Os crip­to­ju­deus em Bel­mon­te

JN História - - A Abrir - Tex­to de Pe­dro Ola­vo Si­mões

Pou­cas lo­ca­li­da­des ha­ve­rá co­mo Bel­mon­te, uma pa­ca­ta vi­la er­gui­da no dor­so da ser­ra da Es­pe­ran­ça, olhan­do a imen­si­dão da Cova da Bei­ra, que se tor­nou pon­to vi­sí­vel a par­tir do mun­do in­tei­ro de­vi­do aos aca­sos (ou à ri­que­za e di­ver­si­da­de) da His­tó­ria. Na cha­ve dis­so há du­as cir­cuns­tân­ci­as: o mun­do fas­ci­nan­te dos ju­deus se­cre­tos – crip­to­ju­deus (ou mar­ra­nos, nu­ma de­sig­na­ção mais co­mum em Trá­sos-mon­tes) –, que atrai ju­deus que a diás­po­ra es­pa­lhou pe­lo pla­ne­ta, e o fac­to de ser a ter­ra na­tal de Pe­dro Ál­va­res Cabral, o que faz com que sem­pre se ou­ça o so­ta­que bra­si­lei­ro na­que­las ru­as.

Em Bel­mon­te há uma mão cheia de mu­seus e há im­por­tan­tes mo­nu­men­tos, por to­dos o cas­te­lo, mas o en­fo­que aqui se­rá da­do ao Mu­seu Ju­dai­co, por vá­ri­as ra­zões: foi o pri­mei­ro do gé­ne­ro em Por­tu­gal, foi es­te ano to­tal­men­te re­no­va­do e é um mar­co ca­da vez mais vi­sí­vel no ro­tei­ro in­ter­na­ci­o­nal do tu­ris­mo re­li­gi­o­so ju­dai­co (que en­tre nós é ain­da es­ti­mu­la­do pe­la Re­de de Ju­di­a­ri­as de Por­tu­gal, en­ti­da­de que con­gre­ga 37 con­ce­lhos e atra­vés da qual se as­se­gu­rou a com­par­ti­ci­pa­ção da re­mo­de­la­ção por fun­dos eu­ro­peus).

No co­ra­ção do mu­seu es­tá o crip­to­ju­daís­mo. Es­tão to­das aque­las ge­ra­ções que, de­pois

da ex­pul­são di­ta­da por D. Ma­nu­el I, no fi­nal do sé­cu­lo XV, man­ti­ve­ram vi­vo o cul­to ju­dai­co, elu­din­do per­se­gui­ções, adap­tan­do os ri­tu­ais e apa­gan­do da me­mó­ria as palavras he­brai­cas, ex­ce­tu­an­do o es­sen­ci­al e in­to­cá­vel “Ado­nai”, o Se­nhor.

O Mu­seu Ju­dai­co é, de lon­ge, o es­pa­ço mais pro­cu­ra­do por qu­em vi­si­ta Bel­mon­te (bem mais do que o cas­te­lo, que sem­pre foi ex-li­bris da vi­la). No ano pas­sa­do, e no­te-se que a re­mo­de­la­ção só foi fei­ta es­te ano, pe­lo que só ha­via du­as sa­las on­de se dis­pu­nham as co­le­ções, mas es­ta­va lon­ge de exis­tir a nar­ra­ti­va bem es­tru­tu­ra­da de ago­ra, fo­ram con­ta­bi­li­za­dos no Mu­seu Ju­dai­co 22 988 vi­si­tan­tes, con­tra 16 717 no Mu­seu dos Des­co­bri­men­tos ou 13 439 no cas­te­lo. Estes nú­me­ros aju­dam a per­ce­ber que, mais do que o tu­ris­ta que ali apa­re­ce por aca­so, ou que apro­vei­ta e com­pra o bi­lhe­te in­te­gra­do que a Câ­ma­ra, atra­vés da Em­pre­sa Mu­ni­ci­pal de Bel­mon­te, dis­po­ni­bi­li­za, há mui­ta gen­te que vi­si­ta a vi­la só pa­ra ver o le­ga­do dos ju­deus se­cre­tos. É o pe­so de um tu­ris­mo re­li­gi­o­so, dis­cre­to e ca­da vez mais ex­pres­si­vo, que nos con­fir­mam fun­ci­o­ná­ri­os, re­co­nhe­cen­do re­ce­ber mui­tos vi­si­tan­tes es­tran­gei­ros que, de­pois do Mu­seu Ju­dai­co, não ma­ni­fes­tam qual­quer in­te­res­se nas ou­tras es­tru­tu­ras (cas­te­lo, igre­ja de San­ti­a­go e pan­teão dos ca­brais, Mu­seu do Azei­te, Eco­mu­seu do Zê­ze­re e Mu­seu dos Des­co­bri­men­tos).

Na no­va ver­são, mo­der­na, in­te­ra­ti­va e com uma co­e­rên­cia de co­mu­ni­ca­ção que as lin­gua­gens da an­ti­ga mu­se­o­lo­gia não per­mi­ti­am, o vi­si­tan­te mo­vi­men­ta-se num jogo de lu­zes e som­bras e num am­bi­en­te do­mi­na­do pe­lo azul do Ta­lit, o xai­le de ora­ção ju­dai­co que ser­viu de ins­pi­ra­ção, por exem­plo, à ban­dei­ra do Es­ta­do de Is­ra­el. É ins­tin­ti­va­men­te con­vi­da­do a se­guir um per­cur­so em que, atra­vés dos ma­te­ri­ais ex­pos­tos e dos con­teú­dos mul­ti­mé­dia, ganha no­ção do que é o ju­daís­mo, do que foi a diás­po­ra e do que é a Se­fa­rad (a Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, cu­jos ju­deus pas­sa­ram a ser se­far­di­tas), com­pre­en­de a ex­pul­são dos ju­deus, por D. Ma­nu­el I, e a con­ver­são for­ça­da dos que fi­ca­ram (com o ró­tu­lo de cris­tãos de se­gun­da: cris­tãos-novos), per­ce­be co­mo, nu­ma sin­gu­lar for­ma de re­sis­tên­cia, o cul­to foi man­ti­do em se­gre­do, apren­de co­mo es­tas co­mu­ni­da­des fo­ram re­des­co­ber­tas e res­ga­ta­das (a Obra do Res­ga­te, jus­ta­men­te) pa­ra a luz do dia e da re­li­gião. Uma vi­a­gem fas­ci­nan­te.

PE­DRO ÁL­VA­RES CABRAL, o mais ilus­tre de to­dos os fi­lhos da ter­ra, re­par­te com o ju­daís­mo se­cre­to o es­ta­tu­to de cha­ma­riz pa­ra tu­ris­tas com mo­ti­va­ções his­tó­ri­cas. O na­ve­ga­dor es­tá se­pul­ta­do em San­ta­rém, mas Bel­mon­te é, no país, a mais vi­va evo­ca­ção que de­le exis­te, não só pe­los ves­tí­gi­os da fa­mí­lia ( o cas­te­lo, do­a­do a Fer­não Cabral em 1466, o pan­teão dos ca­brais e ou­tros ele­men­tos pa­tri­mo­ni­ais) co­mo tam­bém pe­lo Mu­seu dos Des­co­bri­men­tos/cen­tro de In­ter­pre­ta­ção “À Des­co­ber­ta do No­vo Mun­do”. Tra­ta-se de um es­pa­ço mu­se­o­ló­gi­co que pri­vi­le­gia a in­te­ra­ti­vi­da­de ( é evi­den­te­men­te fas­ci­nan­te, não só pa­ra os alu­nos das es­co­las mas pa­ra vi­si­tan­tes de to­das as ida­des). Lu­zes, sons, ima­gens, vo­zes, ex­pe­ri­ên­ci­as tác­teis... Tu­do é veí­cu­lo, à bo­leia da tec­no­lo­gia, pa­ra nos le­var nu­ma vi­a­gem que vai da pre­pa­ra­ção da fro­ta de Cabral ao Bra­sil de ho­je, man­ten­do vi­va a for­ma co­mo Por­tu­gal abra­çou o mun­do in­tei­ro.

RUA DA POR­TE­LA, 4 6250 BEL­MON­TE 275088698 Aber­to de ter­ça a do­min­go, das 09h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30, o Mu­seu Ju­dai­co co­bra 4€ por vi­si­tan­te, mas o ide­al é ad­qui­rir o bi­lhe­te “5 Mu­seus”, que cus­ta 8 eu­ros e ga­ran­te uma vi­si­ta abran­gen­te.

do crip­to­ju­daís­mo, co­mo os uten­sí­li­os que eram usa­dos pa­ra pro­du­zir o pão ázi­mo pa­ra a Pás­coa, aju­dam o vi­si­tan­te a vi­a­jar por um se­cre­tis­mo que, do pon­to de vis­ta re­li­gi­o­so, ganha uma di­men­são he­rói­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.