O fu­te­bol – Uma his­tó­ria na­tu­ral

JN História - - A Abrir - Tex­to de Ál­va­ro Ma­ga­lhães Es­cri­tor*

Cris­tó­vão Co­lom­bo des­co­briu o fu­te­bol? Os jo­gos com bo­la vêm do fun­do dos tem­pos e a sua gé­ne­se con­fun­de- se com a da hu­ma­ni­da­de. Se per­cor­rer­mos a his­tó­ria das ci­vi­li­za­ções hu­ma­nas, en­con­tra­mos qua­se sem­pre uma bo­la e um jogo. Um ho­mem e uma bo­la é uma re­la­ção tão an­ces­tral, tão na­tu­ral e tão fa­tal que po­de­re­mos con­si­de­rá-la in­trín­se­ca à cul­tu­ra hu­ma­na, de que é um ele­men­to per­ma­nen­te. Jo­gar com uma bo­la cor­res­pon­de a um dos nos­sos ins­tin­tos mais bá­si­cos. Exi­ge mo­vi­men­tos brus­cos, não-pen­sa­dos, que se de­sen­vol­vem lon­ge de qual­quer es­ta­do de cons­ci­ên­cia. Por­que uma bo­la exi­ge sem­pre um ges­to que sur­ge an­tes de qual­quer con­si­de­ra­ção.

No prin­cí­pio, por­tan­to, era a bo­la. O jogo da bo­la. Qua­se to­dos os po­vos do pla­ne­ta jo­ga­ram à bo­la, em qua­se to­das as épo­cas, em­bo­ra com di­fe­ren­tes mo­ti­va­ções. Po­rém, ne­nhum des­ses inú­me­ros jo­gos me­re­ce ser apon­ta­do co­mo an­te­ce­den­te ou an­te­pas­sa­do do fu­te­bol mo­der­no, o que fre­quen­te­men­te acon­te­ce. Eles fo­ram ape­nas ou­tros jo­gos com bo­la e, quan­do mui­to, fa­zem par­te da his­tó­ria das re­la­ções de um ho­mem com uma bo­la. Ca­da um de­les foi um jogo di­fe­ren­te com uma his­tó­ria di­fe­ren­te e, mui­tas vezes, a úni­ca re­la­ção que há en­tre eles, e en­tre eles e o fu­te­bol, é ape­nas a exis­tên­cia des­sa bo­la. De­ve­mos, pois, olhá-los co­mo ma­ni­fes­ta­ções in­tem­po­rais do de­se­jo e, so­bre­tu­do, da ne­ces­si­da­de de jo­gar com uma bo­la, al­go tão com­pul­si­vo pa­ra a es­pé­cie hu­ma­na que se de­sen­vol­veu de mo­do di­fe­ren­te em qua­se to­das as épo­cas e em qua­se to­das as pa­ra­gens da ter­ra. O fu­te­bol, as­sim de­sig­na­do pe­la pri­mei­ra vez em 1486, em In­gla­ter­ra, por se jo­gar a pé e não a ca­va­lo, co­mo ou­tros des­por­tos da épo­ca (era, en­tão, o “jogo a pé” e não ain­da o “jogo com o pé”), tem a sua his­tó­ria con­cre­ta, a qual se ini­ci­ou há cer­ca de cin­co mil anos, nas pri­mei­ras so­ci­e­da­des agrí­co­las da Eu­ro­pa e pros­se­gue nos nos­sos dias, pro­jec­tan­do a sua ma­jes­to­sa som­bra pa­ra o fu­tu­ro.

Por­tan­to, Cris­tó­vão Co­lom­bo não des­co­briu o fu­te­bol, mas, quan­do de­sem­bar­cou na Amé­ri­ca, cer­ca de 1500, en­con­trou um jogo in­ten­so e competitivo, com uma or­ga­ni­za­ção ela­bo­ra­da. Tra­ta­va-se do tla­ch­tli ou pok-a-pok, que era pra­ti­ca­do pe­los mai­as e pe­los as­te­cas e con­ta­va já en­tão com uma his­tó­ria

Se per­cor­rer­mos a his­tó­ria das ci­vi­li­za­ções hu­ma­nas, en­con­tra­mos qua­se sem­pre uma bo­la e um jogo. Um ho­mem e uma bo­la é uma re­la­ção tão an­ces­tral, tão na­tu­ral e tão fa­tal que po­de­re­mos con­si­de­rá-la in­trín­se­ca à cul­tu­ra hu­ma­na.

de pe­lo me­nos um mi­lhar de anos. O seu de­sen­vol­vi­men­to re­sul­ta­va da na­tu­re­za da bo­la, que era fei­ta a par­tir do su­co de uma go­ma da ár­vo­re da bor­ra­cha e ti­nha mais ou me­nos o ta­ma­nho de uma das nos­sas ac­tu­ais bo­las de bo­wling. A le­ve­za e gran­de ca­pa­ci­da­de de res­sal­to des­sa bo­la do­ta­va-a de va­lor de uso e per­mi­tia que fos­se jo­ga­da (to­do o cor­po era usa­do, com ex­cep­ção das mãos) e não trans­por­ta­da, co­mo acon­te­cia na mai­o­ria dos res­tan­tes jo­gos com bo­la da an­ti­gui­da­de.

Na al­tu­ra da vi­a­gem de Co­lom­bo, jo­ga­va-se nas ilhas bri­tâ­ni­cas com uma pe­sa­da bo­la de cou­ro re­che­a­da dos mais di­ver­sos ma­te­ri­ais, ou en­tão com be­xi­gas de ani­mais in­su­fla­das, que eram pou­co re­sis­ten­tes aos pon­ta­pés. Em­bo­ra fos­se per­mi­ti­do o uso dos pés, o jogo era so­bre­tu­do um ofí­cio das mãos, co­mo diz Ma­ni­lio na­que­la que é a pri­mei­ra de­fi­ni­ção li­te­rá­ria co­nhe­ci­da de um jogo com bo­la: “Di­es­tro aquel en vol­ver com di­es­tra plan­ta / la pe­lo­ta que huye / com­pen­san­do com los pi­es el ofi­cio de las ma­nos”.

A bor­ra­cha só co­me­ça­ria a ser ma­nu­fac­tu­ra­da na Eu­ro­pa no iní­cio do sé­cu­lo XIX e, até aí, a im­pos­si­bi­li­da­de de evo­lu­ção do fu­te­bol fi­cou a de­ver mui­to à ine­xis­tên­cia de uma bo­la que fa­vo­re­ces­se o jogo. Os po­vos ame­ri­ca­nos, com a sua bo­la de bor­ra­cha, sal­ti­tan­te, be­ne­fi­ci­a­ram de mui­tas cen­te­nas de anos pré­vi­os de aper­fei­ço­a­men­to, o que iria ge­rar uma es­pé­cie de me­mó­ria fi­lo­ge­né­ti­ca que es­ta­ria na ori­gem da fre­quen­te­men­te ex­cep­ci­o­nal qualidade téc­ni­ca dos jo­ga­do­res oriun­dos des­se con­ti­nen­te. Quan­do a equi­pa na­ci­o­nal do Uru­guai, em 1920, se apre­sen­tou em In­gla­ter­ra e ga­nhou por 5-3, o or­gu­lho­so país que aca­ba­ra de in­ven­tar o fu­te­bol pas­mou e in­ter­ro­gou-se so­bre a ori­gem de tais qua­li­da­des téc­ni­cas. Sim, eles ti­nham in­ven­ta­do o fu­te­bol, mas os ou­tros ti­nham in­ven­ta­do a bo­la sal­ti­tan­te mui­tos sé­cu­los an­tes.

Quan­do o jogo po­pu­lar da bo­la foi adop­ta­do pe­las es­co­las pú­bli­cas in­gle­sas, a meio do sé­cu­lo XVIII – on­de iria so­frer uma no­va mi­ni­a­tu­ri­za­ção, idên­ti­ca à que so­fre­ra quan­do pas­sou da ines­go­tá­vel pai­sa­gem ru­ral pa­ra a es­cas­sa pai­sa­gem ur­ba­na –, as bo­las eram ain­da du­ras e pe­sa­das. Por is­so, num pri­mei­ro pe­río­do, até 1830, os jo­gos de bo­la nos co­lé­gi­os ti­nham as mes­mas características do jogo po­pu­lar de que de­ri­va­ram, e man­ti­nham um ca­rác­ter in- for­mal e re­gras va­riá­veis. Co­mo no “hur­ling”, o fu­te­bol po­pu­lar e ru­ral, pre­do­mi­na­va a for­ça e o jogo não pas­sa­va de uma pu­ra ex­plo­são de ener­gia.

Em 1823, o quí­mi­co es­co­cês Char­les Ma­cin­tosh fa­bri­cou pe­la pri­mei­ra vez uma te­la im­per­meá­vel de al­go­dão im­preg­na­da de bor­ra­cha. Em 1839, o quí­mi­co ame­ri­ca­no Char­les Go­odye­ar des­co­briu e in­tro­du­ziu o pro­ces­so de vul­ca­ni­za­ção da bor­ra­cha. Apa­re­ce­ram en­tão os pri­mei­ros in­vó­lu­cros ca­pa­zes de su­por­tar uma al­ta pres­são de ar. E nas­cia a bo­la le­ve e com ca­pa­ci­da­de de res­sal­to que po­dia ser pon­ta­pe­a­da sem re­ceio. Mais: ela qua­se exi­gia o uso pre­fe­ren­ci­al do pé.

O po­e­ta Rai­ner Ma­ria Ril­ke des­cre­veu es­ta bo­la, he­si­tan­do eter­na­men­te en­tre a que­da e o voo, à pro­cu­ra do seu pon­to cul­mi­nan­te an­tes de se in­cli­nar na di­rec­ção do jo­ga­dor. Era uma bo­la que ser­via pa­ra ser jo­ga­da, mas que tam­bém jo­ga­va com os jo­ga­do­res, in­di­can­do-lhes sem­pre um no­vo mo­vi­men­to, uma no­va ati­tu­de ou po­si­ção.

Du­ran­te mui­to tem­po es­sa bo­la foi de­sig­na­da “ca­out­chouc”, o no­me ori­gi­nal da ma­té­ria sub­til de que era fei­ta a sua no­va al­ma. Se­du­to­ra, sal­ti­tan­te, in­si­nu­an­te, exi­gia tam­bém um ges­to ime­di­a­to, ins­tin­ti­vo, in­com­pa­tí­vel com qual­quer con­tem­pla­ção. Fei­ta de ma­té­ria in­can­des­cen­te, so­lar, era im­pos­sí­vel re­tê-la, ape­nas to­cá-la, im­pul­si­o­ná-la. Era en­tão cheia à for­ça de pul­mões, fi­ca­va grá­vi­da de ar e ins­pi­ra­va novos ges­tos. Es­sa bo­la ins­tau­rou, as­sim, uma ou­tra cor­po­rei­da­de, mes­mo por­que o seu jogo não im­pu­nha, nem im­põe ain­da, qual­quer ve­to cor­po­ral. Ape­sar de ser um ob­jec­to pro­du­zi­do in­dus­tri­al­men­te, fru­to da tec­no­lo­gia mais avan­ça­da da épo­ca, es­sa bo­la era um ele­men­to or­gâ­ni­co, na­tu­ral, sem ar­ti­fí­cio, com o seu sim­bo­lis­mo ve­ge­tal do ca­out­chouc, que re­en­vi­a­va à sei­va, ao san­gue e ao es­per­ma.

De ofí­cio das mãos a ofí­cio do cor­po O apa­re­ci­men­to des­ta bo­la cri­ou a emer­gên­cia de um no­vo jogo, o drib­bling ga­me ou “có­di­go de dri­blar” e ins­tau­rou a con­tro­vér­sia do “pon­ta­pé na tí­bia”, que era re­cu­sa­do ca­te­go­ri­ca­men­te pe­los seus par­ti­dá­ri­os, bem co­mo a po­lé­mi­ca da in­ter­di­ção do uso das mãos. Es­sas dis­pu­tas iri­am con­du­zir à se­pa­ra­ção do fu­te­bol e do râ­gue­bi, que, até aí, par­ti­lha­ram a mesma ori­gem e a mesma evo­lu­ção.

O fu­te­bol es­co­lar pas­sou en­tão a ser es­sen­ci­al­men­te um jogo pra­ti­ca­do com os pés. Em­bo­ra os jo­ga­do­res ain­da pu­des­sem pôr a bo­la sob con­tro­lo ou em­pur­rá-la com as mãos, ou ain­da im­pe­dir com os bra­ços que ela se es­ca­pas­se, não eram, ge­ral­men­te, au­to­ri­za­dos a se­gu­rá-la. O “agar­rar a bo­la” era re­cu­sa­do em qua­se to­das as es­co­las pú­bli­cas e da­va di­rei­to a um pon­ta­pé li­vre ao jo­ga­dor em cau­sa. Es­ta re­gra foi apli­ca­da pe­la pri­mei­ra vez em Eton, em 1849, e a prá­ti­ca pas­sou a ser as­sim de­sig­na­da (drib­bling ga­me), já que se ba­se­a­va es­sen­ci­al­men­te na ca­pa­ci­da­de de con­du­zir a bo­la pe­lo meio dos adversários, exer­ci­tan­do os novos ges­tos que ela exi­gia. Mais tar­de, em 1861, ape­nas dois anos an­tes da fun­da­ção ofi­ci­al do fo­ot­ball as­so­ci­a­ti­on, o cam­peão in­glês de “drib­bling ga­me”, a es­co­la Char­terhou­se (Sur­rey, a su­do­es­te de Lon­dres), co­di­fi­cou por es­cri­to as su­as re­gras, em que se pre­co­ni­za­va um jogo me­nos violento, no qual não era au­to­ri­za­do o uso das mãos pa­ra trans­por­tar a bo­la. Três anos de­pois, em 1863, nas­cia ofi­ci­al- men­te o fu­te­bol mo­der­no, um jogo com bo­la que ain­da ho­je é o úni­co a pres­cin­dir do uso das mãos. Por vol­ta de 1876, 13 anos de­pois do nascimento ofi­ci­al do fu­te­bol mo­der­no, a ma­ni­fes­ta­ção das “ha­bi­li­da­des” in­di­vi­du­ais da­ria lu­gar a uma sé­rie de pas­ses e com­bi­na­ções no que era, fi­nal­men­te, um jogo co­lec­ti­vo: o pas­sing ga­me. A par­tir daí, o fu­te­bol so­fre­ria pou­cas mu­dan­ças es­tru­tu­rais.

A in­ter­di­ção das mãos, que re­sul­tou do apa­re­ci­men­to das bo­las le­ves e sal­ti­tan­tes, te­ria uma im­por­tân­cia ca­pi­tal na ca­rac­te­ri­za­ção do fu­te­bol. É co­mum di­zer-se que ele se jo­ga com os pés, co­mo até a sua de­sig­na­ção su­ge­re. E é ver­da­de que os pés de­sen­vol­vem qua­se to­do o jogo, com os seus gol­pes rá­pi­dos e ines­pe­ra­dos, mes­mo por­que só eles, co­mo diz Je­an Gi­rau­doux, po­dem dar à bo­la o má­xi­mo de pos­si­bi­li­da­des e efei­tos. Po­rém, o jogo é um ofí­cio de to­do o cor­po, já que não in­ci­ta ape­nas ao uso dos pés mas, tam­bém, de to­das as su­per­fí­ci­es da per­nas, do pei­to, da ca­be­ça, do tron­co, das co­xas, dos jo­e­lhos… No re­ma­te, por exem­plo, o pé é o ga­ti­lho

que per­cu­te o “dis­pa­ro”, mas a par­tir de um im­pul­so em que ca­da mús­cu­lo do cor­po par­ti­ci­pa, sen­do que a di­rec­ção des­se re­ma­te tam­bém é, em boa par­te, de­ter­mi­na­da pe­la po­si­ção do tron­co no mo­men­to do pon­ta­pé. Ou se­ja, o que de iní­cio ti­nha a apa­rên­cia de uma li­mi­ta­ção, a pri­va­ção das mãos, mes­mo de uma vi­o­la­ção da nos­sa na­tu­re­za, aca­ba­ria por se re­ve­lar co­mo a sau­dá­vel li­ber­ta­ção de um cons­tran­gi­men­to, pois o cor­po foi de­mo­cra­ti­za­do, li­ber­to, e re­cu­pe­rou um sa­ber ins­tin­ti­vo an­ces­tral.

Um ho­mem e uma bo­la é, co­mo vi­mos, bas­tan­te na­tu­ral. Na­da mais na­tu­ral, po­rém, do que um ho­mem pri­va­do das mãos e uma bo­la. De fac­to, a pri­va­ção das mãos pro­duz um cla­rís­si­mo ape­lo ao apu­ra­men­to dos sen­ti­dos (não se elo­gia “o chei­ro” do go­lo de cer­tos avan­ça­dos, ou a “vi­são” de jogo do or­ga­ni­za­dor?) e, so­bre­tu­do, ao ges­to ins­tin­ti­vo. O jo­ga­dor, cu­jos pés são in­te­li­gen­tes, cu­jos jo­e­lhos são in­te­li­gen­tes, co­mo di­zia Henry de Monther­lant, re­ad­qui­re, com a prá­ti­ca do fu­te­bol, um ins­tin­to pri­mi­ti­vo que es­ta­va se­pul­ta­do mui­to fun­do, den­tro de si, e que a re­a­li­da­de não so­li­ci­ta­va. Cri­ou-se, as­sim, um vín­cu­lo ao na­tu­ral e a uma cer­ta for­ma de ani­ma­li­da­de de que o fu­te­bol é de­po­si­tá­rio e que tor­na ma­ra­vi­lho­sa­men­te pre­sen­te uma cer­ta li­ber­da­de in­fra-hu­ma­na. E is­so, co­mo dis­se Jac­ques Fer­ran, “é regressar à na­tu­re­za e mer­gu­lhar de no­vo na gran­de noi­te da es­pé­cie”.

A or­dem na­tu­ral das coi­sas

Po­rém, foi pre­ci­so (re)apren­der a pres­cin­dir das mãos. Eram fre­quen­tes os in­ci­den­tes e os can­ce­la­men­tos de jo­gos por­que os dois clubes não con­se­gui­am con­cor­dar quan­to ao “ma­nu­se­a­men­to” da bo­la. De mo­do a as­se­gu­ra­rem o cumprimento da re­gra, che­ga­vam a usar-se es­tra­ta­ge­mas ou mé­to­dos en­ge­nho­sos, co­mo o de da­rem aos jo­ga­do­res, an­tes de ca­da jogo, e de acor­do com o fol­clo-

re de Shef­fi­eld, um par de lu­vas bran­cas e dois flo­rins de prata que de­vi­am man­ter con­si­go até ao fim, o que os im­pe­dia de uti­li­zar as mãos.

Por ou­tro la­do, foi pre­ci­so (re)apren­der pa­ci­en­te­men­te o exer­cí­cio do no­vo ofí­cio: con­tro­lar e con­du­zir uma bo­la com to­das as su­per­fí­ci­es do pé e da per­na, ca­be­ce­ar es­sa bo­la ou do­mi­ná-la e chu­tá-la com pre­ci­são. Se não há re­ais di­fi­cul­da­des téc­ni­cas em lan­çar ou pas­sar uma bo­la à mão, ou com as du­as mãos, é mui­to di­fe­ren­te quan­do se tra­ta de o fa­zer com o pé. Pa­ra tal, são uti­li­zá­veis três su­per­fí­ci­es de con­tac­to e a elas cor­res­pon­dem efei­tos, tra­jec­tó­ri­as e for­ças de to­que mui­to di­fe­ren­tes. Ain­da ho­je se ve­ne­ram os ra­ros jo­ga­do­res de pas­ses ri­go­ro­sa­men­te pre­ci­sos, co­mo, por exem­plo, os do mé­dio fran­cês Mi­chel Pla­ti­ni, que ti­nham uma pre­ci­são de re­lo­jo­ei­ro.

Es­sa di­fi­cul­da­de au­men­ta as pos­si­bi­li­da­des de er­ro e fa­ci­li­ta a in­ter­cep­ção, que é mui­to mai­or do que nos jo­gos com as mãos, co­mo o an­de­bol ou o bas­que­te­bol, por exem­plo, on­de 80% dos ata­ques ter­mi­nam por um go­lo ou ces­to vi­to­ri­o­so. Nas equi­pas pro­fis­si­o­nais de al­to ní­vel é, as­sim, pos­sí­vel re­la­ci­o­nar cer­tas ac­ções de jogo com o re­sul­ta­do. No fu­te­bol, ape­nas 10% dos ata­ques ter­mi­na num re­ma­te à ba­li­za (50% des­ses ata­ques são in­ter­rom­pi­dos por um mau passe ou uma in­ter­cep­ção) e ape­nas 1% dá ori­gem a um go­lo. É por is­so mui­to de­li­ca­do pro­cu­rar uma re­la­ção en­tre os pa­râ­me­tros do jogo e a sua con­sequên­cia, o re­sul­ta­do.

Por sua vez, es­ta im­pos­si­bi­li­da­de de le­var os es­que­mas tác­ti­cos à sua con­clu­são nu­ma per­cen­ta­gem ele­va­da, e as­sim se che­gar aos fins pro­gra­ma­dos, con­fe­re in­cer­te­za e ir­re­so­lu­ção ao jogo, do­tan­do-o de uma ad­mi­rá­vel fal­ta de ra­zão, a qual é fre­quen­te­men­te – e in­jus­ta­men­te – clas­si­fi­ca­da co­mo in­jus­ti­ça. De fac­to, no fu­te­bol não há jus­ti­ça, quan­do mui­to ele pres­ta-se a uma dra­ma­ti­za­ção so­bre a le­gi­ti­mi­da­de e o ar­bi­trá­rio, re­pou­san­do va­ga­men­te so­bre es­sa am­bi­gui­da­de. Um sen­ti­do do des­ti­no pla­na so­bre os jo­gos, lem­bran­do por vezes com bru­ta­li­da­de que o mé­ri­to não é su­fi­ci­en­te e tor­na-se ne­ces­sá­rio con­ju­gá-lo com a sor­te. O fu­te­bol exal­ta o mé­ri­to in­di­vi­du­al e co­lec­ti­vo, vi­san­do con­sa­grar os me­lho­res, mas su­bli­nha tam­bém o pa­pel do aca­so e da sor­te, que são, ca­da qual a seu mo­do, ir­ri­sões in­so­len­tes do mé­ri­to.

A sim­pli­ci­da­de do jogo é mui­tas vezes apon­ta­da pe­los seus es­tu­di­o­sos co­mo a cha­ve do se­gre­do do seu su­ces­so in­vul­gar, o que, con­ve­nha­mos, é di­zer pou­co. E, aliás, es­sa sim­pli­ci­da­de não é re­al, já que a sua di­nâ­mi­ca se ba­seia jus­ta­men­te na di­fi­cul­da­de que re­pre­sen­ta não se po­der ma­nu­se­ar a bo­la. A sim­pli­ci­da­de evi­den­te que é pon­ta­pe­ar uma bo­la (so­bre­tu­do se es­ti­ver pa­ra­da so­bre o ter­re­no e à distância do pé de cer­ca de 15 cm) trans­for­ma-se em com­ple­xi­da­de du­ran­te um jogo, que exi­ge de ca­da par­ti­ci­pan­te um in­fi­ni­to ca­tá­lo­go de qua­li­da­des téc­ni­cas (con­du­zir a bo­la, pas­sá-la, do­mi­ná-la, re­ma­tar, cen­trar, de­sar­mar, dri­blar…). É evi­den­te a es­pon­ta­nei­da­de, por vezes, a mais pro­fun­da, mas a sim­pli­ci­da­de é ape­nas apa­ren­te. É pois nes­sa com­ple­xi­da­de e não na sua su­pos­ta sim­pli­ci­da­de que re­pou­sa, em par­te, o en­can­to do fu­te­bol, o qual continua a ser im­pre­vi­sí­vel e ir­re­gu­lá­vel, ape­sar de to­dos os es­for­ços que ao lon­go da sua his­tó­ria mo­der­na têm si­do fei­tos pa­ra ex­tir­par es­sa sau­dá­vel mar­gem de im­per­ti­nên­cia. A di­fi­cul­da­de ge­ra a in­cer­te­za e a ir­re­so­lu­ção, ou se­ja, a emer­gên­cia da “mú­si­ca” do aca­so, que continua a fa­zer de ca­da jogo um en­ca­de­a­men­to ale­a­tó­rio e ful­gu­ran­te de acon­te­ci­men­tos mal pre­vis­tos: a or­dem na­tu­ral das coi­sas.

Por sua vez, a in­cer­te­za, con­sequên­cia da di­fi­cul­da­de, ge­rou a ex­pec­ta­ti­va e a an­si­e­da­de, bem co­mo a su­pers­ti­ção e a sim­pa­tia má­gi­co-re­li­gi­o­sa que do­mi­na se­cre­ta­men­te o jogo, e é o seu “te­ne­bro­so co­ra­ção”. De fac­to, o mag­ma su­pers­ti­ci­o­so, ape­sar dos es­for­ços fei­tos pa­ra o ne­gar, continua a inun­dar o edi­fí­cio tec­no­ló­gi­co do fu­te­bol mo­der­no; e são pou­cos os membros da sua po­pu­la­ção (jo­ga­do­res, trei­na­do­res, dirigentes e adep­tos) que pres­cin­dem de fé­ti­ches ou de mi­cro-ri­tu­ais que vi­sam atrair a sor­te. Ape­sar da sua au­ra ci­en­tí­fi­ca, ges­tos co­mo o aque­ci­men­to, as con­cen­tra­ções an­tes dos jo­gos, e mes­mo cer­tos as­pec­tos do trei­no, têm a sua boa por­ção de ri­tu­ais má­gi­cos pa­ra atrair a boa ener­gia e os fa­vo­res dos deu­ses. Os jo­ga­do­res não são “aque­les que vão mor­rer”, co­mo os an­ti­gos gla­di­a­do­res, mas são “aque­les que se vão ex­por à sor­te”. E que po­de a ci­ên­cia, ou a pre­vi­são es­for­ça­da que é o trei­no sis­te­má­ti­co, con­tra a for­ça ig­no­ra­da que mu­da a tra­jec­tó­ria de uma bo­la, co­mo a de uma vi­da?

Tu­do is­to, re­cor­de­mo-lo, re­sul­tou da in­só­li­ta in­ter­di­ção do uso das mãos, que atri­buiu dis­tin­ção ao fu­te­bol e se­ria res­pon­sá­vel pe­lo seu de­sen­vol­vi­men­to me­teó­ri­co. En­quan­to os des­por­tos em que se jo­ga a bo­la com a mão são inu­me­rá­veis, com ou sem pro­lon­ga­men­tos co­mo uma ra­que­te, ta­co ou stick, so­bre ter­ra ou so­bre ge­lo, a ca­va­lo ou na água, o fu­te­bol continua a ser o úni­co jogo com bo­la que proí­be o uso das mãos e dos bra­ços. E se as mãos fo­ram su­pri­mi­das do jogo é por­que a bo­la, com a sua in­ter­ven­ção, dei­xa­ria de ser bo­la, e o jo­ga­dor dei­xa­ria de ser jo­ga­dor. As mãos são na­tu­ral­men­te frau­du­len­tas e só fo­ram da­das a dois ani­mais frau­du­len­tos (o ou­tro é o ma­ca­co) e a bo­la não ad­mi­te tru­ques, só efei­tos su­bli­mes. Em­bo­ra, por vezes, co­mo diz o po­e­ta João Cabral de Me­lo Ne­to, “dê aos pés as­tú­ci­as de mãos”.

Cons­ci­ên­cia, pa­ra quê?

As mãos, ins­tru­men­to de tran­si­ção do ani­mal que fo­mos pa­ra o ani­mal hu­ma­no que so­mos, são as du­as pa­tas que nos so­bra­ram quan­do ga­nha­mos a nos­sa ver­ti­ca­li­da­de, is­to é, quan­do o sí­mio que fo­mos se pôs de pé e co­me­çou a ca­mi­nhar. Li­ber­tas das ta­re­fas da lo­co­mo­ção, elas fa­bri­ca­ram uten­sí­li­os, le­van­ta­ram abri­gos e mo­di­fi­ca­ram o am­bi­en­te. Com elas tam­bém pas­sa­mos a par­tir os ali­men­tos, o que ge­ra­ria com o tem­po a atro­fia dos ma­xi­la­res e a ex­pan­são do cór­tex ce­re­bral. Se­gun­do Des­mond Mor­ris, “pro­gre­di­mos um mi­lhão de anos dos ma­cha­dos de sí­lex até aos fo­gue­tões es­pa­ci­ais, só por­que um dia fo­mos ca­pa­zes de nos er­guer nos membros pos­te­ri­o­res e nos so­bra­ram du­as pa­tas que, com o tem­po, se tor­na­ram em mãos, com es­sa ma­ra­vi­lho­sa opo­si­ção do po­le­gar que per­mi­te a pre­en­são e a ma­ni­pu­la­ção dos ob­jec­tos”.

E che­ga o fu­te­bol e diz-nos: não usa- rás as mãos. Mais: ab­di­ca­rás tam­bém de dons hu­ma­nos co­mo a lin­gua­gem e o pen­sa­men­to con­cep­tu­al, que, jun­ta­men­te com a aqui­si­ção das mãos, fun­da­ram a tra­di­ção e a cul­tu­ra e nos ele­va­ram a um ní­vel su­pe­ri­or ao dos ou­tros ani­mais. De fac­to, o fu­te­bol alhei­a­se da tra­di­ção e da cul­tu­ra, is­to é, dos do­mí­ni­os do consciente, ope­ran­do uma re­gres­são pa­ra os dons fí­si­cos na­tu­rais. Ele não se di­ri­ge ao que há de hu­ma­no em nós, is­to é, ao que re­sul­ta da nos­sa evo­lu­ção ci­vi­li­za­da. Pe­lo con­trá­rio, ne­le tu­do re­me­te pa­ra a nos­sa ir­ra­ci­o­na­li­da­de (se­ja a do pra­ti­can­te ou a do es­pec­ta­dor). Por is­so é uma tão vi­bran­te ce­le­bra­ção da ani­ma­li­da­de, a nos­sa, na­tu­ral­men­te: “es­se sim­ples pra­zer do cor­po que se lan­ça na aven­tu­ra in­ter­di­ta da li­ber­da­de”, co­mo dis­se Eduardo Ga­la­no, que tam­bém tra­çou um be­lo hi­no à ple­ni­tu­de do fu­te­bol (“Fu­te­bol à luz e à som­bra”).

Acon­te­ce que a es­sa re­cu­pe­ra­ção ins- tin­ti­va cor­res­pon­de uma di­mi­nui­ção da cons­ci­ên­cia, já que, na ver­da­de, o fu­te­bol de­vol­ve o ho­mem que o jo­ga a um es­ta­do me­nor, ele­men­tar, ful­gu­ran­te, ou se­ja, a uma pri­mei­ra na­tu­re­za que se opõe à se­gun­da na­tu­re­za do pen­sa­men­to e da cons­ci­ên­cia. As­sim, pri­va­do das mãos e da lin­gua­gem, o jo­ga­dor re­gri­de a ní­veis mui­to bai­xos de cons­ci­ên­cia. E pa­ra que pre­ci­sa ele des­sa cons­ci­ên­cia se a sua fun­ção con­sis­te jus­ta­men­te em en­con­trar aces­sos e vi­as pa­ra os quais ela não con­tri­bui? Mais: es­sa per­da acen­tu­a­da de cons­ci­ên­cia en­con­tra a sua com­pen­sa­ção num acrés­ci­mo de ins­tin­to; e o que é o ins­tin­to se­não uma in­te­li­gên­cia na­tu­ral e na­ta, que é su­pos­to o ho­mem tam­bém ter pos­suí­do em ida­des mais re­cu­a­das?

O jo­ga­dor é, pois, um ser de pu­ro ins­tin­to. A sua ac­ção em cam­po, sa­ra­ban­da de mús­cu­los e ner­vos a ca­da mo­men­to mo­bi­li­za­dos por cho­ques de al­ta ten­são, re­sul­ta de um comportamento que es­tá en­rai­za­do na apre­en­são per­cep­tu­al de ca­da si­tu­a­ção. Por is­so, ele in­te­gra qua­li­da­des da vi­da ani­mal e sur­ge mui­tas vezes aos nos­sos olhos co­mo se es­ti­ves­se pos­suí­do pe­la sua ener­gia e pe­los seus po­de­res fí­si­cos. Es­ta ad­mi­ra­ção tem, aliás, a no­tá­vel par­ti­cu­la­ri­da­de de não ser con­si­de­ra­da um re­gres­so a um ní­vel in­fe­ri­or, mas a de re­co­nhe­cer a su­pe­ri­o­ri­da­de dos do­tes fí­si­cos des­ses ani­mais. De fac­to, os pás­sa­ros vo­am em ple­no céu, os pei­xes na­dam de­bai­xo da água, os rép­teis mu­dam de pe­le e po­dem ocul­tar-se na ter­ra… Mes­mo a per­cep­ção ani­mal dos acon­te­ci­men­tos, que per­mi­te sem­pre um ges­to de de­fe­sa ou an­te­ci­pa­ção, é mui­to su­pe­ri­or à hu­ma­na.

Em­bo­ra gos­te­mos de pensar que so­mos an­jos caí­dos do céu, nós, se­res hu­ma­nos, tam­bém so­mos ani­mais e fo­mos con­tem­pla­dos com os mes­mos ins­tin­tos dos nos­sos ir­mãos ir­ra­ci­o­nais. De fac­to, tu­do o que fa­ze­mos tem uma ba­se ina­ta, ge­né­ti­ca, e to­das as nos­sas ac­ti­vi­da­des têm qual­quer coi­sa em co­mum com ou­tras es­pé­ci­es. As­sim, o jo­ga­dor ape­nas se li­mi­ta a re­a­ni­mar de mo­do ful­gu­ran­te es­sa ba­se ina­ta e ge­né­ti­ca, he­ran­ça da nos­sa lon­gín­qua ani­ma­li­da­de. Ele en­car­na o que há de sen­si­ti­va­men­te hu­ma­no no ani­mal e ao mes­mo tem­po de si­len­ci­a­da­men­te ani­mal no ho­mem, o que lhe per­mi­te ace­der di­rec­ta­men­te à to­ta­li­da­de ori­gi­ná­ria, par­ti­ci­par de­la. É ain­da o ho­mem, evi­den­te­men­te, mas sem a de­fe­sa da ra­ci­o­na-

li­da­de, exer­cen­do o di­rei­to ao seu ins­tin­to pri­mi­ti­vo e, por is­so, ex­pri­min­do o que há de pu­ra­men­te ani­mal no ho­mem. É o ani­mal hu­ma­no.

O ani­mal hu­ma­no

As­sim, não ad­mi­ra que os ges­tos dos jo­ga­do­res se­jam equi­pa­ra­dos aos dos ani­mais cu­jas qua­li­da­des eles pa­re­cem ter in­te­gra­do. Quan­do o guar­da-re­des co­lom­bi­a­no Re­né Hi­gui­ta fez uma de­fe­sa im­pos­sí­vel em Wembley du­ran­te um In­gla­ter­ra-colôm­bia, em que, num mo­vi­men­to im­pro­vá­vel, er­gueu os cal­ca­nha­res quan­do ti­nha o cor­po pro­jec­ta­do pa­ra di­an­te, clas­si­fi­ca­ram es­sa ac­ção co­mo “a de­fe­sa do es­cor­pião”, já que, de fac­to, lem­bra­va o mo­vi­men­to de um es­cor­pião que er­gue su­bi­ta­men­te a cau­da pa­ra se de­fen­der de um ata­que; e ain­da há pou­co, na Pre­mi­er Le­a­gue, Gi­roud (Ar­se­nal) e Mikhi­taryan (Man­ches­ter Uni­ted) mar­ca­ram, na mesma jor­na­da, “go­los do es­cor­pião”. Por sua vez, o guar­da-re­des rus­so Ya­chi­ne era co­nhe­ci­do co­mo a “ara­nha ne­gra”, o que se de­via me­nos à in­du­men­tá­ria, in­va­ri­a­vel­men­te pre­ta, e mais à ex­tra­or­di­ná­ria agi­li­da­de que lhe per­mi­tia che­gar a to­do o la­do com a pon­ta dos seus bra­ços e pés. Aliás, são inú­me­ros os guar­da-re­des que vêm o seu no­me as­so­ci­a­do a ani­mais. Tam­bém o argentino Fi­i­lol, por exem­plo, era o “pa­to”, e o es­pa­nhol Gain­za o “ga­mo”, en­quan­to o português Jo­sé Hen­ri­ques era, co­mo tan­tos ou­tros, o “ga­to” (os fe­li­nos são mui­to as­so­ci­a­dos aos guar­da-re­des). Po­rém, tal tra­ta­men­to é ex­ten­si­vo aos ou­tros jo­ga­do­res, o que tor­nou o fu­te­bol nu­ma au­tên­ti­ca Ar­ca de Noé. Eu­sé­bio era uma pan­te­ra ne­gra, o in­glês Cohen era um ti­gre a ata­car, o argentino Kem­pes mo­via- se co­mo uma ga­ze­la en­quan­to o seu co­le­ga Ar­di­les era a for­mi­ga do con­jun­to. Por sua vez, o pos­san­te avan­ça­do tur­co Ha­kan Su­kur era o “tou­ro do Bós­fo­ro” en­quan­to o ver­sá­til e on­du­lan­te ro­me­no Il­lie era o “Co­bra Il­lie”. Por sua vez, o argentino Mo­re­te era um pu­ma, o in­glês Jac­kie Charl­ton, gra­ças a uma pe­cu­li­ar mor­fo­lo­gia, que lhe per­mi­tia che­gar fa­cil­men­te às bo­las mais al­tas, era equi­pa­ra­do a uma gi­ra­fa e o avan­ça­do es­pa­nhol Bu­tra­gueño, que apro­vei­ta­va to­dos os des­li­zes dos adversários sem piedade, era o “abu­tre”.

A fau­na fu­te­bo­lís­ti­ca é de­ma­si­a­do ex­ten­sa. As­sim, di­ga­mos ape­nas que gran­des pre­da­do­res co­mo pan­te­ras, pu­mas, lo­bos, ti­gres, leões, águias, fal­cões, ou en­tão ani­mais pu­jan­tes e po­de­ro­sos,

POR VEZES, SÃO OS PRÓ­PRI­OS JO­GA­DO­RES A EXPRIMIR A SUA CON­DI­ÇÃO ANI­MAL

co­mo tou­ros, bú­fa­los, ca­va­los, são as­so­ci­a­ções mais fre­quen­tes. Po­rém, tam­bém po­de­mos en­con­trar mos­qui­tos, co­e­lhos, pom­bas, mel­ros, sar­di­nhas, la­gar­tos, sa­la­man­dras, ga­li­nhas e ga­los, bo­des ou bor­re­gos, cor­ças, ga­ze­las, gal­gos e tu­ca­nos. De um mo­do mais ge­né­ri­co, e en­quan­to os guar­da-re­des são fe­li­nos, os de­fe­sas são mu­las, os mé­di­os po­tros ou ca­va­los e os avan­ça­dos vi­vos e ex­pe­di­tos são ra­tos ou ra­tas. Há paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na que cha­mam pes­ca­di­nhas aos extremos fu­gi­di­os, per­di­zes aos extremos rá­pi­dos e pas­to ao ter­re­no de jogo. Aos jo­ga­do­res que se com­por­tam com bra­vu­ra ex­tre­ma tam­bém se dá a elo­gi­o­sa de­sig­na­ção de “fe­ras”.

Por vezes, são os pró­pri­os jo­ga­do­res a exprimir or­gu­lho­sa­men­te a sua con­di­ção ani­mal, ou en­tão a pres­tar-lhe tri­bu­to, já que foi gra­ças a ela que ob­ti­ve­ram os seus fei­tos ex­tra­or­di­ná­ri­os. O ni­ge­ri­a­no Ge­or­ge Fi­ni­di, por exem­plo, fes­te­ja­va os go­los re­pro­du­zin­do o ges­to dos ani­mais que uri­nam pa­ra mar­car o ter­ri­tó­rio, e o bra­si­lei­ro Leandro, jo­ga­dor do Va­lên­cia, imi­ta­va os ges­tos de um cão a uri­nar con­tra a ban­dei­ra de can­to. Ou­tros ain­da re­cor­rem à qua­dri­pe­dia, co­mo o tam­bém bra­si­lei­ro Vi­o­la, que de­pois dos go­los ca­mi­nha­va de ga­tas ao lon­go da li­nha la­te­ral pa­ra imi­tar um por­qui­nho, ani­mal to­té­mi­co do Pal­mei­ras. Olha­mos pa­ra os jo­ga­do­res e ve­mos ne­les deu­ses, he­róis, ar­tí­fi­ces, ope­rá­ri­os, mas nun­ca nos ocor­re que eles se­jam exac­ta­men­te aqui­lo que nos pa­re­ce que são: ani­mais hu­ma­nos.

Es­sa te­ra­to­lo­gia – me­ta­de ho­mem, me­ta­de ani­mal, ou se­ja, me­ta­de ci­vi­li­za­do, me­ta­de sel­va­gem – a que cor­res­pon­de uma for­ça con­tra­di­tó­ria, po­de­ro­sa e des­co­nhe­ci­da, ge­rou, se­gun­do Je­an Gi­rau­doux “uma no­va ra­ça pri­vi­le­gi­a­da, uma es­pé­cie de cen­tau­ros, ébri­os de­les mes­mos”. É uma boa ob­ser­va­ção, já que o cen­tau­ro, me­ta­de hu­ma­no e me­ta­de ani­mal, re­pre­sen­ta a du­pla na­tu­re­za hu­ma­na. Do­mi­na­do pe­los ins­tin­tos pri­má­ri­os, ele tam­bém sim­bo­li­za a bar­bá­rie rús­ti­ca, a violência e a pre­va­lên­cia dos ins­tin­tos que o jo­ga­dor de fu­te­bol en­car­na.

O des­do­bra­men­to da personalidade des­se jo­ga­dor, que o obriga a uma per­ma­nen­te os­ci­la­ção da sua du­pla na­tu­re­za, con­fe­re gran­des di­fi­cul­da­des à com­po­si­ção da sua per­so­na­gem. Du­ran­te a sua exis­tên­cia “ci­vil”, é fre­quen­te ou­vi­los fa­lar de si na ter­cei­ra pes­soa, co­mo se o jo­ga­dor que eles tam­bém são fos­se um ou­tro, já que ele na ver­da­de ha­bi­ta um lu­gar obs­cu­ro, al­gu­res do ou­tro la­do de si. Mais tar­de, quan­do ter­mi­nam a sua car­rei­ra e são em­pur­ra­dos pa­ra a pe­nú­ria ins­tin­ti­va e in­cons­ci­en­te da vi­da co­mum, é vi­sí­vel a pro­fun­da dor des­sa am­pu­ta­ção ter­rí­vel e que cor­res­pon­de à per­da da sua har­mo­ni­o­sa to­ta­li­da­de.

Os pró­pri­os clubes adop­tam uma es­pé­cie ani­mal co­mo en­car­na­ção do es­pí­ri­to an­ces­tral e exi­bem de bom gra­do a sua iden­ti­fi­ca­ção com es­se ani­mal to­té­mi­co. Nou­tros ca­sos, a iden­ti­fi­ca­ção to­té­mi­ca, que im­pli­ca sem­pre um la­ço ou uma es­sên­cia co­mum, fi­ca-se por ou­tros ele­men­tos na­tu­rais, co­mo ár­vo­res, es­pi­gas ou ou­tras plan­tas (por exem­plo, o tre­vo do Cel­tic de Gals­gow). Há tam­bém uma inul­tra­pas­sá­vel pre­sen­ça de ani­mais nos em­ble­mas dos clubes. Des­mond Mor­ris des­cre­veu-os as­sim: “gran­des car­ní­vo­ros co­mo leões, ti­gres e lo­bos, são po­pu­la­res. Aves de ra­pi­na co­mo águias, fal­cões e mo­chos, es­tão tam­bém en­te os ani­mais pre­fe­ri­dos, sim­bo­li­zan­do ata­ques ful­mi­nan­tes e im­pi­e­do­sos que não dão hi­pó­te­ses de fu­ga. Tam­bém há cri­a­tu­ras pe­sa­das que es­ma­gam tu­do à vol­ta (ele­fan­tes, ri­no­ce­ron­tes, tou­ros), mas igual­men­te ve­a­dos, car­nei­ros, ou en­tão ga­ra­nhões co­ra­jo­sos e em­pi­na­dos ou ga­los de com­ba­te, ávi­dos de san­gue. Tam­bém há os que adop­tam ani­mais mi­to­ló­gi­cos en­quan­to ou­tros fa­zem es­co­lhas di­fí­ceis de com­pre­en­der e de­ci­dem con­fi­ar em aves pe­que­nas e ino­fen­si­vas mas de voo rá­pi­do pis­cos, pe­gas, gai­vo­tas, abe­lhas e ca­ná­ri­os”.

Es­sa iden­ti­fi­ca­ção com o meio na­tu­ral é tam­bém vi­sí­vel na es­co­lha da se­gun­da “pe­le” dos jo­ga­do­res, os seus equi­pa­men­tos, os quais, além de dis­sol­ve­rem as pe­cu­li­a­ri­da­de de ca­da um na in­dis­tin­ção ge­ral do gru­po, bus­cam uma afi­ni­da­de com o meio na­tu­ral, re­pro­du­zin­do co­res e pa­drões co­lhi­dos na na­tu­re­za. Ris­cas de la­gar­tos ou fe­li­nos ou co­res e pa­drões da pe­le de ani­mais ve­ne­no­sos são mui­to fre­quen­tes e, no seu esforço mi­mé­ti­co, ex­pri­mem um de­se­jo alu­ci­nan­te de in­te­gra­ção na sen­si­bi­li­da­de na­tu­ral.

Con­cluin­do: o fu­te­bol é uma vi­bran­te ce­le­bra­ção de ani­ma­li­da­de, in­cluin­do, na­tu­ral­men­te, a nos­sa. Não ad­mi­ra, por is­so, que se­ja uma fon­te de con­so­lo pa­ra o ho­mem mo­der­no, es­se ani­mal evo­luí­do mas des­na­tu­ra­do. Ines­go­tá­vel fon­te de vi­da ir­ra­ci­o­nal e in­cons­ci­en­te, ele continua a cum­prir a sua úl­ti­ma fi­na­li­da­de: (re)li­gar o ho­mem à Na­tu­re­za. E o que é a Na­tu­re­za se­não o ho­mem sem a de­fe­sa do con­cei­to e da ra­ci­o­na­li­da­de?

Um te­sou­ro mi­to­ló­gi­co

Em­bo­ra o des­por­to, na sua se­mân­ti­ca ac­tu­al, se cons­ti­tua e se re­gu­la­men­te co­mo um fe­nó­me­no de­ri­va­do da re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, as su­as di­fe­ren­tes mo­da­li­da­des re­par­tem-se en­tre as que são de ins­pi­ra­ção in­dus­tri­al e ba­se ur­ba­na, co­mo é o ca­so do bas­que­te­bol, por exem­plo, e as que ti­ve­ram uma ori­gem mais lon­gín­qua e ru­ral (fu­te­bol, râ­gue­bi, hó­quei em cam­po, gol­fe, crí­que­te) e cu­jas re­gras se fo­ram ob­ten­do a par­tir de uma vas­ta e anó­ni­ma ge­ne­a­lo­gia. A do fu­te­bol de­sen­vol­veu-se ao lon­go de cer­ca de cin­co mi­lha­res de anos, dos quais ape­nas cen­to e pou­cos cor­res­pon­dem à sua fa­se mo­der­na, ini­ci­a­da em 1863, e pós-mo­der­na, que ain­da de­cor­re. Os res­tan­tes per­ten­cem às su­as fa­ses cul­tu­al, tra­di­ci­o­nal e pré-mo­der­na, to­das per­fei­ta­men­te in­ter­pe­ne­tra­das e ar­ti­cu­la­das, e ao lon­go das quais foi re­ce­ben­do a sua subs­tân­cia e es­tru­tu­ra.

Cul­to li­ga­do ao tra­ba­lho, re­flec­tiu os sis­te­mas de pro­du­ção de ca­da épo­ca (tal co­mo acon­te­ce­ria, de res­to, ao lon­go das três ida­des da sua vi­da mo­der­na e tal co­mo ain­da ho­je acon­te­ce). Foi-se ar­ti­cu­lan­do com a ati­tu­de do ho­mem pe­ran­te a na­tu­re­za, o mi­to, a his­tó­ria, o sa­gra­do, ou se­ja, com as di­fe­ren­tes men­ta­li­da­des e con­cep­ções de vi­da, e tam­bém, na­tu­ral­men­te, com as di­fe­ren­tes no­ções de tem­po e es­pa­ço, fun­ci­o­nan­do co­mo uma mi­cro-re­pre­sen­ta­ção de ca­da uma des­sas épo­cas. Po­rém, o que mu­da­va era a sua for­ma ex­ter­na. A sua re­a­li­da­de mais ín­ti­ma, a sua es­sên­cia, per­ma­ne­cia in­to­cá­vel, e ele não per­deu nun­ca o ne­xo con­cre­to com a re­a­li­da­de que ori­gi­na­ri­a­men­te o mo­ti­vou. Ma­ni­fes­ta­ção co­e­ren­te e re­gu­la­da da vi­da co­lec­ti­va, o fu­te­bol ain­da ho­je nos dá in­di­ca­ções so­bre uma men­ta­li­da­de de­sa­pa­re­ci­da e de que ele é ain­da uma ex­pres­são es­ti­li­za­da. Por um la­do, é um ele­men­to per­ma­nen­te da cul­tu­ra dos ho­mens, da qual se en­car­re­ga de pro­jec­tar um re­fle­xo, e, por ou­tro, trans­por­ta em si uma re­a­li­da­de que sub­jaz ao tem­po e cor­res­pon­de a um esforço ru­de, re­si­du­al, pa­ra man­ter a an­ti­ga vi­são das coi­sas. Co­mo se a sua mis­são fos­se pre­ser­var al­go que é es­sen­ci­al ao ho­mem, um te­sou­ro mi­to­ló­gi­co, pre­ci­o­so, acu­mu­la­do à cus­ta de es­for­ços in­fi­ni­tos.

Gra­vu­ra oi­to­cen­tis­ta, re­tra­tan­do os pri­mór­di­os do fu­te­bol mo­der­no, au­to­no­mi­za­do do râ­gue­bi Char­les Go­odye­ar cri­ou e di­na­mi­zou o pro­ces­so de vul­ca­ni­za­ção da bor­ra­cha, de­ci­si­vo pa­ra a evo­lu­ção do jogo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.