O be­lo e cei­fa­do so­nho fe­mi­ni­no

JN História - - Histórias Cósmicas - Mi­guel Gon­çal­ves Co­or­de­na­dor Na­ci­o­nal da So­ci­e­da­de Pla­ne­tá­ria

Se­tem­bro de 2015. Pe­las pa­la­vras sen­ti­das do en­tão presidente Ba­rack Oba­ma, os EUA fi­ze­ram uma pe­que­na ca­tar­se, as­sen­te na gra­ti­dão por al­guém que, ape­sar da in­di­vu­a­li­da­de, re­pre­sen­ta­va um co­le­ti­vo es­que­ci­do e amiú­de re­bai­xa­do, mas im­por­tan­tís­si­mo pa­ra o su­ces­so da exploração es­pa­ci­al: os “com­pu­ta­do­res hu­ma­nos” fe­mi­ni­nos, e na sua mai­o­ria ne­gros, que po­vo­a­vam um edi­fí­cio à dis­tân­cia da so­ci­e­da­de e da co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca bran­ca da pró­pria NASA, em ple­na cor­ri­da até à Lua das dé­ca­das de 50, 60 e 70. Kathe­ri­ne John­son, que en­tão re­ce­beu a Pre­si­den­ti­al­me­dal of­fre­e­dom, a mais al­ta con­de­co­ra­ção ci­vil ame­ri­ca­na, co­mo­veu a na­ção e foi tam­bém re­lem­bra­da, com as co­le­gas, no li­vro que mais tar­de deu ori­gem ao fil­me “Hid­den­fi­gu­res”. Nu­ma altura em que os pri­mei­ros e tec­no­ló­gi­cos com­pu­ta­do­res se jun­ta­vam à mis­são lu­nar, eram es­tas pro­di­gi­o­sas ma­te­má­ti­cas quem cons­truía a ro­ta as­tro­náu­ti­ca até ao nos­so sa­té­li­te na­tu­ral, con­se­guin­do até ob­ter a su­pe­ri­or con­fi­an­ça téc­ni­ca dos pri­mei­ros as­tro­nau­tas. “Getthe­girl­to­checkthe num­bers”, afir­mou John Glenn, ao re­ce­ber cál­cu­los do com­pu­ta­dor so­bre al­guns da­dos or­bi­tais. Só em­bar­ca­ria após a con­fir­ma­ção de Kathe­ri­ne. Há, po­rém, fi­gu­ras fe­mi­ni­nas cu­jo des­co­nhe­ci­men­to é pro­por­ci­o­nal ao ta­ma­nho dos seus so- nhos. E uma de­las cha­ma-se Mary Wal­la­ce Funk – Wally Funk, pa­ra a fa­mí­lia e ami­gos che­ga­dos. No tem­po do pro­gra­ma Mer­cury (a que se su­ce­de­ram os pro­gra­mas Ge­mi­ni e Apol­lo), Wally era um no­me bas­tan­te co­nhe­ci­do, mas não no fe­mi­ni­no, ou não fos­se Wally Schir­ra um dos no­mes es­co­lhi­dos pa­ra re­pre­sen­tar o cor­po de as­tro­nau­tas de tal pro­gra­ma. Mas ou­tro Wally so­nhou com igual des­ti­no – uma Wally. Uma des­tas per­so­na­gens che­gou re­al­men­te a ser as­tro­nau­ta, e não é di­fí­cil adi­vi­nhar qu­al. Pa­ra co­me­çar, con­tra Wally Funk ha­via uma in­com­pre­en­sí­vel lei, de 1944, que de­ter­mi­na­va que ne­nhu­ma mu­lher po­dia co­man­dar uma na­ve es­pa­ci­al ame­ri­ca­na até ao fim do sé­cu­lo, al­go sur­pre­en­den­te­men­te con­tras­tan­te com os ex­ce­len­tes ser­vi­ços que vá­ri­as mu­lhe­res pi­lo­tos já ti­nham da­do na For­ça Aé­rea (e não só) nes­sa altura. A lei aca­bou por ser que­bra­da mas só a 23 de julho de 1999, quan­do Ei­le­en Col­lins co­man­dou o vai­vém es­pa­ci­al “Co­lum­bia”. Wally Funk as­sis­tiu de per­to, certamente a pen­sar que te­rá nas­ci­do na dé­ca­da er­ra­da! Iro­ni­ca­men­te, foi um aci­den­te de es­qui que a le­vou mais per­to dos céus: for­ça­da a li­mi­tar a sua ati­vi­da­de fí­si­ca, su­ge­ri­ram-lhe que fre­quen­tas­se au­las de ci­ên­ci­as ae­ro­náu­ti­cas. A pai­xão le­vou-a até à Oklaho­ma Sta­te Uni­ver­sity, ao tem­po a me­lhor es­co­la de avi­a­ção. Além dos en­si­na­men­tos, a prá­ti­ca le­vou-a a ga­nhar vá­ri­os con­cur­sos, e, em

1960, con­se­guiu a cer­ti­fi­ca­ção ne­ces­sá­ria pa­ra ser ins­tru­to­ra de voo. Mas Wally que­ria tan­to mais... Ten­tou a avi­a­ção co­mer­ci­al, mas dis­se­ram-lhe que não ha­via ca­sas de ba­nho pa­ra se­nho­ras nas ins­ta­la­ções de trei­no das com­pa­nhi­as. A car­rei­ra mi­li­tar sur­giu co­mo uma agra­dá­vel surpresa, mas ape­nas co­mo ins­tru­to­ra de voo. Com pou­co mais de 22 anos, mas com no­tá­veis três mil ho­ras de voo, o so­nho de ser a pri­mei­ra as­tro­nau­ta co­me­çou a cres­cer no seu ín­tí­mo e já não o es­con­dia de nin­guém. Funk des­co­briu, en­tão, que os as­tro­nau­tas do pro­gra­ma Mer­cury es­ta­vam a re­a­li­zar exa­mes mé­di­cos não mui­to lon­ge do seu lo­cal de tra­ba­lho, li­de­ra­dos pe­lo mé­di­co Ran­dolph Lo­ve­la­ce, e de­ci­diu con­tac­tá­lo di­rec­ta­men­te. O que des­co­nhe­cia era que, con­tra­ri­an­do a dou­tri­na da NASA, Lo­ve­la­ce via com bons olhos a in­te­gra­ção de mu­lhe­res no cor­po de as­tro­nau­tas e até cri­ou al­gu­ma po­lé­mi­ca quan­do de­ci­diu re­ve­lar os exa­mes que fez a uma ou­tra ex­pe­ri­en­te mu­lher avi­a­do­ra, Jer­rie Cobb: os tes­tes de­la mos­tra­vam que ti­nha ba­ti­do os números dos can­di­da­tos mas­cu­li­nos, ti­nha con­su­mi­do me­nos oxi­gé­nio, re­ve­la­ra mai­or re­sis­tên­cia à dor e, tam­bém, mai­or ca­pa­ci­da­de de ex­po­si­ção à ra­di­a­ção. A NASA apres­sou-se a di­zer que fo­ram tes­tes con­du­zi­dos a tí­tu­lo pes­so­al e que não ti­nham o seu se­lo! Vol­te­mos a Wally: Lo­ve­la­ce in­te­res­sou-se – e mui­to – pe­la jo­vem pi­lo­to. Além da apre­ciá­vel con­di­ção fí­si­ca de­mons­tra­da, ter vi­vi­do gran­de par­te da sua vi­da nu­ma cidade a mais de 2000 me­tros de al­ti­tu­de qua­li­fi­ca­va-a pa­ra am­bi­en­tes mais ex­tre­mos. Foi tes­ta­da, du­ra­men­te tes­ta­da. Wally re­cor­da al­guns dos pro­ce­di­men­tos co­mo au­tên­ti­cos atos de tor­tu­ra. Pas­sou com dis­tin­ção em to­dos... Em ver­da­de, Lo­ve­la­ce tes­tou vá­ri­as mu­lhe­res pi­lo­to, mas Wally Funk des­ta­cou-se cla­ra­men­te de to­das e pas­sou, en­tão, a fa­zer ou­tros tes­tes, nou­tros la­bo­ra­tó­ri­os in­de­pen­den­tes, to­dos não ofi­ci­ais. Ela era a pon­ta-de-lan­ça da ar­gu­men­ta­ção de Lo­ve­la­ce so­bre a igual opor­tu­ni­da­de que ho­mens e mu­lhe­res de­ve­ri­am ter na con­cre­ti­za­ção do so­nho de se­rem as­tro­nau­tas. E Jer­rie Cobb pas­sou a ser a sua pon­ta-de-lan­ça po­lí­ti­ca nos cor­re­do­res da NASA. Mas a cor­ri­da à Lua ti­nha en­du­re­ci­do. Em 1961, o so­vié­ti­co Ga­ga­rin tor­nou-se no pri­mei­ro ho­mem no es­pa­ço. Alan She­pard foi a res­pos­ta ame­ri­ca­na, pou­cos me­ses de­pois, e Jer­rie Cobb es­cre­veu ao Ad­mi­nis­tra­dor da NASA, in­di­can­do-lhe que, certamente, os as­tro­nau­tas do pro­gra­ma Mer­cury não se im­por­ta­ri­am se uma mu­lher ame­ri­ca­na fos­se “lá aci­ma”. Es­ta­va er­ra­da. Qu­an­to a Wally Funk, a de­si­lu­são veio em for­ma de carta ofi­ci­al: de­fi­ni­ti­va­men­te, ne­nhu­ma mu­lher en­tra­ria no cor­po de as­tro­nau­tas e to­das as mu­lhe­res testadas por Lo­ve­la­ce ser­vi­am pro­pó­si­tos me­ra­men­te pes­so­ais (do próprio Lo­ve­la­ce) e ex­pe­ri­men­tais. Pa­ra Lo­ve­la­ce, Funk era uma as­tro­nau­ta em ple­no di­rei­to. Pa­ra a NASA... não. Te­men­do per­der a sua li­ga­ção à agên­cia es­pa­ci­al ame­ri­ca­na, Lo­ve­la­ce de­sis­tiu da sua mis­são. Jer­rie Cobb fez o opos­to: des­de a Ca­sa Bran­ca até ao próprio Wer­nher von Braun, to­dos a ou­vi­ram. Qu­an­to aos as­tro­nau­tas Mer­cury, ape­sar de evi­ta­rem a po­lé­mi­ca, lan­ça­ram pa­ra ci­ma da me­sa um de­ta­lhe téc­ni­co que, pa­ra os mes­mos, fun­ci­o­na­va co­mo ar­gu­men­to pa­ra dei­xar o es­pa­ço aos ho­mens: ne­nhu­ma mu­lher pi­lo­to ti­nha ex­pe­ri­ên­cia a pi­lo­tar aviões a ja­to, e is­so po­dia fa­zer to­da a di­fe­ren­ça, al­go que Cobb e res­tan­tes mu­lhe­res pi­lo­tos não acei­ta­ram co­mo jus­ti­fi­ca­ção su­fi­ci­en­te pa­ra a ine­xis­tên­cia de mu­lhe­res as­tro­nau­tas. Pas­se­mos a julho de 1999. Ao ver a subida triun­fan­te de Ei­le­en Col­lins no co­man­do do vai­vém Co­lum­bia, Wally Funk ape­nas con­se­guiu sor­rir e di­zer “go,girl,go!”. Ape­sar da fa­ma e aten­ção as­sen­ta­rem em Col­lins, mui­to ha­via de Lo­ve­la­ce, de Cobb e de Wally Funk na­que­le mo­men­to que che­gou tar­de de mais, co­mo tris­te­men­te se cons­ta­ta em to­da a con­tri­bui­ção das mu­lhe­res pa­ra a cons­tru­ção da His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de e, em par­ti­cu­lar, da Exploração Es­pa­ci­al. Ho­je, aos 79 anos, com mais de 19 mil ho­ras de voo, pro­fes­so­ra de mais de três mil alu­nos, Wally Funk con­se­guiu jun­tar o di­nhei­ro ne­ces­sá­rio pa­ra ser uma das pri­mei­ras a vi­a­jar até ao es­pa­ço atra­vés da Vir­gin Ga­lac­tic. Quem dis­se que os so­nhos es­pa­ci­ais têm da­ta de va­li­da­de?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.