C CVI. Ca­ros lei­to­res (as)

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - AUTOMÓVEIS -

om bas­tan­te lás­ti­ma que ve­nho, por es­te meio, co­mu­ni­car que ao fim de qu­a­tro lon­gos anos a mi­nha ver­ve epis­to­lar che­gou ao fim. Ano no­vo, vi­da no­va, e para a mi­nha pes­soa no­vo sig­ni­fi­ca que acei­tei um lu­gar de con­se­lhei­ro que me foi ofe­re­ci­do pe­lo pre­si­den­te de Va­nu­a­tu, Tal­lis Obed Mo­ses. Para es­pan­to, o Mo­ses (ele in­sis­te que o tra­te por tu) con­tac­tou-me, ar­gu­men­tan­do que um por­tu­guês lhe faz mui­to fal­ta lá pela ilha, so­bre­tu­do para tra­ta­men­to das de­li­ca­das qu­es­tões di­plo­má­ti­cas que en­vol­vem Va­nu­a­tu e as ilhas Sa­lo­mão no que con­cer­ne à cap­tu­ra de me­xi­lhão.

Ora, co­mo Va­nu­a­tu foi des­co­ber­to por um por­tu­guês, Pedro Fer­nan­des de Qu­ei­rós de sua gra­ça, o Mo­ses con­si­de­rou, com acer­to, que se a ori­gem do pro­ble­ma es­te­ve aí, a re­so­lu­ção do mes­mo te­ria tam­bém de ser en­con­tra­da por um por­tu­guês. E é aqui que en­tro. O Mo­ses foi à in­ter­net pes­qui­sar por por­tu­gue­ses fa­mo­sos e o meu no­me sur­giu no 189º pos­to, o que se sig­ni­fi­ca que hou­ve 188 pes­so­as que re­cu­sa­ram o lu­gar de con­se­lhei­ro, en­tre elas, o Em­plas­tro, a Ma­ria Le­al, o Rui Rio e o João Ga­lam­ba.

Ape­sar de al­gum res­sen­ti­men­to em re­la­ção ao meu po­si­ci­o­na­men­to nes­te ran­king, co­mo sou pa­tri­o­ta e sem­pre so­nhei ter uma car­rei­ra di­plo­má­ti­ca, acei­tei o rep­to com o fi­to pri­mor­di­al de re­por o bom no­me e a hon­ra de Por­tu­gal e tam­bém de me es­ca­par à

Cle­men­ti­na, a qual acha que o fac­to de me aque­cer os pés nes­tas noi­tes de In­ver­no lhe dá di­rei­to a so­nhar com uma ida ao al­tar.

Con­tu­do, não dei­xa­rei o meu lu­gar va­zio. Co­mo ho­mem de fa­mí­lia que sa­be cui­dar dos seus, me­ti uma cu­nha à editora do We­e­kend, in­di­can­do o no­me do meu so­bri­nho, Pa­ra­gra­fi­no Pes­ca­da, co­mo a pes­soa in­di­ca­da para me subs­ti­tuir. A seu fa­vor, além de ser san­gue do meu san­gue, o Pa­ra­gra­fi­no tem um cur­rí­cu­lo que fa­la por si. Ti­nha sem­pre Su­fi­ci­en­te me­nos nas re­dac­ções da ter­cei­ra e quar­ta clas­se, mas aca­bou es­ses anos com dis­tin­ção, de­ri­va­do do fac­to de ser um mes­tre da ba­ju­la­ção e dos pais te­rem uma lo­ja de cho­co­la­tes. Mais à fren­te na sua vi­da, já na fa­cul­da­de, con­se­guiu tor­nar-se mes­tre, o que se re­ve­lou de enor­me mes­tria por­que na re­a­li­da­de não foi a uma úni­ca au­la mas sem­pre sou­be es­co­lher bem os tipos a quem pa­ga­va para fa­ze­rem as frequên­ci­as por ele. Foi as­sim que se tor­nou dou­tor em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais e um es­pe­ci­a­lis­ta em pra­ti­ca­men­te to­dos os as­sun­tos, de­vi­do não só aos pro­fun­dos diá­lo­gos que man­te­ve com a mi­nha pes­soa, mas tam­bém com ou­tras pes­so­as, mor­men­te no ca­fé da Etel­vi­na, que pas­sa por ser uma uni­ver­si­da­de da vi­da, em­bo­ra al­gu­mas lín­guas vi­pe­ri­nas o clas­si­fi­quem co­mo um poi­so de in­di­gen­tes.

O Pa­ra­gra­fi­no, an­tes de se mos­trar en­tu­si­as­ma­do com o de­sa­fio, per­gun­tou quan­to é que pa­ga­vam, e no mo­men­to em que lhe res­pon­di “uma mão cheia de na­da” quis de­sis­tir. No en­tan­to, fi-lo re­pen­sar a de­ci­são, su­bli­nhan­do as van­ta­gens da ex­po­si­ção me­diá­ti­ca, tan­to para a sua as­cen­são pro­fis­si­o­nal co­mo a ní­vel de ou­tras coi­sas que sei que vo­cês sa­bem e por is­so não es­cre­vo, em­bo­ra me ape­te­ces­se por­que ado­ro ce­nas do ti­po es­ca­to­ló­gi­co e não só.

Des­fei­tos os equí­vo­cos, fi­ca o es­sen­ci­al. De­vi­do ao mérito de ser meu so­bri­nho, Pa­ra­gra­fi­no Pes­ca­da ini­ci­a­rá na pró­xi­ma se­ma­na a sua co­la­bo­ra­ção nes­te su­ple­men­to su­pim­pa. E pos­so ga­ran­tir que o fa­rá com gar­bo, de­no­do e apu­ra­do sen­ti­do de ir­res­pon­sa­bi­li­da­de, se­guin­do as­sim a tra­di­ção fa­mi­li­ar.

Se pre­ci­sa­rem de mim, es­cre­vam para Va­nu­a­tu. O mais cer­to é não res­pon­der de­vi­do aos múl­ti­plos afa­ze­res que me es­pe­ram, en­tre os quais des­ta­co a ar­te de be­ber gins lo­go pela ma­nhã, a de con­vi­ver com tu­ris­tas de se­xo fe­mi­ni­no e a de jo­gar ga­mão com o Mo­ses. Quan­to ao que fa­rá o Pa­ra­gra­fi­no, le­van­to aqui a pon­ta do véu (os is­lâ­mi­cos que me des­cul­pem), de mo­do a des­per­tar o ape­ti­te. Ao con­trá­rio de uns tipos ar­ma­dos aos cu­cos que an­dam por aí a que­re­rem des­mon­tar as “fa­ke news” (di­zem no­tí­ci­as fal­sas em in­glês para a gen­te pen­sar que es­tão a fa­zer uma coi­sa com “pe­di­gree”), o Pa­ra­gra­fi­no irá trans­for­mar as pre­ten­sas ver­da­des nas men­ti­ras a que te­mos di­rei­to. Com a bên­ção do tio, pe­ço que as vos­sas pu­pi­las ter­nu­ren­tas re­ce­bam com ca­ri­nho as pa­la­vras es­cri­tas do meu Pa­ra­gra­fi­no.

Bem ha­jam.

Um am­ple­xo des­te que vos dei­xa,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.