Me­ga­li­tis­mo nas bran­das mi­nho­tas

JN História - - A Abrir - Jo­el Cle­to ar­queó­lo­go

Nas ser­ras da Pe­ne­da e do Ge­rês foi sem­pre, mais ou me­nos, as­sim. Pe­lo me­nos da Ida­de Mé­dia até me­a­dos do sé­cu­lo XX. Nos iní­ci­os de maio, quan­do as la­vou­ras es­ta­vam a ter­mi­nar e o ga­do dei­xa­va de ser ne­ces­sá­rio no au­xí­lio aos tra­ba­lhos agrí­co­las, e quan­do tam­bém as pas­ta­gens co­me­ça­vam a es­cas­se­ar jun­to às al­dei­as, che­ga­va o mo­men­to de par­tir com os bo­vi­nos pa­ra mais al­tas pa­ra­gens, re­gra ge­ral aci­ma dos 600 me­tros de al­ti­tu­de, em bus­ca dos in­dis­pen­sá­veis fe­nos. Por es­sa al­tu­ra do ano, com ba­se em re­co­lhas et­no­grá­fi­cas re­a­li­za­das na pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo pas­sa­do (que de­ram lu­gar a es­tu­dos “clás­si­cos” de Er­nes­to Veiga de Oli­vei­ra, Jor­ge Dias ou Ra­quel So­ei­ro de Bri­to, “re­vi­si­ta­dos” e apro­fun­da­dos de­pois por au­to­res co­mo Luís Po­lo­nah, Car­los Al­ber­to Ferreira de Al­mei­da ou Ale­xan­dra Cer­vei­ra Li­ma), já no úl­ti­mo do­min­go de abril a po­pu­la­ção ha­via es­co­lhi­do dois ho­mens que ti­nham a obri­ga­ção de per­cor­rer a ser­ra e ave­ri­guar do es­ta­do dos ca­mi­nhos e dos abri­gos (po­pu­lar­men­te de­sig­na­dos por “for­nos” ou “cor­te­lhos”) lo­ca­li­za­dos nas “bran­das”. Era nes­tas áre­as apla­na­das ou de de­cli­ve pou­co acen­tu­a­do que, jun­to a nas­cen­tes e pe­que­nos cur­sos de água, se de­sen­vol­vi­am as man­chas ver­de­jan-

Er­gui­dos há mui­tos sé­cu­los, por mãos sá­bi­as e ca­le­ja­das, os ve­lhos e me­ga­lí­ti­cos abri­gos de pas­to­res per­sis­tem – iso­la­dos, ma­jes­to­sos e al­go enig­má­ti­cos – nos pla­nal­tos das ser­ras do Al­to Mi­nho. Ten­do per­di­do a fun­ção ori­gi­nal, são tes­te­mu­nhos ar­que­o­ló­gi­cos de um com­ple­xo ecos­sis­te­ma e de uma har­mó­ni­ca re­la­ção das co­mu­ni­da­des hu­ma­nas da re­gião com as “su­as” ser­ras

tes que ga­ran­ti­ri­am as pas­ta­gens, du­ran­te os me­ses se­guin­tes, no al­to da ser­ra. Fei­to o re­co­nhe­ci­men­to, pou­co de­pois, ge­ral­men­te a 3 de maio, dia san­to, la­vra­do­res e vizinhos reu­ni­am-se, no ca­rac­te­rís­ti­co es­pí­ri­to co­mu­ni­tá­rio des­tas po­pu­la­ções, pa­ra com­por ca­mi­nhos e com­bi­nar re­pa­ra­ções ne­ces­sá­ri­as nos abri­gos. Fi­nal­men­te, 15 de maio era o dia es­co­lhi­do por gran­de par­te des­tas co­mu­ni­da­des pa­ra “pôr as va­cas na ser­ra”, ini­ci­an­do um per­cur­so que, du­ran­te os qu­a­tro me­ses se­guin­tes, até se­tem­bro, le­va­ria o ga­do, os re­ba­nhos e os pas­to­res (os “bran­dei­ros”) a de­am­bu­lar por es­sas al­tas pas­ta­gens. Mas não de mo­do ale­a­tó­rio! O per­cur­so de tran­su­mân­cia de ho­mens e ani­mais obe- de­ce­rá a re­gras “cos­tu­mei­ras” ri­go­ro­sas, atra­vés de tra­je­tos, ca­len­dá­ri­os e pe­ri­o­di­ci­da­des mui­to bem de­fi­ni­dos. Re­gra ge­ral, os ho­mens e os re­ba­nhos per­ma­ne­ci­am apro­xi­ma­da­men­te qu­a­tro dias em ca­da bran­da. Du­ran­te o dia o ga­do pas­ta­va li­vre­men­te, mas à noi­te era re­co­lhi­do jun­to do abri­go on­de se re­fu­gi­a­va e dor­mia o “bran­dei­ro”. Edi­fi­ca­dos pre­su­mi­vel­men­te des­de a Ida­de Mé­dia, os “cor­te­lhos” são cons­tru­ções mui­to ru­des e aca­nha­das, cons­truí­dos com uma ma­té­ria-pri­ma dis­po­ní­vel e abun­dan­te nas ime­di­a­ções das bran­das: blo­cos e la­jes ex­traí­dos dos aflo­ra­men­tos gra­ní­ti­cos. Há, de res­to, na sua con­ce­ção e ma­nu­ten­ção, uma evi­den­te pre­o­cu­pa­ção em pro­cu­rar evi­tar re­pe­ti­das re­pa­ra-

ções, in­ves­tin­do-se nu­ma cons­tru­ção pé­trea, di­fí­cil e tra­ba­lho­sa, em de­tri­men­to da uti­li­za­ção de ma­te­ri­ais mais le­ves co­mo o col­mo ou a ma­dei­ra, mas ine­ga­vel­men­te mui­to mais pe­re­cí­veis e que obri­ga­ria a cí­cli­cas e re­pe­ti­das re­for­mas. E por is­so, até a co­ber­tu­ra é con­cre­ti­za­da em pe­dra, atra­vés do tra­di­ci­o­nal sis­te­ma de “fal­sa cú­pu­la”, uma so­lu­ção ar­qui­te­tó­ni­ca pri­mi­ti­va, mas en­ge­nho­sa: su­ces­si­vas fi­a­das de pe­dra vão-se so­bre­pon­do, em anéis ho­ri­zon­tais que, no en­tan­to, apre­sen­tam um di­â­me­tro su­ces­si­va­men­te mais pe­que­no à medida que a cons­tru­ção vai su­bin­do. Da­qui re­sul­ta que a aber­tu­ra cen­tral se vai es­trei­tan­do pro­gres­si­va­men­te até se li­mi­tar a um pe­que­no ori­fí­cio que é re­ma­ta­do por uma úni­ca la­je pla­na pou­sa­da so­bre o úl­ti­mo anel. Em­bo­ra no Ge­rês e na Ser­ra Ama­re­la estes abri­gos se en­con­trem ge­ral­men­te iso­la­dos nas bran­das, na Pe­ne­da e no So­a­jo é mui­to cor­ren­te eles agru­pa­rem-se em nú­cle­os que che­gam a ul­tra­pas­sar a de­ze­na de exem­pla­res. Com um pi­so em ter­ra ba­ti­da e apre­sen­tan­do um apa­re­lho cons­tru­ti­vo mui­to gros­sei­ro, uma vez que são cons­truí­dos com gran­des pe­dras ra­ra­men­te afei­ço­a­das e en­cas­te­la­das umas so­bre as ou­tras sem qual­quer ti­po de ar­ga­mas­sa, ou mes­mo ter­ra, que col­ma­te as fen­das en­tre es­ses gran­des blo­cos de gra­ni­to, estes tos­cos abri­gos têm ge­ral­men­te uma for­ma cir­cu­lar com cer­ca de três me­tros de di­â­me­tro na ba­se. E, em­bo­ra a sua al­tu­ra pos­sa atin­gir mui­to fre­quen­te­men­te mais de dois me­tros e meio, tal medida só se ve­ri­fi­ca no cen­tro da cons­tru­ção gra­ças à já re­fe­ri­da “fal­sa cú­pu­la”, pe­lo que na par­te res­tan­te e subs­tan­ci­al do in­te­ri­or do abri­go só aí con­se­gui­mos per­ma­ne­cer se… cur­va­dos. Cons­truí­dos com la­jes que em­pres­tam em mé­dia uma re­le­van­te gros­su­ra de cer­ca de um me­tro às pa­re­des, no in­te­ri­or do abri­go reina a es­cu­ri­dão. Que­bra­da ape­nas, e de um mo­do mui­to té­nue, por uma pe­que­na por­ta que por re­gra não ul­tra­pas­sa os 80 cen­tí­me­tros e que fi­ca vol­ta­da pa­ra um dos la­dos mais pro­te­gi­do dos ven­tos do­mi­nan­tes. Fron­tei­ro à en­tra­da, mas já no ex­te­ri­or, jun­to de ca­da abri­go de­sen­vol­ve-se, por re­gra, um pe­que­no cer­ca­do que era des­ti­na­do aos ani­mais. De­sig­na­dos, de um mo­do po­pu­lar, co­mo “be­zer­rei­ras”, estes mu­ros de for­ma cir­cu­lar eram com­pos­tos por pe­dra sol­ta e per­mi­ti­am que, à noi­te, o pas­tor reu­nis­se o ga­do jun­to do seu abri­go, con­tro­lan­do mais fa­cil­men­te pos­sí­veis ata­ques de lo­bos. Era tam­bém aí que o “bran­dei­ro” acen­dia a fo­guei­ra que aque­cia a sua par­ca re­fei­ção que, na mai­or par­te das vezes, era cons­ti­tuí­da ape­nas por ba­ta­ta co­zi­da, broa, cal­do co­zi­nha­do ou “cal­do de lei­te”. Se, no en­tan­to, as con­di­ções cli­ma­té­ri­cas a is­so o obri­gas­sem, o pas­tor acen­de­ria o fo­go no in­te­ri­or do abri­go. Nes­ses mo­men­tos, uma dé­bil e in­ter­mi­ten­te lu­mi­no­si­da­de per­mi­ti­ria vis­lum­brar o es­cas­so e des­con­for­tan­te “mo­bi­liá­rio”: uma ca­ma fei­ta de ur­ze e fe­tos on­de, co­ber­to por uma man­ta, se dei­ta­va o pas­tor, com a aju­da de um plano e gran­de ca­lhau ro­la­do on­de re­pou­sa­va a ca­be­ça. Paus es­tra­te­gi­ca­men­te cra­va­dos en­tre as pe­dras da cons­tru­ção e a al­gu­ma al­tu­ra do so­lo ser­vi­am de ca­bi­des on­de se pen­du­ra­va al­gu­ma da pou­ca rou­pa do “bran­dei­ro”, al­guns sa­cos com man­ti­men­tos, e os uten­sí­li­os de co­zi­nha que, em boa ver­da­de, se li­mi­ta­vam ge­ral­men­te a um úni­co po­te de fer­ro, on­de se co­zi­am as ba­ta­tas e o cal­do. Du­ran­te os cer­ca de qu­a­tro me­ses que per­ma­ne­cia na ser­ra, de­am­bu­lan­do de bran­da pa­ra bran­da, o pas­tor, iso­la­do ou na com­pa­nhia de “bran­dei­ros” de ou­tras al­dei­as ou de ou­tras “ca­sas”, era abas­te­ci­do de man­ti­men­tos por gen­te da sua ca­sa quan­do iam ao seu en­con­tro em bus­ca de lei­te. Mais es­po­ra­di­ca­men­te, era o pró­prio que des­cia à al­deia pa­ra se abas­te­cer, apro­vei­tan­do al­gu­mas, ra­ras, idas pa­ra as­sis­tir à mis­sa do­mi­ni­cal. Nas al­tas mon­ta­nhas do Mi­nho es­ta des­lo­ca­ção sa­zo­nal não era, no en­tan­to, um exclusivo dos ga­dos e do mun­do pas­to­ril. Com efei­to, às bran­das pas­to­ris so­ma­vam-se tam­bém as bran­das de cul­ti­vo ou agrí­co­las, atra­vés das quais as po­pu­la­ções apro­vei­ta­vam os di­fe­ren­tes ni­chos eco­ló­gi­cos dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­la ser­ra ao lon­go do ano. Ob­vi­a­men­te mais es­tru­tu­ra­das do pon­to de vis­ta ar­qui­te­tó­ni­co e “ur­ba­nís­ti­co”, es­tas bran­das eram ver­da­dei­ros al­de­a­men­tos sub­si­diá­ri­os da po­vo­a­ção mãe (a “in­ver­nei­ra”) pa­ra os quais qua­se to­da a po­pu­la­ção se mu­da­va du­ran­te os quen­tes me­ses de ve­rão, e on­de eram pos­sí­veis, além do pas­to­reio, o cul­ti­vo de fe­nos, ba­ta­ta e cen­teio.

Nos pla­nal­tos do Al­to Mi­nho, a tran­su­mân­cia fazia-se pa­ra as bran­das, zo­nas de pas­ta­gem es­ti­val

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.