A to­ma­da do tra­ba­lho pe­la en­ti­da­de su­pe­rin­te­li­gen­te

O pro­ces­so de ocu­pa­ção do tra­ba­lho pe­la tec­no­lo­gia uni­ver­sa­li­zou-se a uma ve­lo­ci­da­de in­con­tro­lá­vel. Mas as en­ti­da­des su­pe­rin­te­li­gen­tes não fo­ram e con­ti­nu­am a não ser en­ten­di­das por go­ver­nos, vas­tos se­to­res em­pre­sa­ri­ais e tra­ba­lha­do­res.

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - CINCO SENTIDOS - JO­SÉ VEGAR

Oco­nhe­ci­men­to reu­ni­do pe­los Coletores no que res­pei­ta ao pro­ces­so de ocu­pa­ção do tra­ba­lho pe­la tec­no­lo­gia é, na ver­da­de, pre­cá­rio. Afi­nal, es­te é ain­da um pro­ces­so em cur­so um pou­co por to­do o mun­do, mas há al­guns da­dos que pa­re­cem es­tar a ser de­ter­mi­nan­tes. O pri­mei­ro, por­ven­tu­ra o de­ci­si­vo, é o do au­men­to in­ter­mi­ná­vel da ca­pa­ci­da­de tec­no­ló­gi­ca. O có­di­go be­ne­fi­cia das in­fi­ni­tas cir­cu­la­ções em re­de da in­for­ma­ção, e tor­na-se mais útil e ro­bus­to a ca­da se­gun­do, pe­ne­tran­do e per­mi­tin­do a ges­tão e a exe­cu­ção de to­do e qu­al­quer tra­ba­lho.

O có­di­go é de­se­nha­do pe­lo ho­mem e pe­la má­qui­na, e as­sen­ta num me­ca­nis­mo cir­cu­lar, on­de a in­for­ma­ção reu­ni­da per­mi­te cons­truir al­go­rit­mos so­fis­ti­ca­dos, que por sua vez ana­li­sam ba­ses de da­dos in­fi­ni­tas, ex­train­do pa­drões, uti­li­za­dos na cri­a­ção de có­di­go po­ten­te pe­los au­to­res re­fe­ri­dos. Bos­trom, en­tre ou­tros, cha­mou-lhes en­ti­da­des su­pe­rin­te­li­gen­tes.

O se­gun­do da­do a ter em con­ta pa­ra o co­nhe­ci­men­to da ocu­pa­ção do tra­ba­lho pe­la tec­no­lo­gia é o de que as en­ti­da­des su­pe­rin­te­li­gen­tes não fo­ram e con­ti­nu­am a não ser en­ten­di­das por go­ver­nos, vas­tos se­to­res em­pre­sa­ri­ais e tra­ba­lha­do­res. A in­for­ma­ção é com­ple­xa, e mui­tos não de­di­ca­ram o seu tem­po a de­ci­frá-la, em­bo­ra se­ja jus­to es­cre­ver que tu­do acon­te­ceu de­ma­si­a­do de­pres­sa e em de­ma­si­a­das lo­ca­li­za­ções. To­dos per­de­ram de­ma­si­a­do tem­po pre­sos a um pa­ra­dig­ma ul­tra­pas­sa­do, o da ro­bo­ti­za­ção do tra­ba­lho. Por ou­tras pa­la­vras, to­dos ga­nha­ram a con­vic­ção de que o que es­tá em cau­sa é o uso in­ten­so e mul­ti­pli­ca­do da ex­ten­são da en­ti­da­de su­pe­rin­te­li­gen­te, o robô, que fa­rá ape­nas tra­ba­lhos re­pe­ti­ti­vos e au­to­má­ti­cos.

Na ver­da­de, o que es­tá em cau­sa é al­go de ra­di­cal­men­te di­fe­ren­te. O que es­tá em cau­sa, e o que es­te­ve sem­pre em cau­sa, é que a es­ma­ga­do­ra per­cen­ta­gem do tra­ba­lho é pre­di­ti­va, po­de ser co­nhe­ci­da e pro­gra­má­vel, nas su­as in­fi­ni­tas va­ri­a­ções, por en­ti­da­des su­pe­rin­te­li­gen­tes. Nes­te mo­men­to, en­ten­de-se li­gei­ra­men­te me­lhor o que acon­te­ceu, o co­nhe­ci­men­to es­tá mais es­ta­bi­li­za­do, em­bo­ra ain­da lon­ge de pro­fun­do. As en­ti­da­des su­pe­rin­te­li­gen­tes vas­cu­lha­ram as po­de­ro­sas ba­ses de da­dos a que têm aces­so a to­do o mo­men­to, de­te­ta­ram os pa­drões, pro­gra­ma­ram as múl­ti­plas va­ri­a­ções de to­da e qu­al­quer ação la­bo­ral, e cons­truí­ram as res­pos­tas ne­ces­sá­ri­as.

Al­guns exem­plos da to­ma­da do tra­ba­lho pe­las en­ti­da­des são vi­sí­veis. O pro­gra­ma va­li­da­do pe­lo Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de per­mi­te ao uten­te con­fir­mar se es­tá con­ta­mi­na­do pe­lo ví­rus da gri­pe, e co­mo de­ve com­ba­tê-lo. O mé­di­co do ser­vi­ço de urgências é dis­pen­sá­vel. Mas, o gros­so da to­ma­da do tra­ba­lho pe­la en­ti­da­de foi qua­se in­vi­sí­vel du­ran­te de­ma­si­a­do tem­po. Com mui­to mai­or ca­pa­ci­da­de de aná­li­se de to­da a in­for­ma­ção exis­ten­te na mul­ti­na­ci­o­nal, e ca­paz de de­ci­dir ape­nas se­gun­do os ra­ci­o­nais fun­da­men­tais, a má­qui­na tor­na su­pér­fluo o CEO. Sub­me­ti­dos à in­fi­ni­ta ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to de in­for­ma­ção, e à ra­ci­o­na­li­da­de de de­ci­são e exe­cu­ção das en­ti­da­des su­pe­rin­te­li­gen­tes, Es­ta­dos e em­pre­sas en­tre­ga­ram-lhes a exe­cu­ção do tra­ba­lho. O pro­ces­so de to­ma­da exe­cu­ta­do pe­las en­ti­da­des su­pe­rin­te­li­gen­tes mu­da to­tal­men­te a nos­sa con­di­ção hu­ma­na, co­mo par­ti­lha­re­mos no tex­to da pró­xi­ma se­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.