Sophia, es­cri­to­ra que dan­ça­va os po­e­mas

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - CONTENTS - LÚCIA CRESPO lcres­[email protected]­go­ci­os.pt

“A mi­nha mãe ado­ra­va dan­çar, es­ta­va sem­pre a dan­çar. Ela nun­ca ou­via mú­si­ca sen­ta­da”, con­ta Ma­ria An­dre­sen de Sou­sa Ta­va­res, fi­lha de Sophia de Mel­lo Brey­ner An­dre­sen, po­e­ta – as­sim se in­ti­tu­la­va – que fa­ria 100 anos a 6 de no­vem­bro de 2019. As ce­le­bra­ções do cen­te­ná­rio do nas­ci­men­to de Sophia co­me­çam es­te sá­ba­do, com um es­pe­tá­cu­lo de dan­ça no CCB. Se­guem-se ex­po­si­ções, fil­mes, co­ló­qui­os e con­cer­tos ao lon­go do ano, na­que­la que é uma ini­ci­a­ti­va do Cen­tro Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e or­ga­ni­za­da por no­mes co­mo Gui­lher­me d’Oli­vei­ra Mar­tins, Jo­sé Ma­nu­el dos San­tos e Ma­ria An­dre­sen, res­pon­sá­vel pe­la he­ran­ça li­te­rá­ria de Sophia.

“Sophia dan­ça­va os po­e­mas. Dan­ça­va os pró­pri­os po­e­mas. Sophia não era uma bai­la­ri­na, não era uma bai­la­do­ra e, con­tu­do, ela dan­ça­va os po­e­mas”, des­cre­veu Pe­dro Ei­ras, pro­fes­sor de Li­te­ra­tu­ra Por­tu­gue­sa, na con­fe­rên­cia “Sophia e a Dan­ça”, or­ga­ni­za­da pe­la Com­pa­nhia Na­ci­o­nal de Bai­la­do em 2014. “A mi­nha mãe ado­ra­va dan­çar, es­ta­va sem­pre a dan­çar. Ela nun­ca ou­via mú­si­ca sen­ta­da”, con­ta, em con­ver­sa com o Ne­gó­ci­os, Ma­ria An­dre­sen de Sou­sa Ta­va­res, a pri­mei­ra fi­lha de Sophia, pro­fes­so­ra de Li­te­ra­tu­ra, au­to­ra de li­vros de po­e­sia e res­pon­sá­vel pe­la or­ga­ni­za­ção do es­pó­lio li­te­rá­rio da mãe po­e­ta – pa­ra Sophia, a pa­la­vra po­e­ti­sa não ex­pri­mia ver­da­dei­ra­men­te a for­ma fe­mi­ni­na de po­e­ta. Es­te ano, co­me­mo­ra-se o cen­te­ná­rio de Sophia de Mel­lo Brey­ner An­dre­sen, a pri­mei­ra mu­lher por­tu­gue­sa a re­ce­ber o Pré­mio Ca­mões, em 1999. As ce­le­bra­ções co­me­çam es­te sá­ba­do no CCB, em Lis­boa. E co­me­çam com dan­ça.

O Gran­de Au­di­tó­rio do Cen­tro Cul­tu­ral de Be­lém re­ce­be, dia 12 de ja­nei­ro, “O Ca­va­lei­ro da Di­na­mar­ca”, um es­pe­tá­cu­lo ins­pi­ra­do no li­vro ho­mó­ni­mo de Sophia, com “li­bre­to” de Pau­lo Fer­rei­ra e Pe­dro Ma­teus, e in­ter­pre­ta­ções dan­ça­das pe­los alu­nos da Es­co­la Ar­tís­ti­ca de Dan­ça do Con­ser­va­tó­rio Na­ci­o­nal. Ao­bra ori­gi­nal, edi­ta­da em 1964, fa­la de um ca­va­lei­ro di­na­marquês que vi­via nu­ma gran­de flo­res­ta de pi­nhei­ros e per­to do mar. De­ci­diu ir em pe­re­gri­na­ção à Ter­ra San­ta, em­bar­cou e vi­si­tou, um por um, os lu­ga­res san­tos. Co­nhe­ceu um mer­ca­dor de Ve­ne­za, co­nhe­ceu tro­va­do­res, vi­a­jan­tes e ho­mens que dis­cu­ti­am os mo­vi­men­tos do sol e da luz, os mis­té­ri­os do céu e da ter­ra. E até co­nhe­ceu um ca­pi­tão que se ha­via alis­ta­do nas ex­pe­di­ções por­tu­gue­sas que na­ve­ga­vam pa­ra o sul à pro­cu­ra de no­vos paí­ses.

O bi­savô pa­ter­no de Sophia, Jann Hin­ri­ch An­dre­sen, era di­na­marquês e, em me­a­dos do sé­cu­lo XIX, vin­do dos ven­tos nór­di­cos, de­sem­bar­cou no Por­to e por lá fi­cou. O fi­lho, João Hen­ri­que An­dre­sen Jú­ni­or, vi­ria a com­prar a Quin­ta do Cam­po Ale­gre, o pa­la­ce­te de cor ver­me­lha com os gran­des jar­dins que atra­ves­sam a vi­da e a obra de Sophia. A quin­ta foi ven­di­da ao Es­ta­do em 1949 e a fa­mo­sa Ca­sa An­dre­sen pas­sou mais tar­de a aco­lher o Jar­dim Bo­tâ­ni­co do Por­to e, des­de 2017, a Ga­le­ria da Bi­o­di­ver­si­da­de, es­pa­ço on­de a ar­te se cru­za com a bi­o­lo­gia e a his­tó­ria na­tu­ral e on­de não fal­ta um es­que­le­to de uma ba­leia que deu à cos­ta nos anos 1930. Uma alu­são à ba­leia que apa­re­ce no con­to “Sa­ga”, do li­vro “His­tó­ri­as da Ter­ra e do Mar” (1984).

“Ami­nha mãe ado­ra­va aque­le es­pa­ço e qua­se to­dos os contos pa­ra cri­an­ças têm que ver ou são ins­pi­ra­dos na­que­les jar- dins que, na al­tu­ra, iam até à Foz. A quin­ta era enor­me, aca­ba­va num pi­nhal em ci­ma do mar”. Sophia, pe­que­na, de­am­bu­la­va pe­los jar­dins. E, mui­to pro­va­vel­men­te, dan­ça­va. “Dan­ça­va mui­to so­zi­nha e, quan­do os meus fi­lhos eram pe­que­nos, dan­ça­va pa­ra eles”, con­tou a es­cri­to­ra em en­tre­vis­tas a Ma­ria Ar­man­da Pas­sos e Eduardo Pra­do Co­e­lho. “To­da ela era mo­vi­men­to. Nun­ca te­ve au­las de dan­ça, dan­ça­va por ale­gria, por es­pan­to, por ma­ra­vi­lha­men­to com as coi­sas”, diz a fi­lha. Ou sim­ples­men­te por ex­plo­são de sen­ti­men­tos vá­ri­os. “In­ven­tei a dan­ça pa­ra me dis­far­çar. / Ébria de so­li­dão eu quis vi­ver. / E co­bri de ges­tos a nu­dez da mi­nha al­ma / Por­que eu era se­me­lhan­te às pai­sa­gens es­pe­ran­do / E nin­guém me po­dia en­ten­der”, es­cre­veu Sophia, no li­vro “Tem­po Di­vi­di­do” (1954).

“Às ve­zes, quan­do a ca­sa es­ta­va ador­me­ci­da à noi­te, ela dan­ça­va pe­la sa­la fo­ra, tal qual co­mo es­cre­veu (‘bai­la­ri­na fui, mas nun­ca bai­lei’). Às ve­zes, con­ven­cia-se de que ha­via la­drões em ca­sa e acor­da­va-me do so­no pa­ra es­prei­tar de­bai­xo da mi­nha ca­ma, e às ve­zes ha­via la­drões a sé­rio, com ca­ra de as­sas­si­nos e cra­chá da PIDE, que che­ga­vam pe­la al­vo­ra­da do dia, mas ver­da­dei­ra­men­te ela não ti­nha me­do dos la­drões nem dos es­bir­ros do ‘ve­lho abu­tre’: só ti­nha me­do de fan­tas­mas”, es­cre­veu o fi­lho Mi­guel Sou­sa Ta­va­res, nu­ma crónica no Pú­bli­co em 1999.

A Co­mis­são das Co­me­mo­ra­ções do Cen­te­ná­rio de Sophia de Mel­lo Brey­ner An­dre­sen, se­di­a­da no Cen­tro Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra, con­ti­nu­a­rá a ce­le­brar a vi­da e a obra de Sophia du­ran­te o ano, com ex­po­si­ções, fil­mes e de­ba­tes. “Sophia e a Dan­ça” vai ser o mo­te de uma das con­fe­rên­ci­as, a 23 de No­vem­bro, no Mu­seu de Ser­ral­ves, no Por­to, com ora­do­res co­mo Car­los Mendes de Sou­sa, res­pon­sá­vel, em con­jun­to com Ma­ria An­dre­sen, pe­la re­e­di­ção de vá­ri­os li­vros da po­e­ti­sa. “Ve­ja­mos o que diz Sophia nu­ma en­tre­vis­ta da­ta­da de 2000: eu acho que o me­lhor mo­men­to da es­cri­ta do po­e­ma é quan­do as pes­so­as co­me­çam a sen­tir as pa­la­vras a mo­ve­rem-se so­zi­nhas”, ci­tou o in­ves­ti­ga­dor nu­ma con­fe­rên­cia em 2014. “Sophia gos­ta­va de dan­çar e dan­ça­va des­de pe­que­na (…). A dan­ça mar­ca po­e­ti­ca­men­te to­do es­te tex­to. Le­mos a des­cri­ção da dan­ça que Ori­a­na exe­cu­ta pa­ra o po­e­ta, co­mo quem lê os seus ver­sos”. Che­gou a es­cre­ver so­bre si mes­ma: “Quan­do eu era no­va, dan­ça­va so­zi­nha em ca­sa os ver­sos que es­cre­via”, dis­se Car­los Mendes de Sou­sa du­ran­te o pri­mei­ro co­ló­quio in­ter­na­ci­o­nal de­di­ca­do à obra da es­cri­to­ra, em 2011.

“Na po­e­sia de­la, no­ta-se que ti­nha um rit­mo mais dan­ça­do. É ini­ci­al­men­te e ten­den­ci­al­men­te de­cas­si­lá­bi­ca, co­mo qua­se to­da a po­e­sia por­tu­gue­sa – e ela mo­via-se mui­to bem nes­sa me­di­da – e só mui­to mais tar­de, quan­do co­nhe­ceu a po­e­sia de João Ca­bral de Melo Ne­to, e por in­fluên­cia de­le, é que co­me­çou a usar uma me­di­da mé­tri­ca mais cur­ta, as se­te sí­la­bas, a re­don­di­lha mai­or, e até a re­don­di­lha me­nor, mas is­so mui­to ra­ra­men­te. A me­di­da longa, de­cas­sí­la­ba, é mui­to mais me­di­ta­ti­va, já os ver­sos cur­tos são mais dan­çan­tes. Se se eu pen­sar em Be­etho­ven, pen­so em de­cas­sí­la­bo ou em hen­de­cas­sí­la­bo, se pen­sar em Mo­zart, ain­da se­ria um de­cas­sí­la­bo, mas se pen­sar no fla­men­co, já é ou­tra...”, su­bli­nha Ma­ria An­dre­sen.

Sophia dan­ça­va – e can­ta­va – os po­e­mas. “Ela di­zia po­e­sia em voz al­ta, gos­ta­va mui­to de ou­vir a po­e­sia, não só a de­la co­mo a de ou­tros po­e­tas. Aliás, ela su­bli­nha­va mui­tas ve­zes que a po­e­sia co­me­çou por ser oral, can­ta­da e dan­ça­da. Di­ta em voz al­ta, tem ou­tra for­ça”, con­ta a fi­lha. E, nes­te pro­ces­so de ex­pres­são de Sophia, du­as pes­so­as ti­ve­ram es­pe­ci­al im­por­tân­cia. “Uma de­las foi a cri­a­da Lau­ra, uma mu­lher do po­vo, anal­fa­be­ta, mas que ti­nha to­do o can­ci­o­nei­ro po­pu­lar na me­mó­ria, can­ta­va-o e re­ci­ta­va-o. A mi­nha mãe ou­via-a e, pro­va­vel­men­te, es­sas me­di­das po­pu­la­res fi­ca­ram-lhe no ou­vi­do”, diz. “Ou­tra das su­as gran­des in­fluên­ci­as te­rá si­do o avô ma­ter­no Tho­maz de Mel­lo Brey­ner – re­tra­ta­do re­cen­te­men­te no li­vro da his­to­ri­a­do­ra Mar­ga­ri­da de Ma­ga­lhães Ra­ma­lho. Ela ado­ra­va-o e com ele apren­deu a re­ci­tar po­e­mas es­cri­tos, so­bre­tu­do so­ne­tos de Ca­mões e de An­te­ro. O avô era mé­di­co no Hos­pi­tal do Des­ter­ro, es­pe­ci­a­lis­ta em do­en­ças ve­né­re­as, e por is­so era mé­di­co da mai­or par­te das pros­ti­tu­tas de Lis­boa. Tra­ta­va­as com gran­de hu­ma­ni­da­de. Aliás, a Mar­ga­ri­da aca­ba o li­vro trans­cre­ven­do uma car­ta que as pros­ti­tu­tas es­cre­ve­ram quan­do ele mor­reu. Im­pe­di­das de irem ao fu­ne­ral, pe­di­ram pa­ra es­sa car­ta ser pu­bli­ca­da no Diá­rio de No­tí­ci­as, ma­ni­fes­tan­do uma pro­fun­da gra­ti­dão a quem, pa­ra elas, ti­nha si­do “mais do que nos­so pai”, su­bli­nha Ma­ria An­dre­sen. “Nas su­as idas ao Hos­pi­tal, por ve­zes ele le­va­va a mi­nha mãe, que re­ci­ta­va po­e­mas às mu­lhe­res que es­ta­vam mo­ri­bun­das. Ela fi­cou com es­sas memórias, re­fle­ti­das no po­e­ma ‘O Hos­pi­tal e a Praia’ (‘Li­vro sex­to’, 1962), on­de apa­re­ce a exal­ta­ção e a dor”.

SOPHIA EM 1952Sophia de Mel­lo Brey­ner An­dre­sen fo­to­gra­fa­da por Fer­nan­do Le­mos, em 1952, na ca­sa de Lis­boa, na Tra­ves­sa das Mó­ni­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.