Mu­dam-se os tem­pos, man­têm-se as von­ta­des

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - TEATRO - WILSON LEDO

Quan­do pen­sa em Sha­kes­pe­a­re, do que se lem­bra? Ro­meu e Ju­li­e­ta, Ham­let, Ote­lo… A lis­ta de pe­ças com for­te car­ga dra­má­ti­ca po­dia con­ti­nu­ar por mais al­gu­mas li­nhas. E se lhe dis­ses­sem que se po­de­ria rir e di­ver­tir com uma pe­ça des­te dra­ma­tur­go bri­tâ­ni­co? Po­de acre­di­tar, é ver­da­de.

Há quem já o veja co­mo uma tra­di­ção. A ca­da no­vo ano, a ca­da no­vo ja­nei­ro, um regresso ao pal­co. Pe­la ter­cei­ra vez con­se­cu­ti­va, Luís Mo­rei­ra mer­gu­lha co­mo en­ce­na­dor no uni­ver­so de Wil­li­am Sha­kes­pe­a­re. “É o au­tor que mais fa­ci­li­ta o tra­ba­lho a um jo­vem en­ce­na­dor. Não são pre­ci­sos ar­ti­fí­ci­os, a his­tó­ria já es­tá bem con­ta­da”. ALuís Mo­rei­ra res­ta a pre­pa­ra­ção dos ato­res, pa­ra que eles pos­sam ser veí­cu­los da pró­pria his­tó­ria e trans­por­tá­la ao pú­bli­co.

“De­mo­rei al­gum tem­po a per­ce­ber is­to. Só mes­mo de­pois de uma pas­sa­gem de­mo­ra­da (e ca­ra) por Lon­dres – on­de es­tu­dei – é que dei por mim a ter co­ra­gem de pla­ne­ar um ci­clo de es­pe­tá­cu­los de­di­ca­do a Sha­kes­pe­a­re, que fi­zes­se o pú­bli­co por­tu­guês sen­tir a mes­ma sa­tis­fa­ção que ti­ve quan­do com­pre­en­di o que es­ta­va a ler”.

Com ri­gor e sim­pli­ci­da­de, ga­ran­te, “Mui­to Ba­ru­lho Por Na­da” che­ga ao Te­a­tro do Bair­ro co­mo o ter­cei­ro ca­pí­tu­lo des­te per­cur­so te­a­tral. Uma co­mé­dia ro­mân­ti­ca que, mes­mo es­cri­ta há sé­cu­los, con­ti­nua a tra­zer li­ções pa­ra os nos­sos di­as. “Mu­dam-se os tem­pos, mu­dam-se as von­ta­des, mas o dis­pa­ra­te con­ti­nua o mes­mo. Con­ti­nu­a­mos a rir da des­gra­ça alheia, a di­zer mal uns dos ou­tros, cruéis, egoís­tas e vin­ga­ti­vos. Po­rém, con­ti­nu­a­mos tam­bém ca­pa­zes de gran­des his­tó­ri­as de amor, de sub­ver­ter a or­dem, de mu­dar o mun­do com a for­ça das nos­sas pa­la­vras”.

Nes­tas pa­la­vras, in­ter­pre­ta­das por 11 ato­res, há um ou­tro la­do de Sha­kes­pe­a­re por des­co­brir. Abor­re­ci­do, eru­di­to, pe­sa­ro­so ou len­to são ad­je­ti­vos que não en­tram nes­te pal­co. Por­que Luís Mo­rei­ra quer que o dra­ma­tur­go in­glês, mais do que aces­sí­vel, se­ja pró­xi­mo. “Do que mais te­nho ou­vi­do do pú­bli­co é sa­tis­fa­ção. Mui­tos di­zem-me que foi a pri­mei­ra vez que per­ce­be­ram a pe­ça, ou­tros di­zem-me que foi uma sur­pre­sa des­co­brir que afi­nal Sha­kes­pe­a­re é di­ver­ti­do. O nos­so le­ma é Sha­kes­pe­a­re pa­ra to­dos. É uma afir­ma­ção su­fi­ci­en­te­men­te boa pa­ra agra­dar e ir­ri­tar mui­ta gen­te”.

Des­de o pri­mei­ro mo­men­to que a com­pa­nhia Fi­lho do Meio, cri­a­da por Luís Mo­rei­ra, tra­ba­lha sem qu­al­quer apoio pú­bli­co. As úni­cas fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to são a bi­lhe­tei­ra e os con­tri­bu­tos de al­guns me­ce­nas. “Com o ci­clo ‘Três Co­mé­di­as, Três Tra­gé­di­as’ es­tou a com­pro­var e a re­fu­tar o meu pró­prio ar­gu­men­to: não se de­ve tra­ba­lhar sem as con­di­ções mí­ni­mas mas, ao mes­mo tem­po, já vou no ter­cei­ro Sha­kes­pe­a­re”. Um es­for­ço (for­ça­do) de uma equi­pa que es­tá a dar mais do que de­via. “Qu­e­ro que as pes­so­as vão ao te­a­tro mas que o es­pe­tá­cu­lo a que as­sis­tem se­ja o re­sul­ta­do dig­no de um con­jun­to de pes­so­as que não vi­ve na mi­sé­ria e que não te­ve de pa­gar por ele”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.