Li­ga­ção das pes­so­as ao pas­sa­do mo­nu­men­tal co­mo ga­ran­te de fu­tu­ro

JN História - - A Abrir - Tex­to de Pe­dro Ola­vo Si­mões

Mui­tos são os exem­plos de que a va­lo­ri­za­ção do edi­fi­ca­do de ri­que­za his­tó­ri­ca pas­sa por, evi­den­te­men­te sem o be­lis­car na sua in­te­gri­da­de, tor­ná-lo vi­vi­do, di­nâ­mi­co, fun­ci­o­nal. E é re­le­van­te que, ca­da vez mais, es­ses exem­plos exis­tam em Por­tu­gal, de for­ma con­ti­nu­a­da ou pon­tu­al, mas sem­pre co­lhen­do os fru­tos de pro­mo­ver la­ços afe­ti­vos en­tre as po­pu­la­ções e os “seus” mo­nu­men­tos. Em ple­no Ano Eu­ro­peu do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral, a Di­re­ção Re­gi­o­nal de Cul­tu­ra do Nor­te (DRCN) dá o mo­te, en­vol­ven­do oi­to mu­ni­cí­pi­os na ini­ci­a­ti­va “Di­as do Pa­tri­mó­nio a Nor­te”, que co­me­çou a dar que fa­lar em abril e as­sim con­ti­nu­a­rá até se­tem­bro. Em oi­to con­ce­lhos, ou­tros tan­tos mo­nu­men­tos são os pal­cos/es­pa­ços pri­vi­le­gi­a­dos de uma programação ar­tís­ti­ca, cul­tu­ral e gas­tro­nó­mi­ca que re­al­ça­rá ainda mais a li­ga­ção do pa­tri­mó­nio ao ter­ri­tó­rio e, cla­ro, às pes­so­as. Arouca, Ta­rou­ca, Miranda do Dou­ro, Vi­la Re­al, Bar­ce­los, Bra­gan­ça, Mo­ga­dou­ro e Al­fân­de­ga da Fé são os mu­ni­cí­pi­os en­vol­vi­dos no pro­je­to, aco­lhen­do iniciativas di­ver­si­fi­ca­das em mo­nu­men­tos er­gui­dos com pro­pó­si­tos bem dis­tin­tos, re­li­gi­o­sos em se­te de­les, mi­li­ta­res no so­bran­te. Tu­do co­me­çou no Mos­tei­ro de San­ta Ma­ria de Arouca, a 20 e 21 de abril, mas mui­to mais es­tá ainda pa­ra vir, nos seguintes lo­cais: Mos­tei­ro de San­ta Ma­ria de Sal­ze­das, Ta­rou­ca (18 e 19 de maio), Con­ca­te­dral de Miranda do Dou­ro (1 e 2 de junho), Sé de Vi­la Re­al (15 e 16 de junho), Con­ven­to de Vi­lar de Fra­des, Bar­ce­los (13 e 14 de julho), Ba­sí­li­ca de San­to Cris­to de Ou­tei­ro, Bra­gan­ça (27 e 28 de julho), Cas­te­lo de Mo­ga­dou­ro (10 e 11 de agosto), igre­ja ma­triz de Sam­ba­de, Al­fân­de­ga da Fé (28 e 29 de se­tem­bro). A programação es­pe­cí­fi­ca de ca­da even­to vai sen­do di­vul­ga­da à me­di­da que as da­tas se apro­xi­mam, mas a es­treia da ini­ci­a­ti­va dá pa­ra per­ce­ber bem do que se es­tá a fa­lar. En­tre con­ver­sas mais sé­ri­as –so­bre o pa­pel das ins­ti­tui­ções mo­nás­ti­cas nas re­des do sa­ber ou so­bre o pa­tri­mó­nio –, um es­pe­tá­cu­lo de rap com vo­ca­ção eco­ló­gi­ca, com Ca­pi­cua e Pe­dro Ge­ral­des, a con­fe­ção da em­ble­má­ti­ca vitela arou­que­sa, com o chef Mar­co Go­mes, vi­si­tas pa­ra pú­bli­cos es­co­la­res, cen­tra­das na fi­gu­ra da rai­nha san­ta Ma­fal­da, um even­to mu­si­cal en­vol­ven­do ran­chos, gru­pos et­no­grá­fi­cos e as­so­ci­a­ções cul­tu­rais da re­gião, ou, ainda, um con­cer­to em que so­no­ri­da­des tra­di­ci­o­nais por­tu­gue­sas fo­ram re­vi­si­ta­das com “rou­pa­gem” mu­si­cal con­tem­po­râ­nea, sem­pre no es­pa­ço fí­si­co do Mos­tei­ro de Arouca, en­tre tu­do is­so, di­zía­mos, o mo­nu­men­to fer­vi­lhou de um mo­do que não é co­mum ao lon­go do ano. A ini­ci­a­ti­va, que a DRCN ca­rac­te­ri­za co­mo uma “apos­ta na des­cen­tra­li­za­ção e na ofer­ta cul­tu­ral dis­se­mi­na­da pe­lo ter­ri­tó­rio, apre­sen­tan­do um pro­je­to de tu­ris­mo cul­tu­ral ino­va­dor, agre­ga­dor e atra­ti­vo, que uti­li­za co­mo ins­tru­men­tos fun­da­men­tais a programação cul­tu­ral, o tra­ba­lho de me­di­a­ção com as co­mu­ni­da­des e a co­mu­ni­ca­ção ao ser­vi­ço da qua­li­fi­ca­ção da ex­pe­ri­ên­cia tu­rís­ti­ca e da com­pe­ti­ti­vi­da­de da eco­no­mia re­gi­o­nal”, im­pli­ca um investimento to­tal de 400 mil eu­ros, co­fi­nan­ci­a­dos por fun­dos co­mu­ni­tá­ri­os, atra­vés do pro­gra­ma Nor­te 2020. Es­te ti­po de abor­da­gem, pro­mo­to­ra da li­ga­ção das po­pu­la­ções ao pa­tri­mó­nio, que em Por­tu­gal tem um – mais com­ple­xo e mul­ti­fa­ce­ta­do – ca­so de gran­de su­ces­so com a Ro­ta do Ro­mâ­ni­co (so­bre a qu­al a JN His­tó­ria pu­bli­cou um dos­siê no N.º 9, agosto de 2017), é um mais do que ób­vio ca­mi­nho a se­guir. A pre­mis­sa é sim­ples, em­bo­ra con­ti­nue a ser mui­tas ve­zes es­que­ci­da: mais do que pe­dras ou me­mó­ri­as, o pa­tri­mó­nio sig­ni­fi­ca iden­ti­da­de, e a no­ção de iden­ti­da­de co­mo coisa vi­vi­da e não ba­fi­en­ta sig­ni­fi­ca, cla­ro, me­lhor ap­ti­dão pa­ra en­fren­tar o fu­tu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.