pós-mo­der­ni­da­de apre­sen­ta uma sé­rie de di­fe­ren­ças em re­la­ção à mo­der­ni­da­de an­te­ri­or, de que se po­de des­ta­car, por um la­do, a pre­do­mi­nân­cia do sec­tor de ser­vi­ços – quan­do an­te­ri­or­men­te era o sec­tor in­dus­tri­al – a pre­ca­ri­e­da­de do em­pre­go, um mai­or le­que de opor­tu­ni­da­des e a pos­si­bi­li­da­de de mu­dar de car­rei­ra até mais do que uma vez, e, por ou­tro la­do, uma mai­or li­ber­da­de de es­co­lha nos re­la­ci­o­na­men­tos e de to­le­rân­cia pe­las pre­fe­rên­ci­as pes­so­ais.

E as per­gun­tas são: uma cri­an­ça nas­ci­da na po­bre­za con­ti­nua a ter me­nos hi­pó­te­ses do que ou­tra nas­ci­da nu­ma fa­mí­lia de­sa­fo­ga­da? E a sua fe­li­ci­da­de de­pen­de da ori­gem, das su­as ca­pa­ci­da­des na­tas ou du­ma com­bi­na­ção das du­as?

Exis­te uma ideia de que o pro­gres­so tec­no­ló­gi­co, que tem avan­ça­do ex­po­nen­ci­al­men­te, e o pro­gres­so so­ci­al, que an­da de­va­gar, mas não es­tá pa­ra­do, são com­po­nen­tes ló­gi­cas da igual­da­de so­ci­al e um fac­tor de fe­li­ci­da­de. Pa­ra afe­rir es­ta ideia, o re­a­li­za­dor Mi­cha­el Apted fez uma sé­rie te­le­vi­si­va, ge­ne­ri­ca­men­te cha­ma­da Up, que se­gue há mais de 50 anos as vi­das de 14 in­gle­ses, dez ra­pa­zes e qua­tro ra­pa­ri­gas, 13 bran­cos e um ne­gro, nas­ci­dos em di­fe­ren­tes mei­os so­ci­ais do Rei­no Uni­do. (Po­de pes­qui­sar no Go­o­gle os por­me­no­res des­ta em­prei­ta­da, e no YouTu­be, on­de há epi­só­di­os dis­po­ní­veis.)

O pri­mei­ro do­cu­men­tá­rio da sé­rie co­me­ça em 1963, quan­do as 14 cri­an­ças es­co­lhi­das ti­nham se­te anos – daí o tí­tu­lo, 63 Up, ou Se­ven Up. Se­gun­do Apted, “jun­tá­mos es­tas cri­an­ças por­que que­ría­mos pre­ver co­mo se­ria a In­gla­ter­ra no ano 2000. O lí­der sin­di­cal ou o em­pre­sá­rio do ano 2000 têm ago­ra se­te anos de ida­de.”

De­pois, de se­te em se­te anos, Apted vol­tou a gra­var a vi­da das “co­bai­as” e a en­tre­vis­tá-las, pa­ra sa­ber co­mo es­ta­vam. Os do­cu­men­tá­ri­os se­guin­tes são de 1970 (eles com 14 nos), 1978 (21 anos), 1984 (28 anos), 1991 (35 anos), 1998 (42 anos), 2005 (49 anos), 2012 (56 anos) e o úl­ti­mo até à da­ta, em 2019, eles com 63 anos.

A sé­rie tem fei­to grande su­ces­so na Grã-Bre­ta­nha; em 2006, o re­pu­ta­do crí­ti­co Ro­ger Ebert es­cre­veu que “pe­ne­tra na ques­tão es­sen­ci­al da vi­da” – um exa­ge­ro, cer­ta­men­te, mas uma me­di­da do seu im­pac­to mes­mo jun­to dos opi­na­do­res en­car­ta­dos. Al­guns es­pe­ci­a­lis­tas, psi­có­lo­gos, et­nó­lo­gos, as­sim co­mo os pró­pri­os re­tra­ta­dos, le­van­ta­ram al­gu­mas ob­jec­ções ao pro­jec­to, co­mo, por exem­plo, que Apted es­ta­be­le­ce re­la­ções en­tre o pas­sa­do e o pre­sen­te das pes­so­as que não fa­zem sen­ti­do, ou pre­vê si­tu­a­ções (ca­so dum di­vór­cio) an­tes de elas acon­te­ce­rem. A es­cri­to­ra Re­be­ca Me­ad con­si­de­rou na re­vis­ta The New Yor­ker que o re­a­li­za­dor mos­tra um cer­to pa­ter­na­lis­mo em re­la­ção às mu­lhe­res da clas­se bai­xa e ten­de a ri­di­cu­la­ri­zar os ho­mens da al­ta. Ele pró­prio re­co­nhe­ceu os seus des­li­zes, des­cul­pan­do-se que “é di­fí­cil não fa­zer de Deus quan­do se ob­ser­va de ci­ma a vi­da das pes­so­as”.

Mas na­da dis­to in­te­res­sa; va­le a pe­na ver a sé­rie, não só pe­lo seu la­do hu­ma­no, co­mo pe­las im­pli­ca­ções so­ci­ais – e, em úl­ti­ma aná­li­se, po­lí­ti­ca. Pois, dis­se o re­a­li­za­dor, “a vi­da de­les é uma afirmação po­lí­ti­ca, não por­que fa­lem de­la, mas por­que são o re­sul­ta­do das op­ções po­lí­ti­cas do país”.

Con­tu­do, o mais in­te­res­san­te é ava­li­ar até que pon­to es­ta épo­ca re­al­men­te au­men­ta as pos­si­bi­li­da­des de au­to-re­a­li­za­ção, ex­cluin­do a ine­vi­tá­vel dis­pa­ri­da­de de per­so­na­li­da­des. Ou con­si­de­rar até que pon­to es­sa dis­pa­ri­da­de pes­so­al é in­flu­en­ci­a­da pe­la si­tu­a­ção so­ci­al.

O nos­so tem­po é re­al­men­te sur­pre­en­den­te. (Co­mo to­das as épo­cas te­rão si­do sur­pre­en­den­tes pa­ra quem ne­las vi­veu, mas o que nos in­te­res­sa é a nos­sa, não é ver­da­de?) En­tão, qual é o veredicto? Dis­pa­ra­tes tra­zem con­sequên­ci­as, em qual­quer clas­se. Con­for­mis­mo traz in­fe­li­ci­da­de, mas o in­con­for­mis­mo tem um pre­ço. Dum pon­to de vis­ta ma­te­ri­al, quem nas­ce me­lhor tem mais pos­si­bi­li­da­de de vi­ver me­lhor, co­mo an­ti­ga­men­te. E do pon­to de vis­ta in­te­lec­tu­al, ter mais op­ções não le­va for­ço­sa­men­te a me­lho­res es­co­lhas. O mun­do mu­dou, mas no fun­do con­ti­nua na mes­ma.

To­da­via, es­ta é ape­nas uma opi­nião. Ve­ja a sé­rie e di­ga lá qual é a sua.

O RE­A­LI­ZA­DOR MI­CHA­EL APTED FEZ UMA SÉ­RIE TE­LE­VI­SI­VA

QUE SE­GUE HÁ MAIS DE 50

ANOS AS VI­DAS DE 14 IN­GLE­SES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.