Im­pac­to pro­fun­do

GQ (Portugal) - - In&out -

A 11 de abril, já é ra­zo­a­vel­men­te ób­vio que o epi­cen­tro do ví­rus es­tá de­fi­ni­ti­va­men­te ins­ta­la­do no con­ti­nen­te ame­ri­ca­no, prin­ci­pal­men­te nos Es­ta­dos Uni­dos, on­de são re­gis­ta­dos nes­se dia um to­tal de 20.071 mor­tos, ul­tra­pas­san­do o nú­me­ro de 19.468 de Itá­lia. Os ca­sos nos EUA su­pe­ra­ram já 519 mil. No dia 14, Ín­dia e Fran­ça de­ci­dem es­ten­der o con­fi­na­men­to por mais um mês e, 24 ho­ras de­pois, o nú­me­ro de in­fe­ta­dos co­nhe­ci­dos em to­do o mun­do ul­tra­pas­sa os dois mi­lhões. O Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal ad­mi­te, en­tre­tan­to, que a eco­no­mia glo­bal de­ve en­co­lher em 3% es­te ano, a mai­or que­da des­de a Gran­de De­pres­são da dé­ca­da de 1930.

No nos­so re­tân­gu­lo, a ex­pan­são da Covid-19 vai sen­do mi­ni­ma­men­te con­ti­da e co­me­çam a apa­re­cer nos jor­nais in­ter­na­ci­o­nais os elo­gi­os e as aná­li­ses à si­tu­a­ção por­tu­gue­sa e a co­mo, ao con­trá­rio do vi­zi­nho es­pa­nhol, con­se­guiu pre­ve­nir a ca­tás­tro­fe. Ape­sar de não atin­gir as pro­por­ções de ou­tros paí­ses eu­ro­peus co­mo Es­pa­nha, Itá­lia, Fran­ça e Rei­no Uni­do, a re­a­li­da­de não é as­sim tão be­nig­na. Por­tu­gal es­tá in­cluí­do no top 20 mun­di­al em ter­mos de in­fe­ções e de ví­ti­mas mor­tais, si­tu­a­ção que só co­me­ça­rá a me­lho­rar nos úl­ti­mos di­as do mês de abril.

O Go­ver­no co­me­ça, en­tre­tan­to, a pre­pa­rar o fu­tu­ro ime­di­a­to, a ten­ta­ti­va de re­gres­so a al­gu­ma nor­ma­li­da­de. O pri­mei­ro-mi­nis­tro anun­cia a 9 de abril que, até ao 9.º ano, to­do o ter­cei­ro pe­río­do se­rá le­ci­o­na­do em en­si­no à dis­tân­cia, com ava­li­a­ção mas sem pro­vas de afe­ri­ção nem exa­mes, man­ten­do-se os apoi­os às fa­mí­li­as com fi­lhos me­no­res de 12 anos. An­tó­nio Cos­ta acres­cen­ta que no en­si­no se­cun­dá­rio ain­da po­de­rá ha­ver au­las pre­sen­ci­ais no ter­cei­ro pe­río­do, e que o ca­len­dá­rio de exa­mes se­rá adi­a­do, só abran­gen­do os exa­mes es­pe­cí­fi­cos pa­ra aces­so ao En­si­no Su­pe­ri­or. As­sim, na re­a­ber­tu­ra das au­las pre­sen­ci­ais dos 11.º e 12.º anos, alu­nos e pro­fes­so­res usa­rão más­ca­ra de pro­te­ção, ao mes­mo tem­po que os do­cen­tes e fun­ci­o­ná­ri­os de gru­pos de ris­co es­tão dis­pen­sa­dos do ser­vi­ço. Já os jar­dins de in­fân­cia só vão po­der re­a­brir quan­do fo­rem re­vis­tas as re­gras de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al pa­ra pre­ve­nir a pro­pa­ga­ção.

E há ain­da um re­gres­so ao pas­sa­do: to­dos os alu­nos até ao 9.º ano, os que fi­cam em ca­sa até fi­nal do ano le­ti­vo, vão ter di­rei­to a uma es­pé­cie de Te­les­co­la 2.0, em que as au­las são apro­pri­a­da­men­te trans­mi­ti­das na RTP Me­mó­ria e têm ape­nas 30 mi­nu­tos de du­ra­ção por dis­ci­pli­na, in­cluin­do Edu­ca­ção Fí­si­ca e Ar­tís­ti­ca.

No dia se­guin­te, 10 de abril, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca anun­cia que vai re­no­var o es­ta­do de emer­gên­cia até 1 de maio, com a jus­ti­fi­ca­ção de que não se po­de “brin­car em ser­vi­ço” nem “bai­xar a guar­da” no com­ba­te ao ví­rus. Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa apoia tam­bém a pro­pos­ta do Go­ver­no pa­ra con­clu­são do ano es­co­lar. Já An­tó­nio Cos­ta diz que re­ti­rar o es­ta­do de emer­gên­cia se­ria dar “um si­nal er­ra­do ao país”. Por­tu­gal re­gis­ta nes­ta al­tu­ra 435 mor­tos as­so­ci­a­dos à covid-19 e 15.472 in­fe­ta­dos. O Mi­nis­té­rio da Saú­de anun­cia en­tre­tan­to que os hos­pi­tais do SNS vão re­ce­ber, até ao dia 19, mais 300 ven­ti­la­do­res.

NNo Rei­no Uni­do, é anun­ci­a­do o mai­or en­saio clí­ni­co do mun­do pa­ra o tra­ta­men­to de pa­ci­en­tes com Covid-19, atra­vés do re­cru­ta­men­to de mais de 5 mil pa­ci­en­tes em 165 hos­pi­tais do NHS, à fren­te de es­tu­dos se­me­lhan­tes nos EUA e na Eu­ro­pa. “Es­te é de lon­ge o mai­or es­tu­do do mun­do”, afir­ma Pe­ter Horby, pro­fes­sor de Do­en­ças In­fec­ci­o­sas e Saú­de Glo­bal da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford.

Se no mun­do cris­tão a Pás­coa es­tá pres­tes a fi­car pa­ra trás, o is­lão pre­pa­ra-se pa­ra o Ra­ma­dão. A 17 de abril, o gran­de muf­ti da Ará­bia Sau­di­ta diz que as ora­ções du­ran­te o Ra­ma­dão e o sub­se­quen­te fes­ti­val Eid al-Fi­tr de­vem ser fei­tas em ca­sa. En­tre­tan­to, a Tur­quia su­pe­ra o Irão co­mo país com mai­or nú­me­ro de in­fe­ções no Mé­dio Ori­en­te, com um au­men­to de 86.306 ca­sos, fa­lhan­do as­sim a ten­ta­ti­va de Er­do­gan de, pe­lo me­nos, ten­tar con­ter, se não a do­en­ça, pe­lo me­nos a in­for­ma­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.