A montanha má­gi­ca da glo­ba­li­za­ção

JN História - - Pontes No Tempo - Jo­sé Pe­dro Teixeira Fer­nan­des

1Na tran­si­ção do sé­cu­lo XIX pa­ra o XX hou­ve um im­por­tan­te pro­ces­so de glo­ba­li­za­ção, que ten­de a ser ofus­ca­do pe­la tra­gé­dia das du­as guer­ras mun­di­ais que mar­ca­ram o ru­mo pos­te­ri­or dos acon­te­ci­men­tos. De 1890 a 1913 in­ten­si­fi­ca­ram-se o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal e o pro­gres­so ci­en­tí­fi­co e tec­no­ló­gi­co, a par de um en­cur­ta­men­to das dis­tân­ci­as ge­o­grá­fi­cas. O ci­ne­ma, a aviação, o au­to­mó­vel e ou­tras in­ven­ções sur­gi­ram, ou co­nhe­ce­ram avan­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos, nes­se pe­río­do. A des­co­ber­ta dos raios x e da ra­di­o­a­ti­vi­da­de, ou a te­o­ria da re­la­ti­vi­da­de res­tri­ta, são des­sa épo­ca. A glo­ba­li­za­ção foi bru­tal­men­te in­ter­rom­pi­da pe­la Gran­de Guer­ra (1914-1918), o prin­cí­pio do fim da in­fluên­cia e do­mí­nio eu­ro­peus so­bre o res­to do mun­do. Foi nes­se con­tex­to que nas­ceu uma obra mai­or da li­te­ra­tu­ra mun­di­al, “A Montanha Má­gi­ca”, de Tho­mas Mann, ini­ci­a­da an­tes da guer­ra, mas con­cluí­da e pu­bli­ca­da em 1924.

2Um dos as­pe­tos cu­ri­o­sos do Fó­rum Eco­nó­mi­co Mun­di­al (o even­to mai­or da atu­al glo­ba­li­za­ção) é re­a­li­zar-se anu­al­men­te em Da­vos, nos Al­pes suí­ços, lo­cal que ins­pi­rou Tho­mas Mann pa­ra “A Montanha Má­gi­ca”. A nar­ra­ti­va do es­cri­tor ale­mão de­cor­re à vol­ta da vi­si­ta do jo­vem en­ge­nhei­ro Hans Cas­torp a um sa­na­tó­rio on­de es­ta­va in­ter­na­do um pri­mo, Jo­a­chim Zi­ems­sen. Num am­bi­en­te do­mi­na­do pe­la im­po­nên­cia da montanha e pe­lo ar ra­re­fei­to da al­ti­tu­de, o sa­na­tó­rio per­mi­tiu a Mann re­cri­ar o mun­do eu­ro­peu da épo­ca. Além das re­fle­xões fi­lo­só­fi­cas so­bre a vi­da, o li­vro dá uma vi­são pa­no­râ­mi­ca da ci­vi­li­za­ção eu­ro­peia do iní­cio do sé­cu­lo XX e dos seus des­con­ten­tes. As per­so­na­gens en­car­nam cor­ren­tes in­te­lec­tu­ais e po­lí­ti­cas da Eu­ro­pa an­te­ri­or à guer­ra, co­mo nos me­mo­rá­veis diá­lo­gos en­tre Lo­do­vi­co Set­tem­bri­ni e Leo Naph­ta: o con­fli­to en­tre ide­ais li­be­rais e va­lo­res con­ser­va­do­res.

3Qu­an­do Mann es­cre­veu o ro­man­ce, Da­vos não era fre­quen­ta­da pe­la eli­te glo­bal pa­ra pôr em prá­ti­ca o ri­to anu­al de, du­ran­te al­guns di­as, se mos­trar pre­o­cu­pa­da com a hu­ma­ni­da­de. Se le­vás­se­mos a sé­rio o que ali é dito, daí vi­ria a re­den­ção da hu­ma­ni­da­de e a sal­va­ção do pla­ne­ta. O Fó­rum Eco­nó­mi­co Mun­di­al de 2018, su­bor­di­na­do ao te­ma “Cri­an­do um Fu­tu­ro Com­par­ti­lha­do num Mun­do Di­vi­di­do”, se­guiu a tra­di­ção gran­di­o­sa. Jun­tou, en­tre mui­tos lí­de­res na­ci­o­nais, Na­ren­dra Mo­di (Ín­dia), Em­ma­nu­el Ma­cron (Fran­ça), An­ge­la Mer­kel (Ale­ma­nha), The­re­sa May (Rei­no Uni­do), mas tam­bém Mau­ri­cio Ma­cri (Ar­gen­ti­na), Cyril Ramaphosa (Áfri­ca do Sul), Mi­chel Te­mer (Bra­sil) e, até, Do­nald Trump (EUA), que se opõe à glo­ba­li­za­ção (“Ame­ri­ca first”). Com­pa­re­ce­ram lí­de­res de or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais – An­tó­nio Gu­ter­res (ONU), Ro­ber­to Aze­vê­do (OMC) e Ch­ris­ti­ne La­gar­de (FMI) – e ain­da cer­ca de 1900 per­so­na­li­da­des do mun­do dos ne­gó­ci­os e qua­se 900 de ONGS re­pre­sen­tan­do a so­ci­e­da­de ci­vil. A mai­o­ria dos fre­quen­ta­do­res são con­vic­tos “Da­vos Men” (e “Da­vos Wo­men”), as eli­tes des­na­ci­o­na­li­za­das, ou cos­mo­cra­tas, que im­pul­si­o­nam a glo­ba­li­za­ção e de­la be­ne­fi­ci­am.

4É uma iro­nia his­tó­ri­ca que o fó­rum de Da­vos, cri­a­do pe­lo pro­fes­sor de Es­tra­té­gia In­dus­tri­al Klaus Schwab, nos anos 1970, te­nha se­de per­ma­nen­te em Co­logny, nos ar­re­do­res da ci­da­de. Foi aí que sur­giu, do ima­gi­ná­rio da es­cri­to­ra bri­tâ­ni­ca Mary Shel­ley, “Fran­kens­tein, ou o Pro­me­teu Mo­der­no”, em 1816, nu­ma épo­ca im­buí­da do es­pí­ri­to do ilu­mi­nis­mo e da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, bem co­mo dos avan­ços da ci­ên­cia e da tec­no­lo­gia. As so­ci­e­da­des eu­ro­pei­as vi­am os mo­dos de vi­da tra­di­ci­o­nais, mi­le­na­res, ra­di­cal­men­te trans­for­ma­dos. A per­ver­são da hu­ma­ni­da­de pe­la tec­no­lo­gia, a de­su­ma­ni­za­ção cau­sa­da pe­la ma­qui­na­ria ou os li­mi­tes éti­cos à ci­ên­cia fo­ram os mons­tros me­ta­fo­ri­ca­men­te imor­ta­li­za­dos por Shel­ley. Ho­je, olhan­do a glo­ba­li­za­ção e al­gu­mas das sua fa­ce­tas mais des­tru­ti­vas, pen­sa­mos tam­bém se a cri­a­ção não es­ca­pou às in­ten­ções dos cri­a­do­res e às pro­mes­sas de bem-es­tar ge­ne­ra­li­za­do pa­ra a po­pu­la­ção mun­di­al, tor­nan­do-se um “mons­tro” que nem os cos­mo­cra­tas da “montanha má­gi­ca” con­se­guem cu­rar.

Da­vos, a ci­da­de suí­ça que aco­lhe o Fó­rum Eco­nó­mi­co Mun­di­al, o even­to mai­or da glo­ba­li­za­ção, evo­ca coin­ci­dên­ci­as com a li­te­ra­tu­ra que po­dem ser mui­to mais do que me­ras curiosidades, po­den­do ser me­tá­fo­ras dos pe­ri­gos que o mun­do en­fren­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.