MAS­TUR­BA­ÇÃO VI­RAL

GQ (Portugal) - - In&out - PE­LO BU­RA­CO DA FECHADURA LUÍS PE­DRO NUNES

Al­guém te­rá de me ex­pli­car por que di­a­bo os ví­rus ten­dem a ser mo­ra­lis­tas. Quan­do nos anos 90 o ví­rus da si­da se es­pa­lhou pe­la in­ti­mi­da­de os hu­ma­nos pas­sa­ram a ter me­do do sexo. Pâ­ni­co. Foi um hor­ror. Pen­sei que, nos anos fi­nais que a Na­tu­re­za me irá pro­por­ci­o­nar ape­ti­tes e ca­pa­ci­da­des, te­ria di­rei­to a VIHs “mi­ti­ga­dos” e cri­ses eco­nó­mi­cas es­que­ci­das. E apa­re­ceu um ví­rus. Três me­ses bas­ta­ram pa­ra li­xar tu­do. Ora, es­te faz mais do que não que­rer que as pes­so­as for­ni­quem, se bei­jem e lam­bu­zem, co­mam e chu­pem. Não. Es­te ví­rus exi­ge “dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al”. Coi­sa pa­ra dois me­tros. E o sexo, pe­la sua na­tu­re­za car­nal, exi­ge o con­trá­rio de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al. E o que res­ta? A mas­tur­ba­ção, es­tá bom de ver. O úni­co sexo pos­sí­vel que en­vol­ve ape­nas um e não se pe­ga na­da a nin­guém. Ca­so se de­sin­fe­te, aler­tam.

Não di­go is­to por di­zer. As au­to­ri­da­des de saú­de ir­lan­de­sas fo­ram con­tun­den­tes em re­co­men­dar a to­dos a mas­tur­ba­ção e o sex­ting. “Há que con­si­de­rar uma pau­sa na in­te­ra­ção ca­ra a ca­ra, mas po­de­rá fa­zer uso de chats, vi­de­o­cha­ma­das, mas sem­pre com a de­vi­da hi­gi­e­ni­za­ção dos te­cla­dos.” A en­ti­da­de de saú­de da ci­da­de de No­va Ior­que foi no mes­mo sen­ti­do, pe­din­do aos ci­da­dãos que se abs­ti­ves­sem de sexo e op­tas­sem pe­la sua for­ma mais ge­né­ri­ca: a mas­tur­ba­ção. Mas No­va Ior­que é No­va Ior­que e pa­ra além de prá­ti­cas que des­cre­vem com tex­to e emo­jis (al­gu­mas bem kinky) tam­bém lem­bra­ram a ne­ces­si­da­de de la­var os sex toys com sa­bão. Na­da de rim­ming, avi­sa­ram. Não per­ce­bo o porquê de ser tão es­pe­cí­fi­co. Mas lá es­ta­va com uma lín­gua e um pês­se­go no tuí­te ofi­ci­al. Te­nham aten­ção, por­tan­to.

Ora, hou­ve um tem­po em que os hu­ma­nos re­cor­ri­am à mas­tur­ba­ção fa­zen­do uso da ima­gi­na­ção. Que lou­cu­ra. Ho­je, se au­men­ta o pe­di­do sa­ni­tá­rio na­ci­o­na­lis­ta de uso da mão pa­ra au­to­a­lí­vio, é ób­vio que is­so irá equi­va­ler a um au­men­to do con­su­mo de por­no­gra­fia. Des­cul­pem es­tar a es­cre­ver evi­dên­ci­as ulu­lan­tes. Es­ti­ve a ana­li­sar os da­dos que sim­pa­ti­ca­men­te o Porn Hub dis­po­ni­bi­li­za e a ver­da­de é que Por­tu­gal au­men­tou o seu con­su­mo de por­no em mais de 36% nos fi­nais de mar­ço. Bru­ta­li­da­de. Mas tal­vez as­sim se com­pre­en­da por­que os por­tu­gue­ses não ade­ri­ram à mo­da de ba­ter pal­mas nas ja­ne­las à noi­te. É que é pre­ci­sa­men­te en­tre as 21 e as 2h da ma­nhã que es­tá par­te da po­pu­la­ção a ver um fil­me de ba­da­lho­qui­ce. E na­da co­mo ver só. Não tem com­pa­ra­ção. Até aqui tem o po­vo por­tu­guês ona­nis­ta a mi­nha com­pre­en­são. Ago­ra quan­do che­ga­mos aos te­mas de bus­cas al­to lá.

Em to­do o mun­do deu-se uma bru­tal pro­cu­ra de “por­no covid”. WTF? Ex­pli­ca o blo­gue so­ci­o­ló­gi­co do Porn Hub que se tra­ta de ví­de­os que te­nham más­ca­ras ou lu­vas de lá­tex. Mas tam­bém hou­ve ma­te­ri­al no­vo pro­du­zi­do lo­go no iní­cio da pan­de­mia. De­pois os ato­res da in­dús­tria de­ci­di­ram pa­rar de fil­mar. Gen­te com ti­no. A ver­da­de é que mes­mo as gran­des pro­du­to­ras ofe­re­ce­ram uma se­ma­ni­nha de ser­vi­ços plus de bor­la (não sei o que po­de­rão dar mais do que os mi­lhões de ví­de­os grá­tis, mas pe­dem o car­tão de cré­di­to e nis­so sou um co­bar­do­las). Mas o que “ex­plo­diu” mes­mo foi pa­ra­fer­ná­lia por­no ao vi­vo e em di­re­to, fa­ce to fa­ce,o li­ve streaming, as cam girls, ‘tás a ver? Uma de­las di­zia a uma re­vis­ta bra­si­lei­ra que as fan­ta­si­as dos cli­en­tes pas­sa­vam por usar gel de­sin­fe­tan­te e ves­tir a fan­ta­sia de en­fer­mei­ra. Num ar­ti­go que até li da Psy­cho­logy Today ex­pli­ca-se a ne­ces­si­da­de de ero­ti­zar o me­do, mas não vou di­va­gar. Ma­té­ria in­te­res­san­te, con­tu­do.

De vol­ta ao De­par­ta­men­to de Saú­de de No­va Ior­que, na sua di­re­ti­va covid-19 re­lem­bra que a mas­tur­ba­ção é um ex­ce­len­te me­ca­nis­mo de alí­vio de stress e que aju­da a li­dar com os pro­ble­mas quo­ti­di­a­nos. Em mo­de­ra­ção. Pa­ra além de me­lho­rar o sis­te­ma imu­ni­tá­rio. Mes­mo as­sim acho que is­to vai pe­lo mau ca­mi­nho.

Te­nho aqui uma GQ in­gle­sa que en­si­na co­mo fa­zer sexo pe­lo Fa­ceTi­me. Acho que é mes­mo uma ques­tão ge­ra­ci­o­nal da­do que não me es­tou a ver... en­fim... So­mos aler­ta­dos pa­ra uma sé­rie de de­ta­lhes que não me pa­re­cem des­pi­ci­en­tes. O back­ground de­ve es­tar mi­ni­ma­men­te ar­ru­ma­do e não es­que­cer que se quer mos­trar a me­lhor ver­são eró­ti­ca de si de­ve­rá ter em con­ta a ilu­mi­na­ção e que não apa­re­ça na ima­gem al­go in­de­se­ja­do ou que não vão sur­gir no­ti­fi­ca­ções às piz­zas du­ran­te es­se mo­men­to má­gi­co. Acon­se­lham vi­va­men­te um tri­pé por­que as du­as mãos vão ser ne­ces­sá­ri­as (?). Os con­se­lhos se­guin­tes pas­sam por ex­pli­car co­mo “ser o show”, não ter me­do de gran­des pla­nos e pa­ra de­sem­bes­tar o ator por­no que há em ca­da um de nós.

Mas se a pró­xi­ma dé­ca­da é pa­ra ser a “era da mas­tur­ba­ção” ou coi­sa do gé­ne­ro de­vi­do aos im­pac­tos vi­rais psi­co­ló­gi­cos nas co­mu­ni­da­des não con­tem mais co­mi­go pa­ra o sexo. Es­tou out.

Dois anos de­pois de ter en­tra­do na­que­la fa­cul­da­de pe­la pri­mei­ra vez, ain­da me per­dia à pro­cu­ra das sa­las nos cor­re­do­res la­bi­rín­ti­cos. Per­der-me ali não era mau. Sa­bia que se an­das­se o su­fi­ci­en­te, che­ga­ria ao meu des­ti­no. E che­guei. Es­tá­va­mos no iní­cio do se­gun­do se­mes­tre. Apro­xi­mei-me do qua­dro on­de eram afi­xa­dos os ho­rá­ri­os. Três ra­pa­ri­gas olha­vam pa­ra o qua­dro e, bai­xan­do a ca­be­ça, pre­en­chi­am fo­lhas qua­dri­cu­la­das com as le­tras ro­tun­das que man­ti­nham co­mo si­nal de ape­go à in­fân­cia. À que es­ta­va mais per­to de mim, per­gun­tei edu­ca­da­men­te se aque­le era o ho­rá­rio da tur­ma do 1.º ano. Olhou-me com as­co. Vi­rou a ca­ra sem me res­pon­der. As­sim nas­ceu o nos­so ódio.

An­te­ci­po-me à ex­pec­ta­ti­va do lei­tor. Não hou­ve re­den­ção. Não hou­ve se­gun­das im­pres­sões que nos sal­vas­sem da­que­le pri­mei­ro en­con­tro. Não nos des­co­bri­mos e nun­ca nos per­doá­mos. Até ao úl­ti­mo dia em que nos vi­mos, só hou­ve ódio, ódio e ódio. Em cer­tas oca­siões, con­fes­so que o ódio da­va a im­pres­são de ter re­cu­a­do, co­mo se pro­me­tes­se ex­tin­guir-se e de­sa­pa­re­cer na in­di­fe­ren­ça que qua­se to­dos os se­res hu­ma­nos nos me­re­cem, mas lo­go se re­a­cen­dia e, co­mo que pa­ra com­pen­sar a acal­mia das tré­guas bre­ves, re­gres­sa­va mais acu­ti­lan­te, es­fai­ma­do. Nes­ses di­as, o ódio de­la ti­nha fo­me de mim e eu, sem o ad­mi­tir, pro­cu­ra­va-a pa­ra o sen­tir. Éra­mos um pân­ta­no cu­jas águas mor­tas tí­nha­mos de agi­tar de vez em quan­do pa­ra en­cher­mos os pul­mões, com náu­sea e fer­vor, das su­as ema­na­ções pú­tri­das, do per­fu­me do nos­so ódio. Qu­em nun­ca de­se­jou res­pi­rar uma ara­gem fé­ti­da só pa­ra ter o pra­zer de regressar ao ar pu­ro? Odi­an­do e sen­do odi­a­dos, vi­vía­mos.

Eu vi­via não mui­to lon­ge de um tem­plo da Igre­ja de Je­sus Cris­to dos Santos dos Úl­ti­mos Di­as, uma igre­ja mór­mon. Num do­min­go em que ia de au­to­car­ro pa­ra os bar­cos, vi a mi­nha odi­o­sa co­le­ga, cas­ta e de­cen­te, com aque­la rou­pa de uma do­en­tia e es­for­ça­da mo­dés­tia que eu co­nhe­cia de ou­tras re­li­giões, a en­trar pa­ra o tem­plo, acom­pa­nha­da por fa­mi­li­a­res e ami­gos. Jul­guei des­ven­dar as­sim o mis­té­rio de ela não nos acom­pa­nhar nas saí­das à noi­te, de não par­ti­ci­par em jan­ta­res de tur­ma e de nun­ca a ter vis­to nas fes­tas da fa­cul­da­de. E apo­de­rou-se de mim uma fe­li­ci­da­de ma­lig­na, co­mo se ti­ves­se es­prei­ta­do pe­lo bu­ra­co da fechadura, co­mo se lhe ti­ves­se vi­o­la­do a in­ti­mi­da­de.

Quan­do, di­as de­pois, nos re­en­con­trá­mos, o meu co­ra­ção ba­tia de mal­da­de. Quis adi­ar ao má­xi­mo a re­ve­la­ção. O se­gre­do era um cá­li­ce de ou­ro e o ódio era o pa­no em­be­bi­do em vi­na­gre com que eu lhe pu­xa­va o lus­tre. Não que­ria des­per­di­çar o cá­li­ce que o aca­so me de­pu­se­ra nas mãos e, ao mes­mo tem­po, que­ria que ela sou­bes­se que eu sa­bia. Até que, após um lon­go es­tu­do, lhe dis­se, qua­se à bei­ra das lá­gri­mas, em­bri­a­ga­do de ma­lí­cia e te­são, que a ti­nha vis­to na­que­le do­min­go a en­trar na igre­ja. Ah, o ter­ror pu­ro na­que­les olhos, a ver­go­nha trans­for­ma­da su­bi­ta­men­te em rai­va, o ódio acu­mu­la­do ao lon­go de me­ses e até aí des­ti­la­do em pe­que­nas do­ses a trans­bor­dar fi­nal­men­te, sem bai­as e sem de­co­ro: “Fi­lho da pu­ta!” E nun­ca ou­vi da bo­ca de uma mu­lher pa­la­vras tão ver­da­dei­ras, tão se­me­lhan­tes ao sen­ti­men­to, à des­car­ga ce­re­bral, que a ani­ma­va.

Ra­ras ve­zes o amor me ofe­re­ceu com­pen­sa­ções tão in­ten­sas por­que, a ver­da­de é es­ta, não me­nos do que um ca­sal de aman­tes, es­tá­va­mos uni­dos pe­la quí­mi­ca,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.