Ini­mi­gos na guer­ra, vi­zi­nhos em Arouca

JN História - - A Abrir - Tex­to: Fo­tos: Sa­ra Di­as Oli­vei­ra Ma­ria João Ga­la Globalimagens

Du­ran­te a II Guer­ra Mun­di­al, ale­mães e ingleses ex­traíam volfrâmio das en­tra­nhas das serras de Arouca. Os ale­mães nas en­cos­tas ver­de­jan­tes de Rio de Fra­des, os ingleses na pai­sa­gem gra­ní­ti­ca de Re­gou­fe. Par­ti­lha­vam uma es­tra­da e con­vi­ve­ram em paz no mes­mo ter­ri­tó­rio, en­quan­to se en­fren­ta­vam em cam­pos de ba­ta­lha pe­la Eu­ro­pa. É um ca­so único no mun­do. As ruí­nas das mi­nas man­têm-se de pé e há von­ta­de de cri­ar um mu­seu pa­ra me­mó­ria fu­tu­ra.

As ca­mi­o­ne­tas che­ga­vam a Arouca api­nha­das de gen­te que, ser­ra aci­ma, a pé por ata­lhos e ca­mi­nhos de ma­to, pro­cu­ra­va tra­ba­lho, nas mi­nas de volfrâmio dos ale­mães e dos ingleses, ou uma for­ma de en­ri­que­cer ra­pi­da­men­te no con­tra­ban­do do ou­ro ne­gro. Era um cons­tan­te vai­vém na vi­la, for­mi­guei­ros de pes­so­as de con­ce­lhos em re­dor e da pe­ri­fe­ria do Por­to que pro­cu­ra­vam uma vi­da me­lhor. Foi a mai­or migração de po­pu­la­ção a que Arouca as­sis­tiu até ho­je.

A II Guer­ra Mun­di­al ti­nha co­me­ça- do, e ale­mães e ingleses es­ta­vam em Por­tu­gal pa­ra ex­trair volfrâmio, o mi­né­rio de tungs­té­nio de fer­ro e man­ga­nês, pre­ci­o­so pa­ra ole­ar a má­qui­na de guer­ra, blin­dar ar­ma­men­to, en­du­re­cer mu­ni­ções. A fe­bre do ou­ro ne­gro in­va­dia Arouca, da­va em­pre­go a mi­lha­res de ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças. Ale­mães e ingleses, se­pa­ra­dos por cer­ca de cinco qui­ló­me­tros em linha re­ta, vi­vi­am pa­ci­fi­ca­men­te, par­ti­lha­vam uma es­tra­da, cons­truíam aces­sos a lu­ga­res recôn­di­tos das serras, le­va­vam ele­tri­ci­da­de e te­le­fo­ne às po­pu­la­ções ru­rais. Er­gui­am bair­ros pa­ra os ope­rá­ri­os, ca­sas pa­ra os en­ge­nhei­ros, ofi­ci­nas, la­va­ri­as, pos­to mé­di­co.

Em 1940, Arouca era uma ter­ra de la­vra­do­res e pas­to­res, ti­nha cer­ca de 23 mil ha­bi­tan­tes e mais de me­ta­de da po­pu­la­ção era anal­fa­be­ta. O tra­ba­lho na agri­cul­tu­ra con­ti­nu­a­va, mas com me­nos bra­ços. Ho­mens tor­na­vam-se mi­nei­ros, mu­lhe­res e cri­an­ças la­va­vam o mi­né­rio. Os ale­mães em Rio de Fra­des, com tecnologia mais avan­ça­da, e fo­ca­dos em ex­trair o máximo de mi­né­rio ne­ces­sá­rio ao ar­ma­men­to. Os ingleses em Re­gou­fe com es­tru­tu­ras mais ru­di­men­ta­res e con­cen­tra­dos em que o

ou­ro ne­gro não caís­se em mãos ale­mãs. O máximo que con­se­guis­sem re­co­lher, o mí­ni­mo que ia pa­ra o la­do do ini­mi­go. Tra­ba­lha­va-se de dia e de noi­te. Sem pa­rar.

A Com­pa­nhia Mi­nei­ra do Nor­te de Por­tu­gal foi cons­ti­tuí­da a 5 de maio de 1923 e con­ces­si­o­na­da aos ale­mães du­ran­te a guer­ra de 1939/45 em Rio de Fra­des, al­deia com ca­sas de xis­to. E es­tes de­ram um im­pul­so nun­ca vis­to à ter­ra e tra­ba­lho a cer­ca de du­as mil pes­so­as. As ins­ta­la­ções ale­mãs to­ma­ram con­ta das en­cos­tas: la­va­ri­as do mi­né­rio, bair­ros pa­ra os ope­rá­ri­os, ofi­ci­nas, ar­ma­zéns de di­na­mi­te, ca­sas do pes­so­al téc­ni­co e ad­mi­nis­tra­ti­vo, um hos­pi­tal. E, no fun­do do va­le, jun­to ao

rio, o nú­cleo cen­tral das ca­sas da com­pa­nhia ale­mã, a la­va­ria, ar­ma­zéns e ofi­ci­nas de tra­ta­men­to e ar­re­ca­da­ção do mi­né­rio. Dos dois la­dos do rio, bo­cas de mi­nas e ca­mi­nhos por on­de era trans­por­ta­do o mi­né­rio. E não se pa­ra­va. Mu­lhe­res e cri­an­ças a la­var mi­né­rio, ho­mens a abrir fu­ros, ces­tas sus­pen­sas por ca­bos a pas­sar ter­ra por ci­ma do rio.

Kurt Dith­mer foi um dos ad­mi­nis­tra­do­res mais po­pu­la­res da com­pa­nhia ale­mã. Por­te atlé­ti­co, qua­se dois me­tros de altura, olhos cla­ros. Os ale­mães não brin­ca­vam em ser­vi­ço. Ins­ta­la­ram um pos­to de trans­for­ma­ção elé­tri­ca, ti­nham uma cen­tral com com­pres­so­res mui­to po­ten­tes, um quar­tel pa­ra a GNR, pos­to de so­cor­ros, con­sul­tó­rio mé­di­co, can­ti­na, bar­be­a­ria, bal­neá­ri­os, e uma ca­pe­la em honra de San­ta Bár­ba­ra, pa­dro­ei­ra dos mi­nei­ros. A ga­le­ria do va­le da Cer­dei­ra, que te­rá si­do a mais pro­du­ti­va, po­de ho­je ser atra­ves­sa­da num per­cur­so en­tre­tan­to re­qua­li­fi­ca­do (400 me­tros, ida e vol­ta). To­ma­vam con­ta do que po­di­am. Che­ga­ram a ar­ren­dar, por 100 es­cu­dos men­sais, par­te da ade­ga no rés- do- chão do Con­ven­to de Arouca pa­ra aí ins­ta­la­rem um ar­ma­zém. No pri­mei­ro pi­so do con­ven­to fun­ci­o­na­va uma ala hos­pi­ta­lar pa­ra in­ter­na­men­to dos aci­den­ta­dos das mi­nas e do­en­tes. Ho­je, Rio de Fra­des é a som­bra do pas­sa­do. Há, po­rém, par­tes do com­ple­xo mi­nei­ro que re­sis­tem. Ruí­nas pe­las en­cos­tas, edi­fí­ci­os sem te­lha­dos, bu­ra­cos nas pa­re­des. Al­gu­mas ca­sas da com­pa­nhia es­tão ha­bi­ta­das, vá­ri­as es­tão por re­cu­pe­rar.

Ves­ti­dos de pó da ca­be­ça aos pés

Alice Bran­dão tem 68 anos e mo­ra em Rio de Fra­des, per­to do an­ti­go com­ple­xo mi­nei­ro. Ainda se lem­bra de, bem pe­que­na, car­re­gar bro­as de dez qui­los nu­ma gi­ga, à ca­be­ça, pa­ra abas­te­cer as can­ti­nas da mi­na que ti­nham per­ten­ci­do aos ale­mães. A guer­ra já ti­nha ter­mi­na­do, mas ainda es­ta­va fres­ca na me­mó­ria da po­pu­la­ção, e as mi­nas, em 1947, ti­nham re­to­ma­do a exploração de volfrâmio nas mes­mas ins­ta­la­ções. Ainda ha­via mui­ta gen­te por ali. “Eram co­mo mos­qui­tos na rua. Ou­vi­am-se ti­ros de dia e de noi­te, sem­pre ti­ros a re­ben­tar as mi­nas. Olhá­va­mos pa­ra aque­les ho­mens e só vía­mos pó da ca­be­ça aos pés”, re­cor­da. Os seus pais, em tem­pos aper­ta­dos, de­ci­di­ram co­zer pão pa­ra ali­men­tar o com­ple­xo mi­nei­ro. A mãe an­da­va à vol­ta do for­no dia e noi­te, e Alice aju­da­va a fa­mí­lia no trans­por­te. De vez em quan­do, apa­nha­va bo­leia e ia com as mu­lhe­res que pas­sa­vam, de ces­tas à ca­be­ça, le­van­do co­mi­da aos ma­ri­dos nas va­go­nas, co­mo cha­ma­vam aos va­gões usa­dos pa­ra trans­por­tar mi­né­rio. Era um pas­seio ines­que­cí­vel, ale­gria de cri­an­ça. “Ha­via uns car­ris, co­mo nos com­boi­os, e ía­mos pa­ra o tú­nel.” Che­ga­va a ca­sa, apa­nha­va da mãe, mas re­pe­tia o pas­seio pe­las mi­nas sem­pre que ti­nha opor­tu­ni­da­de: “Gos­ta­va tan­to que não me im­por­ta­va das ta­rei­as”.

Da II Guer­ra, Alice lem­bra as his­tó­ri­as do pai, Jo­sé Car­ni­cei­ro, as­sim cha­ma­do por ne­go­ci­ar ga­do. Tam­bém ele se en­vol­veu no negócio do volfrâmio, sem tra­ba­lhar nas mi­nas. “O meu pai

sa­va no sá­ba­do. O tio, Adão da Sil­va San­tos, con­ti­nu­a­va co­mo che­fe dos guar­das, car­go que ti­nha exer­ci­do du­ran­te a II Guer­ra ao ser­vi­ço da com­pa­nhia ale­mã. Ti­nha si­do ho­mem de con­fi­an­ça de Kurt Dith­mer. “No tem­po da guer­ra, Rio de Fra­des era uma cidade, tra­ba­lha­vam lá se­te mil pes­so­as, era uma coisa fo­ra do nor­mal”. E o país ga­nha­va com o negócio do ou­ro ne­gro. “Por­tu­gal fi­cou ri­co à cus­ta do volfrâmio”. Cé­sar Sil­va não es­que­ce um dos ra­ros dis­cur­sos de Salazar du­ran­te es­se pe­río­do. Ou­viu-o no rá­dio. “Salazar di­ri­gin­do-se à Na­ção dis­se: ‘Meus ir­mãos por­tu­gue­ses: da guer­ra vos de­fen­do, mas da fo­me não’”.

Ele­tri­ci­da­de, te­le­fo­ne, hos­pi­tal, clu­be

Ale­mães de um la­do, ingleses do ou­tro. Os ale­mães num ce­ná­rio ver­de­jan­te, en­tre ga­le­ri­as de xis­to. Os ingleses ro­de­a­dos de gra­ni­to. A Com­pa­nhia Mi­nei­ra do Nor­te de Por­tu­gal tem al­va­rá de 1922, um re­gis­to fei­to por ci­da­dãos ingleses e fran­ce­ses. Em 1928 já o bri­tâ­ni­co Char­les Ve­sey Brown an­da­va por Por­tu­gal a com­prar mi­nas e ad­qui­riu a con­ces­são da mi­na de Re­gou­fe ao francês Gus­ta­ve Thomas - ainda ho­je, nas mi­nas, há uma pe­dra com as ini­ci­ais do no­me do francês e o ano de 1918 gra­va­dos. Só em 1941, em ple­na guer­ra, foi cons­ti­tuí­da a prin­ci­pal em- presa de exploração, a Com­pa­nhia Por­tu­gue­sa de Mi­nas, que fun­ci­o­na­va prin­ci­pal­men­te com ca­pi­tais e ad­mi­nis­tra­ção bri­tâ­ni­cos. Era ou­tra cidade nu­ma pe­que­na e ru­ral al­deia de Arouca com re­si­dên­ci­as e es­cri­tó­ri­os, um clu­be pa­ra jo­gar car­tas, uma ca­va­la­ri­ça, ofi­ci­nas, la­va­ri­as, um pos­to de trans­for­ma­ção de ele­tri­ci­da­de, um moi­nho, con­sul­tó­rio mé­di­co, can­ti­na, bal­neá­ri­os, ca­sas pa­ra ope­rá­ri­os e pa­ra o pes­so­al téc­ni­co de­vi­da­men­te se­pa­ra­das. Te­rá ti­do, no au­ge, mais de mil mi­nei­ros. O com­ple­xo ocu­pa cer­ca de 3,5 hec­ta­res e ho­je pa­re­ce uma al­deia aban­do­na­da, cin­zen­ta, já com poucas má­qui­nas, bo­cas de mi­nas. Tal co­mo

sa. “As pes­so­as mo­bi­li­za­vam-se to­das pa­ra o volfrâmio, que da­va mui­to di­nhei­ro. Foi uma épo­ca de mui­ta crise, mas ha­via quem co­mes­se bacalhau e pão-de-ló to­dos os di­as”, diz Ma­nu­el Va­lé­rio.

Con­tra­ban­do nas cu­e­cas, nas en­xa­das, no pão

O con­tra­ban­do do volfrâmio era uma prá­ti­ca cor­ren­te. O Go­ver­no de­ter­mi­na­ra que só os con­ces­si­o­ná­ri­os das mi­nas po­di­am ven­der volfrâmio, e só a Co­mis­são Re­gu­la­do­ra de Comércio de Me­tais po­dia com­prá-lo, a 120 es­cu­dos por qui­lo. Mas não era bem as­sim. To­dos sa­bi­am que o mi­né­rio era ven­di­do no mer­ca­do ne­gro e che­gou mes­mo a atin­gir os mil es­cu­dos por qui­lo. Os “pi­lhas”, co­mo eram cha­ma­dos os vol­fra­mis­tas sem con­tra­to e sem au­to­ri­za­ção, tra­ba­lha­vam por con­ta pró­pria à ca­ta do mi­né­rio. Dor­mi­am on­de ca­lha­va, de­bai­xo de pe­dras ou em bar­ra­cos im­pro­vi­sa­dos, pas­sa­vam di­as e noi­tes na ser­ra, den­tro ou fo­ra das con­ces­sões, a es­ven­trar a ter­ra. Os ingleses ti­nham da­do in­di­ca­ções pa­ra que to­do o mi­né­rio en­con­tra­do em re­dor, den­tro ou fo­ra da con­ces­são, fos­se

tam­bém ha­via em­bos­ca­das às vi­a­tu­ras e as­sal­tos aos car­re­ga­do­res que trans­por­ta­vam o volfrâmio às cos­tas.

Arouca ti­nha vá­ri­as mi­nas de volfrâmio, 66 re­gis­ta­das em 1941, o nú­me­ro mais ele­va­do da épo­ca. E o con­tra­ban­do pro­li­fe­ra­va. A 9 de maio de 1942, em Al­va­ren­ga, al­guns agen­tes da po­lí­cia apa­re­ce­ram dis­far­ça­dos de com­pra­do­res de volfrâmio, co­mo re­pre­sen­tan­tes dos ingleses, e en­con­tra­ram cer­ca de 12 to­ne­la­das de mi­né­rio con­tra­ban­de­a­do. O si­no da igre­ja to­cou, a po­pu­la­ção cer­cou a po­lí­cia. Ti­ros de ca­ça­dei­ra, pe­tar­dos, e um po­lí­cia mor­to. No dia se­guin­te, do­min­go, a PIDE e a GNR es­ta­vam em Al­va­ren­ga pa­ra pren­der to­dos os sus­pei­tos a ca­mi­nho da mis­sa. Mui­tos fo­ram in­ter­ro­ga­dos na es­co­la pri­má­ria, vá­ri­os fo­ram le­va­dos pa­ra a de­le­ga­ção da po­lí­cia po­lí­ti­ca no Por­to, al­guns fi­ca­ram pre­sos, ou­tros fo­ram con­de­na­dos.

Ale­mães e ingleses ti­nham guar­das e pri­sões pri­va­ti­vas, co­nhe­ci­das co­mo as “ca­sas da ra­ta” Só em ca­sos de cri­mes graves é que eram cha­ma­das as au­to­ri­da­des ci­vis, co­mo o re­ge­dor da fre­gue­sia ou o presidente da Câ­ma­ra.

Mor­ta­lhas de no­tas, ca­ne­tas de ou­ro no ca­sa­co

Há 22 anos, An­tó­nio Vi­lar, pro­fes­sor de His­tó­ria, ago­ra na re­for­ma, de­ci­diu cen­trar a sua te­se de mes­tra­do na exploração de volfrâmio em Arouca du­ran­te a II Guer­ra Mun­di­al. Na altura, ha­via ape­nas du­as bro­chu­ras de se­te pá­gi­nas na Biblioteca Pú­bli­ca Mu­ni­ci­pal do Por­to com do­cu­men­tos, plan­tas de per­fu­ra­ção, e pou­co mais. Ha­via do­cu­men­ta­ção es­pa­lha­da por vá­ri­os de­par­ta­men­tos e his­tó­ri­as de pes­so­as que vi­ve­ram nes­se tem­po. Em 1998, pu­bli­cou “O Volfrâmio de Arouca no Con­tex­to da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al”, o pri­mei­ro tra­ba­lho exaus­ti­vo so­bre o as­sun­to, que já vai na ter­cei­ra edi­ção. “É His­tó­ria, é so­bre­tu­do His­tó­ria. É o único sí­tio do mun­do on­de es­ti­ve­ram ingleses e ale­mães, pa­ci­fi­ca­men­te, na II

ca­du­car os al­va­rás. E a ex­tra­ção vi­ria a ter­mi­nar na dé­ca­da de 1970. Fi­ca­ram as ruí­nas. E vá­ri­as his­tó­ri­as. “Do tem­po do mi­né­rio, e tem­po de guer­ra, fi­cou a es­tra­da e a si­li­co­se. A es­tra­da foi- se de­gra­dan­do com o pas­sar do tem­po, en­quan­to a si­li­co­se alas­trou, fa­zen­do ór­fãos e viú­vas”, su­bli­nha o pro­fes­sor.

O tem­po pas­sou, e as pe­dras dos com­ple­xos mi­nei­ros acu­sam o pas­sar dos anos. Ho­je, as mi­nas de Rio de Fra­des e Re­gou­fe são ge­os­sí­ti­os de Arouca, com vi­si­tas pe­da­gó­gi­cas e tu­rís­ti­cas mar­ca­das no âm­bi­to do Arouca Ge­o­park. Rio de Fra­des é atra­ves­sa­do por dois per­cur­sos pe­des­tres: a “Ro­ta do Ou­ro Ne­gro” e o “Ca­mi­nho do Car­tei­ro”. Re­gou­fe por ou­tros dois: “A Al­deia Má­gi­ca” e “Na Sen­da do Pai­vó”.

A Câ­ma­ra de Arouca es­tá a tra­ba­lhar num pro­je­to de va­lo­ri­za­ção do pa­tri­mó­nio mi­nei­ro, que não pas­sa­rá ape­nas por um mu­seu. “Rio de Fra­des e Re­gou­fe têm um potencial enor­me de desenvolvimento por­que nos re­me­tem pa­ra a me­mó­ria da II Guer­ra Mun­di­al e per­mi­tem-nos ter uma li­ga­ção for­te com a Eu­ro­pa”, re­fe­re a presidente da câ­ma­ra, Mar­ga­ri­da Be­lém. Rio de Fra­des é tam­bém um bom sí­tio pa­ra des­por­tos de aven­tu­ra, e a ideia é pen­sar de for­ma in­ter­li­ga­da. A au­tar­quia qu­er ana­li­sar bo­as prá­ti­cas de­sen­vol­vi­das in­ter­na­ci­o­nal­men­te. “São ruí­nas fas­ci­nan­tes e que con­tam his­tó­ri­as”, re­al­ça a au­tar­ca. Pe­da­ços de His­tó­ria e de his­tó­ri­as em ruí­nas, de um tem­po mui­to par­ti­cu­lar da His­tó­ria mun­di­al, que con­ti­nu­am a re­sis­tir à pas­sa­gem dos anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.