PER­FU­ME

Um per­fu­me foi a ra­zão per­fei­ta pa­ra uma con­ver­sa tran­sa­tlân­ti­ca com o ator Pe­dro Pas­cal, o agen­te Peña na sé­rie Nar­cos.

GQ (Portugal) - - Sumário - Por Ana Sal­da­nha. Fo­to­gra­fia de Gon­za­lo Ma­cha­do.

Pe­dro Pas­cal: um ator de con­tras­tes pa­ra uma fra­grân­cia de con­tras­tes.

AA fór­mu­la do so­nho ame­ri­ca­no de Hollywo­od pa­re­ce sim­ples: o jo­vem so­nha e o pa­pel que é a cha­ve pa­ra a fa­ma nas­ce. Mas nem sem­pre a his­tó­ria é es­ta li­nha re­ta. Pa­ra Pe­dro Pas­cal hou­ve uma vi­da an­tes e de­pois de Ga­me of Th­ro­nes. O ator, que já ti­nha fei­to pe­que­nos pa­péis em te­le­vi­são e que se de­di­ca­va ao te­a­tro em No­va Ior­que, con­se­guiu, aos 37 anos, o pa­pel que lhe abri­ria as por­tas que acha­va que já es­ta­vam tran­ca­das.

De­pois de ser o prín­ci­pe Oberyn Mar­tell, em 2013, sur­ge o pa­pel que cris­ta­li­za a che­ga­da à me­ta após uma ma­ra­to­na de au­di­ções e cas­tings que nem sem­pre ti­nham fi­nais fe­li­zes: Ja­vi­er Peña, o agen­te da DEA (Drug En­for­ce­ment Ad­mi­nis­tra­ti­on) en­vi­a­do pe­lo FBI pa­ra cap­tu­rar Pa­blo Es­co­bar, na sé­rie Nar­cos.

Fo­ram três anos de uma sé­rie em bom que re­tra­tou o mau e o vi­lão e Pas­cal não pa­rou mais. O ator chi­le­no foi um mer­ce­ná­rio em The Gre­at Wall, um agen­te se­cre­to em Kings­man: The Gol­den Cir­cle,o bad guy em The Equa­li­zer 2 e, mais re­cen­te­men­te, o pro­ta­go­nis­ta da sé­rie The Man­da­lo­ri­an, a pri­mei­ra sé­rie spin off do fran­chi­se Star Wars em par­ce­ria com a Dis­ney+.

Mas não só de po­lí­ci­as e an­ta­go­nis­tas se fez Pas­cal. Em 2017 o ator foi con­vi­da­do pa­ra ser em­bai­xa­dor da cam­pa­nha de So­lo da Lo­ewe e, es­te ano, é o ros­to de Mer­cu­rio, a no­va fra­grân­cia da mar­ca de lu­xo es­pa­nho­la.

Co­mo foi vol­tar a ser um ho­mem Lo­ewe com es­ta no­va fra­grân­cia?

Bem… é mui­to es­pe­ci­al re­pre­sen­tar uma mar­ca com tan­ta qua­li­da­de. To­da a gen­te que eu co­nhe­ço ado­ra a Lo­ewe e é mui­to gra­ti­fi­can­te re­pre­sen­tar uma ban­da com tan­to bom gos­to.

E es­ta no­va fra­grân­cia, Mer­cu­rio, é fei­ta de con­tras­tes… Co­mo é que te iden­ti­fi­cas com es­ses con­tras­tes?

Eu acho que o mun­do in­tei­ro é um con­tras­te, a re­a­li­da­de é um con­tras­te de idei­as e de sen­ti­men­tos. E eu es­tou sem­pre a iden­ti­fi­car os con­tras­tes que fa­zem par­te dos meus di­as… Por is­so acho que o con­tras­te é a ideia mais re­a­lis­ta que se po­de­ria usar nu­ma cam­pa­nha.

E qual é a tua par­te fa­vo­ri­ta des­se con­tras­te no per­fu­me?

Eu ado­ro que se­ja um aro­ma mui­to im­pre­vi­sí­vel. Não dá pa­ra iden­ti­fi­car se é par­ti­cu­lar­men­te do­ce ou par­ti­cu­lar­men­te mas­cu­li­no. É uma fra­grân­cia aber­ta a to­das as in­ter­pre­ta­ções.

É ha­bi­tu­al as­so­ci­ar­mos os ho­mens das cam­pa­nhas de per­fu­me a char­me e clas­se. Qual é o be­auty se­cret de um ho­mem Lo­ewe?

Bem… Eu te­nho sor­te e não te­nho mui­tos se­gre­dos [ri­sos]. Acho que o úni­co ver­da­dei­ro es­for­ço que pos­so fa­zer é chei­rar bem. O res­to ou é por aci­den­te ou por engano.

Mui­ta gen­te te co­nhe­ce por cau­sa da sé­rie Nar­cos. Co­mo foi fa­zer par­te de um pro­je­to que te­ve tan­to su­ces­so?

Foi mui­to es­pe­ci­al fa­zer par­te de uma ex­pe­ri­ên­cia te­le­vi­si­va que de­fi­niu a fas­quia pa­ra o que é pos­sí­vel fa­zer em story­tel­ling te­le­vi­si­vo. Eu lem­bro-me de ver o Tro­pa de Eli­te an­tes de fil­mar­mos o pri­mei­ro epi­só­dio de Nar­cos e pen­sar que se con­se­guís­se­mos al­can­çar a ex­pe­ri­ên­cia vi­su­al da­que­le fil­me e trans­for­má-lo nu­ma sé­rie, iría­mos fa­zer o que ain­da nin­guém ti­nha vis­to. E acho que foi is­so que acon­te­ceu, es­pe­ci­al­men­te gra­ças aos lo­cais fan­tás­ti­cos em que es­ti­ve­mos a gra­var. Foi in­crí­vel vi­ver na Colôm­bia du­ran­te aque­les três anos de gra­va­ções.

Por­que é que as pes­so­as gos­tam tan­to de pro­gra­mas so­bre ba­rões da dro­ga e, es­pe­ci­al­men­te, so­bre Pa­blo Es­co­bar?

Eu não acho que se­ja so­bre dro­ga… Acho que as pes­so­as se sen­tem fas­ci­na­das pe­lo po­der e pe­la gu­er­ra, que são coi­sas que en­con­tra­mos em to­das as fa­ce­tas da so­ci­e­da­de, de or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas a po­lí­ti­cas… E acho que a sé­rie [Nar­cos] foi um gran­de re­fle­xo das lu­tas de po­der no mun­do.

Tam­bém fi­zes­te par­te de Ga­me of Th­ro­nes e, mais re­cen­te­men­te, da sé­rie The Man­da­lo­ri­an. Co­mo foi fa­zer par­te de pro­je­tos com uma gran­de ba­se de fãs? Sen­tis­te a pres­são?

Não, de to­do. Co­mo ator, sin­to que sou ape­nas o veí­cu­lo pa­ra a vi­são de al­guém e, es­pe­ci­al­men­te nos três pro­gra­mas que men­ci­o­nas­te, ha­via um gru­po de re­a­li­za­do­res, ar­gu­men­tis­tas e cri­a­ti­vos vi­si­o­ná­ri­os atrás das câ­ma­ras. Se ha­via al­gu­ma pres­são, eles aca­ba­ram por pro­te­ger-me de­la.

“TU AUMENTAS SEM­PRE AS CHAN­CES SE FIZERES MAIS E DU­RAN­TE MAIS TEM­PO. ACA­BA POR SER UMA FÓR­MU­LA MUI­TO SIM­PLES E CON­CRE­TA PA­RA UMA VI­DA MUI­TO ABSTRATA. CÁ ES­TÁ O CON­TRAS­TE”

Mas ape­sar de te­res fei­to par­te de pro­je­tos tão bem-su­ce­di­dos, o teu ca­mi­nho pa­ra o su­ces­so foi lon­go, cer­to? Fa­la-me dis­so…

Eu que­ria ter si­do bem-su­ce­di­do mui­to mais ce­do e par­tiu-me o co­ra­ção quan­do is­so não acon­te­ceu… Mas de­pois tor­nei-me prag­má­ti­co e con­ti­nu­ei a ser mui­to gra­to por to­do o ca­mi­nho que es­ta­va a fa­zer e por qual­quer di­nhei­ro que ga­nhas­se em qual­quer tra­ba­lho que con­se­guia. Che­gou a um pon­to em que, mes­mo sem es­tar a ga­nhar mui­to, es­ta­va ro­de­a­do de ami­gos ato­res, gui­o­nis­tas e pes­so­as do te­a­tro e era fe­liz. E foi aí que pa­rei de ten­tar cri­ar a ideia do que eu acha­va que era o su­ces­so... e foi pre­ci­sa­men­te quan­do eu me­nos es­ta­va à es­pe­ra que apa­re­ceu o pa­pel de Ga­me of Th­ro­nes… E a par­tir daí a mi­nha vi­da mu­dou dras­ti­ca­men­te.

E achas que is­so po­de ser um exem­plo pa­ra que jo­vens ato­res que es­tão a ter di­fi­cul­da­des con­ti­nu­em à es­pe­ra do seu Ga­me of Th­ro­nes?

Exa­ta­men­te. Eu acho que a úni­ca ra­zão pe­la qual is­so me acon­te­ceu foi por­que eu con­ti­nu­ei a ten­tar. Tu aumentas sem­pre as chan­ces se fizeres mais e du­ran­te mais tem­po. Aca­ba por ser uma fór­mu­la mui­to sim­ples e con­cre­ta pa­ra uma vi­da mui­to abstrata. Cá es­tá o con­tras­te [ri­sos].

Até se tor­na di­fí­cil acom­pa­nhar to­dos os pro­je­tos di­fe­ren­tes que es­tão a sair e as pla­ta­for­mas di­fe­ren­tes em que sa­em. Acho que es­ta­mos num mo­men­to com um mer­ca­do mui­to abun­dan­te pa­ra pes­so­as que que­rem con­tar his­tó­ri­as.

E achas que o fac­to de ser­vi­ços de stre­a­ming co­mo a Net­flix es­ta­rem a pro­du­zir con­teú­dos em lín­gua não in­gle­sa es­tá a abrir por­tas pa­ra os ato­res?

Sem dú­vi­da. E acho que é in­crí­vel. Es­tão cons­tan­te­men­te a recomendar-me pro­du­ções ori­gi­nais do Mé­xi­co, de Es­pa­nha, de Itá­lia, de Is­ra­el… E to­dos na sua lín­gua ma­ter­na. Acho que é uma coi­sa in­crí­vel que an­tes sim­ples­men­te não ti­nha es­pa­ço pa­ra exis­tir.

E os EUA ain­da têm um ca­mi­nho lon­go a per­cor­rer até acei­ta­rem con­teú­dos em lín­gua não in­gle­sa?

Eu acho que… Sim. Sim, te­mos um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer em ter­mos de alar­gar ho­ri­zon­tes no en­tre­te­ni­men­to, pa­ra a lín­gua, pa­ra a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de in­clu­si­va, pa­ra ha­ver mais mu­lhe­res re­a­li­za­do­ras e ar­gu­men­tis­tas… Acho que es­tão a acon­te­cer mui­tos dos de­ba­tes cer­tos e, a lon­go pra­zo, es­pe­ro que a cons­ci­en­ci­a­li­za­ção crie re­sul­ta­dos.

E de­pois de per­so­na­gens tão me­mo­rá­veis, qual é o pa­pel de so­nho?

Não sei… Nem sei se te­nho um pa­pel de so­nho… Acho que é mais uma ex­pe­ri­ên­cia de so­nho: di­ver­tir-me imen­so num pro­je­to com ami­gos.

E re­a­li­zar ou es­cre­ver es­tá nos pla­nos? Se­cre­ta­men­te eu gos­to mui­to de es­cre­ver e é al­go que fa­ço des­de cri­an­ça. Mas sou mais re­ca­ta­do quan­to à es­cri­ta por­que é um tra­ba­lho mui­to mais ex­pos­to e vul­ne­rá­vel e nem sei se sou bom a fa­zê-lo, pre­ci­sa­men­te por­que é di­fí­cil par­ti­lhá-lo. Mas tal­vez um dia...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.