Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine

O CACHORRO VOADOR

- Rui Cardoso Martins POR

Uma das coisas enervantes que as pessoas têm, quanto ao meu olho de vista, é não perceberem o que uma pessoa está a explicar. Eu já disse tudo limpinho. Aliás, um bocadinho engordurad­o... não limpei as mãos mas pronto, foi só isso, doutora meritíssim­a, o que é que eu posso mais explicar se já disse tudo?

Entrei na sala do tribunal e vi um homem-vareta-de-guarda-chuva, magríssimo, e ouvi esta pergunta profunda como um poço: — O que levou a sua mulher a tentar dar-lhe com o candeeiro? Logo o homem explicou a cristalina verdade do Mundo, “a sua verdade”, como agora se diz. A mulher tentou dar-lhe com o candeeiro não porque ele lhe batesse, mas porque ela tomava comprimido­s e depois foi atropelada e perdeu 5% de capacidade cerebral e depois houve uma tentativa de suicídio e um aborto, não sabe se antes se depois, mas a culpa não foi dele, não foi minha, meritíssim­a. O homem não vive em casa. Um tribunal mandou-o sair porque a mulher apareceu na esquadra da polícia com balas e pistola que ele tinha no armário, com medo que a usasse nela e nos filhos. Uma arma de alarme modificada para munição verdadeira. Mas o homem apagou as dúvidas:

— Essa arma acompanha-me desde que fui casado. Achei-a quando tinha 13 anos.

— Onde?

— Achei-a num jardim frente ao local de trabalho.

Aos 13 anos, de buço ralo e hormonas borbulhant­es, já trabalhava. — Eu sempre pensei que não era uma arma a sério. — Olhando para uma arma a gente sabe se é verdadeira, se é a brincar!

— Eu pensava que era, doutora meritíssim­a. Ao meu olho de vista, era. Eu não percebo nada de armas.

De expressões imaginosas percebe. Olho de vista. Agora, a magna questão de um julgamento de violência doméstica:

— E a situação com o cachorro?

— Era do meu filho Orlando.

— Alguma vez atirou o cão de umas escadas?

Claro que não, o cão caiu. Foi acidente. Com a pandemia, o homem fechou o café. O seu subsídio de desemprego cai todo na conta da mulher. Quer voltar para a moradia das sardinhada­s. — Portanto, esta acusação é toda composta de mentiras. — Sim.

— Se querem continuar juntos, porque é que a dada altura do processo ela vem a tribunal dizer que o senhor a agredia?

O cão voou, ou foi atirado, segundo a acusação, da altura de um primeiro andar.

— Como é que o cão caiu das escadas?

— Eu tive uma discussão com o meu filho, que queria sair de casa. Eu, como tinha as mão engordurad­as de uma sardinhada, a caixa escorregou-me...

— Mas porque é que pegou na caixa?

— Para dar a caixa ao meu filho Orlando.

— Mas o seu filho já tinha as malas prontas?

— Não, só estava a dizer que se ia embora.

— Mas porque é que agarrou na caixa com o cachorro!? — Porque o cão era do Orlando, não era meu!

— Mas porque é que agarrou na caixa do cão em vez de ir ao quarto agarrar-lhe as malas?!

— Porque... eu estava a assar as sardinhas. Depois eu não limpo as mãos e venho com a travessa das sardinhas.

— Então, mas se tinha a travessa, como é que agarrou na caixa? — Eu deixei primeiro a travessa na cozinha.

— E como é que a caixa lhe escorregou das mãos?!

— Porque tinha gordura nos dedos, das sardinhas! Perceberam ou é preciso explicador? Ah, e “o cão nem a partir nada chegou, foi só um ferimento penso eu que na pata traseira”. Era um cachorrinh­o bull terrier que aos dois meses de vida aprendeu a voar. A mulher entrou e disse que não queria dizer nada. A procurador­a do Ministério Público ficou nuns nervos.

— Sabe que ficará gravemente prejudicad­o, o processo? — Sim.

— Sabe que tudo o que disse antes não poderá ser avaliado? — Sim, eu sei.

A mulher saiu sem olhar para o homem. Não viu a aliança gorda de ouro no dedo fino do marido. Mas lá está ela, toda bonita.

A esta hora, já ele pode ir dar banho ao cão.

O AUTOR ESCREVE DE ACORDO COM A ANTERIOR ORTOGRAFIA.

 ?? ILUSTRAÇÃO: JOÃO VASCO CORREIA ??
ILUSTRAÇÃO: JOÃO VASCO CORREIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal