A porta má­gi­ca pa­ra o pa­tri­mó­nio do Va­le do Côa

JN História - - A Abrir -

De Vi­la No­va de Foz Côa é fá­cil che­gar ao mu­seu, que é tam­bém um de três cen­tros de re­ce­ção pa­ra vi­si­tas a nú­cle­os de ar­te ru­pes­tre, es­tan­do os ou­tros dois em Cas­te­lo Me­lhor e em Mu­xa­ga­ta, al­dei­as pró­xi­mas.

men­te, de ações de van­da­lis­mo de que hou­ve no­tí­cia, mas do tes­te­mu­nho, dei­xa­do por mo­lei­ros ou pas­to­res, de mo­ti­vos co­mo o com­boio ou o cas­te­lo de Gui­ma­rães – uma es­ti­li­za­ção de cas­te­lo com a alu­são em le­gen­da à cidade-ber­ço, enal­te­ci­da pe­la re­tó­ri­ca na­ci­o­na­lis­ta in­cul­ca­da nos ban­cos de es­co­la).

O mu­seu é, di­ga­mos, um de­sa­fio per­ma­nen­te e um es­tí­mu­lo que fun­ci­o­na a vá­ri­os ní­veis. Co­me­çan­do pe­lo próprio edi­fí­cio, con­ce­bi­do pe­los ar­qui­te­tos Ca­mi­lo Re­be­lo e Ti­a­go Pimentel e mui­to pre­mi­a­do (não só um êxi­to de in­te­gra­ção na pai­sa­gem mas uma qua­se ema­na­ção da pró­pria pai­sa­gem), pas­san­do por sur­pre­en­den­tes in­ter­ven­ções ar­tís­ti­cas ali ins­ta­la­das – es­pe­lhos de Ân­ge­lo de Sousa e a es­cul­tu­ra “Ár­vo­re Man­da­la pa­ra os Gra­va­do­res do Côa”, de Alberto Car­nei­ro –, e, cla­ro, por to­do o ma­te­ri­al ex­pos­to, se­jam ré­pli­cas em ta­ma­nho re­al de gra­vu­ras, frag­men­tos re­co­lhi­dos no pe­rí­me­tro do par­que, re­cons­ti­tui­ções (as ofi­ci­nas de ar­queo- lo­gia ex­pe­ri­men­tal são uma das cha­ves do êxi­to do ser­vi­ço edu­ca­ti­vo, que re­ce­be vi­si­tas de es­co­las de to­do o país). Do sig­ni­fi­ca­do patrimonial do par­que à re­cons­ti­tui­ção do que se­ri­am as vi­vên­ci­as no Pa­le­o­lí­ti­co e as ra­zões que le­va­ri­am aque­la re­gião, ho­je pe­ri­fé­ri­ca, a as­su­mir uma evi­den­te cen­tra­li­da­de pa­ra as co­mu­ni­da­des de uma bem mais vas­ta re­gião ibé­ri­ca (cen­tra­li­da­de ex­pres­sa pe­la ex­tra­or­di­ná­ria pro­fu­são de gra­vu­ras), pas­san­do pe­las pro­pos­tas de com­pre­en­são do que re­pre­sen­ta­vam ou tra­du­zi­am aque­las for­mas de ex­pres­são, de­fi­ni­ti­va­men­te ar­tís­ti­ca, a nível so­ci­al, po­lí­ti­co ou re­li­gi­o­so.

A vi­si­ta é ine­bri­an­te, mas o mu­seu, sa­li­en­te-se, nun­ca se­rá um mu­seu clás­si­co. É, an­tes, um ex­tra­or­di­ná­rio e di­nâ­mi­co centro in­ter­pre­ta­ti­vo, in­se­ri­do no mu­seu re­al, aque­le que mui­to an­ti­gos an­te­pas­sa­dos nos le­ga­ram, no es­pa­ço que ha­bi­ta­vam e pa­ra on­de con­ver­gi­am, em di­nâ­mi­cas que trans­cen­dem mui­to to­dos os lu­ga­res-co­muns as­so­ci­a­dos a tro­glo­di­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.