O se­gre­do es­tá na po­da

AS MEN­TI­RAS A QUE TE­MOS DI­REI­TO

Jornal de Negócios - Weekend (negocios) - - NEWS -

“A Po­da das Ár­vo­res Or­na­men­tais”, li­vro de au­to­ria de Em­ma­nu­el Mi­chau, é uma be­la fer­ra­men­ta pa­ra li­dar com a re­a­li­da­de, na me­di­da em que se apre­sen­ta co­mo “um ma­nu­al com­ple­to so­bre o porquê da po­da das ár­vo­res, a jus­ti­fi­ca­ção do seu uso, os abu­sos, as di­fe­ren­tes téc­ni­cas uti­li­za­das, a for­ma­ção, ma­nu­ten­ção e re­cu­pe­ra­ção, os mo­dos de cor­te, as di­ver­sas for­mas de aces­so às ár­vo­res nas su­as evo­lu­ções mais re­cen­tes e a es­co­lha do equi­pa­men­to de cor­te”. Es­que­ça a pa­la­vra “ár­vo­re” e ve­rá que faz to­do o sen­ti­do.

Aliás, foi a ler “A Po­da da Ár­vo­res Or­na­men­tais”, no seu mon­te alen­te­ja­no, que Ma­nu­el Luís Gou­cha te­ve a bri­lhan­te ideia de va­li­dar a ida de um cri­mi­no­so ao seu pro­gra­ma de te­vê e tam­bém de pro­mo­ver no Fa­ce­bo­ok uma son­da­gem so­bre Sa­la­zar. An­tes is­so do que con­tem­plar la­men­to­so um cha­par­ro cu­ja po­da mal exe­cu­ta­da re­du­ziu a sua es­pe­ran­ça de vi­da, pen­sou, en­quan­to ur­dia uma for­ma de se vin­gar do Ca­ta­ri­no, o res­pon­sá­vel por aque­le tra­ba­lho as­sas­si­no.

As­sim, não foi por cau­sa das audiências, mas sim pa­ra exor­ci­zar os de­mó­ni­os vin­ga­ti­vos que Ma­nu­el Luís re­sol­veu fa­zer aqui­lo que em psi­ca­ná­li­se se de­sig­na co­mo trans­fe­rên­cia, pro­je­tan­do os seus sen­ti­men­tos re­pri­mi­dos atra­vés de Mário Ma­cha­do e ain­da de Sa­la­zar, cu­jo chei­ro bo­lo­ren­to es­ta­va a con­ta­mi­nar os ar­má­ri­os on­de guar­da os seus bo­ni­tos ca­sa­cos de fa­to. Se­gun­do me foi pos­sí­vel apu­rar, a in­com­pre­en­são de que foi al­vo fez com que Ma­nu­el Luís ti­ves­se querido ir cho­rar no om­bro ami­go de Cristina Fer­rei­ra, ten­do ain­da fi­ca­do mais ma­go­a­do quan­do des­co­briu que Luís Fi­li­pe Vi­ei­ra já lá es­ta­va a ver­ter lá­gri­mas. Por is­so, pa­ra a se­ma­na, Ma­nu­el Luís irá pro­por uma son­da­gem so­bre Hi­tler e sur­pre­en­de­rá os te­les­pe­ta­do­res en­tre­vis­tan­do o ge­ne­ral Fran­co, com a aju­da de Ale­xan­dra Sol­na­do, ha­bi­tu­a­da a con­tac­tar o além.

Mi­chau, na sua ex­tra­or­di­ná­ria obra, dá res­pos­ta a ques­tões per­ti­nen­tes: “É ne­ces­sá­rio po­dar as ár­vo­res? Quan­do é ne­ces­sá­rio recorrer a es­ta prá­ti­ca, co­mo po­de­mos pro­ce­der pa­ra que a ár­vo­re so­fra o me­nos pos­sí­vel? Co­mo pro­por­ci­o­nar uma cor­re­ta ci­ca­tri­za­ção? ”.

Ora aqui es­tão, em to­do o es­plen­dor, in­ter­ro­ga­ções que se apli­cam com ri­gor ao no­vo ae­ro­por­to do Mon­ti­jo. É mes­mo ne­ces­sá­rio? Co­mo é pos­sí­vel fa­zer com que a po­pu­la­ção so­fra me­nos? Quais as con­tra­par­ti­das que se de­vem dar? As se­me­lhan­ças são de tal mag­ni­tu­de que a “A Po­da da Ár­vo­res Or­na­men­tais” pa­re­ce uma pa­rá­bo­la do no­vo ae­ro­por­to do Mon­ti­jo.

Tam­bém aqui as­sis­ti­mos à di­vul­ga­ção de ver­da­des que são men­ti­ras, tais co­mo a de que o ae­ro­por­to é mes­mo ne­ces­sá­rio e que o Mon­ti­jo é a me­lhor lo­ca­li­za­ção. Pa­ra co­me­çar, não se cons­trói um ae­ro­por­to no de­ser­to, ter­mo usa­do apro­pri­a­do pe­lo an­ti­go mi­nis­tro Mário Li­no pa­ra clas­si­fi­car a Mar­gem Sul. De­pois, de­ser­to por de­ser­to, mais va­le ir pa­ra Beja, que tem uma da­que­las pis­tas enor­mes on­de até dá pa­ra ater­ra­rem óv­nis, sen­do que os alen­te­ja­nos têm se­me­lhan­ças co­mo os ber­be­res. En­tão por­que se faz no Mon­ti­jo? Du­as hi­pó­te­ses: ou é pa­ra ir­ri­tar os am­bi­en­ta­lis­tas, ou ser­ve pa­ra lhes dar tra­ba­lho de con­sul­to­ria a pro­du­zir es­tu­dos que com­pro­vem o er­ro da es­co­lha, de mo­do a que se­ja pos­sí­vel fa­zer ou­tros es­tu­dos a re­ba­te­rem os pri­mei­ros, e as­sim su­ces­si­va­men­te, até to­dos fi­ca­rem sa­tis­fei­tos.

Ou se­ja, o mais sen­sa­to é adi­ar a cons­tru­ção do ae­ro­por­to, na me­di­da em que é pre­ci­so ama­du­re­cer idei­as so­bre um as­sun­to do qual só se fa­la há 40 anos, pe­río­do tem­po­ral ma­ni­fes­ta­men­te es­cas­so pa­ra pro­por­ci­o­nar uma to­ma­da de de­ci­são pon­de­ra­da. Até por­que, não tar­da na­da, os aviões co­mer­ci­ais vão co­me­çar a ater­rar co­mo os he­li­cóp­te­ros e os ae­ro­por­tos não vão pre­ci­sar de pis­tas tão gran­des.

Es­cu­sam de agra­de­cer por­que eu, Paragrafino, nes­te ca­so com a aju­da do bom ami­go Mi­chau, es­ta­rei sem­pre por cá pa­ra vos re­ve­lar o essencial e des­mas­ca­rar o aces­só­rio, mes­mo que aque­les que têm dois “es­ses” e se usam na ca­sa de ba­nho.

Bem ha­jam e, por ob­sé­quio, não se dei­xem en­ga­nar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.