A pri­mei­ra po­lé­mi­ca po­lí­ti­ca da Revolução de 1820

Tex­to de Vi­tal Mo­rei­ra (Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da – Nor­te / Uni­ver­si­da­de de Coim­bra) e Jo­sé Do­min­gues (Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da – Nor­te)

JN História - - Destaque -

Are­vo­lu­ção por­tu­en­se de 24 de agosto de 1820 veio co­lo­car a con­vo­ca­tó­ria das Cor­tes por­tu­gue­sas (que não se reu­ni­am ha­via mais de um sé­cu­lo) na or­dem do dia da agen­da po­lí­ti­ca do país: “Imi­tan­do nos­sos mai­o­res, con­vo­que­mos as Cor­tes e es­pe­re­mos da sua sa­be­do­ria e fir­me­za as me­di­das que só po­dem sal­var-nos da per­di­ção e se­gu­rar nos­sa exis­tên­cia po­lí­ti­ca”.

A revolução foi pa­cí­fi­ca qu­an­to a es­se pon­to, e nin­guém ou­sou con­tra­di­tar a exor­ta­ção – “vi­vam as Cor­tes e a Cons­ti­tui­ção por elas!”. No en­tan­to, uma gran­de con­tro­vér­sia vai ins­ta­lar-se ime­di­a­ta­men­te so­bre o mo­do de le­var a ca­bo es­se ob­je­ti­vo, de­sig­na­da­men­te em tor­no de du­as ques­tões-cha­ves: (i) a da le­gi­ti­mi­da­de dos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os pa­ra con­vo­car as Cor­tes e (ii) a da for­ma co­mo de­via ser efe­tu­a­da a con­vo­ca­tó­ria e con­se­quen­te for­ma­ção des­sas Cor­tes.

A questão da com­pe­tên­cia pa­ra a con­vo­ca­ção das Cor­tes

Em Lis­boa, os Go­ver­na­do­res do Rei­no em no­me de D. João VI, que con­ti­nu­a­va no Bra­sil, apres­sa­ram- se a ale­gar que a Jun­ta Pro­vi­si­o­nal do Go­ver­no Su- pre­mo do Por­to, saí­da da revolução, não ti­nha le­gi­ti­mi­da­de pa­ra con­vo­car as Cor­tes, que “sem­pre se­ri­am ile­gais quan­do não fos­sem cha­ma­das pe­lo so­be­ra­no”. Con­si­de­ran­do que eles pró­pri­os eram os “úni­cos de­po­si­tá­ri­os le­gí­ti­mos da au­to­ri­da­de ré­gia, na ausência do nos­so ama­do so­be­ra­no”, re­sol­ve­ram, po­rém, co­op­tan­do a decisão dos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os do Por­to, “ado­tar, em seu re­al no­me, a re­so­lu­ção de con­vo­car as Cor­tes” co­mo o “meio le­gal de aten­der às quei­xas e de­se­jos da Na­ção”.

No dia 1 de se­tem­bro de 1820 man­da­ram im­pri­mir ( em pan­fle­to) uma Pro­cla­ma­ção – da au­to­ria do duque de Pal­me­la –, di­ri­gi­da aos por­tu­gue­ses, con­tra a “su­ble­va­ção da cidade do Por­to”, anun­ci­an­do, em con­tra­par­ti­da, que “de­pois de ou­vi­rem o pa­re­cer do gran­de nú­me­ro de pes­so­as do Con­se­lho de sua Ma­jes­ta­de e cons­pí­cu­as en­tre as di­ver­sas clas­ses da na­ção, re­sol­ve­ram, em no­me de El-rei nos­so se­nhor, con­vo­car Cor­tes, no­me­an­do ime­di­a­ta­men­te uma co­mis­são des­ti­na­da a pro­ce­der aos tra­ba­lhos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a pron­ta reu­nião das mes­mas Cor­tes”.

A pri­mei­ra Co­mis­são Pre­pa­ra­tó­ria das Cor­tes foi no­me­a­da por por­ta­ria des­se dia, 1 de se­tem­bro de 1820, e de­la fa­zi­am par­te: D. Frei Pa­trí­cio da Sil­va (ar­ce­bis­po de Évo­ra), Luís An­tó­nio Fur­ta­do de Cas­tro do Rio de Men­don­ça e Fa­ro (conde de Bar­ba­ce­na), Ma­ti­as Jo­sé Di­as Aze­do (te­nen­te-ge­ne­ral con­se­lhei­ro de guer­ra), An­tó­nio Jo­sé Guião ( desembargador) e To­más da Sil­va Mon­tei­ro (desembargador). O conde de Bar­ba­ce­na ale­gou mo­lés­ti­as que o im­pe­di­am de as­su­mir tal com­pro­mis­so; por is­so, foi dis­pen­sa­do e pa­ra o seu lu­gar foi no­me­a­do – pe­la por­ta­ria de 4 de se­tem­bro de 1820 – o Dr. Jo­a­quim Jo­sé Fer­rei­ra Gor­do e pa­ra se­cre­tá­rio foi no­me­a­do o Dr. Ma­nu­el Bor­ges Car­nei­ro.

É pro­vá­vel que os go­ver­na­do­res do Rei­no te­nham en­vi­a­do con­vo­ca­tó­ri­as aos con­ce­lhos que, por fo­ral ou pri­vi­lé­gio, ti­nham as­sen­to em Cor­tes até ao sé­cu­lo XVII. Aos di­as de ho­je che­gou (em pan­fle­to im­pres­so) a con­vo­ca­tó­ria di­ri­gi­da à Câ­ma­ra da cidade de Lis­boa, no dia 9 de se­tem­bro des­se ano, pa­ra se ele­ge­rem “dois pro­cu­ra­do­res que te­nham as qua­li­da­des e cir­cuns­tân­ci­as que pa­ra tal ato se re­que­rem”, que de­vi­am es­tar presentes à aber­tu­ra das Cor­tes, no dia 15 de no­vem­bro de 1820, pa­ra de­li­be­ra­rem em con­jun­to com os pro­cu­ra­do­res das ou­tras ci­da­des e vi­las.

Os go­ver­na­do­res do rei­no co­mu­ni­ca­ram de ime­di­a­to a sua ini­ci­a­ti­va ao rei, D. João VI, que es­ta­va no Bra­sil. Mas o mo­nar­ca con­si­de­rou a re­so­lu­ção ir­re­gu­lar, en­ten­den­do que a prer­ro­ga­ti­va

de con­vo­car as Cor­tes era in­se­pa­rá­vel da re­a­le­za e, por is­so, só po­de­ria ter ema­na­do di­re­ta­men­te da sua pró­pria e re­al decisão. No en­tan­to, ten­do em con­si­de­ra­ção a con­jun­tu­ra que se vi­via, a pros­pe­ri­da­de da mo­nar­quia e a fe­li­ci­da­de dos seus súb­di­tos, o rei aca­bou por au­to­ri­zar que as Cor­tes se reu­nis­sem nes­ses mol­des, des­de que as pro­pos­tas que vi­es­sem a apre­sen­tar lhe fos­sem sub­me­ti­das e fi­cas­sem de­pen­den­tes da sua re­al san­ção “con­for­me aos usos, cos­tu­mes e leis fun­da­men­tais da mo­nar­quia”. Era uma clara ten­ta­ti­va de re­a­fir­ma­ção do po­der re­al e de neu­tra­li­za­ção da revolução de agosto no Por­to.

É cer­to que, des­de os re­cu­a­dos tem- pos me­di­e­vais, o po­der de con­vo­car as Cor­tes per­ten­cia tra­di­ci­o­nal­men­te ao rei, mas de­via ser interpretado mais co­mo “obri­ga­ção tra­di­ci­o­nal” do que co­mo “pri­vi­lé­gio re­al”. Sem em­bar­go, 1820 não foi o pri­mei­ro nem o único ca­so na his­tó­ria po­lí­ti­ca por­tu­gue­sa em que a con­vo­ca­tó­ria das Cor­tes ti­nha si­do alheia à von­ta­de do mo­nar­ca. Por exem­plo, D. Afon­so III foi co­a­gi­do, con­tra a sua von­ta­de, a reu­nir as Cor­tes de Coim­bra em 1261; quan­do foi fei­ta a con­vo­ca­ção pa­ra se reu­ni­rem as Cor­tes de Coim­bra de 1385, o Mes­tre de Avis era ape­nas go­ver­na­dor do rei­no, vin­do a ser acla­ma­do rei nes­sas mes­mas Cor­tes; a reu­nião das Cor­tes de Lis­boa, em 1439, já vi­nha fi­xa­da pre­via- men­te das Cor­tes do ano an­te­ri­or, de Tor­res No­vas, em 1438; as Cor­tes de Al­mei­rim, em 1580, fo­ram con­vo­ca­das pe­los go­ver­na­do­res e de­fen­so­res do rei­no; e as Cor­tes de Lis­boa, em 1667, com cer­te­za, não fo­ram con­vo­ca­das por von­ta­de do mo­nar­ca D. Afon­so VI, que ne­las vi­ria a ser afas­ta­do do go­ver­no do rei­no.

De qual­quer ma­nei­ra, no dia em que D. João VI as­si­na a su­prar­re­fe­ri­da carta ré­gia – Pa­lá­cio do Rio de Ja­nei­ro, 27 de ou­tu­bro de 1820 –, já a re­gên­cia que ti­nha con­vo­ca­do as Cor­tes tra­di­ci­o­nais ti­nha si­do dis­sol­vi­da (no dia 15 de se­tem­bro), sen­do subs­ti­tuí­da por uma no­va re­gên­cia go­ver­na­ti­va em Lis­boa, ali­nha­da com a revolução. Além do

mais, exa­ta­men­te um mês an­tes da mis­si­va re­al, por por­ta­ria de 27 de se­tem­bro de 1820, os go­ver­nos pro­vi­só­ri­os do Por­to e de Lis­boa uni­ram- se pa­ra for­mar du­as no­vas jun­tas: a Jun­ta Pro­vi­si­o­nal do Go­ver­no Su­pre­mo do Rei­no – en­car­re­ga­da da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca – e a Jun­ta Pro­vi­si­o­nal Pre­pa­ra­tó­ria das Cor­tes – en­car­re­ga­da de pre­pa­rar a con­vo­ca­ção e re­gu­lar fun­ci­o­na­men­to das Cor­tes (cf. a com­po­si­ção das du­as Jun­tas no pri­mei­ro ar­ti­go des­ta sé­rie, nº 11 des­ta re­vis­ta). Es­ta última foi sub­di­vi­di­da em du­as sec­ções, uma pa­ra tra­tar da con­vo­ca­ção das Cor­tes e ou­tra pa­ra tra­tar dos as­sun­tos que ne­la se de­vi­am dis­cu­tir.

Bor­ges Car­nei­ro, na sua Re­fle­xão de 13 de ou­tu­bro de 1820 so­bre as Cor­tes Ex­tra­or­di­ná­ri­as, co­lo­ca a questão: “A Jun­ta Pro­vi­si­o­nal do Go­ver­no Su­pre­mo tem di­rei­to de con­vo­car Cor­tes ou per­ten­ce ele ex­clu­si­va­men­te a el-rei?”. A que res­pon­de: “Nin­guém ig­no­ra ou de­ve ig­no­rar que Por­tu­gal é uma Na­ção li­vre; que a ideia de um rei­no patrimonial é ab­sur­da, co­mo con­trá­ria à na­tu­re­za e fim das ins­ti­tui­ções so­ci­ais; que o nos­so ter­ri­tó­rio, com os ilus­tres ba­rões que o ha­bi­tam, não é nem po­de ser pa­tri­mó­nio de ne­nhu­ma ca­sa ou pes­soa; que a so­be­ra­nia reside es­sen­ci­al­men­te em a Na­ção; que a ela per­ten­ce, por con­sequên­cia, o di­rei­to de es­ta­be­le­cer leis e de as fa­zer exe­cu­tar; di­rei­to que ela exer­ci­ta pe­los seus re- pre­sen­tan­tes, ou se­ja um ou mui­tos. Por­tan­to, a Jun­ta Pro­vi­si­o­nal, cha­ma­da a es­ta re­pre­sen­ta­ção por con­sen­ti­men­to e, nun­ca vis­to, aplau­so da Na­ção por­tu­gue­sa, a re­pre­sen­ta provisoriamente até que es­ta re­pre­sen­ta­ção se ve­ri­fi­que ple­na­men­te nas pró­xi­mas Cor­tes”.

As­sim triun­fa­va de­fi­ni­ti­va­men­te a von­ta­de re­vo­lu­ci­o­ná­ria de con­vo­car as Cor­tes por sua ini­ci­a­ti­va, à mar­gem da von­ta­de re­al.

A questão da for­ma de con­vo­ca­ção e da for­ma­ção das Cor­tes

Sa­na­das as di­ver­gên­ci­as en­tre Por­to e Lis­boa, vai ge­rar-se in­fla­ma­da con­tro­vér­sia, no seio da Jun­ta Pre­pa­ra­tó­ria

das Cor­tes, so­bre a for­ma co­mo de­vi­am ser con­vo­ca­das e for­ma­das as Cor­tes, às quais se­ria con­fi­a­da a mis­são de pre­pa­rar e apro­var a pro­me­ti­da Cons­ti­tui­ção pa­ra o país.

Sur­gem, en­tão, du­as cor­ren­tes pro­fun­da­men­te di­ver­gen­tes qu­an­to ao mo­do de se for­mar o mag­no Con­gres­so: (i) Cor­tes à ma­nei­ra tra­di­ci­o­nal por­tu­gue­sa, ins­ti­tuí­da na Ida­de Mé­dia e seguida até à última con­vo­ca­tó­ria em 1697, com­pos­tas pe­la re­pre­sen­ta­ção se­pa­ra­da dos três “es­ta­dos” do rei­no – cle­ro, no­bre­za e povo; ou (ii) Cor­tes à ma­nei­ra de ou­tros paí­ses cons­ti­tu­ci­o­nais da Eu­ro­pa (e dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca), atra­vés de elei­ções ge­rais ba­se­a­das no su­frá­gio in­di­vi­du­al e sem se­pa­ra­ção por clas­ses so­ci­ais, no­me­a­da­men­te se­guin­do os pre­cei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais da vi­zi­nha Es­pa­nha (Cons­ti­tui­ção de Cá­dis de 1812). No fi­nal, co­mo sa­be­mos, ha­ve­ria de ser es­ta última pro­pos­ta a sair ven­ce­do­ra da li­ça, mas a decisão não foi con­sen­su­al.

Pe­ran­te es­te di­le­ma de “de­ter­mi­nar o me­lhor e o mais pron­to mo­do de or­ga­ni­zar a re­pre­sen­ta­ção em Cor­tes”, ten­tan­do con­ci­li­ar a “fa­ci­li­da­de e eco­no­mia de con­vo­ca­ção com a le­gi­ti­mi­da­de que só po­de de­du­zir-se do con­sen­ti­men­to da na­ção e da con­ve­ni­en­te ex­pres­são da von­ta­de ge­ral”, a Jun­ta Pro­vi­si­o­nal Pre­pa­ra­tó­ria das Cor­tes de­ter­mi­nou con­sul­tar di­re­ta­men­te as “cor­po­ra­ções ci­en­tí­fi­cas” e os “ho­mens co­nhe­ci­dos pe­las su­as pro­fis­sões li­te­rá­ri­as”, mas aco­lhen­do tam­bém, “com to­da a cor­di­a­li­da­de, quais­quer tra­ba­lhos que lhe fo­rem di­ri­gi­dos pe­las pes­so­as a quem a sua mo­dés­tia im­pe­de de fi­gu­ra­rem com os­ten­ta­ção ci­en­tí­fi­ca”. Os tra­ba­lhos te­ri­am de ser co­mu­ni­ca­dos no pra­zo de 15 di­as à se­cre­ta­ria da di­ta Jun­ta. A de­ter­mi­na­ção so­bre es­ta iné­di­ta con­sul­ta pú­bli­ca, com da­ta do dia 6 de ou­tu­bro de 1820 e as­si­na­da pe­lo se­cre­tá­rio, Filipe Fer­rei­ra de Araú­jo e Cos­ta, foi pu­bli­ca­da nos jor­nais da épo­ca e man­da­da im­pri­mir em 300 pan­fle­tos avul­sos.

No dia 7 de ou­tu­bro, a Jun­ta Pre­pa­ra­tó­ria das Cor­tes no­ti­fi­cou des­ta de­ter­mi­na­ção, por carta par­ti­cu­lar, a Uni­ver­si­da­de de Coim­bra – na pes­soa de D. Fran­cis­co Le­mos de Fa­ria Pe­rei­ra Cou­ti­nho, bis­po de Coim­bra e rei­tor da Uni­ver­si­da­de – e a Aca­de­mia Re­al das Ci­ên­ci­as de Lis­boa. Em si­mul­tâ­neo, fo­ram en­vi­a­das cer­ca de 2200 cir­cu­la­res im­pres­sas a vá­ri­as pes­so­as “de re­pu­ta- da li­te­ra­tu­ra” e aos ti­tu­la­res, dig­ni­da­des, mi­nis­tros e em­pre­ga­dos em pos­tos emi­nen­tes. In­fe­liz­men­te, es­fu­ma­ram-se pra­ti­ca­men­te to­dos os pa­re­ce­res emi­ti­dos, mor­men­te os que se te­ri­am pro­nun­ci­a­do a fa­vor da con­vo­ca­ção das Cor­tes pe­los câ­no­nes tra­di­ci­o­nais, sal­vo o pa­re­cer de Jo­a­quim Jo­sé Fer­rei­ra Gor­do e o pa­re­cer ava­li­za­do pe­la Aca­de­mia Re­al das Ci­ên­ci­as de Lis­boa, so­bre o qu­al nos che­gou bre­ve no­ta le­ga­da pe­las Me­mó­ri­as do seu au­tor, Fran­cis­co Ma­nu­el Tri­go­so de Ara­gão Mo­ra­to.

O nún­cio da Aca­de­mia das Ci­ên­ci­as de Lis­boa de­fen­deu uma con­vo­ca­ção tra­di­ci­o­nal às Cor­tes, cha­man­do-se a elas as três “or­dens” ou “bra­ços” do rei­no, com a se­guin­te dis­tri­bui­ção: “o cle­ro se­ria re­pre­sen­ta­do por to­dos os bis­pos e pre­la­dos com ju­ris­di­ção or­di­ná­ria, em nu­me­ro de vin­te e três (23); a no­bre­za, pe­los pro­cu­ra­do­res es­co­lhi­dos por to­das as clas­ses de­la, em nu­me­ro de trin­ta (30); e a do povo pe­los pro­cu­ra­do­res de to­das as ci­da­des, vi­las e con­ce­lhos, es­co­lhi­dos pe­las câ­ma­ras, que de­pois na ca­be­ça de co­mar­ca no­me­a­ri­am, con­for­me a po­vo­a­ção das mes­mas co­mar­cas, um nú­me­ro cor­res­pon­den­te de re­pre­sen­tan­tes em Cor­tes que to­dos eles fi­zes­sem a so­ma de cen­to e cin­quen­ta (150); vin­do as Cor­tes a com­por- se de du­zen­tas (200) pes­so­as, as quais de­vi­am vo­tar por in­di­ví­du­os e não por clas­ses”.

No­te-se que, ape­sar da de­fe­sa das Cor­tes com re­pre­sen­ta­ção tri­par­ti­da, o au­tor ino­va em re­la­ção ao mo­de­lo tra­di­ci­o­nal, ao pro­por uma mai­o­ria pa­ra o cor­po do “povo” e o voto in­di­vi­du­al na as­sem­bleia (em vez do voto por cor­pos, co­mo era tra­di­ci­o­nal), no que se re­ve­la clara in­fluên­cia do cé­le­bre manifesto do Aba­de Si­eyés, “O que é o Ter­cei­ro Es­ta­do?”, de 1789, an­tes do iní­cio da Revolução Fran­ce­sa.

Os jor­nais li­be­rais de ou­tu­bro de 1820 pro­tes­ta­ram ime­di­a­ta e vi­go­ro­sa­men­te con­tra a for­ma tra­di­ci­o­nal de reu­nir as “ve­lhas” Cor­tes e de­fen­de­ram elei­ções li­vres e am­plas, ba­se­a­das no su­frá­gio e no man­da­to in­di­vi­du­al e isen­tas de quais­quer pri­vi­lé­gi­os de re­pre­sen­ta­ção pri­va­ti­va da no­bre­za e do cle­ro. Num no­ti­ciá­rio da­que­le tem­po po­dia ler-se que, “se os nos­sos pre­de­ces­so­res re­pu­ta­vam na­ção só o ajun­ta­men­to de qu­a­tro pa­dres, uns pou­cos de aba­des, ou­tros tan­tos fra­des, al­guns bis­pos e cer­to nú­me­ro de fi­dal­gos, não nos con­vém is­to ho­je, por­que qu­e­re­mos es­ta­dos na­ci­o­nais e não con­cí­li­os. Qu­e­re­mos cons­ti­tui­ção on­de apa­re­ça o voto do sa­pa­tei­ro a par do clé­ri­go, do ma­gis­tra­do, do ho­mem ri­co, do sá­bio e do ig­no­ran­te. Por­que to­dos es­tes são fi­lhos da na­ção, são ci­da­dãos”.

Nes­se en­ca­de­a­men­to, o Gé­nio Cons­ti­tu­ci­o­nal de 14 de ou­tu­bro de 1820 pro­pu­nha: “Se vai for­mar-se um Con­gres­so da Na­ção, é pre­ci­so que to­da a Na­ção se­ja con­vo­ca­da pa­ra ne­le se reu­nir vir­tu­al­men­te, is­to é, por meio de le­gí­ti­mos re­pre­sen­tan­tes, que se­jam da es­co­lha dos po­vos e elei­tos por to­dos os ci­da­dãos. Não sen­do as­sim, não ha­ve­rá re­pre­sen­ta­ção na­ci­o­nal. A po­pu­la­ção das ci­da­des, das vi­las e dos cam­pos de­ve for­mar uma mas­sa ge­ral. Ne­nhu­ma clas­se es­tá fo­ra da co­mu­ni­da­de dos seus con­ci­da­dãos. Ne­nhu­ma de­ve ter in­te­res­ses di­fe­ren­tes do co­mum da Na­ção. To­do o ci­da­dão por­tu­guês tem o mes­mo di­rei­to na elei­ção dos seus de­pu­ta­dos e só usan­do to­dos do seu di­rei­to se po­de­rá ob­ter a le­gi­ti­mi­da­de da re­pre­sen­ta­ção que se pro­cu­ra. Ao Go­ver­no per­ten­ce re­gu­lar as jun­tas elei­to­rais, mas os po­vos de­vem in­sis­tir em que nenhum ci­da­dão se­ja ex­cluí­do de­las ou, pa­ra nos ser­vir­mos da nos­sa lin­gua­gem pá­tria, que as elei­ções dos de­pu­ta­dos se­jam ti­ra­das por ca­pi­ta­ção. En­quan­to exis­tir aque­la an­ti­ga dis­tin­ção de clas­ses e de es­ta­dos, a Na­ção não se­rá le­gi­ti­ma­men­te re­pre­sen­ta­da nas Cor­tes”.

Tam­bém che­ga­ram até aos nos­sos di­as, ver­ti­dos pa­ra le­tra de im­pren­sa, al­guns dos pa­re­ce­res adep­tos de uma re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca as­sen­te em elei­ções ge­rais. A co­me­çar pe­lo adi­ta­men­to – com da­ta de 13 de ou­tu­bro – do Dr. Ma­nu­el Bor­ges Car­nei­ro ( que ti­nha si­do no­me­a­do pa­ra a 1.ª Co­mis­são Pre­pa­ra­tó­ria das Cor­tes, em por­ta­ria de 4 de se­tem­bro de 1820) ao seu “Por­tu­gal Re­ge­ne­ra­do”, que car­re­ga uma crí­ti­ca mor­daz con­tra a con­vo­ca­ção tra­di­ci­o­nal seguida em Por­tu­gal até ao ano de 1697. Se­gue-se o pa­re­cer – da­ta­do de 24 de ou­tu­bro – do punho de Jo­sé Te­o­tó­nio Ca­nu­to de For­jó, que se ba­te por “elei­ções com to­das aque­las for­ma­li­da­des que ju­di­ci­o­sa­men­te ado­tou a Cons­ti­tui­ção de Es­pa­nha”. Se­guin­do a mes­ma car­ti­lha, um pa­re­cer do dia se­guin­te – 25 de ou­tu­bro –, da la­vra de Fran­cis­co Jo­sé de Al­mei­da, de­fen­de uma “re­pre­sen­ta­ção de­co­ro­sa e le­gí­ti­ma em Cor­tes, Cor­tes à es­pa­nho­la, de que to­do o mun­do faz uma clara ideia, e não es­se car­co­mi­do e exan­gue es­que­le­to so­bre­car­re­ga­do de vai­do­sos ata­vi­os, que nem as­sim co­bre su­as pul­vi­ru­len­tas ruí­nas há tão lon­gos anos so­ter­ra­do”.

A reu­nião do dia 25 de ou­tu­bro do juiz do povo e Ca­sa dos Vin­te e Qu­a­tro de Lis­boa te­rá si­do decisiva, so­bre­tu­do, por­que con­tou com o apoio ime­di­a­to do exér­ci­to. Nes­sa ses­são fi­cou de­ci­di­do rei­vin­di­car que os mem­bros das Cor­tes fos­sem es­co­lhi­dos “in­dis­tin­ta­men­te da mas­sa ge­ral da na­ção, se­guin­do- se pa­ra se ob­ter es­te fim a mes­ma for­ma de­ter­mi­na­da na dig­na cons­ti­tui­ção es­pa­nho­la (...) de­ven­do ser des­pre­za­da to­da a ideia de uma con­vo­ca­ção de Cor­tes da ma­nei­ra an­ti­ga­men­te pra­ti­ca­da, do que só re­sul­ta­ria a inu­ti­li­da­de das hon­ro­sas fa­di­gas glo­ri­o­sa­men­te so­fri­das pa­ra se conseguir uma li­vre cons­ti­tui­ção, adap­ta­da às pu­ras idei­as do tem­po e às nos­sas ne­ces­si­da­des”.

A Jun­ta Pro­vi­si­o­nal Pre­pa­ra­tó­ria das Cor­tes aca­ba­ria por ade­rir a es­ta pro­pos­ta de re­a­li­zar elei­ções ge­rais e sem re­pre­sen­ta­ção de clas­ses, mas ainda ten­tou uma so­lu­ção elei­to­ral di­fe­ren­te da con­sa­gra­da na Cons­ti­tui­ção de Cá­dis, atra­vés das Ins­tru­ções elei­to­rais de 31 de ou­tu­bro de 1820. Con­tes­ta­das es­tas com o mo­vi­men­to da Mar­ti­nha­da (mo­vi­men­to mi­li­tar do dia de S. Mar­ti­nho, 11 de no­vem­bro), no dia 22 de no­vem­bro fo­ram pu­bli­ca­das as no­vas Ins- tru­ções elei­to­rais – que, na adaptação ao nos­so país, ti­ve­ram por ba­se o tex­to da re­fe­ri­da Cons­ti­tui­ção es­pa­nho­la de 1812 – pa­ra ser­vi­rem de su­por­te le­gal às elei­ções que se vi­ri­am a re­a­li­zar pa­ci­fi­ca­men­te en­tre os di­as 10 e 30 de de­zem­bro de 1820.

No en­tan­to, ainda não foi des­ta vez que se ca­la­ram as vo­zes de­fen­so­ras das Cor­tes por­tu­gue­sas tra­di­ci­o­nais, co­mo se de­duz de um tex­to da épo­ca:

“A no­bre­za do rei­no e os pre­la­dos, quan­do ju­ra­ram obe­di­ên­cia ao no­vo Go­ver­no, foi nos ter­mos do mes­mo ju­ra­men­to, de­ven­do ele con­vo­car as Cor­tes pa­ra or­ga­ni­za­rem a Cons­ti­tui­ção por­tu­gue­sa. Ora, por Cor­tes en­ten­de-se a as­sem­bleia dos três es­ta­dos, nem po­dia al­guém en­ten­der ou­tra coisa, por­que nun­ca hou­ve ou­tras Cor­tes em Por­tu­gal. Por­que mo­ti­vo ou com que di­rei­to hão de ago­ra os dois pri­mei­ros es­ta­dos ser ex­cluí­dos? O Ter­cei­ro Es­ta­do, só por si, não é as nos­sas Cor­tes, que se pro­me­te­ram à na­ção. Chamem-lhe Di­re­tó­rio, As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te ou o que qui­se­rem, mas nun­ca as nos­sas Cor­tes. Se a Jun­ta Pre­pa­ra­tó­ria as­sen­tou de fa­zer ou­tro ar­ran­jo, El-rei po­de não que­rer re­co­nhe­cê-lo. O cle­ro e a no­bre­za não ju­ra­ram de es­tar por ele, nem re­sig­na­ram à par­te que lhes per­ten­ce ter na for­ma­ção da Cons­ti­tui­ção e nas dis­po­si­ções na­ci­o­nais e, por­tan­to, o seu ju­ra­men­to não os po­de obri­gar em cons­ci­ên­cia, fal­tan­do o Go­ver­no às con­di­ções”.

A pas­sa­gem da con­vo­ca­tó­ria tra­di­ci­o­nal das Cor­tes, com man­da­to por cor­pos, pa­ra as elei­ções ge­rais, com man­da­to in­di­vi­du­al dos de­pu­ta­dos, es­ta­va in­ti­ma­men­te re­la­ci­o­na­da com a ti­tu­la­ri­da­de do po­der de so­be­ra­nia e a con­se­quen­te le­gi­ti­mi­da­de do ór­gão re­pre­sen­ta­ti­vo da co­mu­ni­da­de po­lí­ti­ca e com a no­ção de re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca. As cor­tes tra­di­ci­o­nais eram in­com­pa­tí­veis com três prin­cí­pi­os bá­si­cos que triun­fa­ram no pen­sa­men­to po­lí­ti­co vin­tis­ta: a so­be­ra­nia na­ci­o­nal, a uni­da­de da re­pre­sen­ta­ção na­ci­o­nal e a igual­da­de po­lí­ti­ca dos ci­da­dãos, in­de­pen­den­te­men­te do nascimento e da clas­se so­ci­al.

A trans­mis­são po­pu­lar do po­der po­lí­ti­co é um ide­al mui­to an­ti­go, que te­rá si­do escrito, pe­la pri­mei­ra vez, por Ma­ne­gold de Lau­ten­ba­ch ( Sécs. XI-XII). Em Por­tu­gal, as Cor­tes ti­nham si­do o pal­co de trans­mis­são do po­der po­lí­ti­co pa­ra o rei em La­me­go ( c. 1143), em Coim­bra (1385) e em Lis­boa (1641), por is­so a sua le­gi­ti­mi­da­de não po­dia de­pen­der es­tri­ta­men­te da con­vo­ca­ção fei­ta pe­lo rei. Mas as Cor­tes – que ti­nham dei­xa­do de se reu­nir no fi­nal do sé­cu­lo XVII – só em tem­pos de crise e va­cân­cia do tro­no as­su­mi­am a ti­tu­la­ri­da­de da so­be­ra­nia po­pu­lar, que era de­le­ga­da no mo­nar­ca.

A se­pa­ra­ção do po­der le­gis­la­ti­vo do po­der exe­cu­ti­vo ( tão ca­ra a John Loc­ke), com o pri­mei­ro con­fi­a­do a uma as­sem­bleia re­pre­sen­ta­ti­va, e o re­pú­dio da te­se do po­der di­vi­no e ab­so­lu­to do rei le­va­ram os re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os de 1820 a co­lo­car o exer­cí­cio do po­der de so­be­ra­nia nas mãos dos de­pu­ta­dos elei­tos. A Cons­ti­tui­ção de 1822 vi­ria a con­sig­nar es­te prin­cí­pio es­tru­tu­ran­te do no­vo sis­te­ma re­pre­sen­ta­ti­vo da li­vre es­co­lha do povo: “A so­be­ra­nia reside es­sen­ci­al­men­te em a Na­ção. Não po­de, po­rém, ser exer­ci­ta­da se­não pe­los seus re­pre­sen­tan­tes le­gal­men­te elei­tos” (art. 26.º). Es­ta é a pe­dra de to­que, o le­ga­do icó­ni­co ao cons­ti­tu­ci­o­na­lis­mo ho­di­er­no por­tu­guês, que aca­bou por cus­tar mui­to ca­ra ao vin­tis­mo. Após a ten­ta­ti­va fra­cas­sa­da da Carta de Lei Fun­da­men­tal de 1823, a Carta Cons­ti­tu­ci­o­nal de 1826 vai al­te­rar pro­fun­da­men­te es­te prin­cí­pio, so­bre­tu­do atra­vés do exer­cí­cio do po­der cons­ti­tuin­te pe­lo próprio rei e do sis­te­ma do bi­ca­ma­ra­lis­mo – que, ao la­do da câ­ma­ra bai­xa ou dos De­pu­ta­dos, cria uma câ­ma­ra al­ta ou dos Pa­res, com­pos­ta por re­pre­sen­tan­tes do cle­ro e da no­bre­za – e do “po­der mo­de­ra­dor” pri­va­ti­vo do rei.

Foi no dia 25 de março de 1882 que en­trou em fun­ci­o­na­men­to, na ver­de e lu­xu­ri­an­te ele­va­ção que abri­ga um dos mais em­ble­má­ti­cos san­tuá­ri­os por­tu­gue­ses – o do Bom Je­sus do Mon­te, em Bra­ga -, aque­le que é ho­je o mais an­ti­go ele­va­dor do seu gé­ne­ro na Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca. Uma imen­sa mul­ti­dão acom­pa­nhou a inau­gu­ra­ção des­te fu­ni­cu­lar, nar­ran­do a im­pren­sa da épo­ca a “ale­gria in­di­zí­vel (…) de mi­lha­res de es­pec­ta­do­res” e o am­bi­en­te de fes­ta, com “três ban­das de música, to­can­do to­das ao mes­mo tem­po, re­pi­ques de si­nos e re­pe­ti­das gi­rân­do­las de fo­gue­tes”. E es­ta mo­le hu­ma­na não era cons­ti­tuí­da ape­nas por gen­te da re­gião. Com efei­to, pa­ra tor­nar pos­sí­vel a des­lo­ca­ção ao lo­cal dos mui­tos in­te­res­sa­dos, a “Di­rec­ção dos Ca­mi­nhos de Fer­ro do Mi­nho e Dou­ro re­sol­veu es­ta­be­le­cer pa­ra ali com­boi­os ex­tra­or­di­ná­ri­os com bi­lhe­tes de ida e vol­ta a pre­ços re­du­zi­dos”. Não era ca­so pa­ra me­nos. A cu­ri­o­si­da­de era imen­sa e ge­ne­ra­li­za­da. To­dos qu­e­ri­am cons­ta­tar co­mo se­ria pos­sí­vel, em ape­nas dois mi­nu­tos, cum­prir aque­le ín­gre­me per­cur­so, ou se­ja, ven­cer um des­ní­vel de 116 me­tros num pla­no inclinado de so­men­te 267 me­tros.

A ex­pec­ta­ti­va que ro­de­a­ra a cons­tru­ção des­te equipamento ali­men­ta­ra, de res­to, a cu­ri­o­si­da­de na­ci­o­nal du­ran­te os me­ses an­te­ri­o­res, de­la po­den­do ser en­con­tra­dos mui­tos e re­pe­ti­dos ecos na im­pren­sa da épo­ca. Is­to por­que, se por um la­do se tra­ta­va “de um me­lho­ra­men­to dos mais no­tá­veis que se têm re­a­li­za­do nes­te país” (“O Comércio do Por­to”, 3 de março de 1882, p. 1), por ou­tro la­do, do es­tran­gei­ro vi­nham che­gan­do no­tí­ci­as pre­o­cu­pan­tes, dan­do con­ta de graves de­sas­tres ocor­ri­dos com má­qui­nas des­te ti­po. A questão da se­gu­ran­ça le­va­ra, aliás, o mi­nis­tro das Obras Pú­bli­cas a no­me­ar uma co­mis­são “que há-de exa­mi­nar o ca­mi­nho de fer­ro au­to­mo­tor do Bom Je­sus do Mon­te a fim de re­co­nhe­cer se es­tá em cir­cuns­tân­cia de ser aber­to à cir­cu­la­ção pú­bli­ca” (“O Comércio do Por­to”, 18 de março de 1882, p. 1). E, ape­sar de ter com­pro­va­do a se­gu­ran­ça e qua­li­da­de de to­do o sis­te­ma, a ver­da­de é que es­ta co­mis­são, com­pos­ta por al­guns dos mais des­ta­ca­dos en­ge­nhei­ros res­pon­sá­veis pe­la cons­tru­ção do ca­mi­nho-de-fer­ro em Por­tu­gal, exi­giu uma última e ca­bal pro­va: que o ca­bo que pu­xa­va o ele­va­dor fos­se cor­ta­do em ple­no an­da­men­to, por for­ma a tes­tar o tra­vão au­to­má­ti­co. E foi pa­ra pro­var a se­gu­ran­ça do me­ca-

nis­mo que, con­vic­to da efi­cá­cia do sis­te­ma, se sa­li­en­ta­ria um dos prin­ci­pais en­ge­nhei­ros en­vol­vi­dos na cons­tru­ção da linha: Ra­oul Mes­ni­er. Ten­do-se ofe­re­ci­do co­mo vo­lun­tá­rio, fez so­zi­nho es­sa vi­a­gem ex­pe­ri­men­tal e con­clu­den­te, du­ran­te a qu­al (e ci­te­mos o re­la­tó­rio da re­fe­ri­da Co­mis­são) “de um só gol­pe foi cor­ta­da a cor­da do guin­cho e o car­ro en­tre­gue à ac­ção da gra­vi­da­de. Ime­di­a­ta­men­te des­ceu o tra­vão au­to­má­ti­co e o car­ro, a me­nos de um me­tro de dis­tân­cia, pa­rou de re­pen­te”. Es­ta­vam, as­sim, pro­va­das a exe­qui­bi­li­da­de do pro­je­to e a se­gu­ran­ça do ele­va­dor, bem co­mo os do­tes cons­tru­ti­vos do en­ge­nhei­ro por­tu­en­se, que, uti­li­zan­do o sis­te­ma e os veí­cu­los do suíço Rig­gen­ba­ch e as­so­ci­an­do-se a um ou­tro en­ge­nhei­ro por­tu- guês, An­tó­nio Kopc­ke de Car­va­lho, cons­truía ali o pri­mei­ro dos seus mui­tos ele­va­do­res. O fu­ni­cu­lar do Bom Je­sus, cons­ti­tuí­do por du­as car­ru­a­gens que, qua­se 140 anos de­pois, con­ti­nu­am a su­bir e des­cer em si­mul­tâ­neo, mas al­ter­na­da­men­te, os car­ris de fer­ro co­lo­ca­dos ao lon­go do per­cur­so, foi na épo­ca ver­da­dei­ra­men­te re­vo­lu­ci­o­ná­rio. E, num tem­po em que a ener­gia a vapor era o si­nal do pro­gres­so, ele apre­sen­ta­va tam­bém uma no­tá­vel e pi­o­nei­ra ino­va­ção: fun­ci­o­na­va com ba­se nu­ma ener­gia eco­lo­gi­ca­men­te “lim­pa”… água! É, com efei­to, o pe­so da água co­lo­ca­da na car­ru­a­gem des­cen­den­te que per­mi­te a des­lo­ca­ção dos veí­cu­los. Em­bo­ra à par­ti­da se­jam de­po­si­ta­dos 500 li­tros no de­pó­si­to da car­ru­a­gem, a ca­pa­ci­da­de po­de as­cen­der aos 3.500 li­tros. A quan­ti­da­de de água ne­ces­sá­ria va­ria de­pen­den­do do nú­me­ro de pas­sa­gei­ros que ocu­pem a car­ru­a­gem as­cen­den­te, sen­do co­lo­ca­dos mais 500 li­tros por ca­da gru­po de cinco pes­so­as. O nú­me­ro de pas­sa­gei­ros as­cen­den­tes era trans­mi­ti­do ao ex­tre­mo opos­to por to­ques num si­no, en­tre­tan­to subs­ti­tuí­do por to­ques de cam­pai­nha. O ve­lho si­no, no en­tan­to, per­ma­ne­ce no lo­cal, co­mo al­ter­na­ti­va a uma pos­sí­vel fa­lha elé­tri­ca. É que a água, es­sa, nun­ca fa­lha, e, por is­so, o ele­va­dor tam­bém nun­ca pa­ra. O su­ces­so do fu­ni­cu­lar do Bom Je­sus de Bra­ga aca­bou por lan­çar Ra­oul Mes­ni­er nu­ma fa­bu­lo­sa e in­ten­sa car­rei­ra, ao lon­go da qu­al vi­ria a ide­a­li­zar e a cons­truir um nú­me­ro im­pres­si­o­nan­te de fu­ni­cu­la­res, ele­va­do­res e ou­tras es­tru­tu­ras me­câ­ni­cas de trans-

por­te, em Por­tu­gal, na ilha da Ma­dei­ra, na ilha de S. To­mé, na Gui­né e em Mo­çam­bi­que, on­de aca­bou por fa­le­cer em 1914. Mes­ni­er, o “Se­nhor Ele­va­dor”, foi o au­tor de ver­da­dei­ras re­lí­qui­as da nos­sa ar­que­o­lo­gia in­dus­tri­al que per­ma­ne­cem, até ho­je, em fun­ci­o­na­men­to. As­sim, e além do seu en­vol­vi­men­to na pro­du­ção do ele­va­dor do Bom Je­sus de Bra­ga, foi tam­bém o res­pon­sá­vel pe­la con­ce­ção do as­cen­sor do La­vra, em Lis­boa, que en­trou em ser­vi­ço em 1884; do ele­va­dor da Gló­ria, em Lis­boa, que co­me­çou a fun­ci­o­nar em 1885; e o ele­va­dor da Bi­ca, ainda em Lis­boa, que en­trou ao ser­vi­ço em 1892 e que, à se­me­lhan­ça dos dois an­te­ri­o­res, foi clas­si­fi­ca­do co­mo Mo­nu­men­to Na­ci­o­nal em 2002. Ainda na ca­pi­tal er­gue-se tam­bém aque­le que é um dos seus mais fa­mo­sos ele­va­do­res: o de San­ta Jus­ta, de­sig­na­do por ve­zes co­mo “do Carmo”. Inau­gu­ra­do em julho de 1902, es­ta obra mo­nu­men­tal, pa­ra lá da sua im­por­tân­cia no cam­po da en­ge­nha­ria, des­ta­ca-se pe­lo seu es­ti­lo ar­tís­ti­co ne­o­gó­ti­co. Ou­tro dos mais fa­mo­sos ele­va­do­res por­tu­gue­ses, igual­men­te da au­to­ria de Ra­oul Mes­ni­er de Pon­sard, é o do Sí­tio, na Na­za­ré. Ten­do co­me­ça­do a fun­ci­o­nar em julho de 1889, pos­sui, tal co­mo o de Bra­ga, uma in­cli­na­ção máxima de 42%. Mes­mo as­sim abai­xo dos 47% de in­cli­na­ção que pos­suía o fu­ni­cu­lar dos Guin­dais no Por­to. Inau­gu­ra­do em 4 de junho de 1891 te­ve, no en­tan­to, vi­da cur­ta, uma vez que dei­xou de fun­ci­o­nar na sequên­cia de um gra­ve aci­den­te (sem ví­ti­mas mor­tais) que ocor­reu dois anos de­pois, a 5 de junho de 1893, quan­do se re­gis­tou a ru­tu­ra de um ca­bo, fa­zen­do pre­ci­pi­tar a car­ru­a­gem ao lon­go da es­car­pa, aca­ban­do aque­la por em­ba­ter no pi­lar gra­ní­ti­co da ponte Luis I. O ac­tu­al fu­ni­cu­lar dos Guin­dais, inau­gu­ra­do em 2004, con­ti­nua, con­tu­do, a uti­li­zar o an­ti­go lei­to do per­cur­so ide­a­li­za­do por Mes­ni­er. Além do fu­ni­cu­lar dos Guin­dais à Ba­ta­lha, ou­tros ele­va­do­res con­ce­bi­dos pe­lo en­ge­nhei­ro por­tu­en­se, mas des­ta fei­ta em Lis­boa, dei­xa­ram tam­bém de fun­ci­o­nar, por cir­cuns­tân­ci­as di­ver­sas, no iní­cio do sé­cu­lo XX: o da Es­tre­la, co­nhe­ci­do po­pu­lar­men­te por “ma­chim­bom­bo”, que fun­ci­o­nou en­tre 1890 e 1913; o ele­va­dor da Gra­ça, inau­gu­ra­do em 1893 e de­sa­ti­va­do em 1904; e o de S. Se­bas­tião da Pe­drei­ra, que es­te­ve ati­vo en­tre 1889 e 1901.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.