On­de pa­ram os azei­tes no­vos com DOP?

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - GASTRONOMIA - EDGARDO PACHECO

Em Es­pa­nha, o pri­mei­ro con­cur­so de azei­te da re­gião de Jaén de­cor­reu em me­a­dos de de­zem­bro. Por cá, al­go pa­re­ci­do só acon­te­ce­rá em mar­ço/abril. Por­tu­gal me­lho­rou imen­so a qua­li­da­de dos azei­tes, mas os pro­du­to­res de­mo­ram eter­ni­da­des a lan­çar azei­tes no­vos com de­no­mi­na­ção de ori­gem pro­te­gi­da (DOP). É pe­na.

Se um ita­li­a­no qui­ser com­prar ho­je azei­tes com De­no­mi­na­ção de Ori­gem Pro­te­gi­da (DOP) da sua ter­ra e da co­lhei­ta 2018/19, po­de fa­zê-lo? Po­de. E um es­pa­nhol? Tam­bém. E um gre­go? A mes­ma coi­sa. E nós? Bom, de­pois de ter­mos fei­to uma ron­da por lo­jas da es­pe­ci­a­li­da­de, a res­pos­ta é: não po­de. Só lá pa­ra fe­ve­rei­ro. Is­to é acei­tá­vel? Não me pa­re­ce, vis­to que es­ta si­tu­a­ção pre­ju­di­ca a edu­ca­ção dos por­tu­gue­ses, que, co­mo se sa­be, é fra­qui­nha em ma­té­ria de azei­te.

Nu­ma crónica que aqui se pu­bli­cou a pro­pó­si­to da pre­sen­ça de re­pre­sen­tan­tes dos azei­tes da re­gião es­pa­nho­la de Jaén em Lis­boa, du­ran­te a ga­la Mi­che­lin, hou­ve quem pen­sas­se que eu es­ta­ria a in­si­nu­ar que os azei­tes de­les não te­ri­am qua­li­da­de quan­do com­pa­ra­dos com os nos­sos. Ora, tal só se se­ria pos­sí­vel se eu ti­ves­se per­di­do o juí­zo. Pa­ra que fi­que bem cla­ro, no que diz res­pei­to a pro­du­tos com DOP, fa­lar de “me­lho­res” é um exer­cí­cio de pu­ra ig­no­rân­cia, vis­to que um pro­du­to com DOP tem uma iden­ti­da­de pró­pria re­sul­tan­te de inú­me­ras va­riá­veis, pe­lo que com­pa­rar não faz sen­ti­do. Al­guém bem for­ma­do po­de di­zer que um quei­jo São Jor­ge é me­lhor do que um Com­té? Cla­ro que não. Po­de di­zer – coi­sa di­fe­ren­te – que pre­fe­re um a ou­tro (ques­tões de gos­to). Mas não po­de usar o con­cei­to de me­lhor co­mo uma es­ca­la de va­lo­res.

Con­tu­do, quan­do com­pa­ra­mos as cul­tu­ras or­ga­ni­za­ci­o­nais en­tre Por­tu­gal e Es­pa­nha, Itá­lia ou Gré­cia, no que diz res­pei­to aos lan­ça­men­tos de azei­tes no­vos, aí sim per­de­mos em di­fe­ren­tes ní­veis. Re­pa­rem nis­to. A re­gião de Jaén or­ga­ni­za, to­dos os anos, no iní­cio de de­zem­bro, um con­cur­so de azei­tes da cam­pa- nha em cur­so, com azei­tes que já es­tão à ven­da no mercado (al­guns em no­vem­bro). Pois, em Por­tu­gal, o pri­mei­ro con­cur­so só ocor­re em mar­ço ou abril, al­tu­ra em que os gran­des azei­tes es­pa­nhóis ou ita­li­a­nos já es­ta­rão qua­se to­dos ven­di­dos.

Cer­ta vez, em Mi­lão, no iní­cio de abril, en­trei nu­ma lo­ja es­pe­ci­a­li­za­da ar­ma­do em es­per­to e pe­di três azei­tes em con­cre­to. A se­nho­ra que me aten­deu co­me­çou a me­xer no te­cla­do do com­pu­ta­dor, e, quan­do eu ima­gi­na­va que es­ta­ria a ver stocks, pe­diu-me o meu no­me. Pe­ran­te o meu pas­mo, lá me ex­pli­cou com ar de en­fa­do: “se qui­ser dei­xar o seu no­me, na pró­xi­ma co­lhei­ta en­vi­a­mos-lhe in­for­ma­ções so­bre quan­ti­da­des de gar­ra­fas, pre­ços e da­tas de en­tre­ga. As des­te ano es­go­ta­ram em ja­nei­ro”. Pa­ra não dar par­te de fra- co, lá com­prei três ou­tros azei­tes que ti­nham ga­nho me­da­lhas de bron­ze. De 100 eu­ros so­brou­me uns tro­cos e lá saí da lo­ja a ros­nar.

Há cer­ca de quin­ze di­as, li­guei ao Ri­car­do Fa­ria, da Loa, lo­ja lis­bo­e­ta es­pe­ci­a­li­za­da em azei­tes, e per­gun­tei-lhe se já ti­nha al­gum azei­te DOP des­ta cam­pa­nha. Res­pos­ta de­le: “se for ita­li­a­no, di­ga-me que gar­ra­fas quer..., por­tu­guês, nem um”. Ri­car­do es­ta­va na­que­le mo­men­to nu­ma lo­ja de azei­tes em Flo­ren­ça.

Di­zem-me os pro­du­to­res que não con­se­guem lan­çar azei­tes no­vos mais ce­do por­que as en­ti­da­des res­pon­sá­veis pe­la con­tro­lo dos azei­tes com DOP fun­ci­o­nam à ve­lo­ci­da­de de um ca­ra­col. E eu, ape­sar de achar que es­ta não se­rá a úni­ca ra­zão (se os pro­du­to­res já ti­ves­sem as- su­mi­do a ideia do azei­te no­vo com uma es­tra­té­gia de mar­ke­ting e de­ter­mi­nan­te pa­ra a edu­ca­ção dos con­su­mi­do­res), acho que tal não é acei­tá­vel.

Se os pro­du­to­res fi­ze­ram in­ves­ti­men­tos tre­men­dos, se os agri­cul­to­res já per­ce­be­ram que têm de entregar azei­to­nas sãs nos la­ga­res e o mais ce­do pos­sí­vel, se os la­ga­res in­ves­ti­ram mui­to em equi­pa­men­to e hi­gi­e­ne, se um ni­cho em cres­cen­do de con­su­mi­do­res já per­ce­be que um azei­te no­vo é sem­pre mais fas­ci­nan­te do que um azei­te lan­ça­do em ju­nho e se al­guns che­fes sen­tem que as no­tas mais ver­des, amar­gas e pi­can­tes são su­as ami­gas na co­zi­nha, não se po­de acei­tar tra­ba­lho tão de­mo­ra­do por par­te das en­ti­da­des de con­tro­lo das DOP.

Lon­ge de mim in­si­nu­ar que um azei­te com um ano de vi­da é de­sin­te­res­san­te. Não é. Mas do que se tra­ta aqui é de as­su­mir que é mais fá­cil edu­car os con­su­mi­do­res com azei­tes no­vos do que com azei­tes com mais de um ano. A in­ten­si­da­de de aro­mas e sa­bo­res são fa­to­res es­tra­té­gi­cos pa­ra agar­rar quem quer con­su­mir azei­te com cri­té­rio e bom gos­to.

Se eu qui­ser que um con­su­mi­dor per­ce­ba que um azei­te de Ga­le­ga cheira a ma­çã ou a ba­na­na, is­so só é pos­sí­vel se ele chei­rar os azei­tes quan­do são no­vos. E não há na­da mais gra­ti­fi­can­te do que ver con­su­mi­do­res fe­li­zes com tais des­co­ber­tas e com idei­as bas­tan­te ori­gi­nais pa­ra com­bi­nar tais azei­tes com pro­du­tos ou pra­tos es­pe­cí­fi­cos. De ma­nei­ra, se­nho­res pro­du­to­res e en­ti­da­des res­pon­sá­veis pe­los con­tro­los dos pro­du­tos DOP, va­mos lá mu­dar um bo­ca­di­nho as men­ta­li­da­des. Fi­ca­mos to­dos a ga­nhar.

É CER­TO QUE JÁ EXIS­TE À VEN­DA UM OU OU­TRO AZEI­TE NO­VO – NAL­GUNS CA­SOS, EX­CE­LEN­TES E DES­SES FALAREMOS EM BRE­VE –, MAS COM A CHANCELA DOP, O QUE GA­RAN­TE GENUINIDADE POR­TU­GUE­SA, É COI­SA QUE NÃO SE VÊ. EN­TRE­TAN­TO, EM ES­PA­NHA, AS FESTAS DO AZEI­TE SÃO AS­SUN­TO SÉ­RIO.

Ped ro Reg o

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.