IRENE FLUNSER PI­MEN­TEL Te­mas e De­ba­tes | 664 pá­gi­nas | 22,10 €

JN História - - Livros - O CA­SO DA PIDE/DGS CLÁUDIA NINHOS A Es­fe­ra dos Li­vros | 328 pá­gi­nas | 15,90 € BÁRBAROS E ILUMINADOS JAIME NO­GUEI­RA PIN­TO D. Qui­xo­te | 440 pá­gi­nas | 18,90 €

Es­te es­tu­do de Irene Flunser Pi­men­tel po­de ser en­ten­di­do co­mo se­que­la da te­se de dou­to­ra­men­to da his­to­ri­a­do­ra, de­di­ca­da à His­tó­ria da PIDE. A pro­ble­ma­ti­za­ção, li­da na capa (“Fo­ram jul­ga­dos os prin­ci­pais agen­tes da Di­ta­du­ra por­tu­gue­sa?”), cor­res­pon­de a al­go que fal­ta­va per­ce­ber. Co­mo li­dou o país com es­sa fa­ce­tas te­ne­bro­sa do pas­sa­do opres­si­vo ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­or? Co­mo se pro­ces­sou a ex­tin­ção da po­lí­cia po­lí­ti­ca? Hou­ve um pro­ces­so de justiça tran­si­ci­o­nal? E co­mo tem si­do a cons­tru­ção da me­mó­ria des­ses tem­pos, fac­tos e pes­so­as? Com o 25 de Abril, os prin­ci­pais res­pon­sá­veis do re­gi­me, Mar­ce­lo Ca­e­ta­no e Amé­ri­co To­más, fo­ram pou­pa­dos à justiça, ven­do fa­ci­li­ta­do o ca­mi­nho do exí­lio. O es­tu­do não pá­ra com o fim da Co­mis­são de Ex­tin­ção da PIDE/DGS, em 1982, acom­pa­nhan­do pon­tas soltas que ain­da fi­ca­ram de um pro­ces­so que, ge­ral­men­te de­sa­guan­do em pe­nas le­ves (a cons­tru­ção de um país no­vo so­bre­pu­nha-se à pri­o­ri­da­de da pu­ni­ção), foi um dos dois pri­mei­ros pro­ces­sos de justiça de tran­si­ção (a par da Gré­cia) após a II Guer­ra Mun­di­al. Nun­ca, su­bli­nhe-se, nu­ma ló­gi­ca de Di­rei­tos Hu­ma­nos, que se­ria ana­cró­ni­ca. É con­sa­bi­do que a neu­tra­li­da­de por­tu­gue­sa, na II Guer­ra Mun­di­al, não era obs­tá­cu­lo ao bom re­la­ci­o­na­men­to en­tre dois re­gi­mes de na­tu­re­za fas­cis­ta, o Es­ta­do No­vo e o na­ci­o­nal-so­ci­a­lis­mo ale­mão, além de ha­ver gran­de per­me­a­bi­li­da­de de Por­tu­gal à pro­pa­gan­da na­zi, o que não sig­ni­fi­ca­va um ali­nha­men­to do re­gi­me sa­la­za­ris­ta com a Ale­ma­nha. Uma das par­ti­cu­la­ri­da­des do tra­ba­lho de Cláudia Ninhos, in­ves­ti­ga­do­ra do Ins­ti­tu­to de His­tó­ria Con­tem­po­râ­nea da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa, é per­ce­ber co­mo era pri­o­ri­tá­rio, pa­ra os ale­mães, com o in­tui­to de es­tas in­flu­en­ci­a­rem a di­plo­ma­cia por­tu­gue­sa, afas­tan­do-a do ve­lho ali­a­do bri­tâ­ni­co. O es­tu­do fa­la-nos, so­bre­tu­do, des­sa sedução e dos que se dei­xa­ram en­fei­ti­çar pe­las fre­quen­tes vi­si­tas de de­le­ga­ções da Ju­ven­tu­de Hi­tle­ri­a­na, pe­la che­ga­da de na­vi­os da Kraft Dur­ch Freu­de (For­ça pe­la Ale­gria), por ex­cur­sões por­tu­gue­sas à Ale­ma­nha que o Rei­ch que­ria mos­trar, por ex­po­si­ções, ini­ci­a­ti­vas cul­tu­rais de to­do o gé­ne­ro, con­fe­rên­ci­as, in­ter­câm­bi­os aca­dé­mi­cos, etc. O re­cur­so a do­cu­men­ta­ção ale­mã iné­di­ta aju­da a per­ce­ber me­lhor a re­a­li­da­de da ger­ma­no­fi­lia em Por­tu­gal. “Populismo e uto­pia no sé­cu­lo XXI” é o sub­tí­tu­lo de “Bárbaros e Iluminados”, o no­vo li­vro de Jaime No­guei­ra Pin­to. O au­tor te­o­ri­za, com a fun­da­men­ta­ção que en­con­tra na His­tó­ria (e na his­tó­ria do pen­sa­men­to po­lí­ti­co), o mo­men­to de agi­ta­ção que o mun­do vi­ve ho­je, com acon­te­ci­men­tos co­mo a elei­ção de Do­nald Trump, o Bre­xit, o de­sem­pe­nho de Ma­ri­ne Le Pen nas pre­si­den­ci­ais fran­ce­sas ou a as­cen­são, em vá­ri­os paí­ses da UE, de for­ças na­ci­o­na­lis­tas, que o au­tor apon­ta co­mo an­tis­sis­te­ma, a ques­ti­o­na­rem a or­dem de­mo-li­be­ral es­ta­be­le­ci­da na ge­ne­ra­li­da­de do oci­den­te. Sen­do “iluminados” os her­dei­ros das uto­pi­as da ra­zão e “bárbaros” os que se lhes têm vin­do a opor (na con­tra­ca­pa do li­vro re­su­me-se as­sim: “a cres­cen­te re­be­lião dos po­vos con­tra a eli­te in­ter­na­ci­o­nal no po­der”). No­guei­ra Pin­to, cu­jo po­si­ci­o­na­men­to sem­pre foi cla­ra­men­te con­ser­va­dor, es­cre­ve em ci­ma dos acon­te­ci­men­tos (ain­da vai a tem­po de co­lo­car a ques­tão do in­de­pen­den­tis­mo ca­ta­lão no rol dos con­fron­tos en­tre “iluminados e bárbaros”) pa­ra re­for­çar a ideia de fra­gi­li­da­de da uto­pia glo­bal anun­ci­a­da pe­los ho­mens das lu­zes, que, su­ge­re, não se­ri­am as­sim tão iluminados.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.