San­dro Re­sen­de e a ar­te crua

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - CONTENTS -

O pro­je­to Ma­ni­có­mio é um es­pa­ço de cri­a­ção e um “hub” so­ci­al on­de se es­ti­mu­la a cha­ma­da ar­te bru­ta. Na ver­da­de, pre­fe­ri­mos o ter­mo “ar­te crua”. San­dro Re­sen­de pou­co sa­bia de ce­râ­mi­ca quan­do há vin­te anos res­pon­deu a um anún­cio do Hos­pi­tal Jú­lio de Ma­tos pa­ra dar au­las – de ce­râ­mi­ca – aos do­en­tes. Era en­tão fi­na­lis­ta da Fa­cul­da­de de Be­las-Ar­tes, es­ta­va a fa­zer um tra­ba­lho es­té­ti­co e fi­lo­só­fi­co so­bre “o re­co­nhe­ci­men­to do eu pe­ran­te o ou­tro” e pen­sou que in­te­grar um cen­tro psi­quiá­tri­co po­de­ria aju­dá-lo a com­pre­en­der me­lhor a men­te hu­ma­na. Foi, co­mo diz, apa­nha­do na cur­va, apai­xo­nou-se pe­las pes­so­as e pe­los seus tra­ba­lhos ar­tís­ti­cos. Trans­for­mou pa­vi­lhões de­vo­lu­tos em es­pa­ços de ex­po­si­ção por on­de pas­sa­ram no­mes co­mo Jeff Ko­ons e Jor­ge Mol­der, que ti­ve­ram as su­as obras ao la­do dos tra­ba­lhos de Ana­be­la So­a­res, Pe­dro Ven­tu­ra e Fran­cis­co Gro­mi­cho. É com eles e com o seu co­le­ga Jo­sé Aze­ve­do que o ar­tis­ta plás­ti­co San­dro Re­sen­de lan­ça ago­ra, no Be­a­to, o pro­je­to Ma­ni­có­mio, um es­pa­ço de cri­a­ção e “hub” so­ci­al on­de se pre­ten­de es­ti­mu­lar a cha­ma­da ar­te bru­ta. Ou crua.

OO Ma­ni­có­mio é um pro­je­to de ino­va­ção so­ci­al que re­sul­ta, aci­ma de tu­do, da ne­ces­si­da­de de cri­ar uma zo­na fo­ra das ins­ti­tui­ções que per­mi­ta aos ar­tis­tas ter um es­pa­ço con­dig­no e sem um es­tig­ma as­so­ci­a­do à do­en­ça men­tal. Sim, es­se es­tig­ma con­ti­nua a exis­tir e, por mais con­tro­ver­so que pos­sa ser, acho que as prin­ci­pais pes­so­as a con­tri­buir pa­ra tal se­rão os pró­pri­os do­en­tes, que têm ver­go­nha de ser do­en­tes. Ain­da não se vê a do­en­ça men­tal co­mo a do­en­ça car­día­ca, ou se­ja, co­mo uma do­en­ça que, tal co­mo mui­tas ou­tras, im­pli­ca to­mar me­di­ca­men­tos. Ain­da exis­te ver­go­nha. E con­ti­nua a ha­ver pa­ter­na­lis­mo. As pes­so­as têm de ser tra­ta­das co­mo pes­so­as que são, e é is­so que nós pro­cu­ra­mos. A pes­soa é a pes­soa e não a do­en­ça que tem.

Es­tou há vin­te anos no Jú­lio de Ma­tos e du­ran­te es­te tem­po ti­ve con­tac­to com pro­je­tos de vá­ri­os ar­tis­tas, pes­so­as com ex­pe­ri­ên­cia de do­en­ça men­tal, com as quais gos­ta­ria de tra­ba­lhar. Nes­ta pri­mei­ra fase, o Ma­ni­có­mio ar­ran­ca com dez ar­tis­tas, que vão ter uma bol­sa de es­tu­do. Tam­bém da­rão au­las de pin­tu­ra, de es­cul­tu­ra e de de­se­nho a ou­tras pes­so­as, se­jam do­en­tes ou não. A Ana­be­la So­a­res, por exem­plo, vai dar ce­râ­mi­ca, o Fran­cis­co Gro­mi­cho de­se­nho e o Pe­dro Ven­tu­ra fo­to­gra­fia.

No Ma­ni­có­mio não há uma zo­na es­pe­cí­fi­ca de tra­ba­lho pa­ra os do­en­tes men­tais. Fa­la­mos de cri­a­ti­vos que es­ta­rão mis­tu­ra­dos com pes­so­as de vá­ri­as áre­as num es­tú­dio em “open spa­ce”. Tam­bém te­mos um es­pa­ço de ga­le­ria, on­de se­rão ex­pos­tos vá­ri­os tra­ba­lhos. Tra­ta-se da pri­mei­ra ga­le­ria de ar­te bru­ta ou de ar­te in­for­mal em Por­tu­gal. Na ver­da­de, pre­fe­ri­mos o ter­mo “ar­te crua”, por­que é um tra­ba­lho tão ho­nes­to e tão au­tên­ti­co, sem câ­no­nes na área eco­nó­mi­ca ou so­ci­al, que o re­sul­ta­do é re­al­men­te mui­to pu­ro, e nós va­mos mos­trar es­sa pu­re­za. Es­tas pes­so­as têm ne­ces­si­da­de de cri­ar sem ha­ver um pre­tex­to. Têm de cri­ar por­que têm de cri­ar.

O meu tra­ba­lho não tem na­da que ver com te­ra­pia – aliás, sou bas­tan­te “out­si­der” aqui no Jú­lio de Ma­tos, não in­te­ra­jo mui­to com o hos­pi­tal, só com os do­en­tes e pou­co mais. Tra­ta-se de um tra­ba­lho ar­tís­ti­co que po­de ser te­ra­pêu­ti­co ou não. Ima­gi­ne­mos que a obra “não sai” ou não se ven­de. Is­so po­de ge­rar frus­tra­ção nas pes­so­as. Nós só va­mos até on­de elas qui­se­rem ir e, se o tra­ba­lho for bom, pro­mo­ve­mos os seus tra­ba­lhos e ten­ta­mos le­vá-los pa­ra o mercado.

Já con­se­gui­mos que as obras dos nos­sos ar­tis­tas es­te­jam em co­le­ções pri­va­das e co­le­ções de ar­te plás­ti­ca a pre­ços de mercado. Re­jei­ta­mos qu­al­quer pa­ter­na­lis­mo e já re­cu­sá­mos pro­pos­tas pa­ra ex­por em atri­o­zi­nhos e jun­tas de fre­gue­sia, on­de por ve­zes não exis­tem as me­lho­res con­di­ções de ilu­mi­na­ção, por exem­plo. Ou se­ja, ex­cluí­mos es­pa­ços que não são dig­nos pa­ra os nos­sos ar­tis­tas, tal co­mo

Es­tas pes­so­as têm ne­ces­si­da­de de cri­ar sem ha­ver um pre­tex­to. Têm de cri­ar por­que têm de cri­ar. É um tra­ba­lho tão ho­nes­to e au­tên­ti­co, que o re­sul­ta­do é re­al­men­te mui­to pu­ro.

não se­ri­am dig­nos pa­ra ex­por tra­ba­lhos de pes­so­as di­tas nor­mais. Se acei­tás­se­mos fa­zê-lo, os nos­sos ar­tis­tas já te­ri­am, à par­ti­da, um es­tig­ma as­so­ci­a­do.

Es­ta­mos no Pa­vi­lhão 31 do Jú­lio de Ma­tos, que re­pre­sen­ta o cul­mi­nar de 20 anos de tra­ba­lho na ins­ti­tui­ção. Pen­so que de­ve ser a úni­ca ga­le­ria do país den­tro de um hos­pi­tal psi­quiá­tri­co, on­de con­se­gui­mos jun­tar ar­tis­tas con­sa­gra­dos com ar­tis­tas do nos­so ate­liê, não iden­ti­fi­can­do quem é quem. Te­mos a pro­gra­ma­ção fe­cha­da até 2022 e so­mos obri­ga­dos a re­cu­sar mui­tas pro­pos­tas. Na ver­da­de, criá­mos um cur­rí­cu­lo im­por­tan­te nes­te es­pa­ço, por on­de pas­sa­ram no­mes co­mo Jeff Ko­ons, Emir Kus­tu­ri­ca, Pe­dro Ca­bri­ta Reis e Jor­ge Mol­der, mas sem­pre nu­ma pers­pe­ti­va de igual­da­de fa­ce aos nos­sos ar­tis­tas da ca­sa. Ou se­ja: os ou­tros ar­tis­tas po­dem ex­por nes­te es­pa­ço des­de que os nos­sos tam­bém par­ti­ci­pem. Exis­te um ver­da­dei­ro tra­ba­lho de par­ti­lha.

Nem sem­pre foi fá­cil. Co­me­cei a tra­ba­lhar aqui e, pas­sa­dos dois anos, dei-me con­ta do va­lor ar­tís­ti­co que exis­tia e fui mos­trar as obras a al­gu­mas ga­le­ri­as. Dis­se­ram-me que o tra­ba­lho era gi­ro, mas que era de al­guém ma­lu­co, do­en­te... En­tão, dei a vol­ta ao con­trá­rio. Co­mo ha­via pa­vi­lhões de­vo­lu­tos no hos­pi­tal, per­gun­tei à ad­mi­nis­tra­ção se po­de­ria usá-los, e fi­ze­mos uma pri­mei­ra ex­po­si­ção na qual jun­tá­mos ar­tis­tas pro­fis­si­o­nais com os nos­sos ar­tis­tas. Re­sul­tou mui­to bem es­te­ti­ca­men­te, em ter­mos de co­mu­ni­ca­ção e de ven­das. A par­tir daí, não pa­rá­mos...

Não te­nho nin­guém da fa­mí­lia li­ga­do às ar­tes, os meus pais tra­ba­lha­vam na fun­ção pú­bli­ca. Mas, quan­do era pe­que­ni­no, fa­zia mui­tos de­se­nhos e a pro­fes­so­ra en­vi­a­va car­tas pa­ra ca­sa a pe­dir pa­ra não fa­ze­rem os de­se­nhos por mim… Nun­ca va­lo­ri­zá­mos is­so, cres­ci co­mo uma cri­an­ça nor­mal, mas aca­bei por es­tu­dar Ar­tes. Quan­do era fi­na­lis­ta da Fa­cul­da­de de Be­las-Ar­tes, vi um anún­cio no jornal a pe­dir um pro­fes­sor de ce­râ­mi­ca pa­ra o Jú­lio de Ma­tos. Nun­ca na vi­da ti­nha tra­ba­lha­do com ce­râ­mi­ca, e a ideia não me fas­ci­na­va es­pe­ci­al­men­te, mas co­mo es­ta­va a fa­zer um tra­ba­lho pic­tó­ri­co, es­té­ti­co e um bo­ca­di­nho fi­lo­só­fi­co so­bre o te­ma “o re­co­nhe­ci­men­to do eu pe­ran­te o ou­tro”, pen­sei nes­te em­pre­go co­mo uma ba­se de inspiração pa­ra per­ce­ber me­lhor co­mo fun­ci­o­na­va a men­te hu­ma­na… Fui apa­nha­do na cur­va e fi­quei com­ple­ta­men­te apai­xo­na­do por tu­do is­to.

A pri­mei­ra se­ma­na foi dra­má­ti­ca, ti­ve con­tac­to com his­tó­ri­as de vi­da mui­to vi­o­len­tas. E, nes­sa al­tu­ra, os materiais do ate­liê re­du­zi­am-se a pa­péis de fo­to­có­pia e ca­ne­tas. Eu tra­zia ma­te­ri­al de ca­sa. Co­me­çá­mos a pro­du­zir e a pro­du­zir. Nun­ca quis sa­ber a fi­cha clí­ni­ca dos do­en­tes, não me in­te­res­sa, não sou téc­ni­co de saú­de, res­pei­to as pes­so­as co­mo são e exis­te en­tre nós uma gran­de li­ga­ção. En­vol­vo-me bas­tan­te, co­mo é ló­gi­co, co­nhe­ço al­gu­mas des­tas pes­so­as há mui­tos anos e, se não es­tão bem, per­ce­bo lo­go.

Há um gran­de va­zio na área da do­en­ça men­tal – é uma área mui­to es­que­ci­da, aban­do­na­da. Co­mo o pro­je­to Ma­ni­có­mio tem uma com­po­nen­te de res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al e cul­tu­ral ao mes­mo tem­po, te­mos re­ce­bi­do apoi­os ins­ti­tu­ci­o­nais – co­mo o Tu­ris­mo de Por­tu­gal e a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa – e de pri­va­dos, co­mo a Fi­de­li­da­de. Além dis­so, es­ta­be­le­ce­mos par­ce­ri­as com en­ti­da­des co­mo a Sto­len Bo­oks, com a qual edi­tá­mos o nos­so pri­mei­ro li­vro de au­tor, e te­mos al­guns pro­du­tos à ven­da, co­mo pe­ças de jo­a­lha­ria que es­tão na nos­sa lo­ja e na jo­a­lha­ria Ele­ments, no cen­tro Amo­rei­ras. Te­mos sustentabilidade ga­ran­ti­da pa­ra qua­tro anos.

Va­mos tam­bém ten­tar abrir um res­tau­ran­te, o The The­ra­pist, pa­ra cri­ar em­pre­ga­bi­li­da­de. Exis­te um dé­fi­ce de em­pre­go bru­tal en­tre os do­en­tes men­tais, que têm mui­ta di­fi­cul­da­de em in­te­grar ou rein­te­grar o mercado de tra­ba­lho. Mas se­rá um es­pa­ço pa­ra to­das as pes­so­as. O Ma­ni­có­mio é “por­ta aber­ta”. Qu­al­quer pes­soa po­de en­trar. Gos­ta­ria mui­to que, da­qui a 10 anos, o pro­je­to até fos­se di­ri­gi­do pe­los pró­pri­os do­en­tes. Te­mos pro­pos­tas pa­ra re­pli­car a ideia nou­tros sí­ti­os, no­me­a­da­men­te no Alen­te­jo, que apre­sen­ta um gran­de dé­fi­ce na área de saú­de men­tal.

Por ago­ra, va­mos man­ter os dois es­pa­ços, o P31 e o Ma­ni­có­mio, bem co­mo ou­tros pro­je­tos ar­tís­ti­cos, co­mo o Con­ten­to­res. Fa­ze­mos tan­ta coi­sa fo­ra do hos­pi­tal, con­se­gui­mos ge­rir tu­do e ain­da te­mos tem­po pa­ra os fi­lhos. Acho que, quan­do se quer mui­to, con­se­gue-se tu­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.