Mu­seu Na­ci­o­nal da Im­pren­sa, es­tan­dar­te mun­di­al do hu­mor

Da re­vo­lu­ção de Gu­ten­berg aos di­as da tec­no­lo­gia

JN História - - A Abrir - Tex­to de Pe­dro Ola­vo Simões

As pa­la­vras po­dem ser es­cri­tas em CAI­XA AL­TA ou em cai­xa bai­xa, mas, na ver­da­de, o que ho­je se faz é dar no te­cla­do do com­pu­ta­dor um co­man­do de­sig­na­do pe­la pa­dro­ni­za­ção an­gló­fo­na – “shift” ou “caps lock”. Não obs­tan­te, a ve­lha designação dos ti­pó­gra­fos, que iam bus­car a cai­xas os ca­ra­te­res móveis em liga me­tá­li­ca, per­sis­te no jar­gão dos jor­nais, por exem­plo, pa­ra ex­pres­sar a di­fe­ren­ça en­tre MAIÚSCULAS e mi­nús­cu­las. No Mu­seu Na­ci­o­nal da Im­pren­sa, no Por­to, mer­gu­lha­mos não ape­nas nes­sa aven­tu­ra da pa­la­vra e da ima­gem es­tam­pa­das em pa­pel, de Gu­ten­berg, mas tam­bém na uni­ver­sa­li­da­de do hu­mor grá­fi­co, o cartoon, que ali en­con­trou um pon­to de re­fe­rên­cia re­co­nhe­ci­do em to­do o mun­do.

Inau­gu­ra­do em abril de 1997, após um pe­río­do de ges­ta­ção de al­guns anos sob a ba­tu­ta de Luís Hum­ber­to Mar­cos, que con­ti­nua a di­ri­gir a ins­ti­tui­ção, o Mu­seu Na­ci­o­nal da Im- pren­sa tem vá­ri­as par­ti­cu­la­ri­da­des que o de­fi­nem e o tor­nam úni­co. Pro­pri­e­da­de de uma as­so­ci­a­ção sem fins lu­cra­ti­vos, não hou­ve um só dia em que não te­nha aber­to as por­tas ao pú­bli­co des­de o ar­ran­que, foi dos pri­mei­ros mu­seus em Por­tu­gal a ex­plo­rar o con­cei­to de “mu­seu vi­vo”, dan­do a vi­si­tan­tes a pos­si­bi­li­da­de de ma­nu­se­ar má­qui­nas de ou­tros tem­pos e im­pri­mir com elas, e tem uma po­lí­ti­ca mui­to in­ten­sa de des­cen­tra­li­za­ção, que pas­sa não ape­nas pe­las ex­po­si­ções iti­ne­ran­tes, mas tam­bém pe­la cri­a­ção de nú­cle­os do mu­seu em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal ou, ain­da, pe­la as­sun­ção de uma po­si­ção des­ta­ca­da no pro­je­to MUSFIL – Mu­seu Sem Fron­tei­ras da Im­pren­sa da Lu­so­fo­nia.

Mu­seu que é mu­seu, cla­ro, não vi­ve sem acer­vo, e, nes­te ca­so, a ex­po­si­ção per­ma­nen­te di­vi­de-se en­tre a mos­tra de car­to­ons, no pi­so in­fe­ri­or (en­ri­que­ci­da ano após ano com uma co­le­ção que po­de ser vi­su­a­li­za­da nas

ga­le­ri­as vir­tu­ais dis­po­ni­bi­li­za­das in­lo­co e na in­ter­net), en­quan­to o es­pa­ço mais no­bre pro­pi­cia uma vi­a­gem pe­lo uni­ver­so da im­pres­são, co­me­çan­do por um pre­lo de fu­so do sé­cu­lo XVIII, re­co­lhi­do em Coim­bra e res­tau­ra­do pe­lo mu­seu, que pou­co di­fe­re da má­qui­na in­ven­ta­da por Johan­nes Gu­ten­berg no sé­cu­lo XV, in­do por aí fo­ra. No me­za­ni­no, uma mos­tra per­ma­nen­te de mais de 150 mi­ni­a­tu­ras, à es­ca­la, de má­qui­nas ti­po­grá­fi­cas, cons­ti­tui tam­bém uma for­ma de com­pre­en­der me­lhor a ex­po­si­ção prin­ci­pal, in­ti­tu­la­da “Me­mó­ri­as Vi­vas da Im­pren­sa”.

Ins­ta­la­do num lo­cal de pri­vi­lé­gio jun­to ao Dou­ro (uma an­ti­ga fá­bri­ca de bri­que­tes mes­mo ao la­do do pa­lá­cio do Frei­xo, o mu­seu tem re­sis­ti­do a co­bi­ças vá­ri­as, ao lon­go do tem­po, e man­tém-se de pe­dra e cal ali, à es­pe­ra do mo­men­to (e dos mei­os) pro­pí­cio pa­ra se cum­prir en­quan­to pro­je­to cu­jo in­te­res­se mu­se­o­ló­gi­co de­ve­rá cor­rer a par das po­ten­ci­a­li­da­des tu­rís­ti­cas. Luís Hum­ber­to Mar­cos so­nha, des­de o pri­mei­ro mo- men­to, ter ali o ter­cei­ro vér­ti­ce de um tri­ân­gu­lo flu­vi­al, per­cor­ri­do por bar­cos que to­quem, ain­da, os cen­tros his­tó­ri­cos do Por­to e de Vi­la No­va de Gaia (ca­ves do vi­nho do Por­to). A par dis­so, po­de­rá o mu­seu vi­a­bi­li­zar va­lên­ci­as de que ain­da não dis­põe, co­mo, por exem­plo, um res­tau­ran­te/ca­fe­ta­ria com es­pa­ço pa­ra uma so­ber­ba es­pla­na­da so­bre o rio.

A apos­ta na des­cen­tra­li­za­ção, es­sa, es­tá sem­pre em cur­so. Exis­tem, ho­je, nú­cle­os do Mu­seu Na­ci­o­nal da Im­pren­sa na Ma­dei­ra (Câ­ma­ra de Lo­bos) e em Ce­lo­ri­co de Bas­to, e a re­no­va­ção do es­pó­lio per­mi­te ir alar­gan­do es­sa re­de, es­tan­do na ca­lha es­tru­tu­ras mu­se­o­ló­gi­cas em Es­pi­nho e em Lou­lé. Pre­fe­ren­ci­al­men­te, ca­da nú­cleo de­ve tam­bém mos­trar má­qui­nas e ob­je­tos re­co­lhi­dos na re­gião em que es­tá in­se­ri­do, sen­do es­sen­ci­al, por­tan­to, que ha­ja, em ca­da um des­ses lo­cais, não ape­nas pa­tri­mó­nio, mas tam­bém me­mó­ria his­tó­ri­ca de ati­vi­da­de no cam­po da im­pren­sa e das ar­tes grá­fi­cas.

ES­TRA­DA NA­CI­O­NAL 108, N.º 206 4300-316 POR­TO 225304966 O pú­bli­co em ge­ral pa­ga 2 €, os es­tu­dan­tes 1,50 e os se­ni­o­res um eu­ro. O mu­seu abre to­dos os di­as do ano, das 10h30 às 12h30 e das 14h30 às 18h30 (di­as úteis). Ao fim de se­ma­na e fe­ri­a­dos, só abre...

pou­co di­fe­ren­te do que Gu­ten­berg in­ven­tou,im­pe­ra num sa­lão re­che­a­do de re­lí­qui­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.