Fes­tas his­tó­ri­cas

Jornal de Negócios - Must - - MUST CHECK IN - Fer­nan­do Sobral

No tem­po em que as su­per­mo­de­los, as es­tre­las de te­le­vi­são e os no­vos-ri­cos não en­tra­vam nos bai­les e nos ban­que­tes ofe­re­ci­dos por im­pe­ra­do­res e por mag­na­tas, as fes­tas ti­nham um requinte que ho­je não exis­te. Re­cor­da­mos as prin­ci­pais.

Já não há fes­tas inesquecíveis co­mo as de ou­tro­ra? Cre­mos que não. Ten­do co­mo pon­to de par­ti­da “a mai­or fes­ta do mun­do” da­da pe­lo Xá da Pér­sia, em 1971, re­cor­da­mos as que fo­ram ofe­re­ci­das por grands seig­neurs nos anos 60 e 70, nes­ta épo­ca em que se fes­te­ja a pas­sa­gem do ano. Ao re­fi­na­men­to de an­tes so­brepôs-se a ri­que­za, ao chi­que o no­vo-ri­quis­mo, à ima­gi­na­ção o tri­vi­al, à ex­clu­si­vi­da­de a mun­da­ni­da­de e ao bom gos­to a qua­se vul­ga­ri­da­de. As ver­da­dei­ras gran­des fes­tas es­fu­ma­ram-se. Mas não na nos­sa me­mó­ria.

Hou­ve um tem­po em que as gran­des fes­tas mar­ca­ram o rit­mo das so­ci­e­da­des. Eram acon­te­ci­men­tos mun­da­nos on­de o dinheiro se cru­za­va com a ce­le­bri­da­de, as ar­tes e a po­lí­ti­ca. On­de o po­der se olha­va ao es­pe­lho e gos­ta­va do que via. Sa­be-se que com su­fi­ci­en­te dinheiro to­dos po­dem ser o cen­tro das aten­ções, or­ga­ni­zan­do uma fes­ta em que to­dos quei­ram fa­zer par­te da lis­ta de con­vi­da­dos. Mas pa­ra uma fes­ta ser ver­da­dei­ra­men­te es­pe­ci­al tem de atin­gir al­go que o dinheiro não po­de com­prar: a imor­ta­li­da­de. E es­sas, imor­tais por­que nun­ca nin­guém as es­que­ceu, fo­ram acon­te­ci­men­tos do pas­sa­do. Gu­ar­dam-se na me­mó­ria e re­cor­dam-se com nos­tal­gia. A crise pe­tro­lí­fe­ra e económica de 1973, a as­cen­são do terrorismo ur­ba­no na Eu­ro­pa com o rap­to de po­lí­ti­cos e de mi­li­o­ná­ri­os, a os­ten­ta­ção de ri­que­za, que dei­xou de ser um va­lor po­si­ti­vo, e a pró­pria evo­lu­ção da so­ci­e­da­de, ca­da vez mais ime­di­a­ta e ma­te­ri­a­lis­ta, e me­nos di­le­tan­te e cul­tu­ral, al­te­ra­ram as re­gras. Tor­na­ram-se um pe­ca­do mor­tal e as gran­des fes­tas, ou­tro­ra vi­sí­veis e si­nais de ri­que­za ex­tre­ma, fe­cha­ram as por­tas aos olha­res in­dis­cre­tos. En­ver­go­nha­ram-se. Con­ti­nu­am a exis­tir, mas são re­ser­va­das, co­mo num bai­le de más­ca­ras, on­de as fa­ces se es­con­dem. Por is­so res­ta a nos­tal­gia das gran­des fes­tas do pas­sa­do, da­que­las que pa­re­ci­am des­ti­na­das a deu­ses, num Olim­po on­de os co­muns mor­tais ape­nas po­di­am ima­gi­nar que um dia te­ri­am aces­so. Os anos 80 do sé­cu­lo XX, aque­les que as­sis­ti­ram à glo­ba­li­za­ção fi­nan­cei­ra e à no­va vi­da das eli­tes sem fron­tei­ras, cri­a­ram tam­bém no­vos pó­los de ri­que­za. A ve­lha eli­te oci­den­tal con­ti­nu­ou a fa­zer as su­as fes­tas, mas fo­ram na­ções emer­gen­tes que ten­ta­ram fi­car na His­tó­ria, do Du­bai ao Uz­be­quis­tão. Só que a os­ten­ta­ção não sig­ni­fi­ca requinte. Tam­bém is­so se per­deu, num mun­do que já não quer par­ti­lhar com to­dos os seus pra­ze­res pri­va­dos. Es­te é o mun­do das pú­bli­cas vir­tu­des. Quan­do nos lem­bra­mos de uma das mai­o­res fes­tas que foi re­a­li­za­da pe­lo Xá da Pér­sia, Moha­med Re­za Pah­la­vi, pa­ra ce­le­brar os 2.500 anos da mo­nar­quia per­sa cri­a­da por Ci­ro, sen­te-se que cer­tos tem­pos fi­ca­ram de­fi­ni­ti­va­men­te pa­ra trás. En­tre 12 e 16 de Ou­tu­bro de 1971 con­cre­ti­zou-se es­se sonho de uma gran­di­o­si­da­de sem li­mi­tes. Cal­cu­la-se que o or­ça­men­to do gi­gan­tes­co even­to, es­sen­ci­al­men­te cen­tra­do em Per­sé­po­lis, te­rá cus­ta­do cer­ca de 1,5 mil mi­lhões de dó­la­res, o que se estima ter cor­res­pon­di­do a dois anos do en­tão or­ça­men­to do es­ta­do pa­ra a Suí­ça. A re­vis­ta Li­fe cha­mou-lhe “A fes­ta do sé­cu­lo”. A re­vis­ta ale­mã Stern ape­li­dou-a de “A mãe de to­das as fes­tas”, al­go que nos lem­bra ou­tra coi­sa, mais te­ne­bro­sa, co­mo “A mãe de to­das as guer­ras”. Há his­to­ri­a­do­res que con­si­de­ram que a fes­ta foi o co­me­ço do fim do rei­na­do de Re­za Pah­la­vi, der­ru­ba­do oi­to anos de­pois pe­la tam­bém te­ne­bro­sa Re­vo­lu­ção Ira­ni­a­na li­de­ra­da pe­lo ai­a­to­la Kho­mei­ni que o Xá ha­via ba­ni­do do país. Es­ta fes­ta foi, as­sim, a ca­ta­li­sa­do­ra de to­da uma re­vo­lu­ção po­lí­ti­ca que ain­da as­so­la dra­ma­ti­ca­men­te o Mé­dio Ori­en­te e, por ar­ras­ta­men­to, o res­to do mun­do. Kho­mei­ni clas­si­fi­cou-a co­mo “A fes­ta do De­mó­nio” e aler­tou o mun­do pa­ra a imo­ra­li­da­de de se gas­tar mi­lhões de dó­la­res nu­ma fes­ta quan­do cer­ca de 50% da en­tão po­pu­la­ção per­sa vi­via no li­mi­ar da po­bre­za. Pha­la­vi, um au­to­cra­ta pro­gres­sis­ta que rei­nou com mão de fer­ro, nun­ca che­gou a ser con­fron­ta­do com o er­ro que es­ta­va a co­me­ter e com o des­va­rio da ini­ci­a­ti­va, fa­zen­do-o as­se­me­lhar-se à rainha es­pa­nho­la que pe­ran­te a re­vol­ta do po­vo por não ter o que comer afir­mou que se não ti­ves­sem pão que co­mes­sem bo­los, o que cem anos de­pois se­ria atri­buí­do er­ro­ne­a­men­te a Ma­ria An­to­ni­e­ta, se­gun­do con­fir­mou a gran­de bió­gra­fa An­to­nia Fra­ser. De­vi­do a is­so e tam­bém por ra­zões de segurança (a he­di­on­da po­lí­cia po­lí­ti­ca do Xá, a SAVAK, ha­via de­ti­do quan­tos eram sus­pei­tos de po­der re­a­li­zar aten­ta­dos), a rainha Isa­bel II não com­pa­re­ceu (foi avi­sa­da tam­bém que o even­to se­ria de um ex­tre­mo mau gos­to), fa­zen­do-se re­pre­sen­tar pe­lo ma­ri­do e pe­la fi­lha, e o Pre­si­den­te Ri­chard Ni­xon en­vi­ou o vi­ce-pre­si­den­te Spi­ro Ag­new em seu lu­gar. Mas no ban­que­te es­ti­ve­ram pre­sen­tes per­so­na­li­da­des co­mo o im­pe­ra­dor da Etió­pia, Hai­lé Se­las­sié, Gra­ce Kelly e Rai­ni­er do Mónaco, Imel­da Mar­cos das Fi­li­pi­nas, Ti­to da Ju­gos­lá­via, o rei Hussein da Jor­dâ­nia, en­tre ca­be­ças co­ro­a­das, che­fes de es­ta­do, sul­tões, emi­res, príncipes her­dei­ros e po­lí­ti­cos de to­dos os con­ti­nen­tes.

A PRES­SÃO PA­RA QUE TU­DO CORRESSE NA PER­FEI­ÇÃO pe­ran­te os olhos do mun­do (as fes­ti­vi­da­des, que in­cluí­ram um im­pres­si­o­nan­te des­fi­le his­tó­ri­co com mil mi­li­ta­res en­ver­gan­do ves­tes an­ti­gas jun­to às ruí­nas do tú­mu­lo de Ci­ro e um fo­go-de-ar­ti­fí­cio fi­nal, fo­ram trans­mi­ti­das te­le­vi­si­va­men­te por via sa­té­li­te) era tal que o mi­nis­tro da Cor­te dis­se aos or­ga­ni­za­do­res da fes­ta: “Se o tra­ba­lho não fi­car con­cluí­do fu­zi­lo-vos e de­pois sui­ci­do-me!” O de­va­neio che­gou ao pon­to de o ter­re­no de­sér­ti­co on­de de­cor­re­ram as fes­ti­vi­da­des ter si­do ex­pur­ga­do de in­con­tá­veis es­cor­piões e ví­bo­ras (o que ho­je é vis­to co­mo um aten­ta­do eco­ló­gi­co) e trans­for­ma­do num oá­sis ar­ti­fi­ci­al abas­te­ci­do com con­du­tas de água, flo­res­ta­do com 15 mil ár­vo­res pro­ve­ni­en­tes dos bos­ques de Ver­sail­les, e co­ber­to, em par­te, de rel­va na­tu­ral eu­ro­peia que era re­ga­da di­a­ri­a­men­te. Fo­ram im­por­ta­dos 50 mil pás­sa­ros, oriun­dos so­bre­tu­do de Es­pa­nha, pa­ra dar um ar vi­vo ao “oá­sis”, mas as aves não re­sis­ti­ram por mais de três di­as de­vi­do ao ca­lor e à fal­ta de be­be­dou­ros. A alu­ci­na­ção che­gou ao pon­to de um he­li­cóp­te­ro ter trans­por­ta­do di­a­ri­a­men­te um blo­co de ge­lo (do ta­ma­nho de um car­ro) pa­ra ser servido nas be­bi­das e

uti­li­za­do nos frap­pés pa­ra vi­nho bran­co e cham­pa­nhe. Foi cons­truí­da uma au­to-es­tra­da pa­ra li­gar o ae­ro­por­to ao lo­cal da fes­ta e ad­qui­ri­da uma fro­ta de 250 li­mu­si­nas pa­ra trans­por­tar os con­vi­da­dos. Os 180 cri­a­dos de me­sa fo­ram con­tra­ta­dos nos me­lho­res ho­téis da Suí­ça. Du­ran­te a fes­ta, o che­fe dos mes­mos des­mai­ou de­vi­do ao stress e a tem­pe­ra­tu­ra era tão ele­va­da na co­zi­nha que qua­se to­da a equi­pa tra­ba­lhou pra­ti­ca­men­te des­pi­da. Os con­vi­da­dos jan­ta­ram sen­ta­dos a uma me­sa ser­pen­te­an­te de 70 me­tros. E ines­pe­ra­da­men­te a Na­tu­re­za pre­gou uma par­ti­da. Pa­ra des­con­for­to de Re­za Pah­la­vi e da ter­cei­ra mu­lher, a Imperatriz Fa­rah Di­ba, na pri­mei­ra noi­te a fi­la de con­vi­da­dos era tão lon­ga e de­mo­ra­da que mui­tos dos con­vi­da­dos ain­da es­ta­vam no ex­te­ri­or da ten­da prin­ci­pal quan­do uma tem­pes­ta­de de areia im­pre­vis­ta as­so­lou o lo­cal fa­zen­do pe­ri­gar a be­le­za dos pen­te­a­dos das se­nho­ras e a fi­xa­ção das ti­a­ras. A emen­ta era su­bli­me e a pre­pa­ra­ção da com­ple­xa cu­li­ná­ria co­me­ça­ra um ano an­tes, em 1970. Na al­tu­ra, a or­ga­ni­za­ção pe­diu a Louis Vau­da­ble, o pro­pri­e­tá­rio do Ma­xim’s, em Pa­ris, pa­ra ge­rir as fes­ti­vi­da­des. Nes­ses di­as, o Ma­xim’s era con­si­de­ra­do o me­lhor res­tau­ran­te do mun­do e te­ve de fe­char du­ran­te du­as se­ma­nas, an­tes da fes­ta, pa­ra con­fec­ci­o­nar tu­do. Ne­la fo­ram con­su­mi­das 25 mil gar­ra­fas de vi­nho e 5 mil de cham­pa­nhe, sen­do servido um dos mais so­ber­bos vi­nhos do mun­do, um Châ­te­au La­fi­te Roths­child, vin­ta­ge 1945. Um dos es­can­ções te­ve de tes­tar to­dos os vi­nhos por cau­sa de even­tu­ais ten­ta­ti­vas de en­ve­ne­na­men­to e do even­tu­al sa­bor a ro­lha.

HA­VIA MUI­TAS MU­LHE­RES BO­NI­TAS, mas quem lá es­te­ve ga­ran­te que os ho­mens que­ri­am era fa­lar com o Xá do Irão pa­ra ten­tar ter aces­so ao pe­tró­leo per­sa. Foi uma fes­ta co­mo ja­mais fo­ra vis­ta. To­dos os pro­du­tos fo­ram im­por­ta­dos, ex­cep­to o ca­vi­ar que sem­pre foi um sím­bo­lo do Irão. As 50 “ten­das” que ser­vi­ram de al­ber­gue aos con­vi­da­dos mais não eram do que bo­ni­tos apar­ta­men­tos pré-cons­truí­dos re­ves­ti­dos a pa­no, os quais es­ta­vam do­ta­dos de ar con­di­ci­o­na­do, de te­le­fo­ne, de fax, de te­le­vi­são, de rádio e de ca­sas de ba­nho com as me­lho­res por­ce­la­nas do pla­ne­ta. Fa­rah Di­ba es­cre­veu nas su­as me­mó­ri­as, 33 anos de­pois, que a fa­mí­lia re­al ti­nha de pro­var ao mun­do que aque­le era o mo­men­to do “re­nas­cer da ci­vi­li­za­ção ira­ni­a­na”. O Xá man­dou con­tra­tar ar­qui­tec­tos e de­co­ra­do­res fran­ce­ses pa­ra de­se­nhar e cons­truir as “ten­das” pa­ra os con­vi­da­dos, as quais fi­ca­vam jun­to às ruí­nas do tú­mu­lo de Ci­ro. A ten­da prin­ci­pal que ser­viu o ban­que­te, de 68 me­tros por 24 me­tros, de­mo­rou um ano a cons­truir nu­ma pis­ta pa­ra aviões de­sac­ti­va­da, nos ar­re­do­res de Pa­ris, e uti­li­zou 37 qui­ló­me­tros de se­da. Ain­da ho­je exis­te a es­tru­tu­ra me­tá­li­ca des­sa ten­da. No ví­deo ofi­ci­al, pa­ra o qual foi re­cru­ta­da uma equi­pa de téc­ni­cos de Hollywo­od, o nar­ra­dor, nem mais nem me­nos do que Or­son Wel­les, de­cla­rou: “Es­ta não foi a fes­ta do ano. Foi a ce­le­bra­ção de 25 sé­cu­los.” Wel­les as­se­gu­rou que não ha­ve­ria um 26.º sé­cu­lo pa­ra ha­ver uma co­me­mo­ra­ção as­sim. No fun­do, es­tá­va­mos pe­ran­te um mo­men­to má­gi­co, uma es­pé­cie de As Mil e Uma Noi­tes re­a­li­za­das em pou­cos di­as. Só que no fi­nal, após a vi­su­a­li­za­ção do ví­deo, o Xá per­gun­tou, per­ple­xo: “On­de é que es­tão os ira­ni­a­nos?” Em la­do ne­nhum. A ver­da­de, nua e crua, é que o po­vo fo­ra es­que­ci­do por­que a fes­ta, afi­nal, ti­nha si­do ofe­re­ci­da a es­tran­gei­ros.

Mas ou­tras fes­tas fi­ca­ram pa­ra a pos­te­ri­da­de. Uma das mais famosas foi a do Black and Whi­te Ball, re­a­li­za­da no Pla­za Ho­tel de No­va Ior­que, a 28 de Novembro de 1966. Foi or­ga­ni­za­da pe­lo es­cri­tor Tru­man Ca­po­te em hon­ra de Katha­ri­ne Graham, a qual ti­nha to­ma­do o ru­mo do The Washing­ton Post (e que se­ria de­ter­mi­nan­te du­ran­te os di­as do es­cân­da­lo Wa­ter­ga­te). Ser­viu pa­ra cum­prir um ve­lho sonho de Ca­po­te e pa­ra apre­sen­tar a her­dei­ra Graham aos glit­te­ra­ti. O que a tor­nou tão es­pe­ci­al é que ne­la se cru­za­ram al­gu­mas das personagens mais im­por­tan­tes de di­fe­ren­tes sec­to­res da so­ci­e­da­de americana e in­ter­na­ci­o­nal. To­dos de­se­ja­vam fa­zer par­te da lis­ta dos im­por­tan­tes elei­tos e os que não fo­ram se­lec­ci­o­na­dos de­ci­di­ram par­tir em vi­a­gem co­mo áli­bi por não es­ta­rem pre­sen­tes. Não con­ta­va quem iria, mas sim quem não es­ta­ria lá. Um gru­po tão se­lec­to é o dos par­ti­ci­pan­tes nou­tra fes­ta que fi­cou na His­tó­ria, o Sur­re­a­list Ball, or­ga­ni­za­do pe­los Ba­rões Guy e Ma­rie-Hélè­ne de Roths­child, em 1972, no seu Cha­te­au Fer­riè­res que fi­ca­va per­to de Pa­ris. En­tre ou­tros con­vi­vas, Salvador Da­lí e Au­drey Hep­burn de­gus­ta­ram pra­tos co­mes­tí­veis. Os em­pre­ga­dos es­ta­vam ves­ti­dos co­mo ga­tos e os con­vi­da­dos ti­ve­ram de atra­ves­sar as sa­las atra­vés de ti­ras de te­ci­do ela­bo­ra­das co­mo se fos­sem tei­as de ara­nha. Fo­ram tam­bém con­vi­da­dos os Du­ques Jai­me e Clau­di­ne de Ca­da­val. Era um tem­po em que se ten­ta­va re­cu­pe­rar o va­lor sim­bó­li­co de gran­des fes­tas da An­ti­gui­da­de, ins­pi­ra­do­ras des­tes mo­men­tos se­lec­tos, co­mo a do Sim­pó­sio, em Ate­nas, que se te­rá re­a­li­za­do no ano 416 an­tes de Cristo. Pa­ra os gre­gos an­ti­gos, es­ta era uma fes­ta de be­bi­das, acom­pa­nha­da de co­mi­da, de mú­si­cos, de dan­ça­ri­nos e de boa con­ver­sa. Lá te­rão es­ta­do Só­cra­tes, Aris­tó­fa­nes e ou­tros no­tá­veis ate­ni­en­ses. Na me­mó­ria co­lec­ti­va fi­ca­ra tam­bém a de um bai­le de so­ci­e­da­de or­ga­ni­za­do em hon­ra da Du­que­sa de Ri­ch­mond, em 15 de Ju­nho de 1815. No­tí­ci­as che­ga­das de um sú­bi­to avan­ço das tro­pas de Na­po­leão in­ter­rom­pe­ram as fes­ti­vi­da­des, mas o Du­que de Wel­ling­ton per­ma­ne­ceu pa­ra ter­mi­nar o jan­tar. Fi­cou acom­pa­nha­do por vá­ri­os ofi­ci­ais que, de tra­je de ga­la, se­gui­ram na ma­nhã se­guin­te di­rec­ta­men­te pa­ra a ba­ta­lha de Qu­a­tre Bras, an­te­ri­or à de Wa­ter­loo. Os Roths­child ti­nham bem pre­sen­te es­se pas­sa­do elo­quen­te. E que­ri­am fi­car, tam­bém eles, na His­tó­ria. O con­vi­te pa­ra o jan­tar de to­dos os “sur­re­a­lis­tas” ti­nha de ser li­do num es­pe­lho, tal co­mo fa­ria Re­né Ma­grit­te. Es­ta­vam pre­sen­tes pou­co mais de du­as cen­te­nas de con­vi­da­dos ín­ti­mos do Ba­rão e da Ba­ro­ne­sa de Roths­child. As más-lín­guas dis­se­ram que uma fes­ta tão ex­tra­va­gan­te ti­nha a ver com as di­fi­cul­da­des do Ba­rão de Roths­child que, as­sim, ten­ta­va cri­ar a ilu­são de es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra. Mas os crí­ti­cos eram aque­les que não ti­nham si­do con­vi­da­dos. Es­ta é uma das ques­tões cen­trais: quem fi­ca de fo­ra des­tas fes­tas se­lec­tas sen­te que não faz par­te do cír­cu­lo mais ín­ti­mo do po­der. E sen­te in­ve­ja. Salvador Da­lí che­gou es­col­ta­do pe­la sua musa, Aman­da. Dis­se: “Eu não pre­ci­so de uma más­ca­ra. A mi­nha fa­ce é uma más­ca­ra!” O dress code exi­gia smo­king pa­ra os ho­mens, ves­ti­dos com­pri­dos pa­ra as se­nho­ras e ca­be­ças or­na­men­ta­das de ins­pi­ra­ção sur­re­a­lis­ta pa­ra to­dos, in­clu­si­ve pa­ra os an­fi­triões. Mui­tos vi­nham dis­far­ça­dos com os ros­tos pin­ta­dos de mo­do a evo­car obras sur­re­a­lis­tas, já que a fes­ta ti­nha em Ma­grit­te e em Da­lí a fon­te de ins­pi­ra­ção pa­ra o te­ma. Um con­vi­da­do dis­se que, fe­liz­men­te, “a co­mi­da não era sur­re­a­lis­ta”. No ano an­te­ri­or, Ma­rie-Hélè­ne de Roths­child ti­nha or­ga­ni­za­do o Proust Ball em hon­ra do cen­té­si­mo ani­ver­sá­rio do nascimento de Mar­cel Proust. En­tre os 350 con­vi­da­dos es­ti­ve­ram Gra­ce do Mónaco, Au­drey Hep­burn e o ca­sal Eli­za­beth Tay­lor e Ri­chard Bur­ton. Ou­tras fes­tas fi­ca­ram tam­bém na me­mó­ria, co­mo a do 40.º ani­ver­sá­rio de Tay­lor, em 1972, or­ga­ni­za­da por Ri­chard Bur­ton, na qual es­te ofe­re­ceu à ac­triz o cé­le­bre di­a­man­te Taj Mahal, ou a Fes­ta Tommy, em lou­vor do fil­me Tommy, de Ken Rus­sell, que se re­a­li­zou na no­va es­ta­ção de me­tro­po­li­ta­no da 57.ª Rua de No­va Ior­que. Ali es­ta­va um ou­tro ti­po de es­tre­las: Elton John, Ann-Mar­ga­ret, Jack Ni­chol­son, Andy Warhol, Pe­te Townshend ou Lau­ren Ba­call. Gran­di­o­sa foi, até por ser a de um pre­si­den­te, a que foi or­ga­ni­za­da pa­ra a to­ma­da de pos­se de Ro­nald Re­a­gan, em 1981, on­de as lu­zes de la­ser cru­za­vam o nú­me­ro de co­me­di­an­tes que ne­la par­ti­ci­pa­ram. Mais re­cen­te­men­te, em 2011, Va­len­ti­no Ga­ra­va­ni or­ga­ni­zou o Whi­te Fairy Ta­le Lo­ve Ball, no Cas­te­lo de Wi­de­vil­le, nos ar­re­do­res de Pa­ris, que em tem­pos re­mo­tos era a ca­sa das aman­tes de Luís XIV. Ali es­ti­ve­ram An­ne Hathaway, Oli­via Pa­ler­mo ou Na­tá­lia Vo­di­a­no­va. A Va­nity Fair americana, há al­gum tem­po, in­cluiu na sua lis­ta das 25 me­lho­res fes­tas a dos 70 anos do mi­li­o­ná­rio Malcolm For­bes, no Pa­lá­cio Men­doub, em Tân­ger, em 1989; a dos 30 anos de Mick Jag­ger, em 1972, or­ga­ni­za­da por Ah­met e Mi­ca Er­te­gun, em St. Re­gis; o Red Ball da­do pe­lo bon vi­vant bra­si­lei­ro Nel­son Se­a­bra pa­ra co­me­mo­rar os seus 60 anos, no Lau­rent, em Pa­ris, em 1979; ou o jan­tar ofe­re­ci­do ao mi­nis­tro da Cul­tu­ra André Mal­raux, em 1962, por John F. Ken­nedy e a mu­lher, Jac­que­li­ne Bou­vi­er, na Ca­sa Bran­ca.

Na fes­ta do Xá da Pér­sia, a alu­ci­na­ção che­gou ao pon­to de um he­li­cóp­te­ro ter trans­por­ta­do di­a­ri­a­men­te um blo­co de ge­lo (do ta­ma­nho de um car­ro) pa­ra ser servido nas be­bi­das e uti­li­za­do nos frap­pés pa­ra vi­nho bran­co e cham­pa­nhe.

AS GRAN­DES FES­TAS AIN­DA EXIS­TEM E ES­TÃO MAIS RECATADAS. Mas já não têm a gran­di­o­si­da­de, a in­ve­ja­da ex­clu­si­vi­da­de, o to­que de clas­se e o requinte das an­ti­gas. Nes­ta pers­pec­ti­va, poderemos com­pa­rar as fes­tas da­das por Ro­man Abra­mo­vi­ch com as ofe­re­ci­das pe­los Ba­rões de Roths­child? Cre­mos que não. Ho­je as fes­tas vi­vem à cus­ta do dinheiro fres­co, de ce­le­bri­da­des do jet set, das fi­gu­ras de proa da mo­da, do des­por­to e do mun­do do es­pec­tá­cu­lo. Nem as ga­las do Met se lhes as­se­me­lham. Mui­ta da opu­lên­cia e do des­lum­bra­men­to das an­ti­gas fes­tas se de­ve à ima­gi­na­ção de­li­ran­te da du­pla de de­co­ra­do­res de in­te­ri­o­res fran­ce­ses Va­le­ri­an S. Ry­bar e Je­an-Fran­çois Dai­gre que con­ta­va en­tre os seus cli­en­tes Guy e Ma­rie-Hélè­ne de Roths­child, Ni­cho­las e Ge­ne­vi­e­ve Du­Pont, An­te­nor e Be­a­triz Pa­tiño, Sa­mu­el e Mit­zi Newhou­se, Pi­er­re e Ma­ria da Con­cei­ção Sch­lum­ber­ger, Sir Ja­mes Golds­mith, Ch­ris­ti­na Onas­sis e Sta­vros Ni­ar­chos. Só que a pres­são da opi­nião pú­bli­ca, que em tem­pos de aus­te­ri­da­de e de crise económica con­vi­ve me­nos bem com a sump­tu­o­si­da­de des­ses even­tos, fez do re­ca­to uma me­lhor op­ção pa­ra as fes­tas pri­va­das. Sal­va­ram-se as pú­bli­cas vir­tu­des. Mas tam­bém dei­xá­mos de ter even­tos que per­du­rem na me­mó­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.