CO­MER PA­RA QUE­RER

Um jor­na­lis­ta que gos­ta mui­to de co­mer re­sol­veu lan­çar o li­vro de­di­ca­do a quem com ele par­ti­lha es­sa pai­xão. Sem ta­bus e sem li­mi­tes, Ri­car­do Di­as Fel­ner apre­sen­ta O Ho­mem Que Co­mia de Tu­do.

GQ (Portugal) - - In & Out - Por Di­e­go Ar­més.

Quan­do nos en­con­tra­mos pa­ra con­ver­sar so­bre O Ho­mem Que Co­mia de Tu­do (Qu­et­zal), o au­tor, Ri­car­do Di­as Fel­ner, apro­vei­ta pa­ra fa­lar acer­ca da ma­nei­ra co­mo se es­cre­ve so­bre co­mi­da em Por­tu­gal. O as­sun­to tor­nou-se sé­rio, pe­sa­do, às ve­zes ma­ça­dor, fre­quen­te­men­te de­ma­si­a­do téc­ni­co e no li­mi­ar do pre­ten­si­o­sis­mo. Foi um en­con­tro em Lis­boa du­ran­te o qual Fel­ner apro­vei­tou pa­ra mos­trar as igua­ri­as de um sin­gu­lar tas­co chi­nês per­to do Mar­tim Mo­niz e de­mons­trar o seu es­pí­ri­to aven­tu­rei­ro num re­can­to ben­ga­li cu­jas de­lí­ci­as não jus­ti­fi­cam o ris­co, ali ao la­do, na Rua do Ben­for­mo­so.

É es­te o per­fil de Fel­ner, jor­na­lis­ta, es­cri­tor, blog­ger e fo­o­die, que con­fir­ma tu­do o que se pos­sa es­pe­rar do au­tor de um li­vro in­ti­tu­la­do O Ho­mem Que Co­mia de Tu­do –e é uma im­pres­são que fi­ca su­bli­nha­da após a lei­tu­ra do mes­mo. Não se es­pe­re da­qui um guia prá­ti­co nem um com­pên­dio com cu­ra­do­ria de Fel­ner – se pro­cu­ra uma en­ci­clo­pé­dia com es­tre­li­nhas gas­tro­nó­mi­cas, afas­te-se ra­pi­da­men­te des­te ob­je­to. Aqui fa­la-se de co­mi­da e de co­mer, de ex­pe­ri­men­tar e de co­nhe­cer. Fa­la-se de se ser apai­xo­na­do pe­lo que se co­me e ain­da mais por se des­co­brir sa­bo­res, tex­tu­ras e mis­tu­ras, ori­gens, tra­di­ções e in­ven­ções.

No li­vro, cor­re-se o mun­do e as re­cei­tas, en­con­tram-se de­sa­ba­fos e de­se­jos. Co­mer é tão de­pres­sa ele­va­do a for­ma de ar­te co­mo lo­go a se­guir é re­bai­xa­do a im­pul­so pri­mi­ti­vo. Mas nem tu­do em co­mer é co­mi­da, que a vi­da não é só gas­tro­no­mia. Há aqui mui­to pen­sa­men­to e vá­ri­as de­cla­ra­ções e aná­li­ses que, to­das jun­tas, aca­bam por de­ter­mi­nar, se não uma filosofia, uma for­ma de es­tar na vi­da. Das cri­a­ções dos gran­des chefs à fei­jo­a­da de chou­ri­ços, dan­do ên­fa­se à pimenta de Si­chu­an e nun­ca vi­ran­do a ca­ra ao que é exó­ti­co, Ri­car­do Di­as Fel­ner agru­pa tex­tos di­ver­sos que nos con­du­zem pe­lo ma­ra­vi­lho­so mun­do de gos­tar de co­mer.

Con­fir­ma ou des­men­te: a gas­tro­no­mia por­tu­gue­sa é a me­lhor do mun­do Des­min­to. É tão boa co­mo a da Geór­gia. Ou se­ja, mui­to boa. Mo­men­to Twit­ter: a di­fe­ren­ça en­tre fo­o­die e gour­mand em 140 ca­rac­te­res Fo­o­die é um jo­vem es­fo­me­a­do e opor­tu­nis­ta com Ins­ta­gram; gour­mand é um cin­quen­tão que es­tá sem­pre a sa­car do La­rous­se e do Bril­lat-Sa­va­rin.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.