Es­sen­ci­ais

Jornal de Negócios - Must - - MUST KNOW -

ROS­TO AS MO­LÉ­CU­LAS QUE FA­ZEM A DI­FE­REN­ÇA

1. A cos­mé­ti­ca mo­le­cu­lar tem vin­do a dar que fa­lar nos últimos me­ses, e uma das prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­lo te­ma é a Dr.ª Bár­ba­ra Sturm. A ale­mã por de­trás do cé­le­bre Vam­pi­re Fa­ci­al pas­sou os últimos anos a de­sen­vol­ver o con­cei­to de cos­mé­ti­ca mo­le­cu­lar. E a for­mu­lar pro­du­tos unis­se­xo ba­se­a­dos no po­der das pro­teí­nas pró­pri­as do or­ga­nis­mo hu­ma­no co­mo for­ma de com­ba­ter o en­ve­lhe­ci­men­to. Fir­me na ideia de que a in­fla­ma­ção é a cul­pa­da pe­lo pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to cu­tâ­neo, os seus pro­du­tos (já à ven­da na Skin­li­fe, em Lis­boa) não con­têm qual­quer in­gre­di­en­te que pos­sa ir­ri­tar a pe­le. Su­per An­ti-aging Se­rum, €290, Dr.ª Bar­ba­ra Sturm

DI­A­MAN­TE NE­GRO

2. É um dos mais lu­xu­o­sos cre­mes do mun­do. Cri­a­do pe­la 111 Skin e re­co­men­da­do pa­ra pe­les ma­du­ras, es­ta po­ção an­ti­en­ve­lhe­ci­men­to con­cen­tra­da foi for­mu­la­da com par­tí­cu­las de di­a­man­te ne­gro que se du­pli­cam em mi­cro­es­fe­ras. Es­tas pe­ne­tram nu­ma ca­ma­da mais pro­fun­da da epi­der­me, trans­por­tan­do três in­gre­di­en­tes-cha­ve: NAC Y2 que es­ti­mu­la a re­ge­ne­ra­ção ce­lu­lar, co­la­gé­nio do ti­po I e III e áci­do hi­a­lu­ró­ni­co. Ce­les­ti­al Black Di­a­mond Cre­am, €718,36, 111Skin, em www.mr­por­ter.com

COS­MÉ­TI­CA HAU­TE COUTURE

3. Le Soin Noir re­pre­sen­ta o equi­va­len­te cos­mé­ti­co da al­ta-cos­tu­ra da mar­ca fun­da­da por Hu­bert de Gi­ven­chy. Na sua ter­cei­ra ge­ra­ção re­cém-lan­ça­da, man­tém a au­ra de um cui­da­do de pe­le mis­te­ri­o­so, en­ri­que­ci­do com a al­qui­mia de mo­lé­cu­las des­co­ber­tas no fun­do dos oce­a­nos. Uma fu­são en­tre du­as al­gas que so­bre­vi­ve­ram aos tem­pos, se­lec­ci­o­na­das pe­la sua for­ça e re­sis­tên­cia, e que são as es­tre­las des­ta fór­mu­la. Le Soin Noir de Gi­ven­chy, €370, Gi­ven­chy

OS LASERS QUE ESTIMULAM A PE­NE­TRA­ÇÃO DOS IN­GRE­DI­EN­TES

4. Tão ou mais di­fí­cil do que des­co­brir as mo­lé­cu­las per­fei­tas pa­ra re­ju­ve­nes­cer a pe­le e co­mo es­ta­bi­li­zá-las, o mé­to­do de en­tre­ga é igual­men­te im­por­tan­te. O la­ser tem si­do uma das for­mas mais efi­ca­zes pa­ra fa­zê-lo, per­mi­tin­do a pe­ne­tra­ção nas ca­ma­das mais pro­fun­das da pe­le. Em mui­tos ca­sos são apa­re­lhos não in­va­si­vos que dão um bo­ost na apa­rên­cia do ros­to ime­di­a­ta­men­te vi­sí­vel após ape­nas uma ida ao der­ma­to­lo­gis­ta. Fa­zê-lo em ca­sa (com apa­re­lhos pa­ra o efei­to) tam­bém é pos­sí­vel: as lu­zes LED têm pro­va­do a sua efi­cá­cia no com­ba­te à ac­ne (LED azul) e no es­tí­mu­lo do co­la­gé­nio (LED âm­bar). My C.L.E., €390, Ca­ri­ta

OS GAD­GETS IN­TE­LI­GEN­TES

5. Na era dos cui­da­dos per­so­na­li­za­dos, os gad­gets tam­bém evo­luí­ram pa­ra ofe­re­cer ser­vi­ços ade­qua­dos ao ti­po de pe­le de ca­da pes­soa. Com is­to em men­te, a Fo­reo en­vi­ou 900 mil apa­re­lhos Lu­na Fo­fo pa­ra fãs nos Es­ta­dos Uni­dos, de for­ma a aper­fei­ço­ar e tor­nar ain­da mais in­te­li­gen­te o al­go­rit­mo de cui­da­do de pe­le pre­sen­te na má­qui­na. O re­sul­ta­do da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al apli­ca­do à sua best-sel­ler má­qui­na de lim­pe­za fa­ci­al Lu­na foi um up­gra­de a es­ta úl­ti­ma, ago­ra com ro­ti­nas cus­to­mi­za­das: ana­li­sa a pe­le pa­ra en­tre­gar uma lim­pe­za per­so­na­li­za­da de acor­do com as ne­ces­si­da­des do mo­men­to. Lu­na Fo­fo, €89,90, Fo­reo, na Sepho­ra

OS ES­SEN­CI­AIS PA­RA A BAR­BA

Bar­bas e bi­go­des dei­xam-se cres­cer en­tre o Ou­to­no e o In­ver­no. Es­ti­mu­la­dos par­ci­al­men­te pe­lo mo­vi­men­to Mo­vem­ber (um even­to que ocor­re du­ran­te o mês de Novembro em que os ho­mens dei­xam cres­cer o seu bi­go­de co­mo sím­bo­lo de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção pa­ra os pro­ble­mas de saú­de mas­cu­li­nos, co­mo o can­cro da prós­ta­ta), mui­tos bi­go­des per­ma­ne­cem du­ran­te os me­ses se­guin­tes. É tam­bém a al­tu­ra per­fei­ta pa­ra “tes­tar” ta­ma­nhos e for­ma­tos de bar­ba, uma vez que o ca­lor já não re­pre­sen­ta uma desculpa. 6. O apa­ra­dor ide­al pa­ra uma bar­ba e bi­go­de com um as­pec­to cui­da­do pos­sui lâ­mi­nas com re­ves­ti­men­to em ti­tâ­nio, mo­tor de al­ta re­sis­tên­cia, po­de ser uti­li­za­do no du­che e con­ta com uma au­to­no­mia de 90 mi­nu­tos. Ex­per­ti­se, €45, Rowen­ta

7. O óleo pa­ra a bar­ba com uma fór­mu­la leve que hi­dra­ta o pê­lo, tor­nan­do-ob­mais su­a­ve en­quan­to nu­tre a pe­le se­ca da fa­ce, con­tém óleo de pra­ca­xi e áci­do sa­li­cí­li­co. Es­tes in­gre­di­en­tes aju­dam a man­ter o pê­lo sau­dá­vel des­de a sua raiz e a mis­tu­ra de ce­dro, sân­da­lo e óle­os es­sen­ci­ais de eu­ca­lip­to con­fe­re-lhe o seu aro­ma fres­co e ama­dei­ra­do. Nou­rishing Be­ard Gro­o­ming Oil, €30, Ki­ehl’s

GRAY HAIR, DON’T CARE

8. Uti­li­zar pro­du­tos es­pe­cí­fi­cos pa­ra ca­be­los cin­zen­tos ou pra­te­a­dos com pig­men­tos vi­o­le­ta é es­sen­ci­al pa­ra neu­tra­li­zar a ten­dên­cia que es­te ti­po de ca­be­lo tem pa­ra ama­re­lar e aju­da a pre­ser­var a be­le­za da cor e a su­a­vi­da­de dos ca­be­los mais ma­du­ros. Os pig­men­tos cin­za de al­gu­mas fór­mu­las irão aju­dar igual­men­te a re­a­vi­var o pra­te­a­do bri­lhan­te dos ca­be­los. Sil­ver Sham­poo, €17,10, De­pot

PA­RA QUEM PRE­FE­RE COM­BA­TER OS CA­BE­LOS GRISALHOS

9. Em vez de as­su­mi-los, a Phy­to cri­ou o pri­mei­ro tra­ta­men­to an­ti-ca­be­los cin­zen­tos sem pig­men­tos, o RE30. Es­te pép­ti­do (que re­sul­tou de seis anos de pes­qui­sa) es­ti­mu­la a pro­du­ção de pig­men­ta­ção na­tu­ral, pre­ve­nin­do con­tra a fu­tu­ra per­da de cor do fio. Pa­trick Alés, fun­da­dor da Phy­to, acre­di­ta­va na na­tu­re­za de­li­ca­da dos ca­be­los e fez da sua mis­são pro­te­ger e res­pei­tá­los, uti­li­zan­do in­gre­di­en­tes na­tu­rais de ele­va­da efi­cá­cia: “O ecos­sis­te­ma dos ca­be­los e do cou­ro ca­be­lu­do é vi­vo e pre­ci­o­so.” Phy­to RE30, tra­ta­men­to an­ti-ca­be­los bran­cos, €49, Phy­to

O SE­CA­DOR SU­PER­SÓ­NI­CO

10. Ja­mes Dy­son, o en­ge­nhei­ro che­fe e fun­da­dor da Dy­son, admite que, “du­ran­te os últimos 25 anos, a ob­ses­são dos en­ge­nhei­ros da Dy­son tem si­do ma­ni­pu­lar o flu­xo de ar”. Têm-no con­cre­ti­za­do nas mais di­fe­ren­tes áre­as (re­cor­de­mos os se­ca­do­res de mãos su­per­só­ni­cos de al­gu­mas ca­sas de ba­nho pú­bli­cas), mas foi o se­ca­dor que sur­giu co­mo uma das re­vo­lu­ções dos cui­da­dos de be­le­za em 2016, jus­ti­fi­can­do o seu va­lor pou­co fre­quen­te. De­ve-o a um mo­tor di­gi­tal e a um ter­mos­ta­to in­te­li­gen­te que pro­por­ci­o­nam ao ca­be­lo uma se­ca­gem rá­pi­da e pre­ci­sa, sem da­ni­fi­car ou cau­sar frizz no ca­be­lo. Um dos me­lho­res (se não o me­lhor) no mer­ca­do ga­nha ago­ra uma no­va in­du­men­tá­ria. Um anel de ou­ro de 23.75 qui­la­tes apli­ca­do atra­vés de téc­ni­cas tra­di­ci­o­nais e ma­nu­ais dão a es­te apa­re­lho um lo­ok ain­da mais lu­xu­o­so. De­se­nha­do por Ja­mes Dy­son, que ele­geu o ou­ro “por ser um dos ma­te­ri­ais mais re­sis­ten­tes do mun­do, uti­li­za­do em de­se­nho, es­cul­tu­ra e ar­qui­tec­tu­ra du­ran­te sé­cu­los. Dy­son Su­per­so­nic, edi­ção li­mi­ta­da com fo­lhas de ou­ro, €499, Dy­son

GO VE­GAN

11. Por­que o fu­tu­ro é uma be­le­za tam­bém ca­da vez mais na­tu­ral, as­su­mir pro­du­tos ve­gan nos cui­da­dos quo­ti­di­a­nos tem-se re­ve­la­do be­né­fi­co pa­ra a pe­le, pa­ra os ca­be­los e pa­ra o pla­ne­ta. Re­cém-che­ga­da a Por­tu­gal, a J.F. La­zar­ti­gue apos­ta em in­gre­di­en­tes ve­gan ten­do co­mo ob­jec­ti­vo che­gar a 2020 com 95% das fór­mu­las na­tu­rais. E 100% dos champôs con­têm um trio de ten­si­o­ac­ti­vos não agres­si­vos de­ri­va­dos do co­co, sen­do os si­li­co­nes são subs­ti­tuí­dos por uma com­bi­na­ção de óle­os de ele­va­da pe­ne­tra­ção que per­mi­tem uma hi­gi­e­ne su­a­ve: o ca­be­lo é me­nos fra­gi­li­za­do, a sua cor é res­pei­ta­da e o cou­ro ca­be­lu­do é na­tu­ral­men­te pro­te­gi­do. Champô an­ti-pe­li­cu­lar, €18,90, J.F. La­zar­ti­gue

3 4 5

10

6

1

8

2

7

9

11

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.