Im­pé­ri­os em re­com­po­si­ção

JN História - - Pontes No Tempo - Jo­sé Pedro Tei­xei­ra Fernandes Pro­fes­sor

1Um dos as­pe­tos mais cu­ri­o­sos do tem­po que vi­ve­mos é o da ten­ta­ti­va de re­com­po­si­ção de im­pé­ri­os do pas­sa­do, ain­da que sob for­mas di­fe­ren­tes. Olhan­do pa­ra o mun­do de iní­ci­os do sé­cu­lo XX, três gran­des im­pé­ri­os mar­ca­vam o ma­pa eu­ro-asiá­ti­co e do Ex­tre­mo Ori­en­te, na de­sig­na­ção clás­si­ca eu­ro­peia: o Im­pé­rio Rus­so, o Im­pé­rio Oto­ma­no e a Chi­na im­pe­ri­al. Um tra­ço co­mum foi te­rem en­tra­do em co­lap­so en­tre 1910 e 1920. Ou­tro tra­ço co­mum foi, pa­ra a der­ro­ca­da, te­rem con­tri­buí­do de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va as po­tên­ci­as eu­ro­pei­as/oci­den­tais. Es­tas úl­ti­mas atin­gi­ram um tão ilu­só­rio quan­to efé­me­ro pi­co de po­der nos anos 20 e 30, quan­do os ter­ri­tó­ri­os co­lo­ni­ais bri­tâ­ni­cos e fran­ce­ses ti­ve­ram a sua má­xi­ma ex­ten­são. Des­se do­mí­nio fi­cou um res­sen­ti­men­to con­tra a Eu­ro­pa/oci­den­te ain­da ho­je vi­sí­vel.

2O Im­pé­rio Rus­so en­trou em co­lap­so no con­tex­to da I Guer­ra Mun­di­al. Der­ro­tas e enor­mes per­das hu­ma­nas na fren­te de guer­ra mo­ti­va­ram a re­vo­lu­ção de fe­ve­rei­ro de 1917, que le­vou à que­da do czar Ni­co­lau II e abriu ca­mi­nho ao fim do im­pé­rio, acen­tu­a­do pe­la re­vo­lu­ção bol­che­vi­que de ou­tu­bro. Após um pe­río­do de guer­ra ci­vil, foi fun­da­do o Es­ta­do soviético, em 1922, li­de­ra­do por Le­ni­ne. A Gran­de Guer­ra ram­bém foi fa­tal ao vi­zi­nho e ri­val Im­pé­rio Oto­ma­no. O go­ver­no dos Jo­vens Tur­cos mu­dou dos tra­di­ci­o­nais ali­a­dos eu­ro­peus (bri­tâ­ni­cos e fran­ce­ses) pa­ra os ale­mães, com cu­jo apoio am­bi­ci­o­na­va re­cu­pe­rar ter­ri­tó­ri­os per­di­dos nas guer­ras bal­câ­ni­cas (1912-13). O re­sul­ta­do foi a der­ro­ta, a ocu­pa­ção pe­las po­tên­ci­as ali­a­das ( bri­tâ­ni­cos, fran­ce­ses, ita­li­a­nos e gre­gos) e o fim do Im­pé­rio com per­da das pro­vín­ci­as ára­bes. Da sub­se­quen­te guer­ra com a Gré­cia pe­los ter­ri­tó­ri­os da Ásia Me­nor emer­giu vi­to­ri­o­so Mus­ta­fa Ke­mal Atatürk, o fun­da­dor da mo­der­na Tur­quia, em 1924.

3No Ori­en­te, a mi­le­nar Chi­na im­pe­ri­al ruiu pou­co an­tes da Gran­de Guer­ra, quan­do ali foi pro­cla­ma­da a Re­pú­bli­ca. Nu­ma era de im­pé­ri­os e co­lo­ni­a­lis­mos, o his­to­ri­ca­men­te po­de­ro­so Im­pé­rio do Meio co­me­çou a va­ci­lar fa­ce à pres­são dos “bárbaros” oci­den­tais e do Ja­pão. Nos anos 1840, a pri­mei­ra guer­ra do ópio le­vou os bri­tâ­ni­cos à pos­se de Hong Kong. Em 1895, os ja­po­ne­ses ocu­pa­ram a ilha For­mo­sa (Taiwan). Mas a mai­or hu­mi­lha­ção ocor­reu no con­tex­to da re­vol­ta dos “Bo­xers” (fi­nais do sé­cu­lo XIX) con­tra a pre­sen­ça es­tran­gei­ra na Chi­na. Uma co­li­ga­ção de oi­to po­tên­ci­as (Grã-bre­ta­nha, Rús­sia, Ale­ma­nha, Ja­pão, EUA, Fran­ça, Itá­lia e Áus­tria-hun­gria) in­ter­veio mi­li­tar­men­te, ocu­pan­do Pe­quim e a “ci­da­de proi­bi­da” em 1900. Em 1912, a di­nas­tia Qing, que go­ver­na­va des­de o sé­cu­lo XVII, foi de­pos­ta. A Re­pú­bli­ca foi um Es­ta­do frá­gil, ten­do co­mo pri­mei­ro pre­si­den­te Sun Yat-sen, um dos fun­da­do­res do Ku­o­min­tang (par­ti­do na­ci­o­na­lis­ta). O pe­río­do até à che­ga­da ao po­der de Mao TséTung, que fun­dou a Re­pú­bli­ca Po­pu­lar da Chi­na, em 1949, foi mar­ca­do pe­la in­va­são e ocu­pa­ção ja­po­ne­sa da Man­chú­ria, nos anos 1930, e por san­gren­tas lu­tas fra­tri­ci­das.

4Vla­di­mir Pu­tin, na Rús­sia, Re­cep Tayyip Er­do­gan, na Tur­quia, e Xi Jin­ping, na Chi­na, am­bi­ci­o­nam o po­der dos im­pé­ri­os de que são her­dei­ros. Pu­tin não es­con­de a ad­mi­ra­ção pe­la Rús­sia dos cza­res; en­cer­ra­do o pa­rên­te­se da era so­vié­ti­ca, pros­se­gue uma po­lí­ti­ca de res­tau­ra­ção do “po­der im­pe­ri­al” na Cri­meia, no Les­te da Ucrâ­nia, na Sí­ria. Na Tur­quia, Er­do­gan vê co­mo mo­de­lo o Im­pé­rio Oto­ma­no, se­cun­da­ri­zan­do o ide­al da re­pú­bli­ca se­cu­lar cri­a­da por Atatürk, imi­tan­do o Oci­den­te; tenta re­cu­pe­rar in­fluên­cia nas an­ti­gas pro­vín­ci­as do im­pé­rio, dos Bal­cãs ao Ira­que. De ou­tra for­ma, a Chi­na de Xi es­tá nu­ma si­mi­lar fa­se de re­com­po­si­ção im­pe­ri­al. Mas o atu­al Es­ta­do chi­nês con­ti­nua a afir­mar-se co­mo her­dei­ro da re­vo­lu­ção co­mu­nis­ta de 1949. Ide­o­lo­gi­ca­men­te, re­jei­ta­va o sis­te­ma ca­pi­ta­lis­ta-im­pe­ri­a­lis­ta de que se au­to­ex­cluiu até ao fim da era ma­oís­ta (1949-1976). Ho­je, além de ter re­cu­pe­ra­do ter­ri­tó­ri­os per­di­dos ( Ma­cau e Hong Kong, fal­ta Taiwan), am­bi­ci­o­na do­mi­nar a eco­no­mia mun­di­al. Um ru­mo que não de­sa­gra­da­ria ao “Im­pé­rio Ce­les­te”, que se via co­mo cen­tro do mun­do.

Rús­sia, Tur­quia e Chi­na se­guem, nes­te iní­cio do sé­cu­lo XXI, ru­mos que, de for­mas di­fe­ren­tes, su­ge­rem a von­ta­de de re­tor­no aos im­pé­ri­os de que que “des­cen­dem”, to­dos eles des­man­te­la­dos no pri­mei­ro quar­tel do sé­cu­lo XX

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.