Só fal­ta di­zer que a Ter­ra é re­don­da

AS MEN­TI­RAS A QUE TE­MOS DI­REI­TO

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - NEWS -

A ver­da­de an­da por aí, se­du­to­ra, a bam­bo­le­ar-se di­an­te das nos­sas pu­pi­las. Olha­mos pa­ra ela e pen­sa­mos “ai que gi­ra”, mas na re­a­li­da­de não é. Es­ta ver­da­de é co­mo aque­las miú­das que apa­re­cem no Ins­ta­gram, a trans­bor­da­rem be­le­za do in­te­ri­or do ecrã pa­ra fo­ra. A gen­te en­tu­si­as­ma-se, mar­ca en­con­tros e de­pois, quan­do as en­con­tra­mos em car­ne e os­so, pre­nhes de ex­pec­ta­ti­vas, per­ce­be­mos que além de Deus exis­te um ou­tro se­nhor a fa­zer mi­la­gres, o Pho­toshop.

Acon­te­ce que al­gu­mas no­tí­ci­as apre­go­a­das co­mo ver­da­dei­ras, na re­a­li­da­de, es­tão car­re­ga­di­nhas de Pho­toshop. Por exem­plo, a in­for­ma­ção de que o Pre­si­den­te Mar­ce­lo foi ao Bra­sil as­sis­tir à to­ma­da de pos­se de Bol­so­na­ro em no­me das bo­as re­la­ções bi­la­te­rais e da co­e­são da CPLP é o equi­va­len­te a apli­car aque­les cre­mes pa­ra es­con­der as olhei­ras de­pois de uma noi­te de far­ra. O que efe­ti­va­men­te acon­te­ceu foi que o Pre­si­den­te Mar­ce­lo qu­e­ria pas­sar o Ano No­vo em fa­mí­lia (pa­ra fi­car so­zi­nho em ca­sa já lhe bas­tou o Na­tal) e, ten­do o fi­lho a vi­ver no Bra­sil, ar­ran­jou um pre­tex­to pa­ra fa­zer a vi­a­gem.

Aliás, é do Bra­sil que sur­ge ou­tra amos­tra des­ta mis­ti­fi­ca­ção do que é mer­ca­de­ja­do co­mo re­a­li­da­de. Re­fi­ro-me, em con­cre­to, à ida do pri­mei­ro-mi­nis­tro hún­ga­ro à in­ves­ti­du­ra de Jair. Evo­ca­ram-se as se­me­lhan­ças po­lí­ti­cas en­tre os dois, a for­ma co­mo des­de­nham da de­mo­cra­cia e pen­sam que o Es­ta­do de­ve ser uma ver­são do Hulk Ho­gan nos seus bons ve­lhos tem­pos do “wres­tling ”, is­to é, mus­cu­la­do e com o ca­be­lo pin­ta­do de lou­ro pa­ra trans­mi­tir boa apa­rên­cia. Es­ta ob­ser­va­ção, con­tu­do, é um lo­gro. O mo­ti­vo que le­vou Ór­ban ao Bra­sil foi dar uma “mas­ter­class” so­bre in­to­le­rân­cia ra­ci­al a Jair, de mo­do a que es­te te­nha fer­ra­men­tas pa­ra li­dar com os ín­di­os ou com os ti­pos que des­de­nham da IURD. Ór­ban apro­vei­tou ain­da pa­ra es­co­lher a sua fu­tu­ra re­si­dên­cia em Bú­zi­os, on­de en­con­tra­rá re­fú­gio quan­do os hún­ga­ros ga­nha­rem juí­zo e cor­re­rem com ele ao pon­ta­pé.

Ou­tra ver­da­de Pho­toshop que im­por­ta des­mas­ca­rar é que Cris­ti­a­no Ro­nal­do foi ver che­gar o Ano No­vo ao Du­bai. Ele em­pe­nhou-se em pas­sar es­sa men­sa­gem, com fo­to­gra­fi­as nas re­des so­ci­ais, mas su­ce­de que o jo­ga­dor ce­le­brou a meia-noi­te no ca­ci­lhei­ro da Jo­a­na Vas­con­ce­los, ao lar­go do Te­jo, de­vi­do ao fac­to de ter de pou­par uns mi­lhões pa­ra pa­gar a dí­vi­da ao fis­co es­pa­nhol. Aliás, a Georgina foi avis­ta­da no mar da Pa­lha a apa­nhar amêi­joa que de­pois foi ven­der a uns res­tau­ran­tes de Al­co­che­te dis­far­ça­da de ro­me­na, sen­do que o so­ta­que de Ta­la­ve­ra de La Rei­na aju­dou a com­por a per­so­na­gem. Uma pa­la­vra de ad­mi­ra­ção pa­ra a do­na Do­lo­res, a qual foi ca­paz de guar­dar se­gre­do, e ou­tra pa­ra o seu ami­go Se­me­do, que mos­trou qua­li­da­des ex­ce­ci­o­nais na ar­te da mon­ta­gem fo­to­grá­fi­ca.

Es­ta se­ma­na sur­gi­ram tam­bém no­tí­ci­as de que a ges­tão de Car­los San­tos Ferreira e Ar­man­do Va­ra da CGD foi a prin­ci­pal res­pon­sá­vel pe­la mai­or par­te do bu­ra­co que obri­gou à ca­pi­ta­li­za­ção do ban­co pú­bli­co. Ora, aqui es­tá mais um ca­so de uma in­for­ma­ção re­tor­ci­da. San­tos Ferreira e Va­ra nun­ca po­de­ri­am ter si­do res­pon­sá­veis por tal, na me­di­da que an­da­vam en­tre­ti­dos a apa­nhar ro­ba­los em Se­sim­bra, ten­do ter­ci­a­ri­za­do a ges­tão da CGD ao ami­go Só­cra­tes, que era adic­to ao tra­ba­lho e não te­ve di­fi­cul­da­des em con­ci­li­ar o ofí­cio de pri­mei­ro-mi­nis­tro com as fun­ções de CEO do ban­co. Ou se­ja, con­si­de­rar que Car­los San­tos Pereira e Ar­man­do Va­ra são res­pon­sá­veis por qual­quer coi­sa de er­ra­do que te­nha su­ce­di­do na CGD é o mes­mo que afir­mar que a Ter­ra é re­don­da. O que, co­mo to­dos sa­bem, não se ve­ri­fi­ca.

Pa­ra con­cluir es­te exer­cí­cio de des­cons­tru­ção da ver­da­de, fi­xe­mo-nos na no­tí­cia de que Má­rio Cen­te­no foi elei­to o me­lhor mi­nis­tro das Fi­nan­ças da Eu­ro­pa pe­la re­vis­ta The Ban­ker do Fi­nan­ci­al Ti­mes. As­sim, à vis­ta de­sar­ma­da, pa­re­ce um elogio às ca­pa­ci­da­des de Cen­te­no e até o pri­mei­ro ca­lo­ro­so afa­go do ano ao ego lu­si­ta­no. Eis uma apre­ci­a­ção su­per­fi­ci­al e li­mi­ta­da em to­do o seu es­plen­dor, na me­di­da em que es­te é ape­nas o pre­tex­to de que An­tó­nio Cos­ta es­pe­ra­va pa­ra en­vi­ar Cen­te­no pa­ra Bru­xe­las com a jus­ti­fi­ca­ção de que Por­tu­gal dá sem­pre o seu me­lhor à União Eu­ro­peia. Aliás, não te­rá si­do por aca­so que, an­tes de es­te re­sul­ta­do ser co­nhe­ci­do, Cos­ta fez uma as­si­na­tu­ra anu­al do FT, jus­ti­fi­can­do a mes­ma com a ne­ces­si­da­de de apoi­ar a co­mu­ni­ca­ção social.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.