Qu­al foi o acon­te­ci­men­to de 2020 que te­ve mai­o­res con­sequên­ci­as pa­ra a his­tó­ria?

GQ (Portugal) - - In&out -

Se al­guém lhe fi­zer es­ta per­gun­ta den­tro de mui­tos anos, vão acu­dir-lhe os di­as a fio pas­sa­dos den­tro de ca­sa, a con­fun­dir a sua pri­va­ci­da­de com os no­ti­ciá­ri­os e o te­le­tra­ba­lho; as es­ca­pa­de­las epi­só­di­cas por ru­as de­ser­tas e si­len­ci­o­sas; ros­tos mas­ca­ra­dos; a pa­ra­noia de to­car num ob­je­to con­ta­mi­na­do; o jei­to ob­ses­si­vo-com­pul­si­vo de la­var as mãos en­tre ca­da ação; os grá­fi­cos da mor­te e do con­tá­gio. E a sua res­pos­ta à per­gun­ta es­ta­rá er­ra­da.

A me­mó­ria é ágil a re­ter acon­te­ci­men­tos que têm um im­pac­to vi­su­al. Dei­xa-se atrair por epi­só­di­os mar­can­tes que pren­dem a aten­ção e se co­lam a nós co­mo au­to­co­lan­tes. So­mos bons a re­ter mo­men­tos ex­ce­ci­o­nais, trau­mas e oca­siões fes­ti­vas, co­mo o go­lo do Éder. In­fe­liz­men­te, não te­mos a mes­ma ca­pa­ci­da­de pa­ra fi­xar ten­dên­ci­as, li­nhas que cons­tro­em nar­ra­ti­vas e que nos aju­dam a com­pre­en­der a con­ti­nui­da­de da his­tó­ria. Aper­ce­ben­do-se des­ta de­fi­ci­ên­cia da nos­sa aten­ção, o au­tor de A Que­da do Oci­den­te?, Kisho­re Mah­bu­ba­ni, apro­vei­tou uma sé­rie de vi­si­tas às gran­des uni­ver­si­da­des ame­ri­ca­nas pa­ra per­gun­tar aos seus aca­dé­mi­cos mais no­tá­veis qu­al foi o acon­te­ci­men­to de 2001 que mais in­flu­en­ci­ou a his­tó­ria re­cen­te. To­dos res­pon­de­ram o 9/11, mas a nin­guém ocor­reu que a Chi­na en­trou nes­se ano pa­ra a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Co­mér­cio. En­quan­to os aten­ta­dos do ter­ro­ris­mo is­lâ­mi­co se es­fu­ma­ram, cau­san­do me­nos ví­ti­mas do que as cri­an­ças que usam as ar­mas dos pais em brin­ca­dei­ras do­més­ti­cas, o PIB chi­nês su­biu de 4% pa­ra 16% na eco­no­mia glo­bal, tor­nan­do-se a Chi­na a se­gun­da mai­or po­tên­cia mun­di­al.

Qu­al é en­tão a ten­dên­cia que se vem ma­ni­fes­tan­do, nes­te ano de 2020, e que mais po­de­rá afe­tar o nos­so fu­tu­ro? Que as­sun­to dis­cre­to é es­se, que não se dei­xa ver em tem­pos de pan­de­mia? A res­pos­ta po­de es­tar no re­la­tó­rio de um pe­que­no ins­ti­tu­to da Uni­ver­si­da­de de Go­tem­bur­go, que to­dos os anos faz um le­van­ta­men­to do es­ta­do da li­ber­da­de no mun­do. O Va­ri­e­ti­es of De­mo­cracy (V-Dem) anun­ci­ou que es­te ano, pe­la pri­mei­ra vez des­de o iní­cio do sé­cu­lo, mais de me­ta­de da po­pu­la­ção mun­di­al vi­ve ago­ra em re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os. Mais in­qui­e­tan­te ain­da: de­mo­cra­ci­as co­mo os Es­ta­dos Uni­dos, Ín­dia, Brasil ou Tur­quia têm vin­do a ser fra­gi­li­za­das por ten­dên­ci­as au­to­crá­ti­cas. Em ape­nas dois anos, os aten­ta­dos à li­ber­da­de de ex­pres­são qua­se do­bra­ram e os ca­sos de re­pres­são so­ci­al atin­gem já 37 paí­ses. O his­to­ri­a­dor po­lí­ti­co Da­ni­el Zi­blatt aper­ce­beu-se de que es­ta no­va ge­ra­ção de lí­de­res au­to­crá­ti­cos con­se­guiu de­ge­ne­rar os re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos sem ter de al­te­rar a cons­ti­tui­ção dos seus paí­ses nem os ci­clos elei­to­rais.

A EXAUS­TÃO

DAS DE­MO­CRA­CI­AS

As so­ci­e­da­des es­tão a po­la­ri­zar-se e mes­mo em paí­ses com uma lon­ga tra­di­ção li­be­ral tem-se as­sis­ti­do à di­vi­são da so­ci­e­da­de em gru­pos iden­ti­tá­ri­os, on­de já não so­bra mar­gem pa­ra o de­ba­te. “A pre­ser­va­ção dos va­lo­res li­be­rais”, afir­ma o pro­fes­sor de Di­rei­to Pe­dro Ca­ei­ro, es­tá a tor­nar-se um exer­cí­cio “mui­to exi­gen­te e des­gas­tan­te”. Mais per­tur­ba­dor ain­da “é a cres­cen­te di­fi­cul­da­de de or­ga­ni­zar um dis­cur­so e uma ação po­lí­ti­ca ra­ci­o­nais”.

No país que ou­tro­ra foi o fa­rol da de­mo­cra­cia e da pros­pe­ri­da­de, a pan­de­mia do co­ro­na­ví­rus trou­xe à su­per­fí­cie o es­ta­do de en­ve­ne­na­men­to da vi­da po­lí­ti­ca, a guer­ri­lha en­tre ins­ti­tui­ções, o ódio en­tre ri­cos e po­bres, en­tre et­ni­as e re­li­giões. Há uma desconfian­ça no sis­te­ma, sem que nin­guém sai­ba mui­to bem qu­em o do­mi­na, se Washing­ton, se Wall Stre­et, se Si­li­con Val­ley, se as gran­des cor­po­ra­ções, se os me­dia, se a glo­ba­li­za­ção ou o es­ta­do do tem­po. Co­lu­nis­ta na The Atlan­tic, Ge­or­ge Pec­ker não he­si­tou em cha­mar aos Es­ta­dos Uni­dos um Es­ta­do fa­lha­do “que o ví­rus se li­mi­tou a ex­plo­rar sem cle­mên­cia”. A aju­da que re­ce­beu de paí­ses co­mo a Rús­sia ou Taiwan, pa­ra su­prir a sua ca­rên­cia de equi­pa­men­to mé­di­co, mos­trou que a “po­tên­cia mais ri­ca do mun­do é ago­ra uma na­ção caó­ti­ca de pe­din­tes”.

Num de­poi­men­to à Fo­reign Po­licy so­bre o fu­tu­ro da eco­no­mia de­pois da pan­de­mia, Mah­bu­ba­ni aler­tou pa­ra es­sa es­pi­ral en­tró­pi­ca: “Os ame­ri­ca­nos per­de­ram a fé na glo­ba­li­za­ção e no co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal. Os acor­dos de co­mér­cio li­vre tor­na­ram-se tó­xi­cos, com ou sem o Pre­si­den­te Trump. Mas a Chi­na não per­deu a fé. Os seus lí­de­res sa­bem ho­je que o sé­cu­lo mais hu­mi­lhan­te da sua his­tó­ria, en­tre 1842 e 1949, se de­veu à com­pla­cên­cia dos seus lí­de­res e à for­ma co­mo cor­ta­ram re­la­ções com o mun­do. A sua re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca de­ve-se a te­rem vol­ta­do à ce­na glo­bal. E es­tão a ter uma ex­plo­são de con­fi­an­ça cul­tu­ral. Eles acre­di­tam que po­dem com­pe­tir se­ja com qu­em for.”

ES­TA NO­VA GE­RA­ÇÃO DE LÍ­DE­RES AU­TO­CRÁ­TI­COS CON­SE­GUIU

NÃO HÁ ES­FE­RA PRI­VA­DA

Aqui­lo a que o fi­ló­so­fo João de Al­mei­da Santos cha­ma o “não re­co­nhe­ci­men­to da in­ter­me­di­a­ção das es­tru­tu­ras pre­vis­tas no mo­de­lo re­pre­sen­ta­ti­vo” es­tá a es­bo­ro­ar o edi­fí­cio de­mo­crá­ti­co pe­ran­te no­vos de­sa­fi­os. Na Eu­ro­pa, as cri­ses cí­cli­cas que a frag­men­tam es­tão ago­ra a ser mag­ni­fi­ca­das pe­la pan­de­mia. O fi­ló­so­fo ale­mão de origem co­re­a­na Byung-Chul Han veio es­cla­re­cer um as­pe­to do di­le­ma eu­ro­peu: “Na Ásia as epi­de­mi­as não são com­ba­ti­das ape­nas pe­los vi­ro­lo­gis­tas e epi­de­mi­o­lo­gis­tas, mas prin­ci­pal­men­te pe­los es­pe­ci­a­lis­tas em in­for­má­ti­ca e ma­cro­da­dos.” Es­ta mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma es­tá a ser atra­sa­da na Eu­ro­pa pe­la sua po­lí­ti­ca de pro­te­ção dos da­dos pes­so­ais: “A cons­ci­ên­cia crí­ti­ca di­an­te da vi­gi­lân­cia di­gi­tal é pra­ti­ca­men­te ine­xis­ten­te na Ásia. Já qua­se não se fa­la de pro­te­ção de da­dos, in­cluin­do em es­ta­dos li­be­rais co­mo o Ja­pão e a Co­reia. Nin­guém se ir­ri­ta pe­lo fre­ne­si das au­to­ri­da­des em re­co­lher da­dos. A Chi­na in­tro­du­ziu um sis­te­ma de cré­di­to so­ci­al, ini­ma­gi­ná­vel pa­ra os eu­ro­peus, que per­mi­te uma ava­li­a­ção exaus­ti­va das pes­so­as. To­dos pas­sam a ser ava­li­a­dos de acor­do com a sua con­du­ta so­ci­al. Na Chi­na não há ne­nhum mo­men­to da vi­da quo­ti­di­a­na que não es­te­ja sub­me­ti­do à ob­ser­va­ção. Ca­da cli­que, ca­da com­pra, ca­da con­tac­to, ca­da ati­vi­da­de nas re­des so­ci­ais é con­tro­la­da. Qu­em pas­sa um si­nal ver­me­lho, qu­em acom­pa­nha crí­ti­cos do re­gi­me e qu­em faz co­men­tá­ri­os crí­ti­cos nas re­des so­ci­ais per­de pon­tos. Es­sa vi­gi­lân­cia so­ci­al acon­te­ce nu­ma tro­ca ir­res­tri­ta de da­dos en­tre os for­ne­ce­do­res de In­ter­net e as au­to­ri­da­des. Os da­dos sen­sí­veis dos cli­en­tes são par­ti­lha­dos com os ser­vi­ços de se­gu­ran­ça e o Mi­nis­té­rio da Saú­de. O Es­ta­do sa­be on­de es­tou, com qu­em me en­con­tro,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.