FA­ZER OU NÃO FA­ZER… EIS A QUES­TÃO

Jornal de Negócios - Must - - MUST HAVE FUN -

As fes­tas são um as­sun­to em que a ex­pe­ri­ên­cia con­ta mui­to. En­tre to­das as fes­tas a que já fo­mos e já or­ga­ni­za­mos (ou ten­ta­mos or­ga­ni­zar) há uma lis­ta de coi­sas que cor­re­ram bem e ou­tras que cor­re­ram, di­ga­mos, me­nos bem, o que acha­mos que fun­ci­o­na e o que nun­ca fa­ría­mos se fos­se em nos­sa ca­sa. En­tre o sen­so co­mum, his­tó­ri­as par­ti­lha­das e uma aju­di­nha da De­brett’s so­bre a eti­que­ta (pa­ra quem re­ce­be e pa­ra quem é con­vi­da­do), aqui fi­cam al­gu­mas gui­de­li­nes:

1. É pre­ci­so sa­ber que uma fes­ta nun­ca se re­pe­te. Se já vi­veu a fes­ta da sua vi­da, não va­le a pe­na fa­zer de tu­do pa­ra a re­cri­ar. Guar­de-a na me­mó­ria e par­ta pa­ra ou­tra.

2. A res­pon­sa­bi­li­da­de da fes­ta é do an­fi­trião. Pla­neie bem o que quer fa­zer e pre­pa­re tu­do an­tes de os con­vi­da­dos che­ga­rem. “Al­guém há-de tra­zer be­bi­das”, “A co­mi­da de­ve che­gar” e “Não sei qu­an­tas pes­so­as é que vão apa­re­cer” não são bons pres­sá­gi­os.

3. Os con­vi­da­dos de­vem sen­tir-se bem. Uma fes­ta é um mo­men­to de diversão par­ti­lha­da e, por is­so, dê aten­ção às pes­so­as que con­vi­dou pa­ra es­ta­rem con­si­go. Se for con­vi­da­do, não leve os pro­ble­mas pa­ra o con­ví­vio e dei­xe a ir­ri­ta­ção à por­ta.

4. É em am­bi­en­tes de con­ví­vio que se cri­am no­vos co­nhe­ci­men­tos e até ami­za­des. Não dei­xe nin­guém ir tra­tar da lou­ça so­zi­nho na co­zi­nha ou fi­car agar­ra­do a um li­vro no es­cri­tó­rio. Mas tam­bém não an­de a ar­ras­tar pes­so­as pe­la ca­sa e a in­ter­rom­per con­ver­sas pa­ra apre­sen­tar pes­so­as umas às ou­tras.

5. Os con­vi­tes de­vem ser fei­tos com a de­vi­da an­te­ce­dên­cia, mas as res­pos­tas tam­bém de­vem ser da­das a tem­po e ho­ras que per­mi­tam a or­ga­ni­za­ção da fes­ta.

6. Nun­ca se che­ga a um jan­tar an­tes da ho­ra. Se as­sim fi­zer e se lhe de­rem a ta­re­fa de pôr a me­sa pa­ra o afas­tar dos ape­ri­ti­vos ou dos ca­na­pés, é bem fei­to. Os con­vi­da­dos de­vem apa­re­cer à ho­ra mar­ca­da ou li­gei­ra­men­te de­pois e com um pre­sen­te pa­ra o an­fi­trião. Nes­te ca­so, chocolates ou flo­res, se op­tar pe­lo tri­vi­al, ou al­go ori­gi­nal, co­mo um jo­go. Ofe­re­cer vi­nhos é al­go em­ba­ra­ço­so, pois pre­su­me-se que os an­fi­triões não te­rão que che­gue e, pi­or, se o seu vi­nho for me­lhor ou pi­or do que o de­les, o em­ba­ra­ço se­rá mú­tuo.

7. Di­vir­ta-se! Se­rá uma boa com­pa­nhia co­mo an­fi­trião e tam­bém se­rá um con­vi­da­do em vis­ta pa­ra a pró­xi­ma fes­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.