No­ta his­tó­ri­ca

JN História - - Monumentos Portugueses -

Pre­su­me-se que a cons­tru­ção do tem­plo te­rá ar­ran­ca­do no iní­cio do pri­mei­ro sé­cu­lo da nos­sa era. Ape­sar de ainda per­sis­tir, nal­gum ima­gi­ná­rio, a tra­di­ção seis­cen­tis­ta que atri­buía à deu­sa ro­ma­na da ca­ça a de­di­ca­ção do tem­plo, é há mui­to ti­da por com­ple­ta­men­te de­sa­de­qua­da a de­sig­na­ção “Tem­plo de Di­a­na”, sen­do pra­ti­ca­men­te cer­to que o tem­plo te­rá si­do er­gui­do num pe­río­do de afir­ma­ção do po­der im­pe­ri­al de Au­gus­to, ele próprio di­vi­no, sen­do de­di­ca­do ao cul­to do im­pe­ra­dor. Com a que­da do Im­pé­rio Ro­ma­no, o tem­plo foi des­truí­do lo­go no sé­cu­lo V, pe­las in­va­sões ger­mâ­ni­cas (di­tas “bár­ba­ras”), e o pe­río­do me­di­e­val trans­for­mou-o ra­di­cal­men­te, a par­tir do sé­cu­lo XIV. Foi ca­sa for­te do cas­te­lo e açou­gue, ten­do mantido es­ta última fun­ção até 1836, ano em que o in­ves­ti­ga­dor Au­gus­to Filipe Si­mões propôs a de­mo­li­ção de to­dos os ele­men­tos me­di­e­vais, ten­do a ale­ga­da res­ti­tui­ção à tra­ça ori­gi­nal (prá­ti­ca que ho­je se­ria con­de­ná­vel, mas que se com­pre­en­de à luz das prá­ti­cas de en­tão) si­do pro­je­ta­da por Jo­sé Ci­nat­ti. Em ver­da­de, se as­sim não ti­ves­se si­do, Évo­ra não te­ria, nos ter­mos em que tem, o seu mais re­pre­sen­ta­ti­vo ex-li­bris, ves­tí­gio im­por­tan­te de uma ti­po­lo­gia de cons­tru­ção re­li­gi­o­sa que se de­sen­vol­veu es­pe­ci­al­men­te na Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca. De­cla­ra­do Mo­nu­men­to Na­ci­o­nal pe­la Re­pú­bli­ca, em 1910, o tem­plo foi um dos ele­men­tos de­ter­mi­nan­tes pa­ra a UNESCO atri­buir ao centro his­tó­ri­co de Évo­ra a clas­si­fi­ca­ção de Pa­tri­mó­nio da Hu­ma­ni­da­de, em 1986.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.