Filipe Ri­bei­ro de Meneses

FILIPE RI­BEI­RO DE MENESES

JN História - - A Abrir -

Há oi­to anos, um gros­so vo­lu­me che­gou às li­vra­ri­as por­tu­gue­sas. O tí­tu­lo, sim­ples­men­te “Salazar”, não é dos que cau­sam in­di­fe­ren­ça aos lei­to­res por­tu­gue­ses, co­mo se com­pre­en­de. Mas o au­tor era pou­co mais do que des­co­nhe­ci­do, se não des­co­nhe­ci­do mes­mo. Tam­bém se com­pre­en­de. Filipe Ri­bei­ro de Meneses, tal­vez o mais an­glo-sa­xó­ni­co dos his­to­ri­a­do­res por­tu­gue­ses, tem vi­vi­do sem­pre fo­ra de Por­tu­gal, e há três dé­ca­das, des­de que en­trou pa­ra a fa­cul­da­de, que es­tá em Du­blin, on­de tra­ba­lha e en­si­na. É um dos nos­sos sem ser dos nos­sos, e a opor­tu­ni­da­de de o ou­vir sur­giu com o lan­ça­men­to de um no­vo li­vro em que abor­da a Gran­de Guer­ra, o seu te­ma de elei­ção, “De Lis­boa a La Lys”.

Es­tou a fa­lar com um por­tu­guês da Ir­lan­da ou com um ir­lan­dês de Por­tu­gal?

Es­tá a fa­lar com um por­tu­guês que vi­ve na Ir­lan­da, mes­mo que já lá vi­va há... Eu nem gos­to de fa­zer as con­tas, mas já são 30 anos a vi­ver na Ir­lan­da. Che­guei com 18 anos e já vou com 48. Mas sou por­tu­guês, só te­nho pas­sa­por­te por­tu­guês e du­vi­do que is­so se al­te­re.

Es­tá mais do que in­te­gra­do. Por exem­plo, é mem­bro da Royal Irish Aca­demy, com a cu­ri­o­si­da­de de a re­pú­bli­ca man­ter a re­fe­rên­cia à re­a­le­za.

É Royal Aca­demy por du­as ra­zões. Pri­mei­ro, a Re­pú­bli­ca foi sen­do in­tro­du­zi­da mui­to de­va­gar e só foi de­cla­ra­da de­pois da II Guer­ra Mun­di­al. Por is­so, nun­ca hou­ve ali a sa­nha re­pu­bli­ca­na, o de­se­jo de apagar os ves­tí­gi­os da mo­nar­quia. Mas tam­bém é pre­ci­so no­tar que a Aca­de­mia é das poucas or­ga­ni­za­ções, um pou­co co­mo a se­le­ção de râ­gue­bi, que unem as du­as par­tes da Ir­lan­da. Por is­so, re­ti­rar o “re­al” po­de­ria ser vis­to co­mo al­go que afas­tas­se os nos­so co­le­gas da Ir­lan­da do Nor­te. As­sim, não se to­ca no as­sun­to.

Re­pa­rei que re­fe­riu a “sa­nha re­pu­bli­ca­na” de um mo­do mui­to ex­pres­si­vo, acen­tu­a­do. Fi­cou mar­ca­do ao es­tu­dar a Pri­mei­ra Re­pú­bli­ca por­tu­gue­sa?

Sim, com­pa­ran­do com a Ir­lan­da... Quem pas­se­ar por Du­blin vê inú­me­ros si­nais, ainda, do Rei­no Uni­do, da co­roa. Não hou­ve o de­se­jo de apagar os ves- tí­gi­os da pre­sen­ça bri­tâ­ni­ca, ou até da mo­nar­quia. Imen­sos edi­fí­ci­os ainda têm as ar­mas re­ais bri­tâ­ni­cas, até edi­fí­ci­os que ser­vi­ram de par­la­men­to têm lá o leão, o uni­cór­nio, o es­cu­do...

Se ca­lhar, no Nor­te, a fric­ção era mai­or e es­ses ves­tí­gi­os se­ri­am mais mal vis­tos...

Cla­ro, e o IRA des­truiu al­guns mo­nu­men­tos tam­bém em Du­blin. Ha­via uma co­lu­na no centro da ave­ni­da prin­ci­pal, da O’con­nell Stre­et, o pi­lar em honra ao al­mi­ran­te Nelson, que foi pe­los ares. Mas is­so acon­te­ceu já nos anos 60 e, cu­ri­o­sa­men­te, o que con­ti­nua de pé e nun­ca foi de­mo­li­do é um mo­nu­men­to ao Wel­ling­ton, que nas­ceu em Du­blin e é, su­pos­ta­men­te, o au­tor da fra­se “nas­cer num es­tá­bu­lo não faz de mim ca­va­lo”, a di­zer que não se sen­tia as­sim mui­to ir­lan­dês. Por­tan­to, foi um bo­ca­di­nho lo­ta­ria, aqui­lo que o IRA de­ci­diu de­mo­lir ou dei­xar fi­car em pé.

Com es­ta in­tro­du­ção ir­lan­de­sa, pre­ten­dia che­gar ao se­guin­te: que van­ta­gens e desvantagens há em es­tu­dar o pas­sa­do por­tu­guês a par­tir de fo­ra?

É uma ex­ce­len­te per­gun­ta. Hou­ve al­gu­mas di­fi­cul­da­des, de iní­cio, so­bre­tu­do quan­do eu es­ta­va a es­cre­ver a te­se, por co­nhe­cer mui­to poucas pes­so­as, e só len­ta­men­te en­trar em con­tac­to ou che­gar à fa­la com as pes­so­as cu­jos li­vros ia len­do. So­bre­tu­do na­que­la altura, a dis­tân­cia a que es­ta­vam as fon­tes era tam­bém um pro­ble­ma. Era pre­ci­so vir a Por­tu­gal, o que im­pli­ca­va uma certa lo­gís­ti­ca e, até, apoio fi­nan­cei­ro. Ha­via tam­bém a des­van­ta­gem de não ter ime­di­a­ta­men­te um mes­tre, um guia, al­guém que co­nhe­ces­se bem o te­ma. Mas na altura, em ver­da­de, poucas pes­so­as co­nhe­ci­am bem o te­ma da Gran­de Guer­ra. E as van­ta­gens são, pre­ci­sa­men­te, as de não es­tar as­so­ci­a­do a al­guém, o vir de fo­ra e ser vis­to co­mo al­guém que não es­tá cha­mus­ca­do por ri­va­li­da­des en­tre pro­fes­so­res, es­co­las ou ins­ti­tui­ções, al­guém que não é fá­cil de ca­rac­te­ri­zar po­lí­ti­ca e ide­o­lo­gi­ca­men­te. Al­guém que vem do frio, li­te­ral­men­te: da Hi­bér­nia.

Al­guém di­fe­ren­te?

Al­guém que che­ga e que, jul­go eu, traz al­gu­mas idei­as no­vas, so­bre­tu­do no pri­mei­ro li­vro so­bre a par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa na guer­ra. Era a mi­nha te­se de dou­to­ra­men­to, e eu ti­nha co­mo ori­en­ta­dor o pro­fes­sor John Hor­ne, que es­ta­va a de­sen­vol­ver idei­as so­bre mo­bi­li­za­ção po­lí­ti­ca e mo­bi­li­za­ção cul­tu­ral em tor­no da Gran­de Guer­ra. Por is­so, eu não es­ta­va mui­to in­te­res­sa­do na par­te mi­li­tar da in­ter­ven­ção por­tu­gue­sa. O que me in­te­res­sa­va era sa­ber co­mo a União Sa­gra­da, pri­mei­ro, e o si­do­nis­mo, de­pois, ten­ta­ram mo­bi­li­zar a po­pu­la­ção por­tu­gue­sa, so­bre­tu­do em tor­no das ques­tões da guer­ra.

Não co­nhe­cer as pes­so­as era as­sim pro­ble­má­ti­co?

Dou um exem­plo. Em 1996 sai o li­vro do Nu­no Se­ve­ri­a­no Tei­xei­ra “O Po­der e a Guer­ra”. Quan­do per­ce­bi que es­se li­vro exis­tia, por­que vim a Por­tu­gal e vi-o, é que per­ce­bi quem era o Nu­no Se­ve­ri­a­no Tei­xei­ra. Não sa­bia o que ele es­ta­va a es­cre­ver, vi aque­le li­vro e en­trei em pânico, a pen­sar: “Is­to é a mi­nha te­se, em que an­do a tra­ba­lhar há três anos...”. Fe­liz­men­te, não era. São li­vros mui­to di­fe­ren­tes. De­pois, ele até es­cre­veu o pre­fá­cio des­se meu pri­mei­ro li­vro. Eu es­ta­va su­jei­to a sur­pre­sas des­tas, pu­ra e sim­ples­men­te por não co­nhe­cer quem, no ter­re­no, es­ta­va a es­cre­ver so­bre ma­té­ri­as se­me­lhan­tes.

Fa­lou em não es­tar “cha­mus­ca­do” pe­las ri­va­li­da­des. En­con­tra- as no meio aca­dé­mi­co por­tu­guês, em es­pe­ci­al, ou exis­tem em qual­quer la­do?

Na Ir­lan­da há es­sas ri­va­li­da­des, e são for­tes, mas, cu­ri­o­sa­men­te, é al­go que afe­ta os his­to­ri­a­do­res ir­lan­de­ses, ou, me­lhor, os his­to­ri­a­do­res da Ir­lan­da. São guer­ras lá de­les. Quem vi­ve na Ir­lan­da e tra­ba­lha so­bre ou­tros te­mas de fo­ra não se vê apa­nha­do por es­sas guer­ri­lhas ou guer­ras in­ter­nas. Acho que é um bo­ca­do as­sim em to­dos os paí­ses. É, so­bre­tu­do, a his­tó­ria na­ci­o­nal que ge­ra es­sas fric­ções.

Ca­da um qu­er ser a au­to­ri­da­de no seu “quin­tal”?

Um pou­co is­so, mas há ou­tra coisa. A His­tó­ria na­ci­o­nal pres­ta-se mais a dis­cus­sões so­bre a atu­a­li­da­de po­lí­ti­ca, que são trans­fe­ri­das, de­pois, pa­ra 1910, pa­ra 1950, pa­ra quan­do for. É o com­ba­te po­lí­ti­co con­ti­nu­a­do na His­tó­ria.

Há sem­pre um pe­ri­go de ins­tru­men­ta­li­za­ção, é is­so?

Exa­ta­men­te, exa­ta­men­te...

A Ir­lan­da foi, de cer­to mo­do, um aca-

so na vi­da do fi­lho de um di­plo­ma­ta, mas sei que já ti­nha, an­tes, a ideia de es­tu­dar fo­ra, mais con­cre­ta­men­te no mun­do an­glo-sa­xó­ni­co. Porquê?

De lín­gua in­gle­sa, sim. Eu ti­nha vi­vi­do mui­tos anos nos Es­ta­dos Uni­dos. Ago­ra porquê? Eu fiz o 10.º e o 11.º anos cá em Por­tu­gal, e na altura ti­nha a cer­te­za de que ia fi­car, mas o meu pai saiu, foi pa­ra Bru­xe­las, e che­ga­ram à con­clu­são de que eu era ainda mui­to no­vo pa­ra fi­car. O meu ir­mão já es­ta­va na fa­cul­da­de, e cla­ro que eu que­ria fi­car a vi­ver com o meu ir­mão, por­que pen­sa­va que ia ser uma gran­de co­boi­a­da, e pro­va­vel­men­te te­ria si­do... Mas não. en­tão, ter um le­que de es­co­lhas mai­or. Foi as­sim que as coi­sas se re­sol­ve­ram, e aca­bei por fi­car por lá…

Nun­ca se co­lo­cou a questão de re­gres­sar? Não hou­ve opor­tu­ni­da­de? Não va­lia a pe­na?

Co­lo­cou-se, sim, quan­do aca­bei a li­cen­ci­a­tu­ra. Ha­via vá­ri­as op­ções, e uma de­las (che­guei a ins­cre­ver-me) era fa­zer o mes­tra­do na Lon­don Scho­ol of Eco­no­mics, um mes­tra­do em His­tó­ria Di­plo­má­ti­ca, ou His­tó­ria In­ter­na­ci­o­nal Eu­ro­peia, que se­ria, tal­vez, uma ma­nei­ra de vol­tar, de­pois, e fa­zer o con- Che­gou-se à con­clu­são de que eu era mui­to no­vo pa­ra fi­car­mos os dois, e, en­tão, fui com os meus pais pa­ra Bru­xe­las. De­pois, vol­tou a co­lo­car- se a questão de eu vir pa­ra uma uni­ver­si­da­de por­tu­gue­sa ou ir pa­ra o es­tran­gei­ro. En­tão, eu ti­nha a im­pres­são de que, es­tu­dan­do no mun­do de lín­gua in­gle­sa ( e eu es­ta­va na ca­lha, so­bre­tu­do, pa­ra ir pa­ra In­gla­ter­ra), te­ria mais op­ções. Po­de­ria fi­car lá fo­ra a tra­ba­lhar ou vol­tar pa­ra Por­tu­gal, se qui­ses­se. E is­to foi tu­do an­tes do pro­ces­so de Bo­lo­nha. O re­co­nhe­ci­men­to dos cur­sos não era au­to­má­ti­co, era pre­ci­so al­gum es­for­ço nes­se sen­ti­do, mas eu po­de­ria, cur­so pa­ra o Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros. Mas nun­ca foi uma ideia que me se­du­zis­se, por­que, pa­ra co­me­çar, não é fá­cil, e de­pois já lá ti­nha o meu ir­mão. Pa­re­ceu-me que já se­ría­mos mui­tos na mes­ma ins­ti­tui­ção.

Um clã di­plo­má­ti­co...

Era um bo­ca­di­nho is­so. Iria pas­sar a vi­da a ser com­pa­ra­do e co­te­ja­do com o meu ir­mão, e is­so pa­re­ceu- me um pou­co...

Deu uma es­pé­cie de gri­to do Ipi­ran­ga.

Sim, sim. Ele che­gou lá pri­mei­ro, é mais ve­lho do que eu e ti­nha es­sa van- ta­gem. A par­tir do mo­men­to em que co­me­cei a fa­zer a te­se e fui fi­can­do em Du­blin, no Tri­nity Col­le­ge, a ideia de re­gres­sar co­me­çou a de­sa­pa­re­cer, por­que o interesse em fi­car na car­rei­ra aca­dé­mi­ca foi cres­cen­do, e, ten­do fei­to a li­cen­ci­a­tu­ra e o dou­to­ra­men­to no es­tran­gei­ro, vol­tar pa­ra Por­tu­gal se­ria mais di­fí­cil.

Por­tan­to, faz car­rei­ra em Du­blin e, por cá, é pra­ti­ca­men­te des­co­nhe­ci­do, no mo­men­to em que sur­ge, no mer­ca­do por­tu­guês, a sua vo­lu­mo­sa bi­o­gra­fia de Oli­vei­ra Salazar, que se tor­nou uma

es­pé­cie de ca­rim­bo do qu­al di­fi­cil­men­te se li­vra­rá...

Mas nem que­ro, nem que­ro...

Ia per­gun­tar-lhe, mas já o es­tá a di­zer, se li­da bem com is­so.

Cla­ro! Não há nenhum au­tor que não gos­te de ser li­do e co­men­ta­do. É o que di­zia o Os­car Wil­de, que a úni­ca coisa pi­or do que di­ze­rem mal de nós é não di­ze­rem na­da. Cla­ro que foi a pri­mei­ra vez que sen­ti as­sim uma aten­ção, pa­ra lá do meio aca­dé­mi­co, so­bre o meu tra­ba­lho, e cla­ro que gos­tei.

Na altura es­cre­veu, ori­gi­nal­men­te, pa­ra um mer­ca­do de lín­gua in­gle­sa, o ame­ri­ca­no, o que ago­ra não su­ce­de, ou o pro­ces­so é o mes­mo?

Não. O que acon­te­ce é que há pro­je­tos di­fe­ren­tes pa­ra mer­ca­dos di­fe­ren­tes, e há os que são tra­du­zi­dos pa­ra por­tu­guês, sen­do que é mui­to mais di­fí­cil es­cre­ver um li­vro em por­tu­guês e vê-lo tra­du­zi­do pa­ra in­glês do que o con­trá­rio. O que eu mui­tas ve­zes fa­ço é pu­bli­car ar­ti­gos em re­vis­tas aca­dé­mi­cas, em in­glês, sen­do que, de­pois, par­te dessa ma­té­ria vai in­te­grar li­vros es­cri­tos pa­ra o mer­ca­do por­tu­guês.

Es­sa di­fe­ren­ça de que fa­lou tem a ver com a di­fe­ren­te es­tru­tu­ra men­tal ine­ren­te a ca­da lín­gua, sen­do o in­glês, even­tu­al­men­te, mais prag­má­ti­co, ou fa­la de ou­tras ques­tões?

Não é só o por­tu­guês. É mui­to di­fí­cil, pa­ra qual­quer au­tor, ver as su­as obras, es­pe­ci­al­men­te obras aca­dé­mi­cas, tra­du­zi­das pa­ra in­glês. Mui­to pou­cos au­to­res con­se­guem fa­zer is­so.

Por ha­ver de­sin­te­res­se?

Sim, tal­vez, e tam­bém por­que eles não que­re­rão su­jei­tar o que te­nha si­do escrito no ex­te­ri­or ao “pe­er­re­vi­ew”, ou não têm con­fi­an­ça no “pe­er re­vi­ew” ex­ter­no. Eles que­rem acom­pa­nhar o pro­ces­so do prin­cí­pio ao fim.

Vol­tan­do a Salazar: o mer­ca­do li­vrei­ro por­tu­guês, tal co­mo o país, é pequeno, em­bo­ra nun­ca se te­nham pu­bli­ca­do tan­tos li­vros de His­tó­ria co­mo nos úl­ti­mos anos, e há um fe­nó­me­no co­nhe­ci­do, que é o de li­vros com “Salazar” em tí­tu­lo se ven­de­rem fa­cil­men­te...

Sim, aju­da...

E o seu tí­tu­lo é ape­nas “Salazar”, em le­tras gar­ra­fais...

Sim, sim, em prin­cí­pio iria lo­go ven­der mais [ri­sos].

Per­ce­be de on­de vem o fas­cí­nio ge­ral pe­la per­so­na­gem?

Per­ce­bo. Qu­ei­ra­mos ou não, são qua­se 40 anos de His­tó­ria de Por­tu­gal sob Salazar. A vi­da de mui­tas pes­so­as foi do­mi­na­da pe­la ex­pe­ri­ên­cia de ter Salazar co­mo go­ver­nan­te, e é uma fi­gu­ra, nes­se sen­ti­do, úni­ca e ím­par na nos­sa His­tó­ria con­tem­po­râ­nea. Não há nin­guém, des­de 1820, que se te­nha afir­ma­do du­ran­te tan­to tem­po e que te­nha es­ta­do con­sis­ten­te­men­te à fren­te dos des­ti­nos de Por­tu­gal co­mo Salazar. E não foi as­sim há tan­to tem­po. Por is­so, há um gran­de interesse do público. Nem é ne­ces­sa­ri­a­men­te si­nal de sau­do­sis­mo ou ódio de es­ti­ma­ção. São 40 anos da His­tó­ria de Por­tu­gal e 40 anos da vi­da de mui­ta gen­te que qu­er en­ten­der por que é que as coi­sas fo­ram co­mo fo­ram.

Acon­te­ce o bi­o­gra­fa­do fas­ci­nar o bió­gra­fo? Exer­cer, tal­vez com exa­ge­ro da pa­la­vra, uma es­pé­cie de se­du­ção?

Se­du­ção é, re­al­men­te, uma pa­la­vra for­te. Cla­ro que há um interesse e há, tal­vez, uma me­lhor com­pre­en­são do porquê de cer­tas es­co­lhas te­rem si­do fei­tas ou de cer­tas de­ci­sões te­rem si­do to­ma­das, ou ainda de co­mo cer­tos fe­nó­me­nos che­ga­ram a acon­te­cer. Nes­se sen­ti­do, há sem­pre o de­se­jo de ten­tar ex­pli­car com mais de­ta­lhe cer­tos fe­nó­me­nos, ou cer­tas de­ci­sões, ou coi­sas mais po­lé­mi­cas. Is­so tal­vez crie a ideia de que se es­tá a ten­tar jus­ti­fi­car ou des­cul­par, quan­do, no fun­do, ape­nas se es­tá a ten­tar ex­pli­car me­lhor, de acor­do com pa­râ­me­tros que tal­vez o bió­gra­fo en­ten­da me­lhor do que os ou­tros. Não é mai­or simpatia pe­la fi­gu­ra, mas me­lhor com­pre­en­são. As du­as coi­sas não são idên­ti­cas.

En­tre os que o le­em es­tá mui­ta gen­te que vi­veu, mais ou me­nos in­ten­sa­men­te, es­se tem­po. Se­rá o sa­la­za­ris­mo, por is­so, ter­re­no his­to­ri­o­gra­fi­ca­men­te arriscado?

Não de­via ser. Eu não que­ro di­zer arriscado, por­que não sin­to o pe­ri­go de es­cre­ver ou ter escrito so­bre o Salazar, tal co­mo não re­ceio ser cri­ti­ca­do. Eu não vejo a His­tó­ria co­mo uma ci­ên­cia, por is­so é nor­mal que du­as pes­so­as di­fe­ren­tes, mes­mo con­fron­ta­das com o mes­mo lo­te de fon­tes, es­cre­vam dois li­vros com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes. Gos- to que não se res­va­le pa­ra o in­sul­to, se pos­sí­vel, mas que ha­ja opi­niões con­trá­ri­as so­bre uma fi­gu­ra co­mo Salazar é ab­so­lu­ta­men­te nor­mal, e não vejo is­so co­mo um ris­co, uma ame­a­ça ou um pe­ri­go. É até de­se­já­vel.

Hou­ve his­to­ri­a­do­res por­tu­gue­ses, dos “de cá”, co­mo Luís Reis Tor­gal ou Ma­nu­el Loff, mui­to crí­ti­cos da sua bi­o­gra­fia, e eu que­ria per­gun­tar-lhe se a es­cre­ve­ria ho­je do mes­mo mo­do.

Se a per­gun­ta fos­se: “Se a es­cre­ves­se pa­ra o mer­ca­do por­tu­guês, tê-la-ia escrito da mes­ma ma­nei­ra?”, a res­pos­ta, mes­mo na­que­la altura, te­ria si­do “não”. Mas es­ta­va a es­cre­ver pa­ra uma edi­to­ra nor­te-ame­ri­ca­na, ti­ve­mos uma lon­ga cor­res­pon­dên­cia so­bre a for­ma, a na­tu­re­za, a pos­si­bi­li­da­de de dois vo­lu­mes (a is­so dis­se­ram-me lo­go que não), e eles qu­e­ri­am, so­bre­tu­do, mui­ta aten­ção so­bre a Guer­ra Co­lo­ni­al e a II Guer­ra Mun­di­al. Ha­via pe­río­dos e epi­só­di­os so­bre os quais eles qu­e­ri­am mais aten­ção, pa­ra ser mais fá­cil ven­der o li­vro. En­tão, hou­ve es­sa ne­go­ci­a­ção, e um li­vro escrito à par­ti­da pa­ra o mer­ca­do por­tu­guês se­ria, pro­va­vel­men­te, di­fe­ren­te. Di­ria ou­tras coi­sas que não dis­se? Is­so não. Fo­ca­ria ou­tras áre­as, mas aqui­lo que dis­se te­ria di­to na mes­ma. Tal­vez dis­ses­se ou­tras coi­sas, tal­vez fi­zes­se um li­vro mai­or, até. Ago­ra, se eu co­me­ças­se da es­ta­ca ze­ro ou se me des­sem a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer uma edi­ção com­ple­ta­men­te re­vis­ta, até por­que o li­vro já tem dez anos, te­ria de ver de no­vo o que é que foi escrito, ava­li­ar com pon­de­ra­ção to­das as re­cen­sões e to­das as crí­ti­cas e, en­tão, pen­sar o que há ali de cor­re­to e o que não há, por­que, co­mo eu di­go, não há uma pa­la­vra fi­nal so­bre a His­tó­ria.

Di­zi­am os crí­ti­cos, por exem­plo, que po­de­ria ter da­do ou­tro ti­po de aten­ção ao que em Por­tu­gal tem si­do es­tu­da­do e pu­bli­ca­do so­bre o sa­la­za­ris­mo...

Sin­ce­ra­men­te, na altura, eu con­sul­tei o que ha­via pa­ra ler ou gran­de par­te do que ha­via. De al­guns li­vros eu dis­cor­dei tan­to, que, nu­ma óti­ca de dar a co­nhe­cer o que se ti­nha escrito em Por­tu­gal pa­ra um público de lín­gua in­gle­sa, não que­ria es­tar a men­ci­o­ná-los. Se fi­zes­se re­fe­rên­cia a cer­tos au­to­res se­ria ape­nas pa­ra dis­cor­dar, e não va­lia a pe­na fa­zê-lo. Mas a bi­bli­o­gra­fia do vo­lu­me do Salazar, mes­mo as­sim, pa­re­ce-me bas­tan­te ex­ten­sa.

Dis­se que não vê a His­tó­ria co­mo uma ci­ên­cia. Cla­ro que o debate acer­ca da ci­en­ti­fi­ci­da­de da His­tó­ria é com­ple­xo, mas que­ria per­ce­ber em que sen­ti­do é que ne­ga es­sa ci­en­ti­fi­ci­da­de, sen­do ób­vio que não é uma ci­ên­cia exa­ta.

Não é uma ci­ên­cia exa­ta, cla­ro. In­cli­no- me mais, até, pa­ra a His­tó­ria co­mo uma for­ma de li­te­ra­tu­ra. Uma for­ma de li­te­ra­tu­ra fun­da­men­ta­da, com re­gras, com ca­be­ça, tron­co e mem­bros, mas sem­pre su­jei­ta a in­ter­pre­ta­ção. A es­co­lha dos te­mas já in­di­ca, de certa for­ma, o pon­to de par­ti­da do his­to­ri­a­dor, a for­ma de abor­dar o pas­sa­do tam­bém in­di­cia mui­to so­bre o his­to­ri­a­dor, e de- pois há a in­ter­pre­ta­ção. Re­pi­to que du­as pes­so­as, con­fron­ta­das com o mes­mo lo­te de do­cu­men­tos, che­ga­rão a con­clu­sões com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes. Se a His­tó­ria fos­se uma ci­ên­cia, não se­ria as­sim. Não há os bons e os maus ci­en­tis­tas. Te­mos de ler, te­mos de pen­sar, de pon­de­rar o que foi escrito pe­lo his­to­ri­a­dor e, de­pois, di­zer se es­ta­mos ou não de acor­do com ele.

“A VI­DA DE MUI­TAS PES­SO­AS FOI DO­MI­NA­DA PE­LA EX­PE­RI­ÊN­CIA DE TER SALAZAR CO­MO GO­VER­NAN­TE, E É UMA FI­GU­RA, NES­SE SEN­TI­DO, ÚNI­CA E Í MPAR”

Daí que ha­ja a dis­tin­ção en­tre ci­ên­ci­as exa­tas e so­ci­ais, ou, pa­ra usar os ter­mos da epis­te­mo­lo­gia, no­mo­té­ti­cas e idi­o­grá­fi­cas. O mé­to­do, ou a me­to­do­lo­gia, não é uma ga­ran­tia de ci­en­ti­fi­ci­da­de?

Mes­mo nes­ses ter­mos, te­nho um re­ceio na­tu­ral de in­cluir a His­tó­ria en­tre ci­ên­ci­as. Te­mos de ex­pli­car o que es­cre­ve­mos, te­mos de po­der jus­ti­fi­car as con­clu­sões a que che­ga­mos, mas não há um mé­to­do exa­to que per­mi­ta che­gar a uma ver­da­de ab­so­lu­ta. O que per­mi­te ir es­cre­ven­do mais li­vros. Do pon­to de vis­ta das edi­to­ras, is­so é óti­mo!

Vê o seu tra­ba­lho co­mo con­tra­pon­to, de ma­triz an­glo-sa­xó­ni­ca, a uma his­to­ri­o­gra­fia por­tu­gue­sa que con­si­de­ra de raiz emi­nen­te­men­te mar­xis­ta?

Em gran­de me­di­da, sim. Mes­mo a ideia de uma bi­o­gra­fia é im­pos­sí­vel de acei­tar por cer­tas pes­so­as, não se­rá por elas vis­ta co­mo um pro­je­to his­to­ri­o­grá­fi­co vá­li­do.

Já se faz mui­ta coisa. Ve­ja- se, por exem­plo, a im­por­tan­te co­le­ção de bi­o­gra­fi­as dos reis de Por­tu­gal...

Já tem ha­vi­do, mas há uma certa re­lu­tân­cia, por a bi­o­gra­fia im­pli­car dar de­ma­si­a­da im­por­tân­cia a um in­di­ví­duo e não a tu­do que o cer­ca, as es­tru­tu­ras so­ci­ais, etc.

“SE FI­ZES­SE RE­FE­RÊN­CIA A CER­TOS AU­TO­RES SE­RIA APE­NAS PA­RA DIS­COR­DAR, POR IS­SO TAM­BÉM NÃO VA­LIA A PE­NA FA­ZÊ-LO”

Um me­di­e­va­lis­ta por­tu­guês, Luís Mi­guel Du­ar­te, es­cre­veu há mui­tos anos que a bi­o­gra­fia é um gé­ne­ro his­to­ri­o­grá­fi­co mai­or, a que os his­to­ri­a­do­res de­vem aba­lan­çar-se na ma­tu­ri­da­de (e

ele próprio já o fez). Acho que, na altura, dis­se, nu­ma en­tre­vis­ta, que gos­ta­ria de vol­tar à bi­o­gra­fia do Salazar quan­do eu fos­se bas­tan­te mais ve­lho, es­pe­ci­al­men­te pa­ra en­ten­der o Salazar já mais ma­du­ro, se­xa­ge­ná­rio e sep­tu­a­ge­ná­rio, a for­ma de ele en­ca­rar a vi­da e a sua evo­lu­ção po­lí­ti­ca e, ainda, o que é o sen­ti­men­to de al­guém de ida­de avan­ça­da que es­tá no po­der há tan­to tem­po, a re­lu­tân­cia em aban­do­nar o po­der... Dá-me ideia de que é al­go que só al­guém com uma ida­de se­me­lhan­te con­se­gui­rá per­ce­ber a sé­rio. Por is­so, é um pro­je­to que pa­re­ce in­te­res­san­te.

Es­tá la­ten­te?

Sim, sim. Por is­so, te­nho a im­pres­são de que a opi­nião que ci­tou é bas­tan­te vá­li­da, até, mas o que es­tá fei­to es­tá fei­to. Já não pos­so vol­tar atrás.

Porquê a His­tó­ria na sua vi­da e, den­tro de­la, porquê a His­tó­ria con­tem­po­râ­nea?

Sem­pre foi das mi­nhas me­lho­res dis­ci­pli­nas des­de os tem­pos do li­ceu, e sa­bia que que­ria li­cen­ci­ar-me em His­tó­ria. Aca­bou por ser His­tó­ria e Fi­lo­so­fia (e eu era bas­tan­te me­lhor a His­tó­ria), e ti­ve, de­pois, uma ca­dei­ra, no úl­ti­mo ano do cur­so, com o Prof. John Hor­ne, so­bre Fran­ça e a I Guer­ra Mun­di­al, em que ele pra­ti­ca­men­te não abor­da­va a questão mi­li­tar, mas fo­ca­va-se na di­men­são po­lí­ti­ca, so­ci­al e cul­tu­ral de Fran­ça, em guer­ra. E quan­do, já ter­mi­na­da a li­cen­ci­a­tu­ra, sur­giu a pos­si­bi­li­da­de de fi­car a fa­zer pri­mei­ro o mes­tra­do e de­pois o dou­to­ra­men­to, pen­sei que apli­car es­sas idei­as a Por­tu­gal po­dia dar uma boa te­se. Ti­nha a im­pres­são de ter vis­to al­gu­mas his­tó­ri­as mi­li­ta­res, al­gum tra­ta­men­to di­plo­má­ti­co da nos­sa ida à guer­ra, mas achei que se sa­bia mui­to pou­co (ou, pe­lo me­nos, eu sa­bia mui­to pou­co) so­bre o que é que se ti­nha pas­sa­do em Por­tu­gal e o que é que, re­al­men­te, ti­nha si­do de no­vi­da­de pa­ra o país a ida e a par­ti­ci­pa­ção na Gran­de Guer­ra. En­tão, fa­lei com ele e acer­tá­mos os pas­sos a dar.

Já es­ta­mos a en­trar nes­se pe­río­do com que co­me­çou a vi­da de his­to­ri­a­dor e ao qu­al re­gres­sa ago­ra, com “De Lis­boa a La Lys”. As fon­tes a que re­cor­re, de­sig­na­da­men­te es­tran­gei­ras, pro­pi­ci­am pers­pe­ti­vas ino­va­do­ras?

Nes­te pe­río­do da Gran­de Guer­ra, sim, em­bo­ra quem co­nhe­cer o que foi escrito nos úl­ti­mos anos sai­ba que há ou­tros his­to­ri­a­do­res que abor­da­ram, es­pe­ci­al­men­te, a do­cu­men­ta­ção bri­tâ­ni­ca. Por is­so, não fui o pri­mei­ro a fa­zê­lo. Há uma on­da, de re­pen­te, de mai­or interesse por es­ta do­cu­men­ta­ção bri­tâ­ni­ca da Gran­de Guer­ra. Es­tou a pen­sar, por exem­plo, no li­vro do An­tó­nio Jo­sé Te­lo e do Pe­dro Marquês de Sousa so­bre a par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa. É cla­ro que es­sas fon­tes per­mi­tem uma abor­da­gem di­fe­ren­te. Eu, pa­ra a te­se de dou­to­ra­men­to, ti­nha usa­do, so­bre­tu­do, a do­cu­men­ta­ção di­plo­má­ti­ca fran­ce­sa, por re­co­men­da­ção do meu ori­en­ta­dor, de­pois fui len­ta­men­te alar­gan­do e in­cluin­do a bri­tâ­ni­ca. Pa­ra ques­tões mi­li­ta­res, co­mo as de que tra­ta es­te no­vo li­vro, a do­cu­men­ta­ção bri­tâ­ni­ca é essencial, pois o Cor­po Ex­pe­di­ci­o­ná­rio Por­tu­guês (CEP) es­ta­va in­se­ri­do no es­for­ço de guer­ra bri­tâ­ni­co.

Ao fo­car a questão mi­li­tar, es­te li­vro é um com­ple­men­to à te­se de dou­to­ra­men­to, em que fo­cou ou­tros as­pe­tos?

É, é o com­ple­tar. De certa for­ma, o CEP le­va con­si­go pa­ra Fran­ça to­das es­tas ques­tões, e vão, creio, afe­tan­do a sua vi­vên­cia e a sua per­ma­nên­cia em Fran­ça. O CEP não es­tá iso­la­do do res­to do país, não são 50 ou 60 mil por­tu­gue­ses que es­que­cem tu­do aqui­lo que sa­bem quan­do vão pa­ra Fran­ça. São du­as fa­ces da mes­ma mo­e­da.

Que é que es­te li­vro traz de no­vo?

Ten­to ex­pli­car a im­por­tân­cia da re­la­ção en­tre os dois exér­ci­tos, o por­tu­guês e o bri­tâ­ni­co, tor­nar cla­ras as di­fi­cul­da­des de en­ten­di­men­to as du­as cor­po­ra­ções e ex­pli­car as ra­zões des­sas di­fi­cul­da­des, mas tam­bém as su­as consequências. É um pro­je­to gran­de, que, pe­lo me­nos na for­ma co­mo fui pen­san­do, me aca­bou por fa­zer re­cu­ar até às cam­pa­nhas na­po­leó­ni­cas, por­que per­ce­bi que pa­ra o Exér­ci­to bri­tâ­ni­co o Wel­ling­ton é o deus da guer­ra, pe­lo me­nos na­que­la altura era, e tu­do o que ele fez me­re­cia ser co­pi­a­do. Por is­so, se vai ha­ver uma re­la­ção en­tre exér­ci­tos por­tu­guês e bri­tâ­ni­co, te­mos de se­guir o mo­men­to wel­ling­to­ni­a­no das cam­pa­nhas na­po­leó­ni­cas, que é o mo­men­to de gló­ria máxima do Exér­ci­to bri­tâ­ni­co. Pa­ra os por­tu­gue­ses, es­sa mes­ma ex­pe­ri­ên­cia era ne­ga­ti­va, uma ex­pe­ri­ên­cia a evi­tar, a da su­bal­ter­ni­za­ção. No iní­cio do sé­cu­lo XIX, o exér­ci- to por­tu­guês é desfeito, de­pois é re­cons­ti­tuí­do pe­lo Be­res­ford e, de­pois, as su­as uni­da­des vão sen­do es­pa­lha­das pe­las uni­da­des bri­tâ­ni­cas. Não há, as­sim, um ofi­ci­al por­tu­guês que te­nha ti­do pa­pel de des­ta­que, e há ofi­ci­ais bri­tâ­ni­cos in­se­ri­dos nas uni­da­des por­tu­gue­sas. Há o sen­ti­men­to de que não dei­xam os por­tu­gue­ses mos­trar to­do o seu va­lor, e to­da a ex­pe­ri­ên­cia é do­lo­ro­sa. Pa­ra não fa­lar, de­pois, das ques­tões do Go­mes Frei­re de An­dra­de, da le­gião por­tu­gue­sa que an­dou com o Na­po­leão e por aí fo­ra. Por is­so, há uma me­mó­ria ins­ti­tu­ci­o­nal dos dois exér­ci­tos que im­pe­de um bom re­la­ci­o­na­men­to. Por­tu­gal qu­er con­tra­ri­ar aque­la ideia com que os bri­tâ­ni­cos en­tram na guer­ra, es­pe­ci­al­men­te a par­tir do mo­men­to em que per­ce­bem que têm de co­la­bo­rar con­nos­co, de que os por­tu­gue­ses são bons soldados, mas maus ofi­ci­ais. Por­tan­to, a ideia por­tu­gue­sa é ne­gar que os nos­sos ofi­ci­ais se­jam maus. São bons, e so­mos ali­a­dos de igual di­rei­to, te­mos os mes­mos di­rei­tos e obri­ga­ções que os ou­tros, e te­mos di­rei­to a ter o nos­so Exér­ci­to co­man­da­do pe­los nos­sos ofi­ci­ais, co­mo eles qui­se­rem, na fren­te de com­ba­te con­tra os ale­mães.

La Lys é a con­fir­ma­ção de que, nes­se par­ti­cu­lar, os ingleses ti­nham ra­zão?

Pa­ra is­so, é pre­ci­so ler o li­vro (ri­sos). As dú­vi­das do Exér­ci­to bri­tâ­ni­co são gran­des des­de o iní­cio, mas há uma si­tu­a­ção pa­ra­do­xal que se ma­ni­fes­ta em fi­nais de 1917, ainda an­tes do gol­pe si­do­nis­ta. Por um la­do, os bri­tâ­ni­cos tomam a fir­me re­so­lu­ção de não acei­tar mais por­tu­gue­ses e cor­tam o cor­dão um­bi­li­cal, is­to é, os na­vi­os bri­tâ­ni­cos que ser­vi­am pa­ra abas­te­cer o CEP e pa­ra en­vi­ar re­for­ços; por ou­tro, per­mi­tem a trans­for­ma­ção do CEP num cor­po do Exér­ci­to. Por is­so, as du­as di­vi­sões fi­cam la­do a la­do na fren­te de com­ba­te, co­man­da­das pe­lo ge­ne­ral Ta­mag­ni­ni de Abreu, que até en­tão não ti­nha ti­do um gran­de pa­pel, es­pe­ci­al­men­te ao nível tá­ti­co, es­tra­té­gi­co. Não ti­nha fei­to na­da, por­que os por­tu­gue­ses es­ta­vam in­se­ri­dos num cor­po do Exér­ci­to bri­tâ­ni­co. Co­mo ex­pli­car, en­tão, es­sa si­tu­a­ção, em que, por um la­do, não há mais re­for­ços, por ou­tro la­do a res­pon­sa­bi­li­da­de dos por­tu­gue­ses na fren­te de com­ba­te au­men­ta? O que se es­tá a pas­sar re­al­men­te? Mas não há dú­vi­da de que a reserva bri­tâ­ni­ca em

re­la­ção ao CEP e ao pos­sí­vel pa­pel do CEP na fren­te oci­den­tal se vai avo­lu­man­do ao lon­go de 1917. De­pois, há es­sa decisão de pôr as du­as di­vi­sões la­do a la­do, em par­te por cau­sa das bai­xas bri­tâ­ni­cas, em 1917. Com a Ba­ta­lha de Pas­chen­da­le, que é mais um de­sas­tre mi­li­tar, há uma gran­de que­bra do nú­me­ro de soldados ap­tos pa­ra com­ba­ter em Fran­ça, e, por is­so, é pre­ci­so pôr to­da a gen­te na fren­te. De­pois, as­sim que Si­dó­nio Pais to­ma o po­der, co­me­ça a lan­çar-se a ideia de uma re­es­tru­tu­ra­ção do CEP, de fi­car ape­nas uma di­vi­são. Co­me­ça-se lo­go a ten­tar mi­nar a or­ga­ni­za­ção que ti­nha si­do cri­a­da. Por is­so, as dú­vi­das vêm de trás, e quan­do se dá a Ba­ta­lha de La Lys, quan­do a 2.ª Di­vi­são do CEP é des­truí­da, en­tão é to­ma­da, pe­los bri­tâ­ni­cos, a fir­me re­so­lu­ção de não mais per­mi­tir o re­gres­so dos por­tu­gue­ses à fren­te de com­ba­te e con­tra­ri­ar qual­quer ve­lei­da­de por­tu­gue­sa de re­cons­truir o CEP.

É cu­ri­o­sa a nar­ra­ti­va do pós-guer­ra, a ideia dos he­róis ou már­ti­res que tom­ba­ram nu­ma ma­nhã que, afi­nal, era ape­nas par­ce­la de uma lon­ga ba­ta­lha que os ingleses aca­ba­ram por ven­cer. A exal­ta­ção do nos­so pequeno mo­men­to, do 9 de Abril, per­du­rou e cri­ou raí­zes no nos­so ima­gi­ná­rio?

Per­du­rou, e, em ter­mos de co­me­mo­ra­ção, eu te­nho a im­pres­são de que são vá­ri­as as nar­ra­ti­vas em re­la­ção ao 9 de Abril. Ha­via a nar­ra­ti­va in­ter­ven­ci­o­nis­ta re­pu­bli­ca­na, a do dia em que o no­bre e ge­ne­ro­so povo por­tu­guês se sa­cri­fi­cou pe­la ideia da pá­tria, res­ga­tan­do com o seu san­gue a man­cha lan­ça­da pe­lo si­do­nis­mo (es­sa era, ob­vi­a­men­te, uma ideia que não iria du­rar), e ha­via uma vi­são do 9 de Abril co­mo o dia em que o Exér­ci­to por­tu­guês se sa­cri­fi­cou em prol da pá­tria, ape­sar das de­ci­sões dos maus po­lí­ti­cos que o ti­nha en­vi­a­do des­ne­ces­sa­ri­a­men­te pa­ra Fran­ça: o Exér­ci­to ba­teu-se co­mo ti­nha de se ba­ter e ba­teu-se bem e res­ga­tou, as­sim, a honra da Na­ção.

Es­ta já é uma ver­são pós-28 de Maio?

Não, is­to faz par­te da en­gre­na­gem, da má­qui­na ide­o­ló­gi­ca que, de­pois, vai per­mi­tir o 28 de Maio. É o Exér­ci­to a di­zer: de­pois da­que­la ex­pe­ri­ên­cia, a Na­ção con­traiu uma dí­vi­da pa­ra com o Exér­ci­to; o Exér­ci­to me­re­ce ser ou­vi­do, me­re­ce ser es­cu­ta­do; fo­mos nós que lá es­ti­ve­mos, na Flan­dres, e, por is­so, con­quis­tá­mos um pa­ta­mar su­pe­ri­or ao des­te país, te­mos uma pa­la­vra a di­zer e va­mos ser es­cu­ta­dos.

E as­sim se­gue Go­mes da Cos­ta de Bra­ga pa­ra Lis­boa...

E é im­por­tan­te que se­ja o Go­mes da Cos­ta, mes­mo que de­pois se­ja ra­pi­da­men­te var­ri­do. Ele é a ca­ra da Ba­ta­lha de La Lys, o he­rói. Tem de ser ele a li­de­rar o mo­vi­men­to con­tra a si­tu­a­ção.

As consequências da Gran­de Guer­ra pa­ra Por­tu­gal fo­ram as­sim tão de­sas­tro­sas? Por exem­plo, não foi a ação em Áfri­ca de­ter­mi­nan­te pa­ra man­ter as co­ló­ni­as, que, de­pois, se­ri­am es­sen­ci­ais à es­tru­tu­ra­ção e à lon­ge­vi­da­de do Es­ta­do No­vo?

Nenhum país, a não ser as po­tên­ci­as dos im­pé­ri­os cen­trais, per­deu co­ló­ni­as após a I Guer­ra Mun­di­al. Nenhum. Não po­de­mos di­zer que Por­tu­gal te­ria per­di­do. Eu acho que se­ria mui­to di­fí­cil Por­tu­gal não par­ti­ci­par na guer­ra, pre­ci­sa­men­te de­vi­do à pro­xi­mi­da­de das co­ló­ni­as ale­mãs. Mas is­so é uma questão à par­te. Não sei com que jus­ti­fi­ca­ção Por­tu­gal te­ria si­do es­po­li­a­do das su­as co­ló­ni­as em 1919. Ga­ran­tiu que não se­ria, mas, en­fim, não po­de­mos en­trar por aí. Man­ti­ve­mos o im­pé­rio, hou­ve al­gu­mas ques­tões de re­pa­ra­ções que fo­ram de­ci­di­das a fa­vor de Por­tu­gal, mes­mo mui­to pou­co, no fun­do, mas o que eu acho mais im­por­tan­te é o fim do pro­je­to in­ter­ven­ci­o­nis­ta e do so­nho da guer­ra co­mo al­go que iria trans­for­mar o re­gi­me re­pu­bli­ca­no. Is­so não fun­ci­o­nou, e as más re­la­ções que per­du­ram en­tre gran­de par­te do Exér­ci­to e o re­gi­me re­pu­bli­ca­no vão cus­tar mui­to ca­ro à Re­pú­bli­ca.

Com is­to, ga­nhou tam­bém interesse es­pe­ci­al em al­gu­mas per­so­na­gens. Es­tou a pen­sar em Afon­so Cos­ta.

É uma per­so­na­gem fas­ci­nan­te, com uma von­ta­de enor­me de trans­cen­der, até, as li­mi­ta­ções de ser ape­nas o pri­mei­ro- mi­nis­tro por­tu­guês. Ele não sen­te is­so, ne­ces­sa­ri­a­men­te, co­mo um en­tra­ve às su­as am­bi­ções. Pe­lo me­nos, a ideia que cria e faz pas­sar é a de que se mo­vi­men­ta en­tre os lí­de­res eu­ro­peus com enor­me fa­ci­li­da­de e com na­tu­ra­li­da­de, que é acei­te por eles co­mo um igual. Is­so é no­tá­vel, e é bom que, de vez em quan­do, apa­re­ça al­guém que aja dessa for­ma. Mas, si­mul­ta­ne­a­men­te, a vi­são de Afon­so Cos­ta tem al- guns ân­gu­los mor­tos. Ele, o Nor­ton de Matos e o João Cha­gas, so­bre­tu­do, que é qua­se o ideó­lo­go de tu­do is­to, não en­ten­dem que, qu­an­to mai­or for a con­tri­bui­ção mi­li­tar por­tu­gue­sa pa­ra a guer­ra em Fran­ça, mai­or se­rá a de­pen­dên­cia por­tu­gue­sa do Go­ver­no e das au­to­ri­da­des mi­li­ta­res bri­tâ­ni­cos. Mais se­rão os por­tu­gue­ses ali­men­ta­dos e pa­gos pe­lo Im­pé­rio Bri­tâ­ni­co, mais se­rão os por­tu­gue­ses mu­ni­ci­a­dos e ar­ma­dos pe­la Grã-bre­ta­nha, mais, mais, mais, sem­pre mais. Is­to não era uma ma­nei­ra de con­quis­tar a nos­sa au­to­no­mia. É al­go que eles não en­ten­de­ram, ou, se en­ten­de­ram, já foi tar­de de mais pa­ra con­se­gui­rem al­te­rar.

É cu­ri­o­so que a última edi­ção da nos­sa re­vis­ta, que há pou­co fo­lhe­ou, te­nha um te­ma de­di­ca­do ao sé­cu­lo XIV e ao duque de Len­cas­tre, obrei­ro da ve­lha ali­an­ça que tão in­vo­ca­da é ao lon­go dos tem­pos. Es­sa ali­an­ça te­ve sem­pre um cus­to ele­va­do, cer­to?

Um cus­to sem­pre mui­to ele­va­do. Viu-se no sé­cu­lo XIX, nes­se pe­río­do das cam­pa­nhas na­po­leó­ni­cas e, de­pois, da Jun­ta Go­ver­na­ti­va, com Be­res­ford, que era qua­se o che­fe do Go­ver­no por­tu­guês. E é di­fí­cil de en­ten­der: nós fo­mos pa­ra a Gran­de Guer­ra por­que fi­cá­mos com os na­vi­os ale­mães e por­que foi di­to, na altura, que pre­ci­sá­va­mos des­ses na­vi­os pa­ra ser­vir a nos­sa eco­no­mia. De­pois, des­fi­ze­mo-nos de gran­de par­te de­les, en­tre­gá­mo-los aos ingleses, fi­cá­mos sem na­vi­os pa­ra abas­te­cer o exér­ci­to em Fran­ça e pre­ci­sá­mos de na­vi­os ingleses pa­ra en­vi­ar re­for­ços... Mas o que é que acon­te­ceu aqui? Na­da dis­to ba­te cer­to. O que ha­via era uma re­la­ção de de­pen­dên­cia da Grã-bre­ta­nha, que se ia agra­van­do por cau­sa da guer­ra e das es­co­lhas fei­tas em Lis­boa. Is­so é que me pa­re­ce ser o ân­gu­lo mor­to da vi­são do Afon­so Cos­ta. Há uma en­tre­vis­ta que ele deu à re­vis­ta “Atlân­ti­da”, in­te­res­san­tís­si­ma, que se po­de ler com fa­ci­li­da­de no si­te da he­me­ro­te­ca. Quem qui­ser per­ce­ber Afon­so Cos­ta na Gran­de Guer­ra de­ve ler es­sa en­tre­vis­ta, por­que ele vem de In­gla­ter­ra ma­ra­vi­lha­do: o rei? o rei é fan­tás­ti­co, o rei tem um gran­de amor pe­la Re­pú­bli­ca por­tu­gue­sa, o Sir Edward Grey é um gran­de fã de Por­tu­gal e o nos­so gran­de ami­go (o Grey ti­nha um pó fan­tás­ti­co...)... en­fim, cria es­sa im­pres­são de que Por­tu­gal, gra­ças à Re­pú­bli­ca e a es­sa decisão de in­ter­vir, con­quis­tou a simpatia dos ali­a­dos, es-

pe­ci­al­men­te do apa­re­lho bri­tâ­ni­co, es­sa ideia de que nun­ca es­ti­ve­mos tão bem co­ta­dos lá fo­ra e de que o nos­so exér­ci­to vai pa­ra Fran­ça em to­tal igual­da­de com o exér­ci­to bri­tâ­ni­co. “Evo­cê­per­ce­be – diz ele – quão­pres­ti­gi­an­teé­pa­ra um por­tu­guê­sou­vir is­so...”. Is­to, em gran­de par­te, é fa­cha­da. Ele re­al­ça o fac­to de Por­tu­gal ter si­do cor­di­al­men­te con­vi­da­do, vem lá a pa­la­vra “cor­di­al­men­te”, e diz que é uma coisa fan­tás­ti­ca, quan­do em lin­gua­gem di­plo­má­ti­ca é ab­so­lu­ta­men­te nor­mal.

En­quan­to por­tu­guês ra­di­ca­do no es­tran­gei­ro, no­ta que Por­tu­gal sem­pre te­ve uma certa ten­dên­cia pa­ra al­gu- ma su­bal­ter­ni­za­ção ou des­lum­bra­men­to fa­ce ao ex­te­ri­or? Por exem­plo, já an­da­mos aqui des­de o sé­cu­lo XII, mas há sem­pre uma gran­de ex­ci­ta­ção me­diá­ti­ca se no­ta­mos que o “New York Ti­mes” ou ou­tro gran­de jor­nal es­tran­gei­ro fa­la em nós...

Nem tan­to... Eu acho que is­so se vê em to­do o la­do. Nós é que quan­do di­ze­mos mal de nós pró­pri­os acha­mo- nos os pi­o­res de to­dos. Na Ir­lan­da é a mes­ma coisa, e eu acho que na mai­or par­te dos paí­ses pequenos é as­sim. Nós é que, se ca­lhar, nos com­pa­ra­mos com gran­des paí­ses que têm mais que fa­zer do que pen­sar no que es­cre­ve o “New York Ti­mes”. Acho que não so­mos os úni­cos.

“POR­TU­GAL QUIS CON­TRA­RI­AR A IDEIA DE QUE OS POR­TU­GUE­SES SÃO BONS SOLDADOS, MAS MAUS OFI­CI­AIS”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.