ORÁCULOS MAIS OU ME­NOS

GQ (Portugal) - - Culto - Por Ana Sal­da­nha

A ar­te imi­ta a vi­da

Por al­gu­ma ra­zão mis­te­ri­o­sa o te­ma fim dos tem­pos sur­ge ve­zes sem con­ta na mú­si­ca e no ci­ne­ma Mas há ca­sos em que fi­ca com­pli­ca­do não pen­sar que hou­ve vi­a­gens no tem­po en­vol­vi­das no pro­ces­so O fil­me Con­ta­gi­on Con­tá­gio es­tre­ou em  e con­ta a tra­ma em tor­no do ví­rus MEV  um co­ro­na­ví­rus que sur­ge na Chi­na e evo­lui pa­ra uma pan­de­mia glo­bal O ví­rus é pas­sa­do de um mor­ce­go pa­ra um por­co e es­se por­co aca­ba na co­zi­nha de um res­tau­ran­te O chef que pre­pa­ra a car­ne não la­va as mãos an­tes de cum­pri­men­tar uma pes­soa e nas­ce as­sim o pa­ci­en­te ze­ro Ain­da que al­guns sin­to­mas co­mo a fe­bre se­jam co­muns en­tre o MEV  e a covid … o tem­po de in­cu­ba­ção do ví­rus fic­ci­o­nal é de ape­nas ‡ ho­ras e a ta­xa de mor­ta­li­da­de é de ‰ a Š% mui­to su­pe­ri­or à ta­xa in­di­ca­da pa­ra a covid … Al­guns anos an­tes em ……‰ já Out­bre­ak Epi­de­mia ti­nha des­bra­va­do ca­mi­nho no gé­ne­ro hu­ma­ni­da­de vs ame­a­ça in­vi­sí­vel Con­tu­do no fil­me de Wolf­gang Pe­ter­sen é uma fe­bre he­mor­rá­gi­ca vi­ral com sin­to­mas se­me­lhan­tes aos do ébo­la que pro­ta­go­ni­za a his­tó­ria Mas se quer fu­gir do ci­ne­ma não pen­se em ar­ran­jar re­fú­gio na mú­si­ca A não ser que pen­se can­ta­ro­lar Iso­la­ti­on de Joy Di­vi­si­on Tou­ch Me I’m Sick uma ver­são dos So­nic Youth de um ori­gi­nal de Mudho­ney ou You Sound Li­ke You’re Sick dos Ra­mo­nes Mas se a ideia lhe pa­re­cer bem es­prei­te a play­list do Spo­tify Mu­sic to Self Qu­arn­ti­ne To cri­a­da por Ca­sey Dewey e fa­ça fi­gas pa­ra que tal co­mo a lis­ta aca­be­mos to­dos nu­ma jam de Fe­el Go­od dos Go­ril­laz

Pa­ra qual­quer even­to que aba­ne o que te­mos co­mo cer­to, sur­gem as res­pe­ti­vas te­o­ri­as. Se­rá que a pan­de­mia do no­vo co­ro­na­ví­rus es­ta­va es­cri­ta nos as­tros? Es­tes se­nho­res di­zem que sim e as cons­pi­ra­ções sur­gem no ter­re­no mais fér­til que exis­te nos tem­pos de ho­je: a In­ter­net.

We’re not re­ady for a vi­rus

É fá­cil en­co­lher os om­bros a au­to­res de fic­ção ci­en­tí­fi­ca e a mé­diuns, mas o ca­so mu­da de fi­gu­ra quan­do qu­em fa­la de uma pró­xi­ma epi­de­mia e de co­mo a hu­ma­ni­da­de não es­ta­ria pron­ta pa­ra li­dar com ela é um no­me so­nan­te co­mo Bill Ga­tes. Es­pe­ci­al­men­te quan­do a men­sa­gem nos che­ga em tom de avi­so e não de adi­vi­nha­ção do fu­tu­ro. Nu­ma TED

Talk de 2015, no res­cal­do do sur­to de ébo­la (que ma­tou cer­ca de 11 mil pes­so­as), Ga­tes fa­la­va de uma pró­xi­ma epi­de­mia e de co­mo o mun­do se de­ve­ria pre­pa­rar. Ao con­trá­rio do que acon­te­ceu com o ébo­la – que afe­tou mai­o­ri­ta­ri­a­men­te zo­nas ru­rais do con­ti­nen­te afri­ca­no e que ti­nha um pe­río­do de in­cu­ba­ção de, em mé­dia, 5 a 10 di­as –, Bill Ga­tes aler­ta pa­ra o fac­to de o pró­xi­mo ví­rus po­der não mos­trar sin­to­mas du­ran­te mui­to tem­po, fa­zen­do com que as pes­so­as viagem e fre­quen­tem es­pa­ços pú­bli­cos, in­fe­tan­do ou­tros sem sa­ber. Ga­tes faz ain­da a si­mu­la­ção de um ví­rus que se es­pa­lha pe­lo ar (co­mo o da gri­pe es­pa­nho­la de 1918), em que pre­vê mais de 30 mi­lhões de mor­tes. Tal­vez de­vês­se­mos ter es­ta­do mais aten­tos à pa­les­tra do em­pre­sá­rio e ao pla­no de pre­ven­ção que apre­sen­tou, que pas­sa­va por for­ta­le­cer os sis­te­mas de saú­de, pre­pa­rar equi­pas pa­ra res­pos­ta rá­pi­da a sur­tos epi­dé­mi­cos e de­sen­vol­ver a pes­qui­sa na área das va­ci­nas e dos di­ag­nós­ti­cos. Não po­de­mos di­zer que nin­guém nos avi­sou.

pa­ra li­dar com ela No seu li­vro de

Hun­ter Un­loc­king the Se­crets of a Vi­rus o vi­ro­lo­gis­ta es­pe­ci­a­lis­ta em gri­pes Ro­bert G Webs­ter es­cre­veu que o apa­re­ci­men­to de uma pan­de­mia não só se­ria pos­sí­vel co­mo se­ria ape­nas uma ques­tão de tem­po até que apa­re­ces­se e que “a na­tu­re­za vai vol­tar a de­sa­fi­ar a hu­ma­ni­da­de com um ví­rus equi­va­len­te ao da In­flu­en­za em ‚ ” No ano an­te­ri­or o an­ti­go di­re­tor do es­cri­tó­rio de As­sis­tên­cia a De­sas­tres Es­tran­gei­ros dos EUA aler­ta­va num ar­ti­go no Po­li­ti­co pa­ra a fal­ta de pre­pa­ra­ção do Pre­si­den­te Do­nald Trump pa­ra li­dar com a even­tu­al cri­se de saú­de mun­di­al da­do não se tra­tar de uma ques­tão de “se” mas sim de “quan­do”

O pro­fe­ta Ko­ontz

Flu

Che­ga a pa­re­cer que a sé­rie de ani­ma­ção The Simp­sons tem um epi­só­dio pa­ra ca­da acon­te­ci­men­to tal é a frequên­cia com que acu­sam os seus cri­a­do­res de pre­ver o fu­tu­ro Nes­te ca­so o epi­só­dio em dis­cus­são cha­ma‹se Mar­ge in Chains ˜tem­po­ra­da Ž epi­só­dio —€™ e foi pa­ra o ar em €‚‚š mas ima­gens que mos­tra­vam o pivô de te­le­jor­nal Kent Brock­man a anun­ci­ar um Co­ro­na­ví­rus fo­ram ma­ni­pu­la­das não ha­ven­do ne­nhu­ma men­ção a es­te ví­rus na sé­rie O epi­só­dio em ques­tão fa­la de uma gri­pe a que cha­mam Osa­ka flu oriun­da do Ja­pão e não da Chi­na que che­ga aos Es­ta­dos Uni­dos ˜mais pre­ci­sa­men­te a Spring­fi­eld ter­ra na­tal dos bo­ne­cos ama­re­los™ den­tro de cai­xas de es­pre­me­do­res to­po de gama

A pro­pa­ga­ção dá‹se quan­do um dos tra­ba­lha­do­res da fá­bri­ca ja­po­ne­sa tos­se pa­ra den­tro da cai­xa on­de es­tá a em­ba­lar o pe­que­no ele­tro­do­més­ti­co Mais uma vez a pro­fe­cia é ape­nas coin­ci­dên­cia e até Bill Oa­kley um dos es­cri­to­res da sé­rie

já veio ex­pli­car que a Osa­ka flu é re­fe­rên­cia à gri­pe de Hong Kong de ¥ƒ

A pre­mo­ni­ção que mais ve­zes vi par­ti­lha­da pe­la In­ter­net fo­ra é da au­to­ria de De­an Ko­ontz au­tor de The Eyes of Dark­ness um li­vro de fic­ção ci­en­tí­fi­ca pu­bli­ca­do em €‚ƒ€ Acon­te­ce que o que de­ve­ria ser ape­nas uma his­tó­ria so­bre uma mãe que pro­cu­ra sa­ber se o fi­lho que te­ria mor­ri­do um ano an­tes ain­da es­tá vi­vo es­tá a ser apon­ta­da co­mo pro­fe­cia Porquê? Por­que o li­vro men­ci­o­na uma ar­ma bi­o­ló­gi­ca al­ta­men­te le­tal cri­a­da na Chi­na Es­tá a li­gar os pon­tos? Olhe que há mais

A tal ar­ma cha­ma‹se Wuhan‹Ž‘‘ que é pre­ci­sa­men­te o no­me da ci­da­de que foi o cen­tro da pan­de­mia da covid‹€‚ No en­tan­to no li­vro de Ko­ontz a do­en­ça tem uma ta­xa de mor­ta­li­da­de de €‘‘% e um pe­río­do de in­cu­ba­ção de ape­nas qu­a­tro ho­ras Pa­re­ce‹lhe pre­vi­são ou coin­ci­dên­cia? Tal­vez a res­pos­ta sur­ja quan­do sou­ber que ori­gi­nal­men­te o no­me da ar­ma bi­o­ló­gi­ca do li­vro ame­ri­ca­no era Gor­ki‹Ž‘‘ e te­ria si­do cri­a­da pe­los rus­sos só pas­san­do a Wuhan‹Ž‘‘ em —‘‘ƒ

Fake XVI news

E não há co­mo fu­gir a uma boa te­o­ria de WhatsApp. Nes­ta, Nos­tra­da­mus (mé­di­co al­qui­mis­ta do sé­cu­lo XVI que fi­cou co­nhe­ci­do pe­las su­as ca­pa­ci­da­des co­mo vi­den­te), pre­viu que “no ano dos gé­me­os sur­gi­rá uma rai­nha des­de o ori­en­te que es­ten­de­rá a sua pra­ga vin­da dos se­res da noi­te à ter­ra das se­te co­li­nas”. A men­sa­gem que cir­cu­lou pe­las re­des so­ci­ais fa­zia uma sé­rie de li­ga­ções en­tre o ex­cer­to e a si­tu­a­ção atu­al: ano dos gé­me­os se­ria 20 20, rai­nha (co­roa – co­ro­na) do Ori­en­te (Chi­na), a pra­ga se­ria o ví­rus, e por aí fo­ra. Acon­te­ce que nem es­tes ver­sos al­gu­ma vez exis­ti­ram na obra de Nos­tra­da­mus, nem se­quer a pa­la­vra “pra­ga” cons­ta ne­nhu­ma das su­as es­cri­tu­ras. Mas já não é a pri­mei­ra vez que o es­cri­tor é apon­ta­do co­mo pro­fe­ta e em 2016 até fo­ram re­ci­cla­das as mes­mas pre­vi­sões da­das pa­ra 2015, ano em que acon­te­ce­ria uma gran­de guer­ra mun­di­al, o co­lap­so da eco­no­mia mun­di­al e a uni­fi­ca­ção de to­das as lín­guas do mun­do). Acon­te­ce que, co­mo as cen­tú­ri­as

(as tais profecias de Nos­tra­da­mus) não têm es­pe­ci­fi­ca­ções de da­tas nas su­as pre­vi­sões, po­dem ser co­la­das ao ano mais con­ve­ni­en­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.