O con­ta­dor de aves

En­quan­to es­cre­ve o seu sex­to ro­man­ce – que diz que se­rá o úl­ti­mo –, Jonathan Fran­zen lan­ça um livro de en­sai­os e ar­ti­gos so­bre li­te­ra­tu­ra, amizade e al­te­ra­ções cli­má­ti­cas.

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - SENTIDOS - FERNANDO SOBRAL

pre­ci­so che­gar até à pá­gi­na 223 para co­me­çar a ler o en­saio que dá no­me ao livro de um dos gran­des au­to­res de fic­ção ame­ri­ca­nos vi­vos. “O Fim do Fim da Ter­ra” tal­vez se­ja o pon­to al­to de um con­jun­to de tex­tos es­cri­tos nos úl­ti­mos cin­co anos, on­de o te­ma mais re­cor­ren­te é o meio am­bi­en­te, mas on­de há tam­bém um pou­co de li­te­ra­tu­ra, me­mó­ri­as, po­lí­ti­ca, vi­a­gens e his­tó­ria.

Fran­zen, fa­lan­do a pro­pó­si­to da sua pai­xão pe­las aves, diz a da­do mo­men­to (p. 20) que é “um lis­ta­dor”, por­tan­to, lis­te­mos. A par­te li­te­rá­ria po­de ser en­con­tra­da na pá­gi­na 147 com as su­as “Dez re­gras para o ro­man­cis­ta”. Dei­xe­mos uma: “É du­vi­do­so que al­guém que tem li­ga­ção à In­ter­net no seu lo­cal de tra­ba­lho es­te­ja a es­cre­ver boa fic­ção.” Li­te­ra­tu­ra ain­da no mag­ní­fi­co per­fil da es­cri­to­ra Edith Whar­ton (1862-1937).

As me­mó­ri­as abrem o livro, com “Ma­nhat­tan, 1981”, um Verão pas­sa­do com a na­mo­ra­da da al­tu­ra, uns bis­ca­tes, o ir­mão, a in­se­gu­ran­ça que a ci­da­de lhe pas­sa­va e os pri­mei­ros pas­sos na es­cri­ta. Me­mó­ri­as ain­da em “Uma Amizade” (com o es­cri­tor Wil­li­am T. Voll­mann). E His­tó­ria, em “13/9/01”, so­bre co­mo o 11 de Se­tem­bro ti­rou dos ame­ri­ca­nos o nor­mal, o tri­vi­al e o ri­dí­cu­lo. “Na ma­nhã de se­gun­da-fei­ra [10 de Se­tem­bro], a pri­mei­ra pá­gi­na do Daily News ti­nha si­do: ‘Mo­ra­do­res de Kips Bay di­zem: As nos­sas ca­sas têm bo­lor tó­xi­co.’ Es­ta pri­mei­ra pá­gi­na é (e con­ti­nu­a­rá a ser, por al­gum tem­po) es­pan­to­sa.”

Lon­gas pá­gi­nas são ocu­pa­das pela ob­ser­va- ção de aves um pou­co por to­do o mun­do. Ei-lo no Ga­na lo­go à pá­gi­na 19, con­tan­do es­pé­ci­es no dia em que Do­nald Trump era elei­to. “De re­pen­te to­mei cons­ci­ên­cia de que de­via ter fi­ca­do em ca­sa, a ten­tar con­so­lar a mi­nha na­mo­ra­da na res­sa­ca das elei­ções, exer­ci­tan­do o úni­co be­ne­fi­cio de ser um pes­si­mis­ta de­pres­si­vo, que é a pro­pen­são para rir em tem­pos ne­gros.”

No­ta fi­nal para uma das men­sa­gens que pas­sa pe­lo livro, a de que o ar­gu­men­to do aque­ci­men­to glo­bal tem as cos­tas lar­gas, e que mui­to dis­pa­ra­te tem si­do di­to e fei­to em seu no­me (e Fran­zen está mui­to lon­ge de ser um ne­ga­ci­o­nis­ta).

Finalmente, dois gran­des tex­tos: “O Fim do Fim da Ter­ra”, so­bre uma ex­pe­di­ção à An­tár­ti­da, um tio cha­ma­do Walt e um afá­vel pin­guim-im­pe­ra­dor. E “Que Te­nhas uma Vi­da Des­gra­ça­da”, uma vi­a­gem pe­los paí­ses afri­ca­nos do Me­di­ter­râ­neo e os seus ca­ça­do­res de aves. “Qua­se to­dos os be­duí­nos com que fa­lei me dis­se­ram que não ma­tam es­pé­ci­es re­si­den­tes, co­mo pou­pas e ro­las-do- Se­ne­gal. Em con­tra­par­ti­da, e à se­me­lhan­ça de ou­tros ca­ça­do­res me­di­ter­râ­ni­cos, con­si­de­ram le­gí­ti­mo ca­çar to­das as es­pé­ci­es mi­gra­do­ras – co­mo di­ri­am os al­ba­ne­ses, ‘não são aves nos­sas’”. A fal­ta de com­pai­xão (cha­me­mos-lhe só is­so) tem gra­du­a­ções: já em “Ei­ch­mann em Je­ru­sa­lém”, Han­nah Arendt con­ta­va co­mo ini­ci­al­men­te os na­zis eram mais cle­men­tes para com os ju­deus ale­mães do que com os ou­tros ju­deus da Eu­ro­pa. “Não são ju­deus nossos”, qua­se se po­de ou­vir.

PE DRO BOUCH E RI E MEN DES Ain­da bem que fi­cou des­se la­do, Es­cri­tó­rio,192 pá­gi­nas, 2 018

MA­RI­ON GODFROYE XAVI E R DECTOTHis­tó­ria à me­saOb­jec­ti­va, 24 0 pá­gi­nas, 2 018

J ONATHAN FRANZE NO fim do fim da Ter­raDom Qui­xo­te, 264 pá­gi­nas, 2 018

DAVI D S H E FFBe­au­ti­ful Boy Pre­sen­ça, 424 pá­gi­nas, 2 018

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.