Abram-lhes a ca­be­ça!

O que é um de­sa­ni­ver­sá­rio? Po­de um cor­po en­co­lher ou au­men­tar ape­nas com umas go­tas de po­ção? Es­co­lheu o fla­min­go cer­to pa­ra jo­gar crí­que­te? Tal­vez lhe pa­re­ça tu­do ab­sur­do. E, na ver­da­de, é. A his­tó­ria de Lewis Car­roll con­ti­nua a ter o po­der de der­ru­bar o

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - TEATRO - WIL­SON LE­DO

Quan­do se fa­la em “Ali­ce no País das Ma­ra­vi­lhas”, a ima­gem mais re­cor­ren­te no ima­gi­ná­rio co­le­ti­vo tal­vez se­ja a do fil­me da Dis­ney lan­ça­do em 1951. Mais re­cen­te­men­te, em 2010, o mes­mo es­tú­dio ci­ne­ma­to­grá­fi­co vol­ta­ria a es­ta obra clás­si­ca pa­ra um fil­me as­si­na­do por Tim Bur­ton, nu­ma ver­são um tan­to ou quan­to mais obs­cu­ra, co­mo lhe é ca­rac­te­rís­ti­co.

“Ali­ce no País das Ma­ra­vi­lhas”, a no­va pe­ça de te­a­tro en­ce­na­da por Ma­ria João Luís e Ri­car­do Ne­ves-Ne­ves, cria um ou­tro lu­gar, sem dei­xar con­tu­do as re­fe­rên­ci­as do ci­ne­ma. Pro­va dis­so é a frag­men­ta­ção de Ali­ces lo­go na pri­mei­ra cena do es­pe­tá­cu­lo, com vo­zes que se so­bre­põem, cri­an­do um co­ro qua­se fan­tas­ma­gó­ri­co – a fa­zer ine­vi­ta­vel­men­te lem­brar um dos últimos tra­ba­lhos de Ne­ves-Ne­ves, “Ban­da So­no­ra”.

Pa­ra os mais es­que­ci­dos tal­vez se­ja me­lhor lem­brar o que acon­te­ce à per­so­na­gem prin­ci­pal. Ali­ce, uma cu­ri­o­sa ra­pa­ri­ga, dei­xa-se, cer­ta tar­de, des­lum­brar por um co­e­lho apres­sa­do. Ao per­se­gui-lo, aca­ba por en­trar nu­ma to­ca de co­e­lho. O bu­ra­co é, afi­nal, a pas­sa­gem pa­ra um ou­tro mun­do, on­de as re­gras da nos­sa so­ci­e­da­de (a so­ci­e­da­de vi­to­ri­a­na do sé­cu­lo XIX) dei­xam de se apli­car. Ali­ce co­me­ça en­tão uma ver­da­dei­ra odis­seia pe­las mais di­fe­ren­tes pa­ra­gens.

Es­te é, por­ven­tu­ra, o as­pe­to mais de­sa­fi­an­te pa­ra a du­pla de en­ce­na­do­res: a ca­pa­ci­da­de de, no mes­mo pal­co, ir pas­san­do de am­bi­en­te em am­bi­en­te de for­ma rá­pi­da, atra­ti­va e sem dei­xar de ser fiel aos me­ca­nis­mos de um cer­to sur­re­a­lis­mo em que as­sen­ta a nar­ra­ti­va. É atra­vés do re­cur­so ao ví­deo e de uma su­per­fí­cie es­pe­lha­da – cu­ri­o­sa­men­te, o ele­men­to que Lewis Car­roll ex­plo­ra nu­ma ou­tra aven­tu­ra da per­so­na­gem, “Ali­ce do Ou­tro La­do do Es­pe­lho” – que gran­de par­te da pe­ça se de­sen­vol­ve.

Não dei­xa de ser in­te­res­san­te uma li­ção que po­de ser re­ti­ra­da des­ta op­ção es­té­ti­ca: aqui­lo a que o pú­bli­co tem aces­so, na mai­o­ria do tem­po, é às apa­rên­ci­as, aos re­fle­xos. A coi­sa em si, a or­dem nor­mal do te­a­tro, sus­pen­de-se pa­ra que um no­vo mun­do pos­sa sur­gir. Se há ho­me­na­gem aos es­cri­tos de Lewis Car­roll, ela, mes­mo que in­di­re­ta­men­te, aqui es­tá.

“Ali­ce no País das Ma­ra­vi­lhas” é um tra­ba­lho tan­to pa­ra cri­an­ças co­mo pa­ra adul­tos. Pe­ran­te o ab­sur­do, to­dos aca­ba­mos por re­co­nhe­cer as re­gras em que es­ta­mos en­re­da­dos. Dis­cu­tem-se, de for­ma leve, con­cei­tos co­mo o tem­po e a sua não li­ne­a­ri­da­de en­quan­to se toma uma chá­ve­na de chá. Ca­da per­so­na­gem aca­ba por apre­sen­tar-se ain­da mais bi­zar­ra do que a an­te­ri­or. Mes­mo Ali­ce – in­te­li­gen­te­men­te in­ter­pre­ta­da por Be­a­triz Fra­zão, nas­ci­da em 2003, já dis­tin­gui­da pe­lo seu tra­ba­lho em te­le­vi­são e um dos no­mes a quem é pre­ci­so ir pres­tan­do aten­ção nos pró­xi­mos anos – vai dei- xan­do a sua ra­ci­o­na­li­da­de ce­der.

É a má­qui­na do te­a­tro a fun­ci­o­nar de uma for­ma di­ver­ti­da. Jun­tem-lhe os sons que acom­pa­nham ca­da mo­vi­men­to exa­ge­ra­do, as vo­zes que se so­bre­põem, a iro­nia de ex­pres­sões em in­gl ês aqui e aco­lá, as co­res e os bri­lhos dos fi­gu­ri­nos, o mo­vi­men­to das lu­zes ou o rit­mo alu­ci­na­do das en­tra­das e saí­das de cena. “Cor­tem-lhe a ca­be­ça”, ou­ve-se ve­zes sem con­tas.

Na pla­teia, as ca­be­ças tam­bém se dei­xam cortar. Elas abrem-se, me­ta­fo­ri­ca­men­te, a novas pos­si­bi­li­da­des. Tal­vez se­ja is­so o mais bo­ni­to: per­ce­ber co­mo um con­to as­so­ci­a­do à in­fân­cia tem ain­da tan­to pa­ra nos en­si­nar so­bre a ida­de adul­ta.

“ALI CE NO PAÍS DAS MARAVI LHAS”, EN­CE­NA­DA POR MA­RIA JOÃO LUÍS E RI CARDO NE­VES-NE­VES, ES­TÁ EM CENA NO TE­A­TRO NACI ONAL D. MA­RIA I I ATÉ DO­MIN­GO, 6 DE JANEI RO. A NÃO PER­DER.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.