Do qu­ar­to po­der pa­ra a sé­ti­ma ar­te

“The Post”, de Ste­ven Spi­el­berg, vem lem­brar a im­por­tân­cia do jor­na­lis­mo na de­nún­cia de dis­fun­ções nos ór­gãos do po­der. O ci­ne­ma tem mos­tra­do, ao lon­go dos anos, his­tó­ri­as ve­rí­di­cas, ou fic­ci­o­na­das em con­tex­tos his­tó­ri­cos re­ais, so­bre o as­sun­to

JN História - - Cinema E História -

Katha­ri­ne Graham foi a pri­mei­ra mu­lher a di­ri­gir um dos mais im­por­tan­tes jor­nais nor­te-ame­ri­ca­nos, o “The Washing­ton Post”. Jun­ta­men­te com o seu che­fe de redação, Ben Bra­dlee, te­ve a co­ra­gem ne­ces­sá­ria pa­ra en­fren­tar as ame­a­ças go­ver­na­men­tais e de­nun­ci­ar um se­gre­do bem guar­da­do du­ran­te vá­ri­as ad­mi­nis­tra­ções, no que fi­ca­ria mar­ca­do na his­tó­ria do úl­ti­mo ter­ço do sé­cu­lo XX co­mo os “Pen­ta­gon Pa­pers”. “The Post”, o re­cen­te fil­me de Ste­ven Spi­el­berg interpretado por Meryl Stre­ep e Tom Hanks, é o mais re­cen­te de uma lon­ga lis­ta que abor­da si­tu­a­ções se­me­lhan­tes, um pou­co por to­do o mun­do, mas com par­ti­cu­lar ên­fa­se no ci­ne­ma ame­ri­ca­no, so­bre­tu­do na sua ala mais li­be­ral de de­nún­cia so­ci­al e po­lí­ti­ca, e que sur­ge ain­da num dos mo­men­tos de mai­or cris­pa­ção en­tre os me­dia e a Ca­sa Bran­ca, coin­ci­den­te com a Ad­mi­nis­tra­ção de Do­nald Trump. O fil­me é de­di­ca­do à fa­le­ci­da ar­gu­men­tis­ta, pro­du­to­ra e re­a­li­za­do­ra No­ra Eph­ron, que foi ca­sa­da com Carl Berns­tein, o jor­na­lis­ta tam­bém do “The Washing­ton Post” que, na com­pa­nhia do seu co­le­ga Bob Wo­odward, es­te­ve na ori­gem da des­co­ber­ta do que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo Ca­so Wa­ter­ga­te, am­pla­men­te re­la­ta­do num dos gran­des fil­mes da dé­ca­da de 1970, “Os Ho­mens do Pre­si­den­te”, com Dus­tin Hoff­man e Ro­bert Red­ford di­ri­gi­dos por Alan J. Pa­ku­la. Es­se pe­río­do, mar­ca­do en­tre ou­tros even­tos pe­la de­mis­são de Ri­chard Ni­xon e pe­los úl­ti­mos anos da guer­ra do Vi­et­na­me, bem co­mo a dé­ca­da se­guin­te, são pró­di­gos em fil­mes so­bre ca­sos ve­rí­di­cos pro­ta­go­ni­za­dos por jor­na­lis­tas, re­pór­te­res e fo­tó­gra­fos. En­tre ou­tros, fi­cou fa­mo­so “Ter­ra San­gren­ta”, de Ro­land Jof­fé, so­bre a re­la­ção do jor­na­lis­ta Syd­ney Schan­berg, do “The New York Ti­mes”, com o fotógrafo cam­bo­ja­no Dith Pran, du­ran­te a to­ma­da do po-

Dus­tin Hoff­man e Ro­bert Red­ford, em “Os Ho­mens do Pre­si­den­te”, fil­me de Alan J. Pa­ku­la so­bre o es­cân­da­lo Wa­ter­ga­te

der dos Kh­mers Ver­me­lhos. Sam Wa­ters­ton di­vi­diu o car­taz com Haing S. Ngor, um an­ti­go pri­si­o­nei­ro do re­gi­me de Pol Pot, e que ven­ce­ria o Ós­car de me­lhor ator se­cun­dá­rio por es­te pa­pel. Ape­sar de “O Ano de To­dos os Pe­ri­gos” co­lo­car em ce­na per­so­na­gens fic­tí­ci­as, o ro­man­ce de C. J. Ko­ch em que se ba­seia ins­pi­ra-se na ex­pe­ri­ên­cia do ir­mão do au­tor, Phi­lip Ko­ch, um re­pór­ter aus­tra­li­a­no que vi­veu e tra­ba­lhou na In­do­né­sia, nos anos 60. No fil­me de Pe­ter Weir, Mel Gibson dá cor­po ao protagonista, e a per­so­na­gem do fotógrafo que o acom­pa­nhou na de­nún­cia do re­gi­me de Su­kar­no va­leu a Lin­da Hunt o pri­mei­ro Ós­car atri­buí­do a al­guém que in­ter­pre­ta uma per­so­na­gem do se­xo opos­to. Em “Sal­va­dor”, James Wo­ods re­cria a fi­gu­ra de Ri­chard Boy­le, ami­go do re­a­li­za­dor, Oli­ver Sto­ne, um fo­to­jor­na­lis­ta que pre­sen­ci­ou o pe­río­do mais tu­mul­tu­o­so da di­ta­du­ra mi­li­tar que go­ver­nou El Sal­va­dor nos anos de 1980, en­quan­to Ge­ne Hack­man, em “De­bai­xo de Fo­go”, in­ter­pre­ta uma per­so­na­gem ins­pi­ra­da em Bill Stewart, um re­pór­ter da ABC News as­sas­si­na­do em Ma­ná­gua, a ca­pi­tal da Ni­ca­rá­gua, en­tão sob a di­ta­du­ra de Anas­ta­sio So­mo­za. Num ou­tro qua­dran­te, “Gri­ta Li­ber­da­de” co­lo­ca­va Ke­vin Kli­ne na fi­gu­ra ve­rí­di­ca do jor­na­lis­ta sul-afri­ca­no Do­nald Wo­ods, obri­ga­do a fu­gir do seu país por ten­tar in­ves­ti­gar a mor­te, quan­do se en­con­tra­va sob cus­tó­dia, do seu ami­go e ati­vis­ta Ste­ve Bi­ko, interpretado por Den­zel Washing­ton. Um dos vá­ri­os fil­mes que, à épo­ca, con­tri­buí­ram pa­ra uma cres­cen­te on­da de re­pú­dio, por par­te da opi­nião pú­bli­ca in­ter­na­ci­o­nal, do re­gi­me do apartheid, o que aju­da­ria ao seu de­sa­pa­re­ci­men­to. O sub-gé­ne­ro do fil­me bi­o­grá­fi­co so­bre jor­na­lis­tas e as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as nun­ca dei­xou de exis­tir. Fil­mes co­mo “Wel­co­me to Sa­ra­je­vo” (Stephen Dil­la­ne na pe­le de Michael Hen­der­son, co­brin­do a guer­ra na Bós­nia), “Reds” (War­ren Be­atty co­mo John Re­ed, acom­pa­nhan­do a Re­vo­lu­ção Rus­sa) ou “O In­for­ma­dor” (Al Pa­ci­no co­mo o pro­du­tor do len­dá­rio “60 Mi­nu­tes” da CBS, re­la­tan­do-se aqui a de­nún­cia da in­dús­tria ta­ba­quei­ra por par­te de Jef­frey Wi­gand, interpretado por Rus­sell Crowe) pro­vam-no bem. Mas já nes­te sé­cu­lo – si­nal dos tem­pos? – os fil­mes su­ce­dem-se: Ca­te Blan­chett co­mo Ve­ro­ni­ca Gu­e­rin, no fil­me do mes­mo no­me so­bre a jor­na­lis­ta ir­lan­de­sa au­to­ra de uma sé­rie de ar­ti­gos so­bre tra­fi­can­tes de dro­ga, Ou­tros exem­plos são os de Michael She­en e Frank Lan­gel­la, co­mo Da­vid Frost e Ri­chard Ni­xon, no fren­te-afren­te pós-wa­ter­ga­te de “Frost/ni­xon”, ou Ja­ke Gyl­le­nha­al co­mo o car­to­o­nis­ta do “San Fran­cis­co Ch­ro­ni­cle”, Ro­bert Grays­mith, que se en­vol­veu na in­ves­ti­ga­ção dos cri­mes do se­ri­al-kil­ler Zo­di­ac, no fil­me do mes­mo no­me de Da­vid Fin­cher. O ca­so mais re­cen­te e me­diá­ti­co é, sem dú­vi­da o da de­nún­cia dos abu­sos se­xu­ais por pa­dres da di­o­ce­se de Bos­ton, pe­los jor­na­lis­tas do “Bos­ton Glo­be”, reu­ni­dos no gru­po in­ti­tu­la­do Spo­tlight, e que deu ori­gem a “O Ca­so Spo­tlight”, ven­ce­dor do Ós­car de Me­lhor Fil­me de 2015. Re­a­li­za­do por Tom Mccarthy, o fil­me é interpretado en­tre ou­tros por Michael Ke­a­ton, Li­ev Sch­rei­ber, Ra­chel MCA­dams e Mark Ruf­fa­lo, es­te no pa­pel do jor­na­lis­ta lu­so-des­cen­den­te Mike Re­zen­des. Mas ci­ne­ma e jor­na­lis­mo, mes­mo nes­te ca­pí­tu­lo das his­tó­ri­as ve­rí­di­cas, não tem ape­nas a ver com dra­mas, es­que­mas po­lí­ti­cos, guer­ras ou se­gre­dos de es­ta­do. Ve­ja-se por exem­plo “Qua­se Fa­mo­sos”, on­de o re­a­li­za­dor Ca­me­ron Crowe se ins­pi­rou nas su­as pró­pri­as ex­pe­ri­ên­ci­as pa­ra re­la­tar a vi­vên­cia de um jo­vem a quem é da­da a opor­tu­ni­da­de de es­cre­ver uma sé­rie de ar­ti­gos pa­ra a re­vis­ta “Rol­ling Sto­ne” so­bre uma tour­née de uma ban­da de rock. Não nos es­que­cen­do, cla­ro, de Reinaldo Ferreira (1897-1935), jor­na­lis­ta por­tu­guês mais co­nhe­ci­do co­mo Re­pór­ter X, em cu­jo fil­me do mes­mo no­me foi en­car­na­do por Jo­a­quim de Almeida, e que tam­bém re­a­li­za­ria vá­ri­os fil­mes no pe­río­do mu­do, en­tre os qu­ais “O Tá­xi N.º 9297”, que re­cria as in­ves­ti­ga­ções que o pró­prio fez so­bre o as­sas­si­na­to da atriz Ma­ria Al­ves. En­quan­to hou­ver al­go pa­ra re­ve­lar ou de­nun­ci­ar pu­bli­ca­men­te, lá es­ta­rá, de­cer­to, um jor­na­lis­ta. E mais tar­de, mui­to pro­va­vel­men­te, um re­a­li­za­dor de ci­ne­ma pa­ra imor­ta­li­zar na te­la a sua his­tó­ria.

BREVÍSSIMA HIS­TÓ­RIA DE POR­TU­GAL

A. H. DE OLI­VEI­RA MAR­QUES Tin­ta da Chi­na | 258 pá­gi­nas | 15,90 €

Usu­al­men­te, e com to­da a Jus­ti­ça, a “His­tó­ria de Por­tu­gal” di­ri­gi­da por Jo­sé Mat­to­so, na dé­ca­da de 1990, é apon­ta­da co­mo char­nei­ra que mar­ca a pas­sa­gem da his­to­ri­o­gra­fia por­tu­gue­sa pa­ra pa­drões de mo­der­ni­da­de que não ti­nha an­tes da de­mo­cra­cia, mas tal não po­de ser fei­to sem enal­te­cer, tam­bém, o pa­pel de A. H. de Oli­vei­ra Mar­ques, que mes­mo an­tes do 25 de Abril já ha­via pro­du­zi­do, a par­tir dos Es­ta­dos Uni­dos, obras de sín­te­se que en­tra­vam em ru­tu­ra com a re­la­ti­va es­tag­na­ção que os mei­os aca­dé­mi­cos por­tu­gue­ses tra­di­ci­o­nais iam man­ten­do. Ain­da ho­je é uma im­por­tan­te re­fe­rên­cia a “His­tó­ria de Por­tu­gal” des­te au­tor, em três vo­lu­mes, es­cri­ta a pen­sar não ape­nas em Por­tu­gal mas tam­bém em pú­bli­cos es­tran­gei­ros, e de­la se pro­du­zi­ram ver­sões re­su­mi­das que con­ti­nu­am a ser es­sen­ci­ais. Es­ta “Brevíssima His­tó­ria de Por­tu­gal”, res­ga­ta­da ago­ra, ao fim de mui­tos anos, pe­la Tin­ta da Chi­na (que faz li­vros, en­quan­to ob­je­to ge­ra­dor de afe­tos, co­mo pou­cas ca­sas edi­to­ri­ais), es­tá atu­a­li­za­da pe­lo his­to­ri­a­dor João Jo­sé Al­ves Di­as e, co­mo se lê na con­tra­ca­pa, “é útil tan­to pa­ra os es­tu­di­o­sos co­mo pa­ra os cu­ri­o­sos”.

HIS­TÓ­RIA ÍN­TI­MA DA HU­MA­NI­DA­DE

THEODORE ZELDIN Tex­to Edi­to­res | 440 pá­gi­nas | 24,90 €

“His­tó­ria ín­ti­ma da hu­ma­ni­da­de” não é uma his­tó­ria da vi­da pri­va­da, no sen­ti­do em que não é uma des­cri­ção da vi­da den­tro de por­tas, mas da in­ti­mi­da­de ela mes­ma: das re­la­ções hu­ma­nas, das pai­xões, dos me­dos, do de­ses­pe­ro... Na­da que se en­qua­dre di­re­ta­men­te na pro­du­ção his­to­ri­o­grá­fi­ca, em­bo­ra de­la tam­bém fa­ça par­te, na­da que pos­sa ser abor­da­do em clás­si­cas pers­pe­ti­vas di­a­cró­ni­cas. Theodore Zeldin (n. 1933), um aca­dé­mi­co de Ox­ford que aca­ba por ter mais de fi­ló­so­fo do que de his­to­ri­a­dor, es­cre­ve aqui uma es­pé­cie de his­tó­ria ge­ral das emo­ções, em que o tem­po (es­sen­ci­al à His­tó­ria) es­tá pre­sen­te, mas não po­de pro­pri­a­men­te ser ca­ta­lo­ga­do. Nas pa­la­vras do pró­prio au­tor, “es­ta é uma obra on­de o lei­tor não acha­rá a His­tó­ria co­mo ela é em mu­seus, pois es­te tex­to é so­bre o que não fi­ca pa­ra­do. So­bre o pas­sa­do que ain­da es­tá vi­vo na men­te das pes­so­as de ho­je”. Tí­tu­los de ca­pí­tu­los co­mo “Por que ra­zão hou­ve mais pro­gres­sos na co­zi­nha do que no se­xo” ou “Co­mo os vi­a­jan­tes es­tão a tor­nar-se a mai­or na­ção do mun­do e co­mo apren­de­ram a não ver ape­nas o que pro­cu­ram” aju­dam a ter uma ideia.

LUÍ­SA DE GUS­MÃO - A RAI­NHA RESTAURADORA

MO­NI­QUE VALLANCE Te­mas e De­ba­tes | 312 pá­gi­nas | 17,70 €

Não é es­te o pri­mei­ro en­saio bi­o­grá­fi­co so­bre Luí­sa de Gus­mão, mu­lher de D. João IV e, por­tan­to, pri­mei­ra rai­nha da di­nas­tia de Bra­gan­ça, mas tem a cu­ri­o­si­da­de de tra­du­zir a lei­tu­ra de al­guém que, sen­do de fo­ra, sen­te-se de den­tro. Ex­pli­que­mo-nos: a au­to­ra, Mo­ni­que Vallance, é uma his­to­ri­a­do­ra ame­ri­ca­na, pro­fes­so­ra na ca­li­for­ni­a­na Uni­ver­sity of The Pa­ci­fic, mas lu­so­des­cen­den­te or­gu­lho­sa do seu pas­sa­do fa­mi­li­ar, de tal for­ma que, quan­do se aba­lan­çou a fa­zer o dou­to­ra­men­to, na Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia - San­ta Bar­ba­ra, op­tou pe­la His­tó­ria de Por­tu­gal (e pe­la his­tó­ria do gé­ne­ro). É da te­se de dou­to­ra­men­to, cen­tra­da na mes­ma fi­gu­ra mas com ou­tro en­fo­que (“Luí­sa de Gus­mão: gé­ne­ro e po­der no sé­cu­lo XVII em Por­tu­gal”), que nas­ce o im­pul­so pa­ra es­ta bi­o­gra­fia des­ta mu­lher que sem­pre es­te­ve li­ga­da à go­ver­na­ção de D. João IV, ten­do mes­mo as­su­mi­do a re­gên­cia à mor­te do ma­ri­do, em 1656, en­quan­to o fi­lho, D. Afon­so VI, se­gun­do mo­nar­ca da Ca­sa de Bra­gan­ça, não atin­giu a mai­o­ri­da­de. Luí­sa de Gus­mão é, por mui­tos mo­ti­vos, uma fi­gu­ra cen­tral no pro­ces­so de res­tau­ra­ção da in­de­pen­dên­cia de Por­tu­gal.

O TER­RÍ­VEL - A GRAN­DE BI­O­GRA­FIA DE AFON­SO DE AL­BU­QUER­QUE JO­SÉ MANUEL GAR­CIA Es­fe­ra dos Li­vros | 704 pá­gi­nas | 29,90 €

Con­ta quem ain­da vi­a­ja por cer­tos lu­ga­res do Ín­di­co que ele­men­tos das po­pu­la­ções lo­cais, ao ou­vi­rem o no­me Al­bu­quer­que, re­a­gem de um mo­do emo­ti­vo, mais de te­mor do que de ad­mi­ra­ção, mes­mo que não sai­bam uma pa­la­vra de por­tu­guês ou on­de fi­ca Por­tu­gal. A ima­gem do se­gun­do vi­ce-rei da Ín­dia fi­cou mar­ca­da pa­ra além dos sé­cu­los, e o cog­no­me “O Ter­rí­vel” (da­do por Ca­mões), usa­do co­mo tí­tu­lo des­ta bi­o­gra­fia, dei­xa pou­ca mar­gem pa­ra dú­vi­das. Es­te apro­fun­da­do es­tu­do, so­bre um ho­mem que foi con­quis­ta­dor num rei­no de des­co­bri­do­res (não obs­tan­te tam­bém o ser), é re­ve­la­dor não ape­nas da per­so­na­gem, cen­tral pa­ra a ideia de do­mí­nio glo­bal que ani­ma­va o rei D. Manuel I, mas tam­bém da con­so­li­da­ção des­sa pe­cu­li­ar re­a­li­da­de que foi o Es­ta­do Por­tu­guês da Ín­dia. Ter­rí­vel, de fac­to, im­pla­cá­vel, no­ta­bi­li­zou-se pe­la po­lí­ti­ca de ra­zi­as que punha em prá­ti­ca, ba­si­ca­men­te uma es­tra­té­gia de, le­van­do a me­lhor so­bre ini­mi­gos mais nu­me­ro­sos, va­len­do-se de van­ta­gens téc­ni­cas e es­tra­té­gi­cas, in­cu­tir o me­do e, as­sim, ga­ran­tir que os in­te­res­ses por­tu­gue­ses não fos­sem ata­ca­dos. O me­do, ou a me­mó­ria de­le, per­sis­te.

RA­MA­LHO EANES - O ÚL­TI­MO GE­NE­RAL ISA­BEL TA­VA­RES D. Qui­xo­te | 384 pá­gi­nas | 19,90 €

Es­te não é um li­vro de His­tó­ria, cla­ro, mas uma bi­o­gra­fia – au­to­ri­za­da mas não ofi­ci­al – de um ci­da­dão ain­da ati­vo, An­tó­nio dos San­tos Ra­ma­lho Eanes, o pri­mei­ro pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca por­tu­gue­sa elei­to por su­frá­gio di­re­to e uni­ver­sal. Isa­bel Ta­va­res, jor­na­lis­ta, ne­ces­si­ta­va da au­to­ri­za­ção do bi­o­gra­fa­do pa­ra me­ter mãos à em­prei­ta­da, até pa­ra ter aces­so à mai­or quan­ti­da­de pos­sí­vel de tes­te­mu­nhos re­le­van­tes, e fê-lo, em­bo­ra te­nha si­do con­di­ção do bi­o­gra­fa­do, que dis­po­ni­bi­li­zou o seu ar­qui­vo pes­so­al, não ter qual­quer ti­po de in­ter­fe­rên­cia na redação da obra nem lê-la an­tes de pu­bli­ca­da. É a his­tó­ria bem con­ta­da de uma vi­da mar­can­te, que, de­cer­to, fun­ci­o­na­rá fu­tu­ra­men­te co­mo fon­te his­tó­ri­ca. Do ra­paz Tó Ra­ma­lho de Al­cains ao ho­mem “que se dou­to­rou aos 71 anos” e “que aos 82 anos [n.d.r. com­ple­tou 83 a 25 de ja­nei­ro] con­ti­nua a so­nhar com o fu­tu­ro”, pas­san­do pe­lo mi­li­tar/com­ba­ten­te, pe­lo ho­mem que emer­giu do 25 de No­vem­bro pa­ra se al­can­do­rar à che­fia do Es­ta­do, pe­la fi­gu­ra tu­te­lar em tor­no da qual se fun­dou um par­ti­do de re­la­ti­va­men­te curta du­ra­ção, es­te é um re­tra­to de al­guém que mui­tos en­ten­dem ser, pre­sen­te­men­te, uma re­fe­rên­cia mo­ral do Por­tu­gal de­mo­crá­ti­co.

LIS­BOA DES­CO­NHE­CI­DA & IN­SÓ­LI­TA ANÍSIO FRAN­CO Por­to Edi­to­ra | 176 pá­gi­nas | 18,80 €

O mo­de­lo é a trans­po­si­ção pa­ra Lis­boa do que Ger­ma­no Sil­va já ha­via fei­to, com a chan­ce­la da Por­to Edi­to­ra, no Por­to. Anísio San­tos, con­ser­va­dor no Mu­seu Na­ci­o­nal de Ar­te An­ti­ga e pro­fun­do co­nhe­ce­dor da His­tó­ria e dos re­can­tos da ca­pi­tal, é o ci­ce­ro­ne de uma mul­ti­pli­ci­da­de de vi­si­tas pos­sí­veis a lo­cais e me­mó­ri­as da ci­da­de que, gran­des em im­por­tân­cia e na ca­pa­ci­da­de de sur­pre­en­der, pas­sam ao lar­go dos ro­tei­ros or­to­do­xos. Ou, co­mo se lê na con­tra­ca­pa, es­tão na som­bra de uma ci­da­de cu­ja pro­pa­gan­da pas­sa amiú­de pe­la exal­ta­ção da luz que o am­plo es­tuá­rio do Te­jo aju­da a tor­nar úni­ca. Crip­tas com mú­mi­as, es­qui­fes amon­to­a­dos e ou­tros mis­té­ri­os té­tri­cos con­vi­vem com te­sou­ros ar­tís­ti­cos es­con­di­dos ou com his­tó­ri­as pi­to­res­cas, co­mo a da noi­va bá­va­ra que, pres­tes a ser rai­nha pe­la via do ca­sa­men­to, en­trou na igre­ja com a ca­be­ça or­na­men­ta­da com uma pe­sa­dís­si­ma e re­lu­zen­te ti­a­ra, mas à saí­da le­va­va uma co­roa de flo­res, pois a joia ti­nha-lhe pro­vo­ca­do um cor­te na tes­ta, o que foi vis­to pe­lo po­vo co­mo mau pres­sá­gio, co­mo se fos­se amor­ta­lha­da. A ver­da­de é que a rai­nha (D. Es­te­fâ­nia, mu­lher de D. Pe­dro V) mor­reu pou­co mais de um ano de­pois, vi­ti­ma­da pe­la dif­te­ria. Ti­nha 22 anos.

João An­tu­nes Crí­ti­co de ci­ne­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.