Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine

A “ganância” perdeu antes de entrar em campo

A Superliga Europeia, uma competição reservada aos clubes de elite, ruiu como um castelo de cartas. As ameaças das estruturas que governam o futebol na Europa e no Mundo, a pressão política e a oposição dos adeptos levaram à debandada dos fundadores.

-

FÓRMULA MÁGICA PARA SALVAR O FUTEBOL

A “bomba” foi lançada no último domingo: uma nova competição europeia, reservada aos clubes mais ricos e presidida por Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, foi anunciada como uma espécie de fórmula mágica para tornar o futebol mais atrativo e salvá-lo de uma crise financeira sem precedente­s. Mas o “pacto de sangue” dos clubes fundadores, como o classifico­u o presidente da Juventus, Andrea Agnelli, quebrou-se em horas.

5

mil milhões de euros é quanto terão perdido os principais clubes europeus com a pandemia que tirou o público dos estádios, disse Florentino Pérez. A nova prova acenava com uma “cenoura” de dez mil milhões de euros para os fundadores.

QUINZE COM LUGAR CATIVO

A nova competição assentava em 15 clubes fundadores: seis de Inglaterra, três de Itália, três de Espanha e três que não chegaram a ser conhecidos. Estes jogavam sempre, independen­temente da performanc­e nos respetivos campeonato­s, e outros cinco poderiam qualificar-se para a prova mediante os resultados da época anterior.

EXPLOSÃO DE CRÍTICAS E PROTESTOS NA RUA

Em 24 horas, a Superliga Europeia estava cercada de opositores, com FIFA e UEFA a ameaçarem excluir clubes e jogadores das competiçõe­s europeias e das seleções. A política europeia uniu-se contra a prova e o que ela representa: ganância, ameaça ao espírito da solidaried­ade e mérito desportivo. Boris Johnson foi o mais incisivo e os adeptos ingleses reagiram com a mesma força. Por cá, Governo, federação e clubes deram um rotundo não ao projeto que “coloca os interesses de uma pequena parte à frente de um bem comum”.

CASTELO A RUIR: CLUBES FORA DE JOGO

Um após outro, Manchester City, Manchester United, Chelsea, Arsenal, Liverpool e Tottenham, todos os clubes ingleses anunciaram a saída da competição. Os resistente­s da Superliga informaram que a prova está suspensa para reformulaç­ão, mas a debandada continuou. Inter de Milão, Atlético de Madrid, AC Milan e Juventus também saltaram fora. Real Madrid e Barcelona ficaram isolados num projeto sem pernas para andar, como reconheceu Andrea Agnelli.

[Os fundadores da Superliga] são responsáve­is pelas suas escolhas. Se decidirem seguir o seu próprio caminho, terão de viver com as consequênc­ias. Isto significa que ou estás dentro ou estás fora

 ??  ?? GIANNI INFANTINO Presidente da FIFA
GIANNI INFANTINO Presidente da FIFA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal