Eli­za­beth War­ren, a mu­lher que quer der­ro­tar Trump

A mu­lher que quer der­ro­tar Trump

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - CONTENTS -

Com o apro­xi­mar das elei­ções pre­si­den­ci­ais nos EUA, mar­ca­das pa­ra o pró­xi­mo ano, co­me­çam as mo­vi­men­ta­ções na opo­si­ção pa­ra a apre­sen­ta­ção de can­di­da­tu­ras. Pa­ra já, o no­me mais re­le­van­te nos de­mo­cra­tas é o da se­na­do­ra elei­ta pe­lo es­ta­do do Mas­sa­chu­setts, Eli­za­beth War­ren. A aca­dé­mi­ca, uma ju­ris­ta es­pe­ci­a­lis­ta na de­fe­sa do con­su­mi­dor, é uma voz con­tra Wall Stre­et. Na are­na po­lí­ti­ca, o em­ba­te com Trump já co­me­çou. O Pre­si­den­te cha­mou-lhe “Po­cahon­tas” quan­do es­ta dis­se ter san­gue in­dí­ge­na nas vei­as.

Nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2020, Do­nald Trump po­de­rá ter mais uma vez co­mo ad­ver­sá­ria prin­ci­pal uma mu­lher. A se­na­do­ra de­mo­cra­ta elei­ta pe­lo es­ta­do do Mas­sa­chu­setts, Eli­za­beth War­ren, de 69 anos, anun­ci­ou, no fi­nal do ano pas­sa­do, a in­ten­ção de se can­di­da­tar à Ca­sa Bran­ca. Pa­ra já, é o no­me mais co­nhe­ci­do a ní­vel na­ci­o­nal no Par­ti­do De­mo­cra­ta. Além de­la, exis­tem mais dois co­le­gas de par­ti­do que de­mons­tra­ram a in­ten­ção de en­trar na cor­ri­da: John De­la­ney, de Mary­land, e Ju­lián Cas­tro, ex-mayor de San An­to­nio. Mas há ou­tros po­ten­ci­ais no­mes que cir­cu­lam nos bas­ti­do­res. Um de­les é Joe Bi­den, vi­ce-pre­si­den­te da ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma, ou­tro é Ber­nie San­ders, o se­na­dor de­mo­cra­ta do Ver­mont que já con­cor­reu às pri­má­ri­as em 2016 con­tra Hil­lary Clin­ton, e fa­la-se tam­bém de Be­to O’Rour­ke, de 46 anos, ex-con­gres­sis­ta do Te­xas e uma das no­vas re­ve­la­ções de­mo­cra­tas. A lis­ta de can­di­da­tos na fa­mí­lia de­mo­cra­ta po­de­rá vir a ser longa e a dis­pu­ta se­rá en­tre pro­gres­sis­tas e cen­tris­tas.

Pa­ra já, Eli­za­beth War­ren es­tá pra­ti­ca­men­te a so­lo no pal­co. A pro­fes­so­ra de Di­rei­to em Har­vard apre­sen­tou a sua can­di­da­tu­ra num ví­deo de pou­co mais de qua­tro mi­nu­tos, di­vul­ga­do a 31 de de­zem­bro de 2018, on­de afir­mou que es­ta­va a cons­ti­tuir um co­mi­té ex­plo­ra­tó­rio que lhe per­mi­te an­ga­ri­ar dinheiro e “mon­tar a má­qui­na” an­tes do avan­ço for­mal da can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al. No ví­deo, a de­mo­cra­ta con­ta a his­tó­ria da sua fa­mí­lia e não es­con­de ao que vem. A sua ban­dei­ra elei­to­ral é a de­fe­sa da clas­se mé­dia ame­ri­ca­na que, afir­ma, “es­tá de­bai­xo de ata­que”. War­ren dei­xa uma per­gun­ta. “Co­mo é que che­gá­mos aqui? Os bi­li­o­ná­ri­os e as gran­des em­pre­sas de­ci­di­ram que que­ri­am uma por­ção mai­or da tar­te e alis­ta­ram po­lí­ti­cos pa­ra lhes cor­ta­rem uma fa­tia mai­or”.

A se­na­do­ra, re­e­lei­ta em 2018, é um dos prin­ci­pais no­mes da ala mais à es­quer­da do Par­ti­do De­mo­cra­ta e não se ini­be de apon­tar ba­te­ri­as a Wall Stre­et. De fac­to, uma gran­de par­te do

seu tra­ba­lho tem si­do a ela­bo­ra­ção de le­gis­la­ção apli­ca­da ao sis­te­ma ban­cá­rio. A sua en­tra­da na vi­da ati­va na po­lí­ti­ca acon­te­ceu em 2013, quan­do se tor­nou na pri­mei­ra mu­lher elei­ta no se­na­do de Mas­sa­chu­setts, de­pois de der­ro­tar o republicano mo­de­ra­do Scott Brown, após uma lu­ta re­nhi­da, com uma men­sa­gem que de­fen­dia uma re­gu­la­ção mais aper­ta­da pa­ra o sis­te­ma fi­nan­cei­ro. Oba­ma cha­mou-a pa­ra sua con­sul­to­ra em Se­tem­bro de 2010 e pa­ra Con­se­lhei­ra Es­pe­ci­al do Se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Te­sou­ro. Foi nes­sas fun­ções que aju­dou a de­se­nhar o Con­su­mer Fi­nan­ci­al Pro­tec­ti­on Bu­re­au, uma agên­cia go­ver­na­men­tal res­pon­sá­vel pe­la pro­te­ção dos con­su­mi­do­res no se­tor fi­nan­cei­ro. An­tes, des­de 2008, a aca­dé­mi­ca ti­nha es­ta­do en­vol­vi­da em co­mis­sões e painéis pa­ra li­dar com a cri­se fi­nan­cei­ra que aba­lou os EUA e o mun­do.

No ví­deo on­de re­ve­la a sua in­ten­ção de se can­di­da­tar à Ca­sa Bran­ca, a de­mo­cra­ta afir­ma que “a cor­rup­ção es­tá a en­ve­ne­nar a nos­sa eco­no­mia” e dei­xa uma ideia: “po­de­mos fa­zer a nos­sa de­mo­cra­cia fun­ci­o­nar pa­ra to­dos. Po­de­mos fa­zer a nos­sa eco­no­mia tra­ba­lhar pa­ra to­dos.” War­ren to­ca tam­bém num pon­to sen­sí­vel – a discriminação ra­ci­al –, ad­mi­tin­do que pa­ra os ne­gros o ca­mi­nho é mais “ín­gre­me e es­pi­nho­so”.

A SE­NA­DO­RA PO­CAHON­TAS

Na cam­pa­nha pa­ra o se­na­do pe­lo es­ta­do de Mas­sa­chu­setts, em 2012, Eli­za­beth War­ren viu-se en­vol­vi­da nu­ma polémica quan­do ale­gou ser des­cen­den­te de in­dí­ge­nas ame­ri­ca­nos. O jornal Bos­ton He­rald in­ves­ti­gou e não en­con­trou ves­tí­gi­os de que a can­di­da­ta ti­ves­se san­gue Che­ro­kee, co­mo afir­ma­va. Trump já usou es­te epi­só­dio pa­ra a ri­di­cu­la­ri­zar. Cha­mou-lhe vá­ri­as ve­zes “falsa Po­cahon­tas”. Pa­ra lhe re­ti­rar ar­gu­men­tos, War­ren sub­me­teu-se a um tes­te de ADN re­a­li­za­do pe­lo ge­ne­ti­cis­ta Car­los Bus­ta­man­te, da Uni­ver­si­da­de de Stan­ford, e cu­jo re­sul­ta­do di­vul­gou em Ou­tu­bro de 2018. O re­la­tó­rio re­ve­lou que “a gran­de mai­o­ria” dos an­ces­trais de War­ren são eu­ro­peus, mas “os re­sul­ta­dos do tes­te su­por­tam for­te­men­te um as­cen­den­te na­ti­vo ame­ri­ca­no ’há 6-10 ge­ra­ções’” .

A di­vul­ga­ção não ate­nu­ou as crí­ti­cas, até mes­mo den­tro do pró­prio par­ti­do de­mo­cra­ta, e en­fu­re­ceu os lí­de­res das tri­bos na­ti­vas ame­ri­ca­nas que a acu­sa­ram de con­tri­buir pa­ra uma nar­ra­ti­va pre­ju­di­ci­al de que o san­gue, e não o pa­ren­tes­co cul­tu­ral, de­ter­mi­na a fi­li­a­ção tri­bal.

Nas elei­ções de 2016, a se­na­do­ra apoi­ou ati­va­men­te Hil­lary Clin­ton. Num co­mí­cio em Cin­cin­na­ti, Ohio, ata­cou o can­di­da­to republicano Do­nald Trump di­zen­do que “quan­do ele diz que vai fa­zer a Amé­ri­ca gran­de ou­tra vez, is­so quer di­zer que a vai fa­zer mai­or pa­ra os ti­pos ri­cos, co­mo ele”, acres­cen­tan­do de se­gui­da: “Te­nham cui­da­do por­que ele vai es­ma­gar-vos na la­ma”. No dia após a to­ma­da de pos­se de Trump, jun­tou-se à “Mar­cha das Mu­lhe­res pe­la Amé­ri­ca” em Bos­ton, que le­vou mi­lha­res de pes­so­as pa­ra as ru­as. Quan­do to­mou a pa­la­vra, afir­mou: “Es­te ajun­ta­men­to é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra, jun­tos, dei­xar­mos cla­ro que acre­di­ta­mos nos di­rei­tos fun­da­men­tais de dig­ni­da­de, res­pei­to e di­rei­tos iguais pa­ra to­das as pes­so­as nes­te país, e que es­ta­mos em­pe­nha­dos em com­ba­ter a in­to­le­rân­cia se­ja ela qual for”. Quan­do o Pre­si­den­te or­de­nou a sus­pen­são da en­tra­da de imi­gran­tes de al­guns paí­ses mu­çul­ma­nos, co­mo Iraque, Sí­ria, Irão, Su­dão, Lí­bia, So­má­lia e Ié­men, War­ren jun­tou-se aos pro­tes­tos no ae­ro­por­to Bos­ton Lo­gan In­ter­na­ti­o­nal Air­port. E le­van­tou a voz con­tra mui­tas das no­me­a­ções pa­ra a equi­pa de Trump na Ca­sa Bran­ca.

Em Mar­ço de 2018, em de­cla­ra­ções à CNN, a se­na­do­ra ne­gou es­tar in­te­res­sa­da em can­di­da­tar-se a Pre­si­den­te em 2020. “Es­tou fo­ca­da em man­ter o meu lu­gar no Se­na­do”, afir­mou. Mu­dou de idei­as. Ago­ra que es­tá po­si­ci­o­na­da pa­ra a cor- ri­da, tem co­mo mis­são an­ga­ri­ar fun­dos pa­ra a cam­pa­nha. Con­ta já com 12,5 mi­lhões de dó­la­res que so­bra­ram da sua re­e­lei­ção pa­ra se­na­do­ra em 2018 e com uma equi­pa de mais de 70 pes­so­as. Além dis­so, tem de cap­tar vo­tos nas pri­má­ri­as. Há quem lhe apon­te co­mo fra­gi­li­da­des o fac­to de ser olha­da com al­gum ce­ti­cis­mo pe­los “es­ta­blish­ment” de­mo­cra­ta e a sua fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia em cam­pa­nhas pre­si­den­ci­ais.

Quan­to aos te­mas que tra­rá a lu­me, não de­ve­rão ser mui­to di­fe­ren­tes das su­as cau­sas de sem­pre na po­lí­ti­ca: com­ba­ter os in­te­res­ses ins­ta­la­dos, o ca­pi­ta­lis­mo des­re­gu­la­do e as de­si­gual­da­des so­ci­o­e­co­nó­mi­cas. E “a sua mar­ca po­lí­ti­ca de uma guer­rei­ra con­tra os po­de­ro­sos in­te­res­ses cor­po­ra­ti­vos po­de ser ex­ce­ci­o­nal­men­te for­te pa­ra os vo­tan­tes nas pri­má­ri­as de­mo­cra­tas”, es­cre­veu o The New York Ti­mes. Nes­se sen­ti­do, se for a es­co­lhi­da pa­ra de­fron­tar o atu­al Pre­si­den­te em 2020, po­de­rá ca­pi­ta­li­zar vo­tos jun­to dos des­con­ten­tes com as po­lí­ti­cas de Trump, que têm fa­vo­re­ci­do os mais ri­cos. Mas, por ou­tro la­do, o fac­to de o de­sem­pe­nho da eco­no­mia es­tar a ser po­si­ti­vo po­de fa­vo­re­cer o Pre­si­den­te e le­vá-lo a um se­gun­do man­da­to. Em 2018, fo­ram cri­a­dos 2,6 mi­lhões de em­pre­gos no país e o PIB cres­ceu 2,9%. A agên­cia de no­ta­ção fi­nan­cei­ra Stan­dard & Po­or’s pre­vê, no en­tan­to, que a par­tir des­te ano ha­ja um ar­re­fe­ci­men­to eco­nó­mi­co nos EUA, as­sim co­mo na Eu­ro­pa e na Chi­na. Além dis­so, a guer­ra co­mer­ci­al com Pe­quim ain­da não es­tá re­sol­vi­da. A can­di­da­tu­ra de Eli­za­beth War­ren sur­ge nu­ma al­tu­ra em que o país es­tá mer­gu­lha­do num caos po­lí­ti­co. O go­ver­no es­tá par­ci­al­men­te pa­ra­li­sa­do há cer­ca de três se­ma­nas. Em cau­sa es­tá o bra­ço de fer­ro en­tre Do­nald Trump e o par­ti­do de­mo­cra­ta, que se re­cu­sa a apro­var o fi­nan­ci­a­men­to pa­ra a cons­tru­ção do mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co, ava­li­a­do em mais de cin­co mil mi­lhões de dó­la­res. Não pa­re­ce ha­ver fim à vis­ta pa­ra o cha­ma­do “shut­down”. Es­te se­rá cer­ta­men­te te­ma pa­ra a cam­pa­nha de Eli­za­beth War­ren.

Bri an Sn y d er/ Reu ters

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.