À pro­cu­ra de uma mãe que nun­ca exis­tiu

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - CINCO SENTIDOS - MARCO AL­VES

Um qua­se ro­man­ce de es­pi­o­na­gem do es­cri­tor eter­na­men­te co­nhe­ci­do pe­lo “best­sel­ler” “O Pa­ci­en­te In­glês”

Em 1945, os nos­sos pais fo­ram-se em­bo­ra, dei­xan­do-nos ao cui­da­do de dois ho­mens que po­di­am mui­to bem ser cri­mi­no­sos.” A pri­mei­ra fra­se de “A Luz da Guer­ra” dá o mo­te pa­ra o que se po­de con­si­de­rar uma au­la de co­mo bem con­tar uma his­tó­ria. Ro­man­ce pe­cu­li­ar, dra­ma fa­mi­li­ar, me­mó­ria e es­pi­o­na­gem, é o re­gres­so de Mi­cha­el On­da­at­je.

Tal co­mo em “O Pa­ci­en­te In­glês” (1992), es­te no­vo li­vro do es­cri­tor ca­na­di­a­no é um pós II Guer­ra Mun­di­al nu­ma Lon­dres a re­cu­pe­rar dos es­com­bros da vi­tó­ria. E, tal co­mo nou­tros li­vros de On­da­at­je, há cri­an­ças e ado­les­cen­tes a vi­ve­rem sem a pre­sen­ça dos pais – às ve­zes de am­bos. Ve­mos is­so em “The Cat’s Ta­ble” (2011) e em “Di­vi­sa­de­ro” (2007).

Não se­rá por aca­so a re­cor­rên­cia des­ta se­mi­or­fan­da­de num au­tor que nas­ceu no Sri Lan­ka em 1943 e que era ain­da uma cri­an­ça quan­do os pais se se­pa­ra­ram. Fi­cou a vi­ver com pa­ren­tes e só se jun­tou à mãe em 1954, em Lon­dres. Es­sa vi­a­gem que fez so­zi­nho de barco até Inglaterra, quan­do ti­nha 11 anos, é pre­ci­sa­men­te o pon­to de par­ti­da do pro­ta­go­nis­ta de “The Cat’s Ta­ble”. O pas­sa­do que dei­xá­mos pa­ra trás mas que per­ma­ne­ce nas nos- sas mãos con­ti­nua a ser uma das mar­cas da obra de Mi­cha­el On­da­at­je.

Na­que­la fra­se ini­ci­al de “A Luz da Guer­ra”, quem fa­la, quem diz “os nos­sos pais”, é Natha­ni­el Wil­li­ams, que con­ta co­mo aos 14 anos os pais de­ci­di­ram mis­te­ri­o­sa­men­te ir em­bo­ra de ca­sa, pa­ra Sin­ga­pu­ra, on­de o pa­tri­ar­ca fo­ra co­lo­ca­do pe­la sua em­pre­sa. Natha­ni­el re­cor­da tu­do ago­ra, aos 29 anos. O ca­sal dei­xa um ami­go, de al­cu­nha Tra­ça, a cui­dar dos miú­dos. “Acei­tá­mos a de­ci­são, co­mo as cri­an­ças fa­zem”. Tra­ça era um in­di­ví­duo de com­por­ta­men­tos es­tra­nhos e mis­te­ri­o­sos (“Era um ho­mem de mui­tas por­tas…”), co­mo es­tra­nhos e mis­te­ri­o­sos eram os ami­gos que iam fre­quen­tan­do a ca­sa. Não é de ad­mi­rar que a car­rei­ra es­co­lar dos dois ir­mãos te­nha des­car­ri­la­do. Ra­chel ha­ve­ria de co­me­çar a tra­ba­lhar num te­a­tro e foi-se des­li­gan­do do ir­mão. Pa­re­ce nun­ca ter per­do­a­do a mãe pe­lo aban­do­no e afas­ta-se da his­tó­ria do li­vro co­mo se afas­ta da vi­da do ir­mão, de quem era tão che­ga­da.

Natha­ni­el co­me­ça­rá a ter tam­bém os seus pri­mei­ros bis­ca­tes e aven­tu­ras amo­ro­sas. E a en­trar no mun­do do pe­que­no cri­me pe­la mão do Fle­chei­ro, ou­tra per­so­na­gem que fre­quen­ta a ca­sa e que se de­di­ca a im­por­tar gal­gos de Fran­ça pa­ra de­pois os in­se­rir no mer­ca­do clan­des­ti­no de cor­ri­das.

O que acon­te­ceu ao pai de Natha­ni­el é coi­sa que não se vai sa­ber tão ce­do, mas a mãe apa­re­ce a meio do li­vro. Aliás, an­tes de­la apa­re­ce es­con­di­da na ca­ve a mala que su­pos­ta­men­te ti­nha le­va­do na vi­a­gem. Mais tar­de, pa­re­ce­rá a Natha­ni­el que viu a mãe, ou al­guém pa­re­ci­do com ela, a ob­ser­vá-lo. Afi­nal, tal­vez nun­ca te­nha saí­do de Lon­dres e es­te­ja só es­con­di­da. De quê e de quem? O atu­al em­pre­go de Natha­ni­el, nos Ser­vi­ços Se­cre­tos Bri­tâ­ni­cos, on­de tem aces­so a in­for­ma­ções con­fi­den­ci­ais, vai aju­dá-lo a jun­tar as pe­ças do puzz­le, no­me­a­da­men­te o que fa­zia a mãe ao ser­vi­ço do go­ver­no na guer­ra, o que se pas­sou no pe­río­do cin­zen­to de ajus­te de con­tas a se­guir ao fim do con­fli­to e quem eram de fac­to aque­les ami­gos es­tra­nhos que fo­ram apa­re­cen­do lá em ca­sa.

MI C HAE L ON DAATJ EA Luz da Guer­raRe­ló­gio d’Água, 248 pá­gi­nas, 2 018

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.