Pa­tri­mó­nio vas­tís­si­mo es­pa­lha­do por 80 sí­ti­os

JN História - - Museus À Lupa -

e mer­gu­lhar no pas­sa­do mu­da a ideia que te­mos de au­ro­ques, ca­va­los, ca­bras e ve­a­dos. São os ani­mais mais re­pre­sen­ta­dos, não por se­rem a ba­se da ali­men­ta­ção de ho­mens que os ca­ça­ram e de­se­nha­ram (ves­tí­gi­os mos­tram que es­se par­ti­cu­lar se­ria as­se­gu­ra­do por bi­chos de pequeno por­te), mas pe­lo que re­pre­sen­ta­vam (por exem­plo, gru­pos hu­ma­nos cu­ja me­di­a­ção de con­fli­tos es­tá ex­pres­sa nas gra­vu­ras). O ma­nan­ci­al é ex­tra­or­di­ná­rio (cer­ca de 1200 ro­chas gra­va­das, em mais de 80 sí­ti­os, con­ten­do cer­ca de dez mil mo­ti­vos in­di­vi­du­ais, o que se ex­pli­ca pe­la so­bre­po­si­ção de fi­gu­ras) e sur­pre­en­den­te, pe­la lim­pi­dez do tra­ço, pe­la per­fei­ção que fal­ta em épo­cas pos­te­ri­o­res. Daí que não ha­ja ou­tra for­ma de fa­zer a vi­si­ta além da que é su­jei­ta a mar­ca­ção, não só pe­la pre­ser­va­ção do pa­tri­mó­nio, mas por­que o que ali há de es­pan­to im­pli­ca que o olho des­trei­na­do se­ja ori­en­ta­do pe­lo olho es­pe­ci­a­li­za­do que a tu­do dá sen­ti­do.

Se o atu­al Dia da Ár­vo­re e da Flo­res­ta en­fa­ti­za as cres­cen­tes ame­a­ças e de­se­qui­lí­bri­os eco­ló­gi­cos pla­ne­tá­ri­os, os seus an­te­ce­den­tes con­vo­cam a di­a­lé­ti­ca en­tre Ra­zão e Re­li­gião que a Revolução Fran­ce­sa ex­po­nen­ci­ou.

De fac­to, a ani­mo­si­da­de fi­lo­só­fi­ca do Ser Su­pre­mo ver­sus Deus cris­tão mar­cou os di­ta­mes da no­va ri­tu­a­li­da­de cí­vi­ca inau­gu­ra­da pe­los ra­di­cais fran­ce­ses saí­dos de 1789, mais tar­de re­a­fir­ma­da na revolução de 1848: o cul­to da Ár­vo­re pas­sa­ria a ocu­par o no­vo ideá­rio ne­o­pa­gão, sím­bo­lo de re­no­va­ção per­ma­nen­te e cí­cli­ca do ser e do de­vir: a plan­ta­ção das “ár­vo­res da li­ber­da­de”, re­ves­ti­das de la­ços e fi­tas tri­co­lo­res, con­ju­ga-se com o ri­tu­al da no­va con­fis­são re­cen­tra­da na Igual­da­de, Li­ber­da­de e Fra­ter­ni­da­de. O mi­to re­no­va­do do “ho­mem no­vo” equa­ci­o­na-se aqui nes­ta pro­pos­ta de “fes­ta re­vo­lu­ci­o­ná­ria”.

Sem surpresa, es­ta ima­go­mun­di irá ser aco­lhi­da pe­lo ideá­rio ma­çó­ni­co e re­pu­bli­ca­no, vi­san­do a subs­ti­tui­ção dos va­lo­res e da éti­ca do cris­ti­a­nis­mo por um qua­dro axi­o­ló­gi­co lai­co e pro­fa­no. Em Por­tu­gal, es­ta ce­le­bra­ção su­ce­dâ­nea da Ár­vo­re e do que ela re­pre­sen­ta in­se­re- se, as­sim, na lógica de uma no­va li­tur­gia que, da or­dem bur­gue­sa e ilus­tra­da, pre­ten­deu pas­sar pau­la­ti­na­men­te ao mun­do ru­ral, a par­tir de 1913, quan­do a ce­le­bra­ção é as­su­mi­da pe­lo pe­rió­di­co “O Sé­cu­lo Agrí­co­la” e pas­sa a de­sig­nar-se Fes­ta Na­ci­o­nal da Ár­vo­re.

Es­ta festividade profana, in­se­ri­da no qua­dro das Fes­tas de Pri­ma­ve­ra, pre­ten­dia des­te mo­do sobrepor-se às celebrações da Pás­coa e da Res­sur­rei­ção de Cris­to, ei­xo essencial da fé de mi­lhões de por­tu­gue­ses. A fren­te an­ti­cle­ri­cal ja­co­bi­na e re­pu­bli­ca­na ins­ti­tuía mais um su­ce­dâ­neo, um pre­tex­to, na con­ta-cor­ren­te de opo­si­ção aos atos ri­tu­a­lis­tas ca­tó­li­cos e ao adversário cle­ri­cal. Daí a pre­sen­ça cons­tan­te dos cen­tros re­pu­bli­ca­nos na or­ga­ni­za­ção do even­to, ali­a­dos a en­ti­da­des co­mo o Pa­tro­na­to da In­fân­cia, o Vin­tém das Es­co­las, a Ca­sa Pia, o Re­gis­to Ci­vil ou a Voz do Ope­rá­rio, ala­van­cas de mo­bi­li­za­ção so­ci­al nes­ta con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca.

O ano de 1907 as­sis­ti­ria ao pri­mei­ro even­to da Fes­ta da Ár­vo­re, pa­tro­ci­na­do pe­los men­to­res re­pu­bli­ca­nos as­so­cia- dos em tor­no da Li­ga Na­ci­o­nal de Ins­tru­ção, fun­da­da por dois mem­bros da Ma­ço­na­ria: o es­cri­tor Trin­da­de Co­e­lho e Ma­nu­el Bor­ges Grai­nha, um ex-estudante je­suí­ta. No Sei­xal, a 26 de maio, cer­ca de 200 cri­an­ças da es­co­la e a po­pu­la­ção lo­cal fo­ram con­vo­ca­dos pa­ra plan­tar du­as ár­vo­res na pra­ça da vi­la, ao som de fi­lar­mó­ni­cas e hi­nos can­ta­dos pe­las vo­zes in­fan­tis.

Após a revolução do 5 de Ou­tu­bro de 1910, a efe­mé­ri­de pas­sou a in­te­grar o ca­len­dá­rio re­pu­bli­ca­no, com des­ta­que pa­ra a pre­sen­ça de Ber­nar­di­no Ma­cha­do, que as­sim ins­ti­tu­ci­o­na­li­zou e tu­te­lou um ato mai­or da edu­ca­ção po­pu­lar e das cri­an­ças em ida­de es­co­lar por to­do o país, oriun­das de es­co­las ofi­ci­ais e par­ti­cu­la­res: em 1913, o jor­nal “A Ca­pi­tal” no­ti­ci­a­va que “10 mil cri­an­ças en­che­ram o Co­li­seu dos Re­crei­os e sau­da­ram en­tu­si­as­ti­ca­men­te o sr. Presidente da Re­pú­bli­ca, an­tes de uma de­mons­tra­ção de gi­nás­ti­ca su­e­ca por alu­nos de uma es­co­la pri­má­ria”.

Es­ta exal­ta­ção, de fer­vor as­si­na­lá­vel, foi es­mo­re­cen­do com a en­tra­da de Por­tu­gal na Gran­de Guer­ra e o con­su­la­do de Si­dó­nio Pais. Ma­lo­gra­da a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia re­pu­bli­ca­na, com a Di­ta­du­ra Mi­li­tar e o Es­ta­do No­vo es­tes fes­te­jos fo­ram to­tal­men­te ar­re­da­dos da agen­da po­lí­ti­co-edu­ca­ti­va: em bre­ve vi­ria a emer­gir um no­vo cul­to, sob a for­ma de um ho­mem-pro­vi­dên­cia, re­ne­gan­do a “re­li­gião da ár­vo­re” e os seus símbolos ina­cei­tá­veis pa­ra os có­di­gos do ca­to­li­cis­mo por­tu­guês.

Ana Cas­tro Osó­rio - a pre­cur­so­ra ig­no­ra­da

Ge­ne­ri­ca­men­te as­so­ci­a­do aos ri­tos da Pri­ma­ve­ra, na sua as­sun­ção re­ge­ne­ra­ti­va da Na­tu­re­za e de to­dos os se­res vi­vos, a ra­zão de ser da Fes­ta da Ár­vo­re e do seu cul­to foi su­ge­ri­da em pri­mei­ra mão, en­tre nós, por uma voz fe­mi­ni­na: Ana de Cas­tro Osó­rio. Foi es­ta pe­da­go­ga e ati­vis­ta re­pu­bli­ca­na quem, em 30 de ja­nei­ro de 1906, no diá­rio re­pu­bli­ca­no “A Van­guar­da”, ou­sou pro­por às po­vo­a­ções e aos mu­ni­cí­pi­os na­ci­o­nais um in­ven­tá­rio dos “mais for­mo­sos exem­pla­res da sua flo­ra”, pro­je­to de pa­tri­mó­nio fu­tu­ro isen­to de vi­o­lên­cia dos in­cau­tos. Porquê es­te so­bres­sal­to eco­ló­gi­co e cí­vi­co, tão atu­al nos di­as que cor­rem? Nu­ma “Carta aos jor­na­lis­tas”, a fe­mi­nis­ta e edu­ca­do­ra fa­zia eco do seu re­pú­dio por “um cri­me que se

ha­via per­pe­tra­do em Se­tú­bal com o aba­te sem dó nem pi­e­da­de de ár­vo­res se­cu­la­res” – fai­as, ol­mei­ros e ou­tras – den­tro da ur­be sa­di­na.

Lem­bra­va o manifesto de Ana Cas­tro Osó­rio os exem­plos de paí­ses eu­ro­peus, e não só, de­vo­ta­dos ao “cul­to da ár­vo­re” e às cam­pa­nhas de ar­bo­ri­za­ção. Ins­ta­va, pois, que “as mu­ni­ci­pa­li­da­des por­tu­gue­sas, os es­pí­ri­tos cul­tos e to­das as in­te­li­gên­ci­as se abris­sem à com­pre­en­são do que se­ja a ma­nei­ra de edu­car um povo”. De que mo­do? Pe­la “pro­mo­ção de fes­tas es­co­la­res com plan­ti­os de ár­vo­res, a car­go das cri­an­ças”, acom­pa­nha­das pe­los pro­fes­so­res, que as­sim se ha­bi­tu­a­ri­am a res­pei­tar e amar o mun­do ve­ge­tal e tu­do qu­an­to re­pre­sen­ta pa­ra os ci­clos da vi­da. Ins­ta­va, por is­so, “a cri­a­ção ur­gen­te da Li­ga da Ár­vo­re ou da Pai­sa­gem”.

Nes­te apelo iné­di­to con­de­na­va-se a de­so­la­ção dos cam­pos a sul, “o hor­ror à ár­vo­re, he­ran­ça bar­ba­res­ca do san­gue mou­ro”, a ári­da nu­dez dos ar­re­do­res de Lis­boa…” E avi­sa­va Ana Osó­rio: “É que não há as­sun­tos pequenos quan­do se li­gam à edu­ca­ção de um povo”. Fi­ca­va, des­te mo­do, la­vra­da em ata pa­ra o fu­tu­ro a van­guar­dis­ta ideia da pe­da­go­ga, que so­li­ci­ta­va o apoio da im­pren­sa, por for­ma a ser fu­tu­ra­men­te “in­tro­du­zi­da nos há­bi­tos e na edu­ca­ção do povo”.

O mo­te da ação des­ta mi­li­tan­te eco­fe­mi­nis­ta iria, aliás, ter con­ti­nui­da­de nou­tra pe­da­go­ga de re­le­vo do re­pu­bli­ca­nis­mo por­tu­guês: Ma­ria Ve­le­da, fi­gu­ra gra­da da eman­ci­pa­ção da mu­lher, que, des­de 15 de maio de 1909, exa­ta­men­te na jun­ta de pa­ró­quia de Car­na­xi­de, expôs em eru­di­ta pa­les­tra os fun­da­men­tos sim­bó­li­cos das “Fes­tas da Pri­ma­ve­ra”, co­mo ava­ta­res do pa­ga­nis­mo, apre­sen­tan­do subs­tan­ci­ais pis­tas de te­or mítico e an­tro­po­ló­gi­co. O seu pro­gra­ma cha­ma­va a aten­ção pa­ra a im­por­tân­cia das jun­tas de pa­ró­quia co­mo “agen­tes cons­ci­en­tes do Bem e da Fe­li­ci­da­de no con­tex­to da so­li­da­ri­e­da­de in­fan­til”.

FESTIVIDADE PROFANA, NO QUA­DRO DAS FES­TAS DE PRI­MA­VE­RA, PRE­TEN­DIA SOBREPOR-SE ÀS CELEBRAÇÕES DA PÁS­COA E DA RES­SUR­REI­ÇÃO DE CRIS­TO

Do pi­o­nei­ro Sei­xal pa­ra to­do o país

Se aten­tar­mos no for­ma­lis­mo ri­tu­a­lís­ti­co da Fes­ta da Ár­vo­re, nas su­as com­po­nen­tes e na sua di­men­são es­pa­ci­al, so­mos ten­ta­dos a re­ver ne­la os cli­chês da tra­di­ci­o­nal pro­cis­são ca­tó­li­ca, dos seus múl­ti­plos ora­gos por to­do o ter­ri­tó­rio. As lar­gas de­ze­nas de ima­gens que en­chem as pá­gi­nas da “Ilus­tra­ção Por­tu­gue­sa”, re­vis­ta de re­fe­rên­cia do lai­cis­mo re­pu­bli­ca­no des­de 1903, com a chan­ce­la do jor­nal “O Sé­cu­lo”, com­pro­vam a di­men­são na­ci­o­nal do cul­to ar­bó­reo e o en­vol­vi­men­to mas­si­vo das po­pu­la­ções lo­cais, além da co­mu­ni­da­de es­co­lar. A ge­o­gra­fia no­ti­ci­o­sa, re­ve­la­da pe­las câ­ma­ras fo­to­grá­fi­cas da re­vis­ta, em que pon­ti­fi­ca­va o res­pei­ta­do Joshua Be­no­li­el – o fo­tó­gra­fo do 13 de Ou­tu­bro de 1917, em Fá­ti­ma –, tes­te­mu­nha um país en­vol­vi­do na fes­ta, do li­to­ral ao in­te­ri­or, com ên­fa­se pa­ra os anos de 1913 e 1914, por for­ça do seu no­vo “co­mis­sá­rio” pro­mo­tor – “O Sé­cu­lo Agrí­co­la”. Cons­ti­tu­em es­tes três tí­tu­los do mes­mo gru­po edi­to­ri­al re­pu­bli­ca­no os agen­tes di­nâ­mi­cos da pro­mo­ção do cul­to no es­pa­ço público.

O guião das celebrações pre­via um cor­te­jo cí­vi­co – ré­pli­ca da pro­cis­são ca­tó­li­co-po­pu­lar –, in­cor­po­ran­do-se ne­le as fi­gu­ras gra­das lo­cais, com des­ta­que pa­ra fi­li­a­dos das lo­jas ma­çó­ni­cas lo­cais. Se­guia-se a en­to­a­ção do hi­no na­ci­o­nal e de ou­tras can­ções pa­trió­ti­cas, an­tes do mo­men­to épi­co, a aguar­da­da plan­ta­ção de ár­vo­res, re­ci­ta­ções de po­e­mas pe­los alu­nos e um dis­cur­so de exal­ta­ção dos va­lo­res da Re­pú­bli­ca, an­te­ce­den­do um ha­bi­tu­al lan­che, que re­for­ça­va a so­li­da­ri­e­da­de gru­pal da co­mu­ni­da­de.

Na ge­ne­ra­li­da­de das ce­ri­mó­ni­as, pe­lo país fo­ra, o ri­tu­al ti­nha poucas va­ri­an­tes: pro­fes­so­res, alu­nos, au­to­ri­da­des lo­cais ou con­vi­da­dos. O cor­te­jo, exal­tan­do as emo­ções, com­pa­gi­na­va-se com o dis­cur­so dos or­ga­ni­za­do­res, que ape­la­vam pa­ra a pro­te­ção das ár­vo­res e o fim do van­da­lis­mo flo­res­tal con­de­na­do por Ana Cas­tro Osó­rio em 1906. Em ge­ral, eram os mu­ni­cí­pi­os que in­di­ca­vam às au­to­ri­da­des es­co­la­res os lo­cais pa­ra im­plan­ta­ção das ár­vo­res. Por exem­plo, em 1908, no Por­to, o mé­di­co Ti­to Fon­tes, do Par­ti­do Re­ge­ne­ra­dor, mem­bro da edi­li­da­de, des­ta­cou-se pe­lo seu es­pe­ci­al empenho na ar­bo­ri­za­ção de vá­ri­as ar­té­ri­as da cidade – além da pro­te­ção dos ani­mais – es­co- lhen­do a Rua de Ser­pa Pin­to pa­ra ce­ná­rio da fes­ta des­se ano. Sem­pre aten­to à con­di­ção das es­pé­ci­es ar­bó­re­as em­pre­en­deu o aba­te dos chou­pos po­dres da Ala­me­da de Mas­sa­re­los subs­ti­tuin­do-os por ou­tros de som­bra mais ge­ne­ro­sa, co­mo in­for­ma­va o jor­nal por­tu­en­se e re­pu­bli­ca­no “A Voz Pú­bli­ca”.

Ape­sar de or­ga­ni­za­da pe­las es­co­las pri­má­ri­as, a Fes­ta da Ár­vo­re ex­tra­va­sa­va o âm­bi­to es­tri­ta­men­te es­co­lar bá­si­co, tor­nan­do-se em es­pe­tá­cu­lo cí­vi­co no es­pa­ço público. A música e as can­ções acres­cen­tam co­res e so­no­ri­da­des ao ato: o “Hi­no da Ár­vo­re” e a obri­ga­tó­ria “A Por­tu­gue­sa”, além de “A Se­men­tei­ra”. Es­te úl­ti­mo, ado­ta­do co­mo hi­no ofi­ci­al das es­co­las na Pri­mei­ra Re­pú­bli­ca, com música de Jú­lio Car­do­na e po­e­ma de Luís Filipe da Ma­ta, pro­cla­ma­va: “Ó es­co­las se­me­ai, o amor, a luz, a lím­pi­da ver­da­de, ó es­co­las se­me­ai!”.

Os dis­cur­sos de pen­dor edu­ca­ti­vo su­bli­nha­vam o ato da plan­ta­ção, o mo­men­to fulcral da fes­ta: em 1911, uma “for­mo­sa la­ran­jei­ra” foi a rai­nha en­tro­ni­za­da na rua do Sa­li­tre, em Lis­boa, an­tes da ses­são so­le­ne que con­gre­gou lar­gas cen­te­nas de par­ti­ci­pan­tes na So­ci­e­da­de de Ge­o­gra­fia, re­qui­si­ta­da co­mo no­vo “tem- plo” do cul­to ar­bó­reo. As es­pé­ci­es eram múl­ti­plas: dos plá­ta­nos, ol­mei­ros e pal­mei­ras or­na­men­tais às fru­tí­fe­ras, co­mo pe­rei­ras e oli­vei­ras, en­tre ou­tras.

A sa­cra­li­da­de profana e a re­a­ção ca­tó­li­ca

Vi­mos que o es­pa­ço da sa­cra­li­da­de ca­tó­li­co-po­pu­lar na­ci­o­nal foi, em mui­tos ca­sos, in­va­di­do pe­los cor­te­jos do Dia da Ár­vo­re, nu­ma ati­tu­de mi­mé­ti­ca evi­den­te e in­ten­ci­o­nal: es­ta es­pé­cie de “pro­fa­na­ção” por uma li­tur­gia al­ter­na­ti­va co­mo que con­ta­mi­nou es­pa­ços sa­cra­li­za­dos de uma mun­di­vi­dên­cia ar­rei­ga­da em cren­ças mi­le­na­res, num país “li­ga­do ao céu” des­de as su­as ori­gens…

Exem­plos dessa no­va con­cor­rên­cia pa­ra­le­la sur­gem nos re­la­tos da épo­ca; em Va­le de Ma­dei­ra, Pi­nhel, a ár­vo­re foi plan­ta­da no lar­go da igre­ja pa­ro­qui­al, em 1914; em Vi­a­na do Cas­te­lo – on­de a ce­ri­mó­nia foi os­ten­si­va­men­te aco­li­ta­da pe­la lo­ja ma­çó­ni­ca lo­cal –, o cor­te­jo des­fi­lou até ao Cam­po da Ago­nia, fa­ce ao tem­plo de Nos­sa Senhora, on­de as cri­an­ças plan­ta­ram du­as ce­re­jei­ras e du­as la­ran­jei­ras. Es­pí­ri­tos mais to­le­ran­tes con­ce­de­rão não ha­ver tan­ta in­com­pa­ti­bi­li­da­de, des­de que o cul­to

a Igre­ja”. Nes­sa ca­ti­li­ná­ria, o sig­na­tá­rio evo­ca “a fú­ria des­tram­be­lha­da de tu­do der­ruir pa­ra afas­tar das cons­ci­ên­ci­as a ideia re­den­to­ra de Deus”. E as­si­na­la o cro­nis­ta: “Cla­ro que a Igre­ja re­pu­dia in­tei­ra­men­te to­das as ten­ta­ti­vas de im­pi­e­da­de (…) e daí a ne­ces­si­da­de de de­fi­nir cam­pos pa­ra que a boa-fé in­cons­ci­en­te de al­guns não vá co­li­dir nu­ma obra de pu­ro ateís­mo”.

Ainda que re­co­nhe­ça que “a Fes­ta da Ár­vo­re tem o seu la­do apro­vei­tá­vel”, su­bli­nhan­do a im­por­tân­cia da pro­te­ção das nos­sas flo­res­tas e es­pé­ci­es ar­bó­re­as, o tex­to re­cri­mi­na o que en­ten­de ser um “re­cuo das cons­ci­ên­ci­as às ve­lhas gros­se­ri­as do pa­ga­nis­mo”. No que to­ca à edu­ca­ção es­co­lar, mais gra­ve se­ria a in­ven­ção de “no­vos deu­ses pa­ra cor­rom­pe­rem na al­ma em flor das cri­an­ci­nhas a sua ino­cen­te e in­gé­nua as­pi­ra­ção pa­ra Deus”.

A pre­o­cu­pa­ção dos apo­lo­ge­tas ca­tó­li­cos com o alas­tra­men­to dessa “dou- tri­na ím­pia” res­sal­ta nou­tro tex­to, da­do à es­tam­pa em 24 de Março de 1914, no mes­mo pe­rió­di­co mi­gue­lis­ta. Evo­ca uma pas­sa­gem da obra “His­tó­ria da Ma­ço­na­ria em Por­tu­gal (Lis­boa, 1912), de Bor­ges Grai­nha, em que se re­co­nhe­ce: “A fes­ta da Ár­vo­re foi tam­bém in­tro­du­zi­da em Por­tu­gal por ma­çons e di­vul­ga­da por es­tes nas es­co­las”.

Ou­tras ci­ta­ções de obe­di­ên­ci­as ma­çó­ni­cas so­bre os ob­je­ti­vos fi­lo­só­fi­cos e pe­da­gó­gi­cos da­que­la festividade se­guir-se-ão nou­tros tex­tos de “A Na­ção”, nes­se mes­mo ano. Aí se re­ve­la a cons­ti­tui­ção da As­so­ci­a­ção do Cul­to da Ár­vo­re, de­li­be­ra­ção pro­pos­ta em 1912 aos “ve­ne­rá­veis das Lo­jas de Lis­boa” por Jo­sé de Cas­tro, Grão-mes­tre ad­jun­to da Ma­ço­na­ria. Um exem­plo fla­gran­te do cho­que en­tre deís­mo e teís­mo…

O ata­que do ór­gão ca­tó­li­co le­gi­ti­mis­ta atin­ge um no­vo clí­max em 1916, quan­do soldados e cri­an­ças par­ti­ci­pam na fes­ta e plan­tam ár­vo­res ao som de “A

CRÍ­TI­CAS MAIS VE­E­MEN­TES VI­E­RAM DO JOR­NAL “A NA­ÇÃO”, ÓR­GÃO MO­NÁR­QUI­CO E MI­GUE­LIS­TA PORTA-VOZ DO AU­TO­DE­SIG­NA­DO PAR­TI­DO LE­GI­TI­MIS­TA

“A Ca­pi­tal”, ● 23 de ja­nei­ro de 1913

“A Na­ção”, ● 11 de março de 1913; idem, 12 de março de 1913; idem, 31 de ja­nei­ro de 1914; idem, 24 de março de 1914; idem, 14 de abril de 1914; idem, 29 de fevereiro de 1916

“A Van­guar­da”, ● 30 de ja­nei­ro de 1906; idem, 27 de maio de 1907; idem, 17 de maio de 1909;

“Ilus­tra­ção Por­tu­gue­sa”, ● Lis­boa, 10 de junho de 1907; 6 de ja­nei­ro de 1908; 4 de ja­nei­ro de 1909; 12 de março de 1911; 18 de março de 1912; 10 de março de 1913; 30 de março de 1914; 22 de março de 1915; 6 de março de 1916

“A Voz Pú­bli­ca”, ● 14 de fevereiro de 1908

“Bra­sil-por­tu­gal: re­vis­ta quinzenal ilus­tra­da”, ● Ano 9, n.º 215, 1 de ja­nei­ro de 1908

“O Oci­den­te: re­vis­ta ilus­tra­da de Por­tu­gal ● e do es­tran­gei­ro”, n.º 1232, 20 de março de 1913

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.