Sik­kim Bi­o­ló­gi­co

GQ (Portugal) - - Abril -

A du­pla de re­pór­te­res Mat­teo Fa­got­to e Ma­til­de Gat­to­ni (fo­to­gra­fia) vi­a­jam até ao es­ta­do in­di­a­no de Sik­kim, na fron­tei­ra com o Ne­pal, o Bu­tão e o Ti­be­te. É aí que en­con­tram uma es­pé­cie de pa­raí­so em tor­no do mon­te Kan­chen­jun­ga, a ter­cei­ra mon­ta­nha mais al­ta do pla­ne­ta.

Ade­ci­são de tor­nar Sik­kim 100% bi­o­ló­gi­co nas­ceu na men­te de Pawan Ku­mar Cham­ling, o mi­nis­tro que go­ver­nou o es­ta­do du­ran­te 25 anos con­se­cu­ti­vos, até maio de 2019. A no­va po­lí­ti­ca era ade­qua­da à re­gião: de­vi­do aos seus ter­re­nos mon­ta­nho­sos, pe­que­nos e dis­per­sos – a pro­pri­e­da­de mé­dia tem ape­nas um hec­ta­re e a mai­o­ria dos cam­po­ne­ses pra­ti­cam a agri­cul­tu­ra de sub­sis­tên­cia – Sik­kim não reú­ne con­di­ções ide­ais pa­ra a prá­ti­ca de agri­cul­tu­ra in­dus­tri­al e me­ca­ni­za­da. A uti­li­za­ção de quí­mi­cos sem­pre foi sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te mais bai­xa aqui do que no res­to do mun­do.

No en­tan­to, a no­va via não é imu­ne a ris­cos. A agri­cul­tu­ra bi­o­ló­gi­ca é mais com­ple­xa e exi­gen­te, em ter­mos de mão de obra, e as co­lhei­tas são sa­zo­nais e de bai­xo ren­di­men­to. As au­to­ri­da­des lo­cais iden­ti­fi­ca­ram qua­tro cul­tu­ras ren­tá­veis – gen­gi­bre, tri­go-sar­ra­ce­no, cur­cu­ma e car­da­mo­mo – que po­de­rão im­pul­si­o­nar as ex­por­ta­ções bi­o­ló­gi­cas de Sik­kim, mas o es­ta­do não tem in­fra­es­tru­tu­ras (ar­ma­ze­na­men­to em ca­dei­as de frio, uni­da­des de pro­ces­sa­men­to e um sis­te­ma de trans­por­te fiá­vel) pa­ra co­mer­ci­a­li­zar efi­caz­men­te os seus pro­du­tos agrí­co­las de al­ta qua­li­da­de. A mai­o­ria dos agri­cul­to­res são for­ça­dos a ven­der os seus pro­du­tos atra­vés dos mes­mos mei­os, pe­lo mes­mo pre­ço, que a fru­ta e os le­gu­mes con­ven­ci­o­nais.

Po­de­rão ser ne­ces­sá­ri­os anos pa­ra que se crie uma ca­deia lo­gís­ti­ca em con­di­ções, mas a si­tu­a­ção es­tá a me­lho­rar aos pou­cos. Ho­je em dia, as de­li­ci­o­sas la­ran­jas de Dzon­gu são ven­di­das em lo­cais tão dis­tan­tes co­mo Cal­cu­tá e De­li e in­ves­ti­do­res de vá­ri­os paí­ses do Mé­dio Ori­en­te, Eu­ro­pa, Su­des­te Asiá­ti­co e Ex­tre­mo Ori­en­te já ex­pri­mi­ram o seu in­te­res­se nos pro­du­tos lo­cais.

A re­vo­lu­ção bi­o­ló­gi­ca tam­bém es­ti­mu­lou um pi­co no tu­ris­mo nes­te lo­cal ina­ces­sí­vel. Per­ten­cen­te à Ín­dia des­de 1975, Sik­kim é ha­bi­ta­da por di­fe­ren­tes co­mu­ni­da­des – bhu­ti­as, lep­chas, ne­pa­le­sas e ti­be­ta­nas – e con­tém uma mis­tu­ra fas­ci­nan­te de idi­o­mas, cul­tu­ras, re­li­giões e uma pe­cu­li­ar iden­ti­da­de cul­tu­ral. Vi­a­jar até lá po­de ser di­fí­cil – a mai­o­ria das es­tra­das são es­trei­tas e em ter­ra ba­ti­da, aber­tas em en­cos­tas mon­ta­nho­sas e 100 km po­dem de­mo­rar um dia in­tei­ro a per­cor­rer –, mas aque­les com es­pí­ri­to aven­tu­rei­ro co­lhe­rão re­com­pen­sas es­pe­ta­cu­la­res. Pi­cos al­tos, va­les es­trei­tos sul­ca­dos por ri­os trans­pa­ren­tes e flo­res­tas in­tac­tas in­ter­ca­la­das com tem­plos hin­dus, mos­tei­ros bu­dis­tas iso­la­dos e la­gos sa­gra­dos são ape­nas al­gu­mas das des­lum­bran­tes atra­ções de Sik­kim.

Sair da vas­ta ca­pi­tal, Gang­tok, e per­der-se na na­tu­re­za luxuriante e intocada é a me­lhor for­ma de ex­plo­rar es­ta ter­ra hipnotizan­te. Os vi­si­tan­tes po­dem hos­pe­dar-se em ca­sas de al­deia – quar­tos es­par­ta­nos em ca­sa de fa­mí­li­as ru­rais – e ter um vis­lum­bre da ge­nuí­na vi­da ru­ral. Os di­as são pas­sa­dos a co­lher ar­roz, ex­plo­rar cas­ca­tas es­con­di­das ou em ca­sa­men­tos tra­di­ci­o­nais. À noi­te, as fa­mí­li­as reú­nem-se em tor­no da la­rei­ra pa­ra par­ti­lhar his­tó­ri­as – e de­li­ci­o­sos jan­ta­res con­fe­ci­o­na­dos com in­gre­di­en­tes bi­o­ló­gi­cos – com os seus hós­pe­des.

En­tre os des­ti­nos obri­ga­tó­ri­os de Sik­kim en­con­tra-se a quin­ta-mo­de­lo de Azing Lep­cha – um ho­mem tí­mi­do e tra­ba­lha­dor de 57 anos, da al­deia de Ha­ti­dun­ga, cu­ja his­tó­ria é um bom exem­plo das lu­tas e re­com­pen­sas da tran­si­ção ofe­re­ci­das pe­la agri­cul­tu­ra bi­o­ló­gi­ca. Em 2003, Azing her­dou dois hec­ta­res de ter­re­no agrí­co­la do seu fa­le­ci­do pai. Os ter­re­nos em so­cal­cos es­ta­vam co­ber­tos por mo­no­cul­tu­ra de mi­lho des­de a dé­ca­da de 70 e a cons­tan­te apli­ca­ção de ureia – um adu­bo co­mum e aces­sí­vel à ba­se de azo­to – du­ran­te mais de 25 anos es­go­ta­ra ain­da mais o so­lo já de si po­bre.

Azing co­me­çou a con­ver­ter o ter­re­no nu­ma ex­plo­ra­ção fru­tí­co­la, plan­tan­do as su­as en­cos­tas ín­gre­mes com ana­na­ses, goi­a­bas, ba­na­nas, man­gas, pa­pai­as e ja­cas. O iní­cio não foi pro­mis­sor. “Nin­guém ti­nha co­nhe­ci­men­to da mi­nha no­va ati­vi­da­de. A úni­ca coi­sa que eu po­dia fa­zer era ven­der a fru­ta no mer­ca­do mais pró­xi­mo”, ex­pli­ca. “Du­ran­te qua­tro anos, ti­ve di­fi­cul­da­des em sus­ten­tar a mi­nha fa­mí­lia.” No en­tan­to, ele não de­sis­tiu e de­ci­diu di­ver­si­fi­car as su­as ati­vi­da­des, pro­du­zin­do mel ca­sei­ro e uti­li­zan­do os ex­ce­den­tes de fru­ta pa­ra fa­bri­car de­li­ci­o­sos vi­nhos sem ál­co­ol. A ideia fun­ci­o­nou, atrain­do um flu­xo cons­tan­te de cli­en­tes. Azing abriu uma hos­pe­da­ria pa­ra os alo­jar, ali­an­do a agri­cul­tu­ra bi­o­ló­gi­ca ao tu­ris­mo sus­ten­tá­vel num cír­cu­lo vir­tu­o­so. Ho­je em dia, re­ce­be mais de 300 vi­si­tan­tes in­di­a­nos e in­ter­na­ci­o­nais por mês e os seus fru­tos, le­gu­mes e ovos che­gam aos me­lho­res ho­téis de cin­co es­tre­las de Gang­tok.

SAIR DA VAS­TA CA­PI­TAL, GANG­TOK, E PER­DER-SE NA NA­TU­RE­ZA LUXURIANTE E INTOCADA É A ME­LHOR FOR­MA DE EX­PLO­RAR ES­TA TER­RA HIPNOTIZAN­TE

Azing con­se­guiu que to­dos os seus se­te fi­lhos fre­quen­tas­sem a es­co­la e tor­nou-se co­nhe­ci­do em Sik­kim co­mo uma das prin­ci­pais his­tó­ri­as de su­ces­so da re­vo­lu­ção bi­o­ló­gi­ca. Mais im­por­tan­te, pro­vou aos seus co­le­gas agri­cul­to­res que o no­vo mo­de­lo po­de fun­ci­o­nar de­pen­den­do ape­nas da na­tu­re­za. Azing usa es­tru­me – uma mis­tu­ra de fe­zes de ani­mais e fo­lhas da flo­res­ta – co­mo adu­bo, e uma mis­tu­ra de uri­na de va­ca fer­men­ta­da e er­vas lo­cais co­mo re­pe­len­te de in­se­tos. “Vin­te por cen­to das co­lhei­tas con­ti­nu­am a ser con­su­mi­das por in­se­tos, aves, macacos e ani­mais sel­va­gens, mas não me im­por­to na­da”, acres­cen­ta. “Es­tes ani­mais ali­men­tam a flo­res­ta, que, por sua vez, for­ne­ce es­tru­me pa­ra a mi­nha quin­ta. Na na­tu­re­za, tu­do es­tá li­ga­do.”

De­pois de tra­tar dos cam­pos de ana­na­ses, Azing con­duz-me até uma co­zi­nha rús­ti­ca, on­de há três pa­ne­las a fu­me­gar em ci­ma de uma me­sa. O al­mo­ço é fru­gal – al­gu­mas co­lhe­res de ar­roz acom­pa­nha­do por fei­jão, len­ti­lhas e uma so­pa com le­gu­mes de fo­lha ver­de – mas é tão de­li­ci­o­so que pa­re­ce que es­tou a co­mer pe­la pri­mei­ra vez. O sa­bor des­per­ta os sen­ti­dos e fa­la so­bre tem­pos pas­sa­dos, quan­do fru­tos e le­gu­mes ti­nham nu­ma li­ga­ção vi­va com o pla­ne­ta e os se­res hu­ma­nos. Sa­bo­reá-los é uma ex­pe­ri­ên­cia sin­gu­lar e va­le bem a lon­ga vi­a­gem até es­te rei­no an­ces­tral, ain­da go­ver­na­do pe­los rit­mos imu­tá­veis da na­tu­re­za.

Aqui, o amor vis­ce­ral que as pes­so­as sen­tem pe­lo mun­do na­tu­ral re­sul­ta de ne­ces­si­da­des es­sen­ci­ais que evo­luí­ram até se tor­na­rem uma filosofia de vi­da. As al­dei­as lo­cais es­tão es­pa­lha­das e iso­la­das umas das ou­tras e, na épo­ca das mon­ções, os alui­men­tos de ter­ras po­dem blo­que­ar as pou­cas es­tra­das exis­ten­tes, iso­lan­do dis­tri­tos in­tei­ros du­ran­te se­ma­nas. A au­tos­su­fi­ci­ên­cia sem­pre foi obri­ga­tó­ria num am­bi­en­te tão exi­gen­te e en­si­nou os ha­bi­tan­tes de Sik­kim a dis­cer­nir a lin­gua­gem da na­tu­re­za. “Não pre­ci­sa­mos de mer­ca­dos aqui. Se me man­da­rem pa­ra a sel­va, sei que plan­tas co­mer”, ex­pli­ca Ten­zing, rin­do-se. “Sa­be­mos es­tas coi­sas des­de os nos­sos an­te­pas­sa­dos. Se nos ti­vés­se­mos afas­ta­do do mun­do, não sa­be­ría­mos co­mo tra­tar de nós.”

Os agri­cul­to­res de Sik­kim sa­bem que a al­tu­ra ide­al pa­ra plan­tar ve­ge­tais coin­ci­de com a migração pri­ma­ve­ril do grou-de-pes­co­ço-ne­gro em di­re­ção ao Ti­be­te, en­quan­to o flo­res­ci­men­to de cer­tas flo­res as­si­na­la o pe­río­do em que as tru­tas na­dam pa­ra mon­tan­te pa­ra a pos­tu­ra dos ovos. Es­tas téc­ni­cas de cul­ti­vo e ca­ça cons­ti­tu­em uma ri­que­za de co­nhe­ci­men­to ines­ti­má­vel. Ou­vir Ten­zing enu­me­rá-las é co­mo en­trar nu­ma bi­bli­o­te­ca an­ti­ga pa­ra ad­mi­rar um ma­nus­cri­to sa­gra­do.

Re­gres­sar à agri­cul­tu­ra não foi a úni­ca ma­nei­ra de Ten­zing de­di­car a sua vi­da à pro­te­ção da na­tu­re­za. Nos úl­ti­mos 12 anos, ele e os seus vi­zi­nhos da al­deia li­de­ra­ram uma ba­ta­lha fe­roz con­tra vá­ri­os pro­je­tos hi­dro­e­lé­tri­cos, que mu­da­ri­am pa­ra sem­pre as mon­ta­nhas e os ri­os de Dzon­gu. Os agri­cul­to­res so­fre­ram es­pan­ca­men­tos e fo­ram pre­sos, mas con­se­gui­ram ven­cer, pon­do o seu amor pe­la ter­ra à fren­te dos seus lu­cros pes­so­ais. To­dos sa­bi­am que, se não lu­tas­sem, não ha­ve­ria mais ter­ra agrí­co­la, nem tu­ris­mo ou se­quer vi­da.

Os olhos de Ten­zing bri­lham com uma mis­tu­ra de or­gu­lho e me­do quan­do ele pen­sa so­bre os de­sa­fi­os do fu­tu­ro. Ele sa­be que a pre­ser­va­ção da na­tu­re­za é uma lu­ta diá­ria que nun­ca de­ve ser con­si­de­ra­da um da­do ad­qui­ri­do. “Não po­de­mos pe­dir aos nos­sos jo­vens que fa­çam o mes­mo que nós. O in­te­res­se te­rá de vir de­les”, con­clui. “Aqui­lo que po­de­mos fa­zer é mos­trar-lhes o ca­mi­nho que foi cri­a­do pe­los nos­sos an­te­pas­sa­dos e que eu de­ci­di se­guir. Es­pe­ro sin­ce­ra­men­te que as ge­ra­ções vin­dou­ras fa­çam o mes­mo.”

Re­tra­to de Azing Lep­cha, de 57 anos, sen­ta­do na sa­la de jan­tar da sua quin­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.